Jily - How I met you escrita por ChrisGranger


Capítulo 2
O Expresso de Hogwarts


Notas iniciais do capítulo

Olá pessoal!!!! Bem, espero que gostem do capítulo e por favor, deixem reviews para eu saber o que vocês acharam!



Lílian Evans e Severo Snape se encaminhavam ansiosos em direção à plataforma 9 3/4 com suas respectivas famílias. Eles estavam prestes a descobrir o mundo mágico, do qual faziam parte.

Lílian sorria, mas transmitia um olhar triste, ao lembrar de sua irmã, Petúnia. Lílian se sentira muito sozinha desde que a carta de Hogwarts chegara, e a irmã se recusava a falar com ela desde então. Petúnia, ficara ainda mais brava quando Lílian e Severo leram a carta que Dumbledore a enviou.

Severo, só conseguia pensar em como iria mostrar seus conhecimentos e suas habilidades aos professores e colegas que ele ansiava, um dia, inveja-los.

Ao chegarem ao destino, Lílian olhou para sua irmã que por sua vez, lançava-lhe olhares reprovadores e agressivos.

– Bem, acho que já vou indo - Lílian sorriu para sua família - Vou sentir saudades! - completou com os olhos marejados.

Seus pais choravam abertamente, orgulhosos. Porém Petúnia, permanecia rígida. Por um momento Lílian achara que sua irmã lançou-lhe um olhar triste e acolhedor, mas logo voltara a seu olhar duro. Lílian abraçou toda a família e Petúnia (que não retribuiu o gesto) e esperou Severo, enquanto chorava, observando seus pais e sua irmã se afastarem.

Severo estava acompanhado por seus pais, um casal rígido e correto. O garoto se dirigiu a eles, abraçou-os rapidamente e se afastou.

– Tchau, então. - disse Severo dando um rápido aceno para seus pais.

Os garotos se olharam e sorriram. Então, dirigiram-se para a barreira que separava as plataformas 9 e 10. Atravessaram então, a barreira correndo, dando adeus ao mundo trouxa.

Assim que avistaram um enorme trem preto e vermelho, que já soltava fumaça, pronto para partir, o sorriso dos garotos se alargou ainda mais.

– O Expresso de Hogwarts. - disse Severo orgulhoso.

– É enorme! - exclamou Lílian - Vamos Sev! Temos que achar um lugar!

E os dois partiram alegres para o trem.

–-------------------------------------------------------------------------------------------

Tiago passara pela plataforma 9 3/4 com seus pais o seguindo logo atrás, tentando alcança-lo.

"Finalmente! pensou alegre "Não acredito, não acredito!"

O garoto olhava, estático para o Expresso de Hogwarts, rindo e acariciando distraído sua coruja, Harpias.

– Tiago! - seus pais finalmente o alcançaram - Pare de correr! Quase não o achamos aqui! - reclamou sua mãe.

Porém, o garoto não prestava atenção. Ainda olhava admirado o trem e todos os alunos que embarcavam e se despediam dos pais, carregando suas bagagens e seus animais que levariam para Hogwarts.

– Ahm... er... - ele não prestava atenção no que dizia, mas então, saindo de seus pensamentos completou - Então, tenho que ir!

– Que pressa Tiago! - a voz grave de seu pai soava divertida - ainda faltam dez minutos para o trem sair!

– Certo, mas... tenho que achar uma cabine. - o menino disse e se adiantou, abraçando sua mãe.

A mãe chorava e soluçava emocionada.

– Trate de... - a mãe soluçou - de se comportar!

– Pode deixar mãe! - disse Tiago sentindo pena da mãe, já desesperado para entrar no trem.

Dorea o largou relutante e Tiago olhou para o pai. Charlus sempre o apoiara e o ajudara em tudo. Os dois sempre foram muito chegados, fascinados por quadribol, e era Charlus que contava tudo sobre Hogwarts à Tiago. Os olhos de seu pai, ao olharem para Tiago, transmitiam puro orgulho.

– Pai...eu er... - Tiago andou até seu pai, falando baixinho - obrigado, por tudo!

Ele não conseguiu falar mais nada. Seu pai o abraçava com puro orgulho e emoção.

– Arrase em Hogwarts! - sussurrou Charlus para Tiago.

O garoto soltou-se de seu pai, rindo e este lhe deu uma piscadela. Tiago deu tchauzinho para sua família e correu para o Expresso de Hogwarts. Chegando lá, Tiago procurou rapidamente uma cabine vazia, passando por diversos alunos nos corredores, se divertindo e se cumprimentando. Achou uma no finalzinho do trem. Entrou animado, porém se sentindo só. Nunca ficara tão nervoso quanto agora. E se ninguém gostasse dele? E se fosse para Sonserina? E se não realizasse os feitiços ensinados pelos professores corretamente?

– Ah! Cala a Boca! - exclamou com raiva para si mesmo. Então, virou-se para a janela da cabine e se pôs a observar os alunos se despedindo de suas famílias. Seus pais conversavam alegres com algumas pessoas e sorriam.

Tiago sorriu também, ao vê-los tão orgulhosos. Algum tempo depois, o trem começou a se locomover, ganhando velocidade. Tiago gritou seus pais, que vieram correndo dando adeus, até o trem virar a primeira curva e o garoto perder a estação de vista.

Muitas pessoas andavam pelo trem, às vezes, parando para espiar as cabines curiosas. De repente, passou pela cabine um garoto de cabelos escuros e encaracolados batendo nos ombros, e parou olhando Tiago. Ele abriu a cabine devagar e deu um sorrisinho.

– Iaí, beleza? Também do primeiro ano? - perguntou o garoto.

– Ahmm...sim. - disse Tiago desconcertado.

– Que bom! Eu também! Escuta... posso ficar nessa cabine com você? As outras estão cheias.

– Claro! - Tiago sorriu. O menino parecia ser bem animado e ativo, porém, continha um brilho desconfiado no olhar. - Qual o seu nome?

– Sirius - e completou sussurrando olhando para baixo - Sirius Black. E o seu?

O menino já se acomodara no banco em frente à Tiago.

– Tiago Potter. - disse ele dando um sorriso maroto.

– Então? Animado para ir à Hogwarts? - perguntou Sirius sorrindo à vontade.

– Nunca me senti tão animado! - disse Tiago.

– Concordo...eu estava louco para sair de perto da minha família, de qualquer jeito.

– Por que? - Perguntou Tiago assustado.

Sirius Black olhou desconfiado para Tiago por um tempo, mas então deu de ombros e olhou para baixo dizendo:

– Não me dou bem com eles. - Sirius levantou o rosto - Os Black são uma família muito grande e antiga, puro-sangues. Todos os Black foram da Sonserina.

– Bem, sinto muito... - disse Tiago começando a ter pena do garoto - Acho que se eu fosse da Sonserina eu sairia da escola!

– É, bem...todos esperam que eu vá para lá mas... uma das razões por eu não me dar muito bem com a minha família, é que não faço bem o tipo da Sonserina. Eu...não tenho nada contra os sangue-ru... - Sirius estremeceu - quero dizer, nascidos-trouxas.

Os dois ficaram em silêncio por um tempo, até que Tiago quebrou este momento constrangedor.

– Gosta de quadribol? - perguntou esperançoso.

– Como não gostar? - respondeu Sirius com um sorriso.

Então os dois conversaram animados, finalmente confiando plenamente um no outro, começando o que seria, uma grande amizade.

–-------------------------------------------------------------------------------------------

– Querem alguma coisa queridos? - perguntou carinhosamente a mulher do carrinho dos doces.

Lílian olhou questionamente para Severo que deu um sorrisinho e pegou de seu bolso alguns sicles.

– Claro! - respondeu Severo se levantando e escolhendo diversos doces para os garotos dividirem.

Severo agradeceu fechando a porta e a mulher arrastou o carrinho para a próxima cabine. O menino despejou os doces comprados no sofá.

– Então, o que vai querer? - perguntou Severo, tascando um caramelo do bolo de doces.

– Ahmm...de que são esses doces exatamente? - perguntou Lílian curiosa.

– Têm vários tipos. Esses são feijõezinhos de todos os sabores, tome cuidado com eles, quando eu digo de todos os sabores, são de todo os sabores mesmo! - Lílian estremeceu ao fitar o pacotinho com vários feijõezinhos coloridos - Estes são os sapos de chocolate, vem uma figurinha de um bruxo famoso em todos eles! Isso aqui são balas de alcaçuz, estes caramelos derretidos, balinhas de limão apimentadas... - Severo continuou explicando e mostrando à Lílian todos os tipos de doces, e a garota permanecia admirada. Depois de algum tempo, os dois já tinham se empanturrado de doces, e conversavam satisfeitos.

– Eu não acredito que você experimentou o feijãozinho cinza Lily! - Severo dava gargalhadas enquanto Lílian tentava segurar as lágrimas com seu rosto vermelho. - Este é de pimenta!

Os dois gargalhavam e brincavam um com o outro.

– Espero que você vá para a Sonserina! - disse Severo quando Lílian já havia se recomposto do feijãozinho de pimenta. - Você sabe, onde valorizam muito mais sua mente e suas qualidades!

– A Grifinória não deve ser tão ruim como você diz, Sev! - disse Lílian pensativa.

Severo Snape deu um muxoxo de reprovação.

– É a pior casa, a Grifinória. Só querem se mostrar, e se dizem nobres, só por ter bom coração, de acordo com eles, se quer saber. Só procuram encrenca.

Lilían ficou quieta, olhando pela janela e logo perguntou mais.

– Hmm... e quanto à Corvinal? São os mais inteligentes não é?

– É, a Corvinal não é tão ruim. É uma casa interessante... onde a inteligência e a sabedoria não têm limites.

– E quanto à Lufa-Lufa? - perguntou Lílian animada para saber mais.

Severo deu um risinho.

– Bem, dizem que o pessoal de lá é bem acolhedor, sincero e honesto...mas se quer saber a minha opinião, acho que é uma casa meio patética. No que honestidade e sinceridade te ajudam, afinal? Mas, pelo menos é melhor que a Grifinória!

– Acho que a honestidade e a sinceridade são muito importantes, sim Sev! - disse Lílian num tom severo.

– Ahh, vamos Lily... - Severo deu uma piscadela - Se nós valorizássemos tanto isso, não teríamos lido aquela carta que Dumbledore mandou pra sua irmã, coitada... - Severo riu e olhou para Lílian.

Porém, esta na mesma hora se alterou, e seus olhos verdes esmeralda marejaram.

– Com licença. - disse Lílian sem levantar o olhar saindo correndo da cabine mas em tempo e ouvir Severo gritando seu nome.



Notas finais do capítulo

Bom pessoal, espero que tenham gostado! Prometo que posto logo o capítulo 3!!!! Já estou quase terminando! Beijinhos!