Jily - How I met you escrita por ChrisGranger


Capítulo 6
O talento desconhecido


Notas iniciais do capítulo

Olá pessoal!!! Como vão?? Quero agradecer pelos reviews que vocês têm mandado, fico muito emocionada de saber que vocês estão gostando! Estou planejando postar duas vezes por semana. Terça e quinta, o que acham? Bom, espero que gostem desse capítulo!



Assim que Lílian saíra correndo do Salão Principal, Tiago pensara em todas as maneiras de reverter a briga entre os garotos. Aquela garota era mais difícil do que ele pensava que seria... Como ela ainda podia gostar daquele ranhoso? Aquele desgraçado!

Ele se levantara da mesa da Grifinória e rumara em direção à sala comunal, contar a Sirius e a Remus o que havia acontecido. Remus ficaria bravo, pensara Tiago estremecendo. Ele daria um jeito nisso... mais tarde, depois de falar com a Evans.

– Hipogrifos Dançantes! – disse Tiago meio ríspido para a Mulher Gorda.

– Bom dia para você também, rapazinho! – exclamou a Mulher Gorda, contrariada.

Assim que o menino entrara na sala comunal, teve uma grande surpresa. Lílian estava lá, de frente para Remus e Sirius. Parecia prestes a chorar. Todos os alunos estavam em volta, ouvindo curiosos. Ele se acomodara no fundo da sala, em uma poltrona distante, observando. Ninguém o havia visto.

– Desculpa Lily... eu não ia dizer mas eu queria, eu... – disse Remus parecendo desesperado. Tiago apurou mais os ouvidos – Eu queria ter amigos... queria que meus amigos pudessem confiar em mim...

– Confiar em você? – disse Lílian balançando a cabeça com um sorriso de descrença. Tiago até teria rido, se a situação não fosse tão séria – Remus você me mostrou que não é digno de confiança... e ainda quer que as pessoas confiem em você?

– Lily... me desculpe, por favor! Eu não fiz por mal! Tiago parecia ter gostado de você, quando brigou por você no trem e eu achei que não teria problema se eu o contasse... – implorou Remus.

As pessoas ao redor começaram a cochichar ainda mais e a sussurrar.

“É o Potter e o Snape, aquele cara da Sonserina!”

“Eu não acredito! O Potter? E aquele menino estranho da Sonserina? Foram eles que brigaram por ela?”

Tiago, sem perceber dera um sorriso maroto e afundou um pouco na poltrona que ele estava, com um sorrisinho bobo.

Mas então, ele tornou a pensar. Para ele, não fazia muita diferença se as pessoas sabiam ou não que ele era um dos garotos que brigara por Lílian, porém para ela parecia que fazia bastante diferença.

Ele a encarou discreto. Seus olhos verdes esmeralda estavam embaçados e ela parecia tentar encontrar forças para não chorar. Ela tenta ser forte, pensou Tiago orgulhoso. Porém, se preocupou. O que aconteceria, agora? Lílian olhou para os lados e Tiago quase se tacou no chão, para ela não vê-lo.

– Eu... sinto muito Remus... Fique com seus amigos! Acho que o Potter gostou bastante de você! – disse Lílian mantendo a voz firme.

Tiago sentiu uma onda de culpa o atingindo e levantou um pouco a cabeça. A garota correra para o dormitório feminino, tropeçando, parecendo bastante magoada.

A sala comunal estava silenciosa e todos pareciam tensos. De repente, Tiago se desequilibrou, por estar espiando de cima da cadeira e caiu no chão, fazendo um estardalhaço. Todos o encararam assustados, enquanto ele se levantava com o rosto rubro. Ele ouvia os alunos cochichando, cada vez mais sobre ele e Lílian.

– E aí, Sirius! Remus! – exclamou Tiago se aproximando deles ainda com o rosto vermelho – Dormiram bem?

Remus e Sirius o encararam abismados, assim como todos na sala.

– Tiago, o que você disse para a Lily? – perguntou Remus o olhando sério.

Tiago, ainda rubro de vergonha os contou o que acontecera de manhã, sussurrando para ninguém ouvi-los. Muitos alunos ainda o observavam curiosos.

Quando terminou, Remus estava com uma expressão de descrença e raiva. Sirius, fez uma mímica por trás de Remus para que Tiago fugisse.

– Eu não acredito que você disse isso para ela! – exclamou Remus – Argh Tiago! Como pôde dizer à ela que eu não sou só amigo dela?

– E não é a verdade? – perguntou Tiago.

– Argh Potter! – gritou Remus.

Antes que Tiago pudesse dizer qualquer coisa, Remus estava em cima dele, o derrubando no chão, tentando acertar Tiago com seus punhos, que pareciam extremamente fortes.

– Ei, calma! – exclamou Sirius assustado, segurando Remus pelos punhos – Calma Remus!

Tiago estava vermelho, deitado no chão, ofegando e massageando seu braço. Os alunos agora começaram a rir e apontar para ele.

– Foi mal cara. – disse Remus, parecendo extremamente assustado consigo mesmo – Não consegui me controlar...

– Relaxa! Nem chegou a me machucar... – tranquilizou-o Tiago levantando-se com extrema dificuldade, limpando seus óculos e ajeitando suas vestes.

– Você está bem, cara? – indagou Sirius, olhando preocupado para Tiago.

– Claro! – disse Tiago, massageando discretamente seu braço – Estamos quites, certo? – perguntou encarando Remus com um olhar divertido.

– Eu não fiz por mal! – tentou explicar Remus, parecendo amedrontado consigo mesmo – Desculpe! É que eu... às vezes não consigo me controlar...

–Fica tranquilo! – disse Tiago, pousando a mão no ombro de Remus – Amigos, certo?

– Claro! – respondeu Remus, esboçando um sorrisinho para Tiago – Agora temos que pedir desculpas a uma certa ruivinha...

Tiago afirmou com a cabeça, dando um sorrisinho de lado. Eles ouviram risos na escada e Tiago virou a cabeça, nervoso dando mas um sorrisinho maroto, inconscientemente.

Lílian acabara de descer as escadas e encarava a todos ainda sorrindo. Ela passou o olhar de relance por Tiago e parou olhando-o também. Uma garota com cabelos loiros escuros sussurrou algo em seu ouvido. Lílian começara a rir e ela virou a cabeça, atravessando o salão comunal em direção ao buraco do retrato.

Tiago e Remus se encararam e com um simples olhar de entendimento saíram correndo atrás da garota, porém antes que eles conseguissem chegar no buraco do retrato, uma mão segurou suas vestes.

Ele se virou e deu de cara com Sirius, que também havia impedido Remus de prosseguir.

– Sirius, me larga! - ordenou Tiago, o encarando com raiva.

– Olha, nós temos que pedir desculpas à ela! - disse Remus, também tentando se livrar de Sirius.

– Vocês dois, escutem aqui! - disse ele olhando sério para os dois - Não acham que essa garota já passou por muita coisa? Qual é pessoal, dêem um tempo para ela! Ela mal chegou à Hogwarts e vocês já arrumaram todo o tipo de confusão com ela!

Tiago e Remus pensaram por um tempo sobre o que Sirius acabara de dizer, não totalmente convencidos. Os dois se entreolharam e deram de ombros.

– É, você está certo Sirius, naturalmente. - disse Remus, afinal.

Tiago, ainda não estava muito convencido a “dar um tempo à garota”, mas achava que ela merecia isso.

– Além disso, têm muitas outras garotas aqui no castelo Tiago! - exclamou Sirius.

– Já disse que ela não é “qualquer” garota! - disse Tiago baixinho.

– Certo… vamos tomar café. - disse Sirius, perdendo a paciência.

Os três rumaram em direção ao Salão Principal em silêncio. Muitos alunos já estavam lá e todos os professores se encontravam de frente para todos na mesa principal.

Na mesa da Grifinória, Lílian e a garota loira que Tiago vira mais cedo ao lado de Lílian, já estavam sentadas comendo e não prestando atenção em Tiago, Remus ou Sirius, que se sentaram próximo às duas, não pronunciando uma palavra.

–------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Tiago e Remus a encararam durante todo o café da manhã e Lílian se sentira extremamente incomodada. Ela já havia dado um fim àquela história, então por quê os dois ainda a observavam com uma expressão indecifrável nos rostos?

– Srta. Evans e Srta. Hastins? - chamou uma voz severa atrás da garota e ela se virou, com a testa franzida. A professora Minerva McGonagall estava diante delas com vários pergaminhos nas mãos - Aqui estão seus horários desse ano. - disse ela entregando uns dos muitos pergaminhos às garotas.

– Muito obrigada, professora! - agradeceu Lílian, animada para ver seus horários, mas ela voltou seu olhar para a professora e para os vários pergaminhos em suas mãos - A senhora precisa de ajuda?

A professora, parecendo surpresa a encarou e a deu um raro sorriso.

– Ora, não precisa Srta. Evans, mas muito obrigada. - disse a professora.

Lílian deu um sorriso à professora e se virou para seu horário. Ela riu diante de alguns nomes de matérias.

– Nossa primeira aula é de Poções! - exclamaram duas vozes ao mesmo tempo.

Lílian levantou o olhar e percebeu que Abbey e Tiago falaram ao mesmo tempo. Abbey corou quando trocara olhares com Tiago e o garoto deu um sorrisinho de lado.

– O pior é que vamos ter Poções com os alunos da Sonserina! - exclamou Tiago, encarando Sirius e Remus.

Abbey ainda estava corada e estava com um sorrisinho bobo. Lílian tinha vontade de rir, mas se lembrou de que quem a fez se sentir daquele jeito foi o Potter, um garoto que Lílian não confiava de jeito nenhum. Não mais.

Ela levantou o olhar para a mesa da Sonserina e prendeu os olhos em Severo, que depois de um tempo a olhou e sorriu. Ela deu um mísero sorriso para o amigo. Lílian se sentiu sendo observada e virou a cabeça para o lado. Tiago observava a cena com seus olhos castanhos esverdeados. Parecia contrariado e desviou o olhar rapidamente.

– Vamos, então Abb? - perguntou Lílian já cansada de ficar perto do Potter.

– Ahhh... Lily! - disse Abbey, olhando de relance para Tiago. Enquanto Lílian queria ficar o mais longe possível do garoto, Abbey queria ficar o mais perto possível!

– Eu vou indo, então! - disse Lílian - Alguém sabe onde é que fica a sala de Poções?

– As aulas de Poções são nas masmorras. Eu posso te levar até lá! - Lílian se virou assustada em direção da voz que acabara de ouvir. Alice, a garota que ela conhecera noite anterior estava lá e se mostrava muito simpática.

– Ah! Bem…muito obrigada! - respondeu Lílian se levantando e dando um tchauzinho para Abbey, seguindo Alice.

– Então, onde está o seu amigo? Frank, não é? - perguntou Lílian para a garota, se lembrando do garoto engraçado que também conhecera noite anterior.

– É... Frank Longbottom, ele está lá em cima... se mostrando para o mais novo fã clube de garotas dele. - disse Alice parecendo tão chateada, quanto na noite anterior.

Lílian deu um sorriso compreensor para a garota.

– Você gosta dele? - perguntou Lílian enquanto elas desciam as escadas - Digo, de verdade.

A garota a encarou e passou a mão distraidamente em seus curtos cabelos claros. Por fim ela afirmou com a cabeça, dando um risinho.

– Sim, eu gosto dele. - disse Alice - Mas ele não dá bola para mim... eu sou a melhor amiga dele, entende? Nós nunca tivemos nada e ele sempre foi muito popular, principalmente esse ano, que ele é o capitão time de quadribol da grifinória.

– Ah, mas eu tenho certeza que ele vai te notar, ele logo vai ver que quem realmente ama está bem debaixo do nariz dele! - disse Lílian, tentando consolar a garota que a deu um pequeno sorriso.

– Sabe Lily, você é muito gentil! É a primeira pessoa para quem eu conto que eu gosto do Frank… apesar de que parece ser meio óbvio. - disse Alice rindo - Chegamos.

Elas haviam acabado de chegar à uma porta que estava entreaberta. Lílian conseguira ver diversos frascos e líquidos engarrafados nas estantes e na mesa, que parecia ser do professor.

– Obrigada mais uma vez Alice! - agradeceu Lílian.

– Por nada Lily! - disse Alice, amigavelmente. - Espero que goste das aulas! Escuta, tenho que ir para a aula de Adivinhação agora, mas depois nos falamos está bem?

– Adivinhação? Acho que eu não tenho essa aula… - disse Lílian, pensativa.

– É, bem, as pessoas só começam a ter aula de Adivinhação no terceiro ano. Sou do quarto ano. Mas acredite, você não está perdendo nada! Adivinhação é a pior matéria que temos! - disse ela revirando os olhos - Lily, o que acha de aparecer hoje à noite no treino de quadribol da grifinória? Eu também sou do time! Artilheira!

Lílian, que ainda não entendia muita coisa de quadribol, ficou em dúvida sobre o que era uma artilheira. Mas aceitou o convite e se despediu da garota, entrando na sala, ainda vazia. Por que ela sempre chegava adiantada aos lugares?

Ela pousou seu material numa mesa próxima a do professor e começara a olhar tudo em volta, curiosa. Haviam muitos frascos na sala, com vários tipos de poções diferentes. Ela tomou um susto e pulou, quando se aproximara perto de um pote que continha um sapo morto.

Ela ouviu uma gargalhada atrás dela e se virou rapidamente. Lílian estava diante do professor Slughorn, de poções, que ela vira noite anterior na mesa dos professores. Ele também era diretor da casa Sonserina, por isso Lílian sabia quem ele era. Um homem gorducho, com bigodes já clareando e um sorriso acolhedor.

– Oh sim! O sapo atelopus, como os trouxas chamam… uma espécie extremamente rara e o veneno deste sapinho é muito bom para poções complicadas, mas também é incrivelmente fatal. - disse ele, ainda sorrindo.

Lílian achara aquilo fascinante. Ela se aproximou mais do sapinho preto com bolinhas cor de rosa.

– Coitadinho - disse ela pensando alto. - Como o senhor o conseguiu?

– Uma pequenina viagem por Costa Rica, aparatei lá mesmo! Só fui dar uma voltinha, pegar alguns ingredientes para esse ano. Por acaso achei este sapinho perto de um lago, já morto. Uma pena, realmente uma pena!

Lílian ainda olhava para tudo curiosa.

– Se interessa por poções, Srta…

– Evans, senhor. - respondeu Lílian - E eu não sei muito bem, eu nunca fiz nenhuma, é que eu nasci…

De repente fora interrompida por vários alunos do primeiro ano, que chegavam na sala também, observando tudo com curiosidade.

– Olá! Bem-vindos! Sentem-se! - dizia o professor.

Abbey chegara e quando Lílian a chamou para sentar-se a seu lado, ela sorriu e indicou que se sentaria no fundo, perto de Tiago. Lílian revirou os olhos e se sentou em sua mesa. Para sua surpresa, Severo sentou-se ao seu lado, mas não lhe dirigiu palavra alguma.

– Muito bem! Agora que todos já se acomodaram, eu gostaria de me apresentar! - começou o professor Slughorn, animado. - Sou o Professor Slughorn, mestre em Poções e também diretor da casa da Sonserina.

Ouviu-se um resmungo e umas risadinhas no fundo e Lílian se virou. Tiago e Sirius tentavam se controlar para não rir. Lílian acreditara que fosse porque o professor dissera que era diretor da Sonserina. A menina revirou os olhos mais uma vez e se virou de novo para o professor, que ignorara a interrupção.

– Bom, hoje começaremos com uma poção fácil para vocês pegarem o jeito. A poção se chama Wiggenweld, bastante fácil de ser manuseada e de se preparar. Ela serve para curar pequenos machucados ou para tomar quando se está cansado. Vocês poderão achar as instruções para realizá-la na página dezessete do livro de Poções e os ingredientes estão no armário! Todos trouxeram seus caldeirões? Muito bom! Boa-sorte! - desejou o Professor Slughorn com um grande sorriso, piscando para Lílian e sentando-se em sua mesa.

A garota leu o que tinha que fazer. Não parecia tão difícil… ela foi até o armário rapidamente e pegou tudo que precisava, excitada. Lílian, começara a partir alguns ingredientes e a aquecer o caldeirão.

Severo parecia muito animado também, o amigo começara a fazer a poção assim como Lílian e a partir os pedaços de vagem. A aula estava correndo muito bem. Muitos alunos estavam tendo dificuldades com a poção, mas Lílian a achara extremamente fácil. Essa matéria é muito interessante, pensara ela adicionando mais ingredientes a poção.

Lílian virou a cabeça para trás e avistou Abbey encarando a poção, confusa. Tiago, Sirius e Remus não pareciam estar dando muita sorte também, pois liam os livros e adicionavam ingredientes franzindo as sobrancelhas. Pedro Pettigrew deixara a vagem cair e quando abaixou para catá-la bateu com a cabeça na mesa, derrubando os outros ingredientes. Jane Gray e Heloisa Rowl não conseguiram nem partir todos os ingredientes, pois olhavam para estes com nojo. Os sonserinos também pareciam bastante confusos em relação à Poção, e não paravam de pedir dicas ao professor.

Somente Lílian e Severo pareciam ter achado a poção fácil. O professor andara até eles, parecendo meio decepcionado, mas quando examinou a poção de Lílian e a de Severo seu rosto se iluminou.

– Ora, estão perfeitas! Os dois têm um talento para Poções! Estão no caminho certo! Vamos ver quem termina primeiro! - elogiou o Professor Slughorn.

Lílian e Severo se encararam de repente, desafiadoramente. Os dois corriam para tentar terminar a poção um antes do outro. Eles se divertiam enquanto ainda se olhavam rapidamente ainda de modo desafiador.

– Acabei professor! - exclamou Lílian orgulhosa olhando para Severo, que fingia estar muito abalado.

– Por pouco Líly! Só faltava adicionar as ameixas na minha! - disse Severo com um olhar divertido.

Lílian riu, enquanto o professor examinava sua poção.

– Pelas barbas de Merlin! Está perfeita! 10 pontos para Grifinória! - exclamou o professor - Qual a sua família Srta. Evans? Eu certamente devo conhecer! Devem ser bruxos muito aptos para isso! A srta. nasceu com talento para Poções!

Lílian deu um risinho de lado e sentiu-se corar.

– Na verdade professor, eu nasci trouxa. - disse Lílian calmamente, enquanto todos ao redor guardavam os materiais, resmungando chateados, por não terem conseguido realizar a poção.

O professor olhou surpreso e intrigado para Lílian.

– Bom, fico impressionado! Parece que você realmente tem um grande talento para Poções! Diga-me querida, você gostaria de participar de algumas reuniões? Eu chamo meus melhores alunos para participarem deste pequeno jantar em alguns dias. Já dei até um nome! Clube do Slugue! - disse o professor, esperançoso.

– Ficaria encantada professor! - disse Lílian, sorrindo.

– Ótimo! E chame seu amigo Severo Snape, não? - disse ele virando-se para Severo - Conheci sua mãe! Uma mulher encantadora, é claro!

Depois de algum tempo, Severo e Lílian saíram da sala de Poções se sentindo orgulhosos. O professor adorara os dois.

– Ele é bem simpático, não é mesmo? - perguntou Lílian enquanto os dois subiam as escadas.

– É, meio doido, mas é gente boa! - concordou Severo. Eles haviam chegado ao Saguão Comunal – Tenho aula de Feitiços agora. - disse Severo com um sorrisinho.

– E eu de Herbologia. - disse Lílian. - Então, depois nos vemos, certo? - disse a garota se afastando. Mas foi impedida de dar mais um passo por Severo, que a segurou pelo pulso e a trouxe para perto de si.

– Desculpe Líly. - pediu Severo.

A garota deu um sorriso para seu amigo e o abraçou feliz. Finalmente havia se desculpado com Severo. Os dois estavam vermelhos quando se afastaram e deram um tchauzinho, Severo rumando para as aulas de Feitiços e Lílian para a de Herbologia.

Mas claro que, quando deu de costas para Severo, ela deu de cara com olhos castanhos esverdeados. Mas ele não estava com um sorriso maroto.











Notas finais do capítulo

Gente, espero que tenham gostado e por favor deixem reviews!!!!!! Muitos beijos!!!