Ninguém está pronto para a vida escrita por Kori Hime


Capítulo 15
Ninguém está pronto para: Conselhos


Notas iniciais do capítulo

Conselhos vindos de Percy Jackson?

Imagem: Percy, Jason



Para quem quiser saber, a noite de Percy Jackson foi muito boa. Ele acordou antes mesmo do sol nascer e tomou um banho rápido. Nico ainda estava na cama, enquanto ele se vestia. Era bom vê-lo dormindo. Quem sabe morando juntos, aquele probleminha de insônia não acabaria? A ideia o deixou animado e ansioso. Percy beijou Nico rapidamente e saiu.

Achou melhor deixar o chalé de Hades imediatamente. Ele poderia tentar passar desapercebido caso alguém perguntasse o que ele fazia fora da cama aquele horário. O que o filho de Poseidon não contava era que alguém o veria assim que colocasse o pé para fora do chalé.

De todas as pessoas do acampamento, tinha quer ser Rose Green? Ela estava com o irmão de chalé, David. Não deu outra, as sete horas da manhã o Senhor D. estava de péssimo humor sentado em sua cadeira no escritório. Sentados diante de sua mesa, estavam Percy e Nico. E logo em seguida, mais um casal se juntou a eles para fazer companhia naquele sermão matinal.

Drew Tanaka entrou no escritório, vestindo uma longa camisa de flanela xadrez que mais parecia um vestido, mas Percy conhecia muito bem a camisa de Dante. Afinal, ele era o único no acampamento que seguia a moda grunge dos anos 90. Percy olhou para ela, havia mesmo um galho no cabelo de Drew? Ele lançou um olhar curioso, como se perguntasse porque ela estava ali. Não demorou para Dante também entrar no escritório do diretor. Ele vestia uma camisa regata suja e rasgada, a calça jeans não estava muito melhor.

— Muito bem. — D. começou a falar. — Quero que entendam uma coisa. O que vocês fazem da vida miserável de vocês não é da minha conta. Eu não quero saber. Mas uma coisa que eu não vou aceitar é que os filhos dos deuses procriem embaixo do meu nariz.

— Senhor D. — Percy ergueu a mão. — Tecnicamente Nico e eu não procriaremos da maneira tradicional.

— Percy! — Nico queria socá-lo naquele momento. Porque ele tinha que falar essas coisas sempre?

— Desculpe, mas não vejo porque nos proibir. Nós podemos morrer a qualquer momento lá fora, temos que aproveitar a vida...

— Então arrumem um motel, vai pro mato ou qualquer lugar longe. Não no meu acampamento senhor Jasper. — D. esfregou as têmporas com as pontas dos dedos. — Agora senhorita Danika. Qual o seu problema? Vocês dois, aliás, quando eu mandar limpar o arsenal, é para limpar e não destruí-lo com uma luta e depois rolarem no chão como tigres no cio.

Percy deixou escapar uma risadinha, recebendo um cutucão de Nico e o olhar assassino da filha de Afrodite.

— Não se preocupe. Senhor Dionísio. — Drew se levantou irritada. — Isso não vai acontecer nunca mais. Agora peço para trocar de lugar com alguém.

— Nick, troque de lugar com ela. — D. apontou para Nico. — E vê se não vai seduzir o grandão aqui. Agora saiam da minha sala.

***

Percy tentou mediar uma conversa entre Drew e Dante do lado de fora da casa grande, aliás, conversa o cacete. Eles quase tentaram se matar novamente. Mas sem rolar no chão como gatos no cio. Percy segurou Drew pela cintura, enquanto isso Nico envolveu Dante em sombras negras vindas da terra, impedindo-o de avançar.

Não dá para comparar aquele casal como cães e gatos. Está mais para lobos selvagens e leoas famintas. Percy ainda levantou a questão de que não se bate em mulher, e acabou levando um soco de Drew.

— Você é louca? Eu estava ajudando. — Ele levou a mão no queixo machucado.

— Eu fui mulher o bastante para quebrar as costelas dele, acha que tô na desvantagem? — Drew rosnou irada.

— Que se foda. Nico, solta ele. — Percy pediu.

— Não sei se é uma boa ideia... — Nico estava uns metros de distância de Dante, ainda mantendo-o dentro daquela redoma de sombras. — Não a mate.

As sombras manipuladas por Nico foram se desfazendo, até que liberou o corpo de Dante.

— Não vale a pena. — Dante falou, cuspindo sangue no chão e virou-se. — Pode ficar com a camisa de lembrança.

— Babaca. Eu não preciso desse pano de chão. — Drew respondeu abrindo os botões da camisa.

— Hey! Não aqui. — Percy a segurou nos braços. — Depois você joga fora o pano de chão. Ele tentou, em vão, levá-la para a enfermaria. Mas Drew ainda estava descontrolada.

— Eu devia ter deixado você morrer, quando tive a chance. — ela gritou.

Os campistas que se aglomeraram em volta deles não estavam entendendo nada do que ela falava. Dante abriu caminho por entre as pessoas e foi embora.

— Vem, eu te levo para a enfermaria. — Nico segurou-a na mão, ela tremia e seus olhos estavam marejados, mas não deixou uma gota de lágrima cair. — Percy, vai falar com ele.

Percy foi, mas Dante não estava muito afim de conversar. Ele entrou em seu chalé e os irmãos fizeram uma barreira impedindo qualquer um entrar.

— Fala sério, galera. Deixa eu falar com ele. — Percy tentou ser educado, mas não adiantou.

— Dante já sofreu demais nas mãos daquela nojenta. — Beatriz era irmã mais nova de Dante, eles possuíam os mesmos olhos de fúria. — Ninguém mais vai mexer com meu irmão.

— Eu só quero conversar, um papo de homem pra homem.

Beatriz e Miguel, outro filho de Ares, gargalharam.

— Papo de homem para homem com você? — Miguel cruzou os braços e Percy ignorou o fato dele ser um cretino babaca.

— É tem razão. Dante não é lá homem de bater papo né. Quem sabe ele não quer ir no arsenal comigo. — Percy teve que dar um passo para trás quando Miguel avançou, mas foi interceptado por outro irmão.

— Fica na sua, Miguel. O Percy só quer ajudar. — Era Tom, um cara tão alto e forte quanto Dante. — Acho melhor ele esfriar a cabeça. Eu não curto muito essas brigas, mas são eles que tem que resolver seus problemas. — Tom mandou todo mundo entrar no chalé. Todos obedeceram, claro, porque ele era o conselheiro.

— Eu só queria dizer para ele que, apesar da Drew ser maluca daquele jeito, no fundo ela o ama. — Percy enfiou as mãos nos bolsos da calça.

— Não tenho certeza de que isso seja verdade. Os filhos de Afrodite já mostraram do que são capazes. Tanto para o bem, quanto para o mal. Mas quem deve chegar a uma conclusão, é meu irmão. Eu apenas vou respeitar o que ele decidir.

— Obrigado, Tom. — Eles deram as mãos e então Tom entrou no chalé.

Percy caminhou por entre os espectadores e nada disse quando perguntaram o que estava acontecendo. Ele concordava com Tom, aqueles dois deviam resolver seus problemas. Mas seria bom não fazer isso com adagas nas mãos ou sem roupas, de preferência.

Ele foi para o estábulo e encontrou BlackJack.

Hey, boss. — Ele se aproximou, como quando está afim de alguns torrões de açúcar. — Vamos dar uma volta? Aqui está um tédio.

— Sinto muito, mas eu estou de castigo aqui no acampamento.

— Podemos fugir. — Não era uma má ideia, mas Percy precisava andar na linha, ou pelo menos dar um tempo de vinte e quatro horas. — Olha, já que não pode sair, tem um cara te esperando lá dentro do estábulo.

— O que? Só agora você me fala?

— Foi mal, boss. Eu só queria dar uma escapadinha. — BlackJack saiu trotando cheio de graça, então Percy foi até o estábulo. Ele imaginou que fosse Nico, para conversarem sem ninguém olhar. Mas se fosse Nico, o cavalo teria dito.

— Você não precisa se esconder de mim sweetheart. — Percy deu um sorriso, mas não era Nico quem o aguardava ali. — Jason? O que você está fazendo aqui?

— Oi, Percy. — Jason se aproximou para cumprimentá-lo. — Eu cheguei essa manhã no acampamento. Estava com Quíron.

— Por que não avisou que vinha?

— Eu não estava certo se viria aqui, mas já que todo mundo decidiu se reunir, pensei em dar uma passadinha. Logo precisarei ir embora.

— Na verdade não é bem uma reunião. Fomos obrigados a vir. — Percy contou para Jason sobre a aventura nos esgotos. — Então o Alex e o Leo conseguiram atravessar a porta...

— Quem é Alex? — Jason perguntou sem nenhuma intenção ruim. Eu acho.

— É irmão da Annabeth, ele agora é o assistente do Leo.

— Assistente? — Jason estava confuso, era muita informação em pouco tempo.

— Acho melhor você falar com ele sobre isso. — Percy deu uma risada sem graça. — Mas porque você queria me ver mesmo?

— Ah! Sim, isso mesmo. Eu queria conversar com você justamente sobre ele.

— Ele... ele quem?

— Leo. — Jason respirou fundo, ele estava mesmo sem palavras para dar inicio aquela conversa. Por isso Percy se sentiu na obrigação de começar.

— Porque você foi embora sem avisar? — Claro que ele poderia ser mais delicado no assunto, mas é o Percy Jackson. — Leo ficou mal por uns dias. Nico quem o tirou da cama.

— Sério? — Jason passou a mão pelo cabelo. Ele usava uma jaqueta de couro preta com dois riscos vermelhos na lateral, calça jeans e um óculos escuro pendurado na camiseta branca. — É, eu sei que dei mancada. Mas eu preciso desabafar com alguém.

— O que é? — Percy sentou em uma pilha de feno. — Você não curtiu ficar com ele? Olha, não sei dos detalhes, mas...

— Tudo bem. — Jason andou de um lado para o outro, até que encontrou uma posição onde pudesse ficar encostado na madeira e olhar para Percy. — Eu não sei o que deu em mim naquela noite. Eu não queria ir no seu aniversário, mas Annabeth me animou. Então, eu estava conversando com Leo, nós bebemos também. Eu não sei que bebida era aquela, mas eu acho que tudo o que fiz, foi porque estava bêbado. Entende?

É, todos entendemos. Uma pena que é mentira. Mas Percy não poderia dizer a verdade. Jason ficaria bem bravo.

— Tem certeza? Quantas você bebeu?

— Acho que dois drinks coloridos e aquele verde que o Leo bebia. Aliás, ele também ficou estranho, então acho que nós dois estávamos bêbados.

— E você lembra do que rolou naquela noite? — A única coisa que Nico contou para Percy, era que, primeiro: ele era um babaca; e segundo: Leo estava infeliz.

Jason o olhou constrangido. Era evidente que ele não costumava falar sobre esse assunto com ninguém. Percy daria o tempo que fosse necessário para a resposta. E ela demorou um pouco.

— Você deve está me achando um idiota. Não é?

— Não, até que não. — Percy levou a mão ao queixo. — Não, espera. Você mentiu que gostava da Piper e namorou com ela por dois anos... mas na verdade gosta do Leo. É, você é um idiota.

— Talvez não entenda. Mas é difícil para mim.

— Jura? Você está falando com Perseu Jackson. — ele levou as mãos pra cima. — Sou o cara dos se mais famoso desse acampamento. Além de ter levado um pé na bunda da Annabeth, sou também o responsável por uma quase explosão cósmica no Central Park, devido ao ciúmes do meu namorado.

— Eu sei, mas parece tão diferente. Eu não consigo ser assim. Não quero magoar ninguém.

— Você já magoou. Piper e Leo. Mentiu para eles.

— Não quero mais mentir, mas não sei por onde começar. — Jason soltou os ombros desanimado.

— Primeiro você tem que saber o que quer. Para depois descobrir como começar.

O loiro pensou alguns segundos. Ele olhou para Percy e com muita verdade nas palavras, respondeu: — Eu quero o Leo.

— Ótimo. Boa escolha. Agora precisa conquistar ele novamente.

— Como assim, novamente? — Jason deu um passo para frente. Percy mexia no feno embaixo dele, enquanto falava.

— O relacionamento foi comprometido com a sua escapadinha, agora ele precisa confiar em você novamente. E tem que fazer isso direito.

— Tudo bem, o que eu faço primeiro?

Percy pensou.

— Primeiro fale o que sente. Tudo o que você sente, não seja tímido. Desembucha de uma vez. Depois ouve o que ele tem para dizer. Junta o que você falou, com o que ele disse, e vão saber o que fazer.

— Isso funciona com o Nico?

— Claro. Eu conto tudo para ele. — Ha ha ha. Continuando. — Você precisa ser sincero com quem ama.

— As pessoas não sabem...

— O que?

— Que eu gosto de... você sabe, de homem. Ninguém sabe.

— Eu sei.

— Você não conta. Estou falando dos outros. — Jason apontou para fora do estábulo.

— Não deve contar com eles. Foda-se os outros. É a sua vida em jogo, a pessoa que você gosta. Se vale a pena vir até aqui para ter um conselho meu, então vale a pena continuar.

— E como é que você lida com isso? Digo, eu não imaginava que você fosse gay. Namorou com Annabeth. E eu soube da Rachel.

— Rachel e eu nos beijamos só umas... vezes. — Percy coçou a cabeça. — Olha... vou te contar uma coisa que nunca falei para ninguém. — Percy se levantou olhando para ver se havia alguma pessoa ou cavalo curioso ali. — Tá. Alguns anos atrás, antes de namorar com Annabeth, ou conhecer o Nico... rolou um clima com um cara.

Jason soltou um sonoro Uau.

— Mas quando você namorou com ela...

— Será que é contra a lei gostar de homem e de mulher? — Percy falou zangado, mas ele sabia que Jason nada tinha a ver com isso. Apenas estava curioso. — Sim, eu era apaixonado por ela. Agora eu amo o Nico. Acha isso muito estranho?

— Desculpe, eu não quis ser intrometido.

— Eu sei, eu sei. — Percy suspirou. — A primeira vez que caiu ficha de que eu tava atraído por outro cara, quase pirei, mas não somente por ele ser homem, também foi porque estávamos em lados opostos na guerra. E eu não pude salvá-lo.

Jason não precisava de mais explicações, ele sabia de quem Percy estava falando.

— Eu vou falar com o Leo. Acho que temos muita coisa para conversar.

— Isso, fala com ele.

— Obrigado, Percy.

— Que isso, é sempre bom ajudar um amigo. — Percy deu uns tapinhas camaradas nas costas de Jason. — Vem cá, você disse que ia embora. Não entendi. Achei que fosse aceitar o cargo de Pretor no acampamento.

— Eu aceitei. Mas antes preciso resolver um caso. Estou em uma missão. Dois semideuses romanos fugiram após levarem alguns livros importantes e os ursinhos de pelúcia do Octavian. Ele ficou puto.

Percy não pode deixar de rir, imaginando Octavian reclamando que levaram seus ursinhos.

— Se precisar de ajuda, pode contar comigo.

— Espero que não, mas se eu precisar, com certeza irei pedir ajuda para os melhores.

Jason perguntou onde estava Leo naquele momento, ele queria falar o quanto antes com o rapaz. Percy o direcionou para as forjas e depois foi dar banho nos cavalos, que estavam sujos de lama e cansados de Rose Green e suas amigas tentando montar.

Percy riu, e agradeceu aos amigos pelo passeio memorável pelo pântano.

— Vamos ver se ela vai mexer com o Nico novamente.



Notas finais do capítulo

EDITADO: (ATENÇÃO) POR MOTIVOS PESSOAIS DAREI UMA PAUSA DE 15 DIAS NA PUBLICAÇÃO DESSA HISTÓRIA. (11/02/2014)


JASON VOLTOU!!! hahaha
Tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo que não dava para soltar ele de paraquedas no meio da história, mas para quem aguardava ansiosamente por Jason e Leo, próximo capítulo é todinho deles dois lavando roupa suja.

Fiz o tão amado lemon no capítulo passado, vocês gostaram mesmo?
Não sei se todo mundo leu, mas teve um extra da festa do Percy aqui, eu gostei do lemon, já que é muito mais fácil fazer separado da fic

http://fanfiction.com.br/historia/460086/Relax/

Até o próximo, beijos.