Jily - How I met you escrita por ChrisGranger


Capítulo 23
A nevasca esperada


Notas iniciais do capítulo

Olá pessoal! Acelerando um pouco as coisas ;) !! Espero que gostem!!



À medida que o Natal se aproximava com seus dias gelados, os alunos ficavam cada vez mais ansiosos com as férias tão esperadas. Os professores e, principalmente, o guarda-caça de Hogwarts, Hagrid, enfeitavam e decoravam o castelo com decorações natalinas, e era possível enxergar um clima de harmonia em todos os alunos de Hogwarts, até mesmo entre as casas, como Grifinória e Sonserina que pareciam ter dado uma pequena trégua.

Quando Lílian avistara da janela de seu dormitório, na véspera de Natal, os jardins e o castelo cobertos de neve, a garota soltara um gritinho animado, vestindo-se rapidamente.

– Acordem! A neve chegou! Estava demorando tanto, mas chegou, finalmente! - exclamava Lílian, acordando Abbey e Belle. Jane e Heloísa haviam ido para casa, passar o Natal com a família.

As duas levantaram-se afinal, com muito custo de Lílian e as três se dirigiram para os jardins, na manhã congelada de sábado.

Já no dormitório masculino, Tiago Potter dormia tranquilamente e todos os seus pensamentos eram esquecidos e deixados de lado, enquanto ele mergulhava no mais profundo sono. A verdade era que, o garoto andara muito preocupado ultimamente. Dumbledore não dissera mais nenhuma palavra sobre o lobisomem ou sobre o tal de Tom, o que o deixava angustiado. Já conhecera vários Toms na vida, era um nome bem comum. Mas o diretor, parecia decidido a não metê-los mais no assunto, do que já estavam metidos.

– Está nevando… - murmurou Remus, fazendo com que os olhos de Tiago se abrissem quase que, repentinamente. O garoto pulara da cama, se dirigindo até a janela, onde o amigo, que Tiago recentemente descobrira ser um lobisomem, estava. - Caramba, acordou cedo, hein?

Tiago esboçou um sorrisinho maroto, sem desgrudar os olhos da janela.

– Eu só… gosto de neve. - admitiu ele, enxergando nos jardins uma massa de cabelos vermelhos. - Vamos?

Tiago demorara um tempo para acordar Sirius e Pedro, mas por fim, jogara água gelada nos rostos dos dois, que pularam da cama gritando ameaças contra Tiago.

– Você vai ver, Tiago! - disse Sirius, jogando um travesseiro no rosto do amigo, que rira ainda mais da expressão de Sirius.

– Estou tremendo de medo, Sirius! - respondera Tiago, sarcasticamente.

Os amigos desceram as escadas animadamente, azarando com feitiços leves diversos alunos da Sonserina.

– Chega! - repreendeu Remus, tentando recuperar a fala depois de tanto rir de um garoto do segundo ano desabar nas escadas, graças às azarações dos amigos.

– Remus, aprenda a viver! - aconselhara Tiago, sentindo o rosto congelar quando eles chegaram aos jardins. - Agora… a melhor azaração do dia!

Os amigos viraram-se para o lugar em que Tiago apontava, ansiosos.

– Ah… é a Evans. - disse Sirius, balançando a cabeça. - Por que não estou surpreso?

– Certo… no três. - avisou Tiago, escondido atrás de uma das árvores, enquanto as garotas encontravam-se na beira do Lago. - Um, dois… três!

Os garotos presenciaram diversos acontecimentos ao mesmo tempo, e, quando Tiago percebera o que aquilo desencadearia, tudo o que sabia era que teria que fugir das garotas por muito tempo.

Enquanto Tiago, lançara uma azaração que trazia uma pequena avalanche de neve em direção das três amigas, Sirius lançara outra que fizera com que a própria água do lago espirrasse nelas. Remus, fizera um simples feitiço que desencadeara uma poça de lama nos pés de Lílian, Abbey e Belle e Pedro, para sua infelicidade, não conseguira realizar nenhum feitiço.

A reação fora instantânea. Enquanto Belle e Abbey gritavam, Lílian, com o rosto avermelhado, dirigiu seu olhar para trás e avistou Tiago, Sirius, Pedro e, até mesmo Remus, gargalhando. Lílian estreitou os olhos verdes esmeraldas, enterrada em neve até o pescoço e sentindo-se encharcada.

– Vocês vão ver! - gritou ela, ameaçadora para os quatro. - Quando eu conseguir sair daqui, vocês vão ver! Minha varinha… onde está…

– Eu não acredito nisso! - gritava Abbey, desesperada, tremendo de frio.

– Seus… argh! Idiotas! - apoiava Belle, tentando inutilmente livrar-se de toda a neve.

Os garotos, vermelhos e com lágrimas nos olhos de tanto rir, encararam elas, cruzando os braços.

– E é isso que eu chamo de vingança, Evans! - exclamou Tiago, convencido.

– POTTER! Você já tinha me azarado antes de eu lançar aquele simples feitiço de furúnculos e… - Lílian tossiu, sentindo sua voz ficar rouca. - se eu pegar uma pneumonia a culpa é de vocês…

Os garotos fizeram caretas, confusos.

– O que é uma pdeumia? - perguntou Sirius, curioso.

Lílian revirou os olhos, irritada, ainda procurando a varinha no meio de toda a neve e lama, até que, uma ideia repentina lhe ocorreu.

– É inútil Evans… vocês só vão sair daí quando nós quisermos! - disse Tiago, indicando os quatro garotos.

– Abbey, Belle… acho que estou ficando sem ar… - murmurou Lílian, alto suficiente para os garotos escutarem. Ela olhara de relance, Tiago fechar a cara e franzir um pouco as sobrancelhas.

– O quê? - esganiçou Abbey, arregalando os olhos, porém Lílian lhe dera uma piscadela, fazendo com que a amiga relaxasse um pouco. - Ah… Meu Deus! Você não vai desmaiar, vai?

– Na verdade… eu estou muito mal… - disse Lílian, fazendo com que os próprios dentes batessem.

– Até parece que vamos acreditar nisso, Evans! - disse Tiago, dando uma risadinha nervosa, observando a garota.

– Acho que é melhor tirá-las de lá… - aconselhou Remus, preocupado.

– Elas estão bem! O que é um pouco de neve? - retrucou Sirius, rindo.

Lílian encarou os garotos, tremendo de frio e lentamente, tombara a cabeça para o lado, fingindo desmaiar.

– Evans? - chamou Tiago, um pouco nervoso, aproximando-se rapidamente. - “Ivenyun!”

A neve em volta da garota espalhou-se para os lados e Tiago a puxou rapidamente.

– Evans? - chamou ele, novamente, balançando a garota em seus braços.

A garota abrira os olhos triunfante, puxando a varinha das vestes, rapidamente.

– Eu não disse, Potter? Você vai ver! “Inchacios”! - gritou ela roucamente, enquanto Tiago se desvencilhava rapidamente da garota e desviava do feitiço.

– Eu avisei! - disse Sirius, convencido. - AÍ! Evans!

A garota acabara de acertar Sirius com uma azaração e suas pernas tombaram, sem conseguir realizar nenhum movimento.

– Bem feito! - exclamou a garota, enquanto ajudava as amigas a se livrarem da neve e da lama.

– Você me enganou! - exclamava Tiago, incrédulo. - Unintis!

Lílian conseguira esquivar-se por pouco do feitiço, escondendo-se atrás de uma das árvores. Abbey tinha sido acertada por uma azaração que Pedro, por mais incrível que parecesse havia lançado. Sirius também já se encontrava no chão, graças a Lílian, e murmurava inconsolável.

– Potter! Você é tão... argh! Acha que pode sair azarando todo mundo pelo caminho! - disse Lílian, sua voz mais aguda que o normal graças à rouquidão, erguendo a varinha. - Mas no final, quem é azarado é você! Verguincho!

Tiago abaixara por pouco, dando um sorrisinho maroto para a garota.

– Tudo bem... como eu sou muito legal, vou dar uma chance para vocês se renderem. - disse Tiago, alheio aos movimentos de Lílian, que apontava a varinha para ele mais uma vez. - Então, eu vou contar até três... um, dois... AÍ! Ela me acertou! Como você...

A voz de Tiago foi sumindo aos poucos até que o garoto, aflito com as duas mãos na garganta, não conseguia pronunciar nenhum som, sequer.

Os garotos riram mais que nunca, diante da situação de Tiago, que encarava Lílian fazendo gestos.

– O quê você disse, Potter? Ah... sim! Eu te disse! Você não pode simplesmente sair azaran... - Lílian se atordoara e ficara em silêncio no mesmo instante. Sua voz sumira, assim como a de Tiago e ela observou os amigos, exigindo respostas.

Mas somente o que todos fizeram foi gargalhar ainda mais, inclusive Abbey (que conseguira afinal, se levantar devido à azaração de Pedro) e Belle. Tiago a encarava triunfante com seus braços cruzados e um sorriso maroto. A garota o encarara de volta, ferozmente.

– É parece que nós também conseguimos algum resultado, Líly!– disse Sirius, rindo. - Você acertou Tiago com um feitiço silenciador, que dura mais ou menos... um dia? Enquanto nós, com neve, água gelada e lama... fizemos você perder completamente a voz, que dura... digamos uns três dias para voltar completamente. É... você vai passar um Natal bem... silencioso!

Os garotos riram, inclusive Tiago, que mesmo sem voz, gargalhava da cara que Lílian fizera.

– Vocês estão ferrados! - exclamou Abbey.

– É mesmo? Por que senhorita Hastins? - questionou Sirius, virando-se para a garota.

– A Líly esperou o ano inteiro para ver neve. Ela simplesmente ama o Natal! E quando ela recuperar a voz... vocês vão ter que fugir por muito tempo...

Foi a vez de Lílian dar um sorrisinho maroto, e mostrá-lo para Tiago que parecia, estranhamente feliz.

– Então é igual ao nosso amigo aqui... - Remus indicara Tiago. - ele pulou da cama quando viu a neve da janela do nosso dormitório.

Lílian fizera um movimento com os lábios e, abaixou-se no chão coberto de neve segurando com as mãos um punhado desta. Então, aproximando-se de Tiago, depositou todo o conteúdo em sua cabeça, fazendo-o pular e ficar vermelho, abrindo os lábios, tentando dizer algo.

– Eu acho que a Lily disse algo como: “Então, você também gosta de neve? Vamos ver se você gosta disso”... - traduzira Belle, rindo.

– E o Tiago disse: “Você vai ver, Evans!” - completou Remus.

– Não... acho que ele disse algo como: “Eu sou um pateta!” - implicara Sirius, fazendo o grupo rir novamente.

– Bom... é melhor tomarmos um banho, antes que você piore Lílian. - aconselhou Belle afinal, puxando a amiga encharcada de água, lama e neve.

Lílian assentiu ainda observando os garotos ferozmente. Tiago, com um rápido movimento, formara uma bolinha de neve e jogara na garota que virara-se para trás, vermelha de raiva e abrira a boca, tentando gritar.

– Espere, Líly. Eu faço isso para você. POTTER! - exclamou Abbey, rindo e dando empurrões para que uma Lílian resistente, continuasse a andar.

***

Mãe e Pai,

Deve ser muito ruim passar o Natal sem o melhor membro da família por perto. Não se preocupem! Para a felicidade de vocês, eu decidi passar a Páscoa em Londres. Este definitivamente é um dos melhores Natais da minha vida! Hogwarts é demais! As decorações do castelo são ótimas e tudo parece mais mágico do que já é! Aqui está nevando! Hoje à tarde eu já fui ao campo de quadribol com o Sirius e treinar na neve é sensacional!

Pai, te vi no jornal outro dia! Você mandou três caras para Azkaban! Isso é demais! Mãe... eu tenho que te dizer... você é a melhor mãe do mundo... sério, eu te amo incondicionalmente! E, já que vocês são os melhores pais, nesse Natal seria incrível ganhar uma vassoura! Nada demais... é só uma ideia! É que... eu fiquei sem voz, gente. E, passar o Natal em silêncio não é legal! Então, sabe, para me alegrar um pouco... uma vassoura novinha iria ser a melhor coisa!

Saudades de vocês.

Feliz Natal!

Tiago Potter

Olá, mamãe, papai e Túnia!

Como está nossa vila? Espero que maravilhosa... lembro-me do Natal do ano passado! Tantas luzinhas pisca-pisca, decorações por toda a casa e biscoitos que só a mamãe sabe fazer! Vocês decoraram a casa mesmo sem mim, não é? Eu sei que eu amo fazer isso, mas esse ano, a Túnia terá que fazer por mim!

O Natal aqui é maravilhoso... o salão está todo decorado com árvores e enfeites natalinos e até os professor Flitwick se vestiu de duende ontem! E o melhor! Está nevando! Muito mesmo! Não é qualquer neve! É uma que dura por dias e dias... eu fiquei até... er... sem voz por causa da neve. E por causa de água. E de lama também. Enfim, acho que é um dos melhores natais que já passei em toda a minha vida! Só está faltando vocês... saudades eternas! Vocês são tudo para mim...

Amo vocês!

Feliz Natal!

Lílian Evans

Lílian levantou-se do pufe do salão comunal, que escrevera uma carta para a família e se dirigira em direção ao retrato da mulher gorda, afim de enviá-la logo por uma das corujas da escola.

– Aonde você vai? - perguntou Abbey, impaciente. Sirius estava tentando ensinar um feitiço de Tranfiguração para a garota há uma semana, porém ela ainda não obtivera sucesso.

Lílian indicara a carta, sorrindo. Abbey assentiu, voltando o rosto para a mesa que continha uma xícara.

– Tem certeza que você quer que eu aprenda essa coisa na véspera de Natal, Black? - indagou Abbey, exasperada.

– Você é uma bruxa, Hastins! Você consegue! Anda faz logo isso que eu ainda tenho que ir na cozinha pegar algumas coisas... - retrucou Sirius, enquanto Lílian saía da sala comunal.

Antes de a garota sair da sala, Tiago tocara seu ombro chamando-a. Lílian erguera as sobrancelhas, cruzando os braços.

O garoto indicara uma carta que ele mesmo segurava e se inclinara numa mesa escrevendo num pergaminho qualquer.

Quer que Harpias entregue a sua carta também? Ela já vai entregar a minha mesmo...

Lílian, desconfiada respondera:

Qual é a pegadinha, Potter? Quem é Harpias?

Tiago revirou os olhos castanhos esverdeados.

É a minha coruja, Evans! E qual seria a pegadinha de ajudar alguém?

O pedaço de pergaminho acabara e Lílian procurara outro nos bolsos. Suspirando, a garota pegara a pena e escrevera em sua própria mão.

Vejamos... se esse alguém se chama eu, significa que há muitas possibilidades de ser uma pegadinha!

Tiago fizera uma careta, abrindo a boca para retrucar.

– Reclamona...- escrevera ele em sua própria mão.

– Convencido! - respondera Lílian.

– Foguinho!

– Arrogante!

O quê diabos vocês dois estão fazendo? - questionou Abbey, percebendo a vermelhidão dos rostos dos dois se encarando ferozmente.

Lílian fez um gesto displicente e Tiago subitamente, arrancara a carta de suas mãos. A garota protestando silenciosamente começara a correr atrás de Tiago numa tentativa inútil de recuperar sua carta.

Tiago, enfim parou de correr com um sorrisinho maroto estampado em seu rosto.

– Pare com isso, Evans! A Harpias pode levar sua carta! - escreveu Tiago em sua mão, mais uma vez.

Lílian arfava e alguns fios de seus cabelos ruivos grudaram em seu rosto.

Certo... mas se alguma coisa acontecer com a minha carta, Potter, você vai ver! - respondera Lílian, afinal.

Eu sei que você me ama, Evans, mas não precisa ficar admitindo isso o tempo todo! – escreveu Tiago e com um rápido movimento, correu da sala comunal com as duas cartas, antes que Lílian tivesse sido capaz de lhe dar uma bofetada.

A garota revirou os olhos e, por algum motivo, guardou os bilhetes dos dois nos bolsos de suas vestes. “Algumas provas para se algum diz eu for parar em Azkaban por causa desse peste” pensara ela rindo.

Mais tarde, porém, Lílian descobriria que não fora por isso que ela guardou aqueles bilhetes nos bolsos. Fora por um sentimento que ela mal sabia, que existia.

***

– Abre logo! - exclamou Abbey, na sala comunal com a companhia de Tiago, Sirius, Pedro, Remus, Lílian e Belle.

– Certo... - concordou Belle, afinal, abrindo cuidadosamente um de seus presentes que viera numa caixa com vários furinhos. A garota soltara uma exclamação quando, ao abrir a caixa, encontrou um pequeno gatinho branquinho. Ela erguera as mãos cautelosamente e o segurara, sorrindo emocionada. - Eu não acredito...

– Quem te deu essa bola de pelos? - perguntou Sirius, observando o gatinho nas mãos de Belle.

A garota puxara uma carta de dentro da caixa e a abriu. Ela arregalou os olhos e ficou vermelha no mesmo instante.

– Deixe-me ler! - pediu Abbey.

Belle mostrara a carta para Lílian e Abbey que leram com os olhos arregalados.

Eu disse que te daria alguma coisa! Afinal, alguém tão importante quanto você merece! Você me fez vencer o meu pior medo, que eu mal sabia que existia. Eu sou eternamente grato a você, Belle!

Feliz Natal!

Thomas

P.S.: Espero que tenha gostado do gatinho... era o único que ainda tinha na loja. Pensei logo em você quando o vi! Estou ansioso para descobrir o nome!

Abbey dera gritinhos animados e Lílian ria silenciosamente do rosto rubro de Belle.

– Ah... já sei quem deu! O seu namoradinho... - adivinhou Sirius, sorrindo marotamente.

– Ele não é meu namorado! - exclamou Belle, mais vermelha ainda.

– Ahá! Admitiu que é ele! - irritou Sirius ainda mais.

Belle o ignorou e Pedro abriu um de seus presentes, animado.

– Uma caixa de bombons! - exclamou ele, feliz, abrindo a caixa no mesmo segundo. – Valeu Remus!

– Não há de quê! - respondera o garoto, rindo e virando-se para seus presentes. - Um livro! “Qualidades de um lobisomem”. Claro... muito obrigado, Tiago!

Remus estava rindo e estudava o livro, como se este fosse explodir a qualquer momento. Tiago assentira, rindo silenciosamente.

Tiago abrira um de seus embrulhos e encontrara uma caixa de logros e de diversos tipos de doces e dicas de azarações. O garoto virara seu olhar para Sirius, agradecido. O amigo dera de ombros.

– Lílian, sua vez! - disse Abbey, depositando um dos presentes da amiga em suas mãos.

A garota abriu um pacote pequeno e ao levantar a tampa da caixa, ouviu-se um estampido e uma explosão negra tomou conta dela. Tiago caíra da cadeira de tanto rir, enquanto Lílian espantava a fumaça para longe, brava.

– Esse fui eu que dei! - exclamou Tiago, arregalando os olhos, enquanto todos se viravam para ele assustados. - Minha voz voltou! Finalmente!

Lílian, com mais raiva do que nunca, levantou-se de seu pufe, tacando a caixa no rosto de Tiago.

– Agora ela ficou bravinha! - exclamou Tiago, correndo por toda a sala comunal com Lílian em seu encalço. - Eu disse para você, Evans! Tiago Potter sempre vence…

Lílian desistiu, cansada de tanto correr e desabou no sofá de frente para a lareira.

– Falar é tão bom! - exclamava Tiago, enquanto observava uma Lílian fumegante abrir os outros presentes. - Saudades de falar, pimentinha?

Lílian fuzilou-o com o olhar, enquanto ele se aproximava.

– Tudo bem… eu tenho mais um presentinho para você, cara Lílian. - disse Tiago, apontando a varinha para a garota. - Briustes!

A garota começara a tossir continuamente e durante alguns segundos ninguém pronunciara uma palavra sequer.

– Pode falar agora, Evans… - disse Tiago, sentando-se no sofá.

– EU TE ODEIO POTTER! - exclamou a garota, com a voz totalmente recuperada, puxando a varinha das vestes

– Espere! Eu te ajudei! Trouxe sua voz de volta, e é assim que você me agradece? - indagou Tiago incrédulo, desviando de uma azaração que a garota lançara.

Lílian esboçou um sorrisinho malicioso.

– Digamos que sim, é assim mesmo que eu te agradeço, peste! - disse ela.

Eles começaram a rir e aquele fora, de longe, o melhor Natal que os garotos já tinham passado.



Notas finais do capítulo

E, aí gostaram? :)