Ninguém está pronto para a vida escrita por Kori Hime


Capítulo 23
Ninguém está pronto para: Disputar Leo Valdez


Notas iniciais do capítulo

Que inicie a disputa: Alex x Jason



Uma coisa Jason tinha que admitir, Alex era muito inteligente e possuía um raciocínio extremamente fora do comum. Ele conseguiu desarmar algumas armadilhas pelo caminho e também despistou a localização dos dois. Assim as outras duplas não os encontrariam com facilidade. Além do mais, os poucos monstros que os encontraram foram facilmente derrotados em um perfeito trabalho em dupla.

— Tem alguma coisa errada. — Alex comentou, abaixado no chão e passando a mão nas folhas secas. — Essas armadilhas são completamente diferentes das que eu acabei de desarmar.

— E não podem somente ser diferentes?

— Na verdade eu não sei. — ele se levantou e bateu as mãos para tirar a sujeira. — É apenas minha intuição.

— Você costuma seguir sempre sua intuição? — Jason caminhava na frente.

— Só quando preciso. — Alex o acompanhou. Estava estranhamente se sentindo a vontade, sem aquela tensão toda que existia quando Leo estava presente. Talvez poderiam até ser amigos. — Você pode treinar isso também.

— O que? — Jason olhou para trás, arqueando a sobrancelha.

— O lance da intuição. — Alex parou da mesma forma que Jason. Eles se olharam por alguns segundos. O clima tenso voltou. Talvez a amizade ficaria para depois. — Não tem ninguém aqui para ouvir você, porque não diz logo o que quer falar para mim?

— Não tenho nenhum assunto importante para compartilhar com você. — Jason virou-se, mas não firme o suficiente para ignorar Alex.

— Então Leo não é importante para você? — Ok! Ele não conseguiu resistir. Tinha que se livrar do assunto o quanto antes. De preferência sem violência.

— Leo é importante. — Jason o encarou. A floresta estava agitada e dava para ouvir os semideuses lutando por todos os lados.

— Não é o que parece.

— Quem é você para dizer isso? — Eles se olharam. Estavam tão próximos um do outro que era possível enxergar com detalhes as faíscas cruzarem seus olhos.

— Eu sou amigo dele, só quero seu bem. — Alex moveu os lábios num sorriso elegante, enquanto Jason fechava as mãos com toda a força que possuía. — Você vai me socar?

— Não, eu não vou. — Jason relaxou e deu dois passos para trás. — Mas essa história de ser apenas amigo é muito conveniente. Eu não sou idiota, você está esperando uma chance?

— Uma chance? Igual a que você misericordiosamente deu? — Alex riu. — Não. Eu não quero uma chance, porque respeito o desejo dele. Mas se você fizer alguma burrada, eu estarei lá.

Jason cogitou a possibilidade de enfiar um soco entre os olhos de Alex, mas a conversa foi interrompida por uma explosão. Os dois olharam na direção de chamas altas no céu. Imediatamente eles correram na direção da explosão, pois estavam próximo. Encontraram Leo enfrentando um minotauro, as labaredas impediam os dois de se aproximar. Logo depois, Nyssa disparou a arma de eletrochoque e o minotauro foi derrotado.

Todo o fogo ao redor de Leo se extinguiu. Ele ajudou Nyssa a se levantar e a arma de eletrochoque era um sucesso.

— Da próxima vez regula a intensidade de calor. — Leo só notou depois que Jason estava lá. — Hey! Vocês dois, perderam uma festa aqui. Fiz churrasquinho de Minotauro.

— Você está bem? — Jason perguntou, mas não deixou Leo responder, ele o beijou em seguida, deixando o rapaz até confuso depois do beijo.

— Acho que to bem melhor agora. — Leo deu um sorriso abobalhado, coçando a cabeça, enquanto Nyssa mandava eles se comportarem.

Jason virou e deu uma piscadinha para Alex. O filho de Atena revirou os olhos.

Nyssa traçava no chão os locais que eles haviam encontrado monstros, desvendando os segredos do labirinto e como poderia chegar ao final. Alex elaborou uma estratégia em poucos minutos.

— Se evitarmos confronto poderemos sair daqui antes de anoitecer. — Alex concluiu.

— Bom plano. — Leo ergueu a mão e deu um tapa leve no braço de Alex. — Ainda bem que você está aqui.

— Não exagera. Eu sei que os filhos de Hefesto são capazes de construir um trator e derrubar esse labirinto. — Alex segredou, tirando um belo sorriso de Leo.

Ao que parece uma disputa pela atenção de Leo estava iniciando entre Jason e Alex. Mas o tempo não estava propício para disputas internas. A presença de uma dríade capturou a atenção deles. Os jogos foram suspenso temporariamente.

— O que aconteceu? — Alex perguntou para a dríade.

— O senhor D. está muito zangado. Ele quer vocês três na sala dele agora. — Ela apontou para os rapazes, deixando Nyssa de fora.

***

Não foi uma novidade encontrar Percy e Nico na sala de Dionísio. Muito menos Dante encostado na parede com uma cara demoníaca. Leo sentiu falta de Drew ao lado dele, mas a julgar pelo clima inóspito, preferiu deixar a piada para depois. Quíron também estava lá e não com sua melhor aparência. Mas o pior era o deus. Sua expressão era tão perturbadora que não existe nenhum sinônimo para descrevê-la.

— Alguém pode me explicar o que está acontecendo aqui? — Ele iniciou a conversa após beber um longo gole de Coke. Cinco malditos adolescentes desapareceram e dois foram capturados pelo Mister Músculos aqui. — Ele apontou para Dante.

— É evidente que fomos atacados.

— Não me diga Quíron? — D ironizou. — Por acaso aquela menininha de cabeça vermelha fez alguma profecia enquanto eu estive fora?

— Não que eu saiba. — Quíron respondeu.

— Eles levaram o livro de poções? — D sentou-se na cadeira, ascendendo um cigarro de chocolate. Infelizmente ele não podia fumar, mas velhos costumes não se perdem tão facilmente.

— Sim. — Quíron lamentou. — Ele estava bem guardado no cofre do Chalé de Afrodite, mas este voou pelos ares.

Literalmente voou mesmo pelos ares após uma explosão. A sorte é que ninguém havia se ferido gravemente.

De repente Dionísio não pareceu mais tão rabugento. Ele cruzou as pernas sobre a mesa de madeira e apontou o cigarro de chocolate na direção de Percy.

— Pedro, você vai encontrar o livro. Traga-o para mim.

— Mas… — Percy sentiu uma tonelada recair sobre seus ombros. — Eu quero voltar ainda hoje para minha casa. — Ele sabia que não poderia negar uma missão como aquela, e nem queria. Mas ele achava que merecia certas regalias. — Eu quero que todos venham comigo.

— Pode levar quem você quiser. Já não estou mais no controle da situação. Vocês semideuses vem aqui e acham que podem fazer o que quiser no meu acampamento... — D. agitou as mãos no ar. — Agora sumam daqui.

Quíron ainda tentou relutar contra aquela decisão perigosa, mas Dionísio não parecia estar no domínio de suas faculdades mentais.

No final daquele dia, Butch preparou a van que os levaria de volta para Nova Iorque e todos estavam prontos para partir. Rachel e Annabeth ficariam no acampamento, por precaução, mas entrariam em contato com eles caso necessário.

— Cuida da Drew. — Percy pediu, após abraçar as duas amigas. Annie estranhou o pedido.

— Mas ela já foi embora.

— Como assim?

— Drew partiu tem uma hora. O pai dela a levou de carro. Sem os poderes, a ambrósia não surtiu efeito. O ferimento na perna dela foi muito grave. — Rachel falou baixinho. — E ela está decidida a retornar para o Japão.

— O que ela vai fazer no Japão? — Percy falou tão alto que chamou a atenção de todos, inclusive de Dante.

— Percy! É confidencial. — Annabeth suspirou em desistência. — Está bem. Drew não vai mais voltar para o Acampamento. O pai dela a levará para o Japão em poucos dias. — Annabeth enfiou as mãos dentro da jaqueta jeans, olhando para Dante. — Sinto muito.

Ele não disse nada, entrando na van logo em seguida, todos fizeram o mesmo. Mas Percy ainda tinha um último pedido para Annabeth. Ele revelou para a amiga o encontro que teve com Perséfone e as palavras que ela usou.

— Se você fosse possuído por alguém tão poderoso que não conseguisse lutar contra sua força? — Ele repetiu. — Isso faz algum sentido para você?

— Talvez. — ela piscou os olhos diversas, da maneira que fazia quando ficava nervosa. — Vou pesquisar.

— Certo. — Ele agradeceu. — Ah! A propósito. Você e o Butch? Sério?

Oh! Please. Shut up Perseu.

Assim que a van partiu, Annabeth e Rachel continuaram acenando para eles. Logo que o carro desapareceu das vistas delas, Rachel segurou no braço de Annie e seus olhos se anuviaram.

— Hey! Está tudo bem? — Annabeth perguntou, mas já sabia o que aquilo significava.

Todas as deusas são uma deusa. Tudo vem da deusa e tudo para a deusa retornará.



Notas finais do capítulo

E aeee :D

1) Qual seu time? Team Alex ou Team Jason??

2) HAHA Annie e Butch é fofo na minha cabeça. Até fiz uma fic pra eles dois http://fanfiction.com.br/historia/494361/Amizade_Colorida/

3) Finalmente NY

4) Dante vai atrás da sua mulher!

5) Uma profecia? Não porque não sou boa com rimas, mas quem manja de mitologias vai entender essa frase hehe



Até mais.
Beijocas.