Jily - How I met you escrita por ChrisGranger


Capítulo 25
Um grande oito virado ao contrário


Notas iniciais do capítulo

Oi gente!!! :)) Desculpem a demora!! Boa leitura!!



– Sr. Potter, poderia vir até aqui, demonstrar o feitiço? - pediu o professor Augustos, de Defesa Contra as Artes das Trevas.

Tiago, virou-se para frente rapidamente e se dirigiu para a frente da sala de aula, com a varinha empunhada.

– Tudo bem… você irá praticar esse feitiço com essa pequena aranha, originária de um país muito longínquo da África. - instruiu o professor, abrindo a pequena tampa da caixinha de vidro e pousando uma aranha preta com pequenas manchas amarelas na mesa.

Tiago afirmou e apontou a varinha para o pequeno aracnídeo, que parecia tentar se decidir entre correr ou se defender do garoto.

Arania Exumai! – disse ele, fazendo com que a aranha se repelisse e fosse para longe.

– Muito bom, sr. Potter! Excelente! - elogiou Augustus, sorrindo.

Tiago agradeceu, guardando a varinha nas vestes e voltando ao seu lugar.

– Agora… srta. Farah? - chamou ele e a garota postara-se no mesmo lugar que Tiago acabara de sair.

O professor pousou mais uma aranha na mesa, dessa vez uma totalmente preta.

Arania Exumai! - exclamou ela, fazendo com que a aranha reagisse como a de Tiago reagiu. O pequeno aracnídeo afastou-se alguns centímetros, parecendo meio tonto.

– Parabéns! - disse o professor, e Belle voltara para seu lugar, saltitando.

– Agora vejamos… - disse o professor, observando a turma. - Srta. Evans?

Lílian levantou a cabeça, que já estava vermelha como um pimentão e se dirigira hesitante para o lado do professor. Defesa Contra as Artes das Trevas era a matéria que a garota mais demonstrava dificuldade.

Augustus catara mais uma aranha e a depositara na mesa, esperando Lílian conjurar o feitiço.

– Professor, esse feitiço não machuca as aranhas? - disse Lílian, meio receosa. A sala cochichou e riu diante da pergunta da garota.

– Não, Evans. Esse feitiço pode salvar a sua vida. Nessa hora, não importa se machuca ou não a aranha! - disse o professor, meio irritado.

– Mas… é só não mexer com elas que elas não mexem com você! - retrucou Lílian, esperançosa.

O professor encarara-a incrédulo. A sala ainda ria por trás de Lílian que permanecia firmemente, olhando nos olhos de Augustus.

– Faça logo o feitiço, Evans! - ordenou o professor, afinal.

A garota suspirou, sentindo-se derrotada e apontou a varinha para a pequena aranha, trêmula.

Arania Exumai! - disse ela baixinho e o pequeno aracnídeo, somente adquiriu uma coloração rosa.

Os alunos riram ainda mais da situação e Lílian, inconscientemente, suspirou aliviada por ver a aranha bem.

– Srta. Evans, há alguns meses, já tinha lhe sugerido um parceiro de estudos. Quem sabe de outra casa? Assim, vocês se conheceriam melhor e não ficariam presos somente há uma casa. - sugeriu o professor, erguendo as sobrancelhas.

Lílian deu de ombros e murmurou algo como “vou pensar”, se dirigindo para sua mesa cabisbaixa.

Abbey e Belle tentaram-na animar até o fim da aula, quando Lílian levantou-se rapidamente, jogando os livros na mochila de qualquer jeito e saindo da sala.

– Então, foguinho, quando começamos? - disse uma voz divertida atrás dela.

Lílian virou-se impaciente, percebendo de quem era a voz. Tiago a encarava curioso, aguardando a resposta.

– Lamento não saber do que está falando Potter… - começou a garota, erguendo as sobrancelhas. - para variar.

– As aulas, que eu te darei… - disse Tiago, dando-lhe uma piscadela e apoiando-se na parede. - de Defesa Contra as Artes das Trevas.

Lílian esboçou uma careta, franzindo o cenho para o garoto.

– De jeito nenhum! - exclamou ela, compreendendo o que o garoto falava e seguindo pelo corredor, com Tiago em seu encalço.

– Como pretende melhorar em DCAT, Evans? - indagou ele, dando um sorrisinho convencido.

– Estudando. - retrucou ela. - Mas certamente não com você!

Tiago ergueu as sobrancelhas, parecendo incrédulo.

– Tudo bem, mostre-me que não precisa de ajuda! - disse ele, cruzando os braços. - Lançe-me uma azaração.

– Quer mesmo? - disse Lílian, friamente.

Tiago deu de ombros, no mesmo momento em que Lílian apontava-o a varinha. A garota lançara uma azaração e Tiago abaixara extremamente ágil. Porém Lílian fora mais rápida. Assim que o garoto abaixara, ela apontou novamente a varinha e lançou mais uma azaração. Tiago esquivara-se por pouco, dando um sorrisinho maroto. Lílian, percebendo a distração do garoto apontara novamente a varinha e a azaração fora certeira, apesar de no exato momento, Tiago ter levantado a própria varinha.

Protego! – gritou ele, fazendo com que o feitiço se ricocheteasse e acertasse Lílian, que caíra no chão, perdendo o movimento das pernas.

A garota o olhara assustada e confusa.

– Como você fez isso? - disse ela, arregalando os olhos.

– Um feitiçozinho muito útil que ainda não aprendemos… - respondeu Tiago, dando um sorrisinho. - agora você vai aceitar minha ajuda?

– Não. - respondeu ela, cruzando os braços e se arrastando lentamente para a parede mais próxima.

– Vamos, pimenta…

– Não me chame de pimenta! - retrucou ela, brava.

Tiago revirou os olhos impaciente e apontou novamente a varinha para a garota, murmurando um contrafeitiço.

– Você ainda vai aceitar a minha ajuda… - disse ele, esboçando um sorrisinho maroto. - Pimenta.

***

– Agora seu novo amigo tomou meu espaço! Não podemos nem mais treinar para quadribol! - disse Thomas, fingindo estar indignado.

– Thomas! Não fale assim do Bola de Neve! - repreendeu Belle, segurando o pequeno gatinho carinhosamente, enquanto Thomas a observava. Eles estavam nos jardins, durante o intervalo do almoço.

– Bola de Neve… que nome, hein? - disse ele, rindo.

– É um nome ótimo se quer saber… - retrucou Belle, acariciando o pequeno animal. - Ah e… se você não se lembra, sr. Allen, foi você quem me deu o Bola de Neve!

Thomas riu, seus cabelos loiros e lisos caindo em seus olhos extremamente azuis, como os de Belle. Porém, ao contrário de Thomas, Belle tinha cabelos ondulados e escuros.

– Se eu soubesse que o Bola de Neve iria trocar de lugar comigo, eu não teria te dado. - disse Thomas, fingindo estar com ciúmes.

– Não o escute, Bola de Neve, ele só fala besteira! - disse Belle, tapando os ouvidos do gatinho, rindo.

– Olhem só, quem está aqui! - Mia surgira de repente ao lado dos garotos, com um sorrisinho malicioso nos lábios.

Jennifer e Sing encontravam-se ao seu lado, com o mesmo sorrisinho que a morena do meio do grupo.

– O que você quer? - perguntou Thomas, irritado.

– Acabar com a vida de Lílian Evans… - disse Mia, dando um sorrisinho e batendo palmas. - mas antes disso, descobrir o que está rolando entre vocês.

– Você é louca, Miandra… - retrucou Belle.

– Olha só quem fala… - começou Jennifer, cruzando o braços. - não foi ela que foi ao baile com alguém que só a estava usando.

Thomas ficara escarlate e abaixara o rosto.

– Engraçado, porque foi ela que enlouqueceu só porque o namorado falou com outra garota… - disse Belle, calmamente.

Mia virou-se friamente para ela, esboçando um sorrisinho desdenhoso.

– Você sabe muito bem que logo o Zac vai voltar correndo para mim e que a sua amiguinha sangue-ruim será deixada de lado. - disse Mia, encarando Thomas. - Vocês são muito estranhos! Dizem que são namorados mas eu nunca vi vocês darem as mãos sequer!

– Não devemos nada à você. Não precisamos te provar nada… - retrucou Thomas, mal-humorado.

– Vocês garotos são tão idiotas! Somos do terceiro ano! Vocês querem perder seu tempo com essas garotinhas do primeiro ano? - indagou Mia.

– Não tem nenhum problema nisso, Miandra! - disse Sing, irritada. - Eu saio com muitos garotos até mais mais velhos que vocês!
– Sim… você sim, mas, olhe para ela! - rebateu Miandra, apontando para Belle.

– Se você quer saber, ela é muito melhor que qualquer uma de vocês poderá ser um dia. - respondeu Thomas, fazendo com que Belle o olhasse admirada. - E muito mais bonita.

As garotas arquejaram, e Miadra balançou a cabeça, cruzando os braços.

– Você me decepcionou, Tho… - disse ela, suas mechas loiras se realçando no Sol do meio-dia. - nunca pensei que permitiria que uma garota dessas te fizesse de estúpido. Parece que você puxou a doença daquele Potter, e infelizmente do Zac. Mas isso não vai ficar assim, lindinho!

Mia se abaixou na altura dos dois e seu rosto se encontrava a centímetros do rosto de Thomas. A garota aproximou-se um pouco mais e tascou-lhe um beijo na bochecha.

– Não vai mesmo… - disse ela levantando-se e se afastando com as duas amigas.

Thomas e Belle enfrentaram um longo e constrangedor silêncio após a saída de Miandra, avaliando cada uma de suas palavras. Belle acariciava Bola de Neve como uma desculpa para não encarar Thomas, que ela sabia, que a observava.

– Foi um ótimo ator dessa vez… - disse ela, quebrando o silêncio.

Thomas mexia na grama, puxando algumas folhinhas levemente.

– Eu não estava atuando. - falou ele, levantando o rosto. - Nós não… er… somos namorados. Mas você é de longe muito melhor que elas.

Belle erguera as sobrancelhas sentindo seu rosto ruborizar e aproximou-se um pouco mais de Thomas com as sobrancelhas erguidas.

– E… mais bonita?– indagou ela, esforçando-se ao máximo para não rir.

Thomas ficara escarlate e engolira em seco. Ele levantara o rosto com um sorrisinho de lado e deu um leve empurrão na amiga.

– Ei! Você não me respondeu! - exclamou Belle, soltando Bola de Neve no gramado, no que o gatinho correu para longe da dona, brincando com as plantas. Belle segurou Thomas, rindo junto com o amigo.

A garota fora pega de surpresa quando Thomas se inclinara para frente e depositara-lhe um beijo na bochecha, ficando mais vermelho do que já estava, se é que isso era possível.

– O que foi isso? - perguntou ela, com a mesma coloração do amigo, rindo nervosa. Seu coração pulsava cem vezes acima do normal e ela sentia que estava prestes a desmaiar.

– Uma demonstração do que acabou de acontecer. - disse ele, apontando para Mia do outro lado dos jardins.

– Então, em outras palavras, você decidiu dar uma de Mia? - perguntou Belle, gargalhando.

– Ei! Não reclame, você pegou o meu lugar! - exclamou ele, fingindo indignação.

Os amigos continuaram rindo, ainda sem graças com o ocorrido. Lá no fundo, os dois sabiam que, o que sentiam um pelo outro era muito mais que amizade. Era um grande oito virado ao contrário, demonstrando um infinito de milhares de palavras que os uniam em um só. Em um só amor.

***

– Muito bom Tiago, se continuar assim, no segundo ano você consegue a vaga de apanhador de primeira! - elogiou Frank, pousando a vassoura no mesmo momento em que Tiago pousou. - Você também, Black! É um ótimo batedor!

– Valeu Frank - agradeceu Tiago, sorrindo. - , ano que vem você terá um novo apanhador!

– E um batedor! - acrescentou Sirius, acenando o bastão animado.

– Assim espero… - disse Frank, sorrindo.

– Então… como está a Alice? - questionou Tiago, com um sorrisinho maroto.

Frank parecera meio nervoso e abaixara os olhos para sua vassoura, mexendo numa madeira solta.

– O que tem ela?

– Fala sério! Está rolando alguma coisa, não é? - disse Sirius, erguendo as sobrancelhas.

– Ah… er… não, não está. - respondeu Frank, parecendo meio chateado. - Nós decidimos seguir em frente. E foi o que fizemos. Somos amigos.

– Mas você está completamente apaixonado por ela - retrucou Tiago, cantarolando uma música melosa, provocando Frank.

– Cale a boca, Tiago! - disse Frank, com o rosto rubro, guardando a vassoura no armário.

Os garotos gargalharam e, após guardarem os instrumentos de voo, se dirigiram de volta para o castelo.

Eles se arrepiaram quando ouviram um uivo distante, proveniente da Floresta Proibida. Tiago e Sirius se entreolharam, trocando olhares cúmplices enquanto voltavam seu olhar para a floresta.

– Lobisomens, não é? - disse Frank, sem parecer se importar muito com o som que acabara de ressoar.

– Hum… como você sabe? - perguntou Tiago, nervoso.

– É… pode ser qualquer coisa. - disse Sirius, apertando o passo.

– Não… esse uivo pertence com certeza a um lobisomem. - disse Frank, encarando os dois.

– Como pode ter tanta certeza? - pressionou Tiago.

– Fácil. - respondeu Frank, apontando para o céu nebuloso. - É lua-cheia.

Tiago e Sirius prenderam a respiração e permaneceram em silêncio até chegarem ao salão comunal com Frank ao seu lado, tagarelando táticas de quadribol. Porém sua fala morrera quando, ao cruzarem o retrato da mulher Gorda, se depararam com uma cena que não os agradou nada. Principalmente à Frank, apesar do garoto não gostar de admitir.

Alice e Caius olhavam-se, enquanto os dois estavam sentados de mãos dadas no sofá de frente para a lareira. Seus rostos, muito próximos, eram separados somente por palavras que os dois murmuravam um para o outro.

Frank abriu os lábios, prestes a dizer algo, mas parecera por mais estranho que parecesse, sem falas.

– Acho que eu vou vomitar - avisou ele, inclinando-se para a frente. Tiago e Sirius se apressaram em segurar o amigo e o levaram apressadamente para o dormitório masculino.

O garoto demorara algum tempo para sair do banheiro dos amigos e parecia extremamente esverdedado quando tombara numa das camas, murmurando inconsolável.

– Que horror… - murmurava ele. - eu nunca mais serei capaz de sair desse dormitório fedido…

– Ei! Sabemos que é fedido, mas é tudo culpa do Pedro! - protestou Sirius.

– Como ele foi capaz? - perguntou Frank, ignorando Sirius e levantando a cabeça. Seus olhos fitavam o vazio.

– Quem? - perguntou Tiago, confuso.

– Ora, o Caius é óbvio! - exclamou Frank, saltando da cama de Remus e rodando o dormitório. - Ela é só… ela é… nem é capaz de se defender!

Tiago e Sirius olharam para baixo, mordendo os lábios para não cair da gargalhada.

– Ela nunca teve um namorado, ou um… espere aí! Será que ela já beijou alguém? Não, não… não ela nunca… ela não pode ter…

– Está preocupado com o fato da Alice, sua amiga, da sua idade, já ter… beijado alguém? - perguntou Sirius, incrédulo.

– Se você fosse apaixonado pelo Sirius, eu não sei o que você teria feito com ele… - disse Tiago, gargalhando. - O monte de garotas que ele já…

– Eu não sou apaixonado pela Lice! - protestou Frank, seu rosto parecendo estar em chamas, devido à vermelhidão.

– Não estou falando nada! - disse Tiago, pondo as mãos para o alto, como se estivesse se rendendo.

Frank sentou-se na cama, com os ombros encolhidos, parecendo triste como nunca parecera antes.

– Ela é só uma… ela é... minha amiga. - disse ele. - Não! Se o Caius acha que pode fazer isso, ele está enganado! Não vai ficar por isso! Não vai mesmo…

– Er… vamos com calma. Ele também é seu amigo! - disse Tiago, encarando Sirius, pedindo ajuda.

– É… vocês três são grandes amigos, não é? Você deveria pensar bem antes de fazer qualquer coisa. - aconselhou Sirius, esboçando uma careta.

– Sim. Ele era meu amigo… - disse Frank. - mas agora, ele… ele… agora ele está com Alice!



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado!! ;) Beijos!!