Little Soldier escrita por Ysmiyr


Capítulo 22
Capítulo 18


Notas iniciais do capítulo

HEY CUPCAKES
SIm, eu demorei.Mas como eu ja tenho a historia terminada, voces sabem: só nao saiu antes porque nao comentaram. E agora vou ser radical: se todos que lerem nao deixaram pelo menos um oi, vou impor metas. Não tem sentido para mim escrever para o nada .-.
Ok, parei de ser chata.
Esse deve ser o antepenultimo dos capitulos da fase 1. Eu dividi em duas fases, e quando começar a segunda tenho certeza que voces vao notar rapidinho. Não tenho certezas sobre uma segunda temporada, mas vai ter um epílogo em duas partes, talvez.
Bem, agora sem mais
ENJOY!



Depois da reunião daquela tarde, eu me sentia sobrecarregado.

Não apenas porque tivemos que repetir tudo que nos aconteceu, quando tudo que eu queria era esquecer, mas porque o pedido que Frank me fizera me tinha tirado dos trilhos.

‘’Volte à liderança. ’’

Não era algo que eu pensava em fazer. Sim, eu sentia falta. Mas a liberdade de ser apenas mais um seguindo ordens era tão boa para simplesmente abrir mão. E mesmo apesar de Frank ser uma ótima pessoa, e saber liderar grandes exércitos se a situação pedia, quando o assunto era votação de leis e acordos, colocar certas pessoas no lugar delas e principalmente lidar com Reyna, ele era um desastre. Não por que ele não se esforçava. Ele simplesmente era pacífico demais para ter um cargo no senado. E ele era uma boa pessoa que não merecia ser corrompida por tudo aquilo.

Em contrapartida, minha recém liberdade ganha, e minha atual falta de responsabilidades alarmantes me era tão boa que me doía demais pensar em abrir mão. Eu só queria que as coisas continuassem assim; mas confiar tudo que construí junto de Reyna para qualquer idiota estragar tudo com o poder lhe subindo á cabeça, era algo que eu não poderia deixar acontecer.

Suspirei e me sentei, espanando a areia do meu cabelo. Eu até queria voltar. A pretoria já havia sido parte da minha vida por tanto tempo que era quase parte de mim. Mas ao mesmo tempo, o Acampamento Meio-Sangue me acolhia mais como uma casa do que o Acampamento Júpiter. Eu me via dividido entre os dois acampamentos, mas sempre que pesava, me sentia mais inclinado a ficar no Acampamento Meio-Sangue.

–HEY PIKACHU-Me virei alarmado, saindo de meus pensamentos com Nico gritando para mim. No entanto, ele sorria e gesticulava para ir até ele. Ao seu lado, Percy estava parado, parecendo contentado. Me segurei para não formar uma careta e segui até ele, que parecia satisfeito consigo mesmo. Encarei o sorriso de Percy começando a ter segundos pensamentos que em nada me agradavam.

–Aconteceu alguma coisa?-pedi cauteloso ao o abordar. O sorriso de Nico aumentou ainda mais.

–Isso depende. Voce vê, confuso do jeito que você está assumir a pretoria só te faria mal.-ele começou mexendo as mãos, hábito que ele não conseguia conter.

–Espera, como você sabe disso?-perguntei abruptamente e ele evitou me encarar quando respondeu.

–Não é como se você e Frank estivessem se escondendo. -deu de ombros como se não fosse nada. Comecei a pensar se era isso mesmo ou se ele tinha me seguido. O pensamento me fez sorrir, apesar do conceito geral parecer meio doente. - Em todo caso, Percy não está no seu patamar de confusão, e de quebra ainda vai passar alguns meses em Nova Roma. Então... - Nico respirou fundo e saiu da frente dele, como se quebrasse uma barreira inexistente.-Percy disse que tudo bem assumir a pretoria enquanto você se coloca em ordem.- Me virei para encarar Nico, sem palavras. Abri e fechei a boca umas dez vezes antes de processar o que tinha acontecido. Nico simplesmente havia resolvido todos os meus problemas imediatos, sem nem mesmo ter falado comigo sobre eles. Um sorriso trêmulo brotou em minha boca e eu não tentei o apagar. Percy entretanto, pareceu entender errado, como sempre.

–Você sabe, para mim não é grande coisa, Reyna é legal e não é como se eu tivesse sido ‘destronado’ da pretoria. Tecnicamente, ainda existem três pretores. - ele começou a falar rápido como sempre fazia quando estava ansioso e eu ergui uma mão ainda sem o olhar.

–Tudo bem. - Acenei depois de um momento de conversa silenciosa com Nico. Me virei para Percy e ele pareceu animado com a ideia de voltar a Nova Roma- Além do mais, se alguém pode me substituir propriamente, é você.- Respirei aliviado enquanto Percy ria, pois apesar de tudo, eu tinha certeza que ele não fazia nenhuma besteira colossal.

–Ótimo cara!-Ele disse me batendo no ombro, se virando em seguida como se alguém tivesse o chamado. - Tenho que ir. Nos vemos mais tarde.- Completou ainda elétrico e saiu resmungado alguma coisa sobre tortilhas azuis. Encarei sua forma até desaparecer, perdido em minha própria mente. Novamente, foi Nico que me puxou de volta.

–Fiz bem?- perguntou encolhido contra si mesmo, parecendo esperar alguma briga. Franzi a testa e enlacei seus ombros, o puxando contra mim, ignorando totalmente como minhas mãos tremiam.

–Fez ótimo. Realmente passei a tarde inteira filosofando sobre a vida sem achar nada para arrumar esse buraco. - ri nervoso começando a andar, ainda sem o soltar.

–Mesmo?- murmurou ainda não totalmente convencido, mas passou um braço fino pela minha cintura firmemente. Meu coração disparou loucamente, mas fiz meu melhor para manter a voz neutra.

–Mesmo, caveirinha. -Virei meu rosto para o dele, somente para o encontrar me encarando, um olhar resignado em seu rosto. Parecia feliz, mas ao mesmo tempo, chateado, talvez até irritado. Franzi a testa. Ele copiou meu gesto. Torci a boca. A mão esquerda dele encontrou a minha que estava apoiada em seus ombros, entrelaçando os dedos, cobrindo o anel que era dele. Seu rosto queimava e ele parecia que ia sair correndo. A mesma expressão que ele tinha quando Cupido o obrigou a contar sobre Percy. Tombei a cabeça e ele chacoalhou a dele, como se dissesse para si mesmo que não podia.

–Logo o jantar vai ser servido. - ele disse com uma voz fraca, tremida. Mas quando abri a boca para perguntar o que aconteceu, ele simplesmente saiu literalmente correndo com os cabelos volumosos chicoteando violentamente o ar, me jogando uma desculpa sobre Hazel.

–Ah, como esse menino me diverte. - Me virei assustado, somente para encontrar Vênus sentada numa árvore baixa, lixando as unhas impecáveis de forma desinteressada; os cabelos negros dançando ao redor de seu rosto fino com o vento que soprava. Não me surpreendeu ver uma imagem semelhante à de Nico na aparência dela.

–Diverte, é?- resmunguei mais para mim mesmo, mas claro que ela escutou.

–Vocês dois, na verdade. Nunca estive muito interessada em você, querido Jason, mas depois do encontro de vocês dois com meu filho... Bem, as coisas ficaram interessantes, não?- ela soltou uma risadinha que soou insana. Fechei as mãos, irritado, mas não lhe respondi.

–Existe algum motivo particular para a senhorita estar aqui, Lady Vênus?-pedi, cansado. Ela sorriu maligna.

–Sabe, meu filho anda me privando da história de vocês; literalmente bloqueando minha visão. Isso provavelmente é porque não deixei ele opinar no relacionamento de Percy e Annabeth, mas isso não vem ao caso.- Franzi a testa, começando a odiar o rumo que essa conversa estava levando.

–E...?

–Eu quero que vocês me escolham como matrona!- ela disse come se fosse óbvio, batendo o pé. De repente, minha irritação sumiu e eu me controlei para não rir. O que não foi difícil considerando que eu tinha que recusar um pedido de uma deusa que pode fazer da minha vida o Tártaro na terra. Mas, pela segunda vez hoje, alguém resolveu por mim.

–Então você veio mesmo.