Jily - How I met you escrita por ChrisGranger


Capítulo 11
A qualidade extraordinária


Notas iniciais do capítulo

Olá pessoal! Espero que gostem!



Belle corria apressada pelo corredor no último dia antes dos alunos voltarem para suas casas. A garota se atrasara completamente para as aulas. Estava com olheiras nos olhos e seus cabelos, ela imaginava, estavam piores que os da Frances Galmore (uma garota do segundo ano da Lufa-Lufa) de tão arrepiados que se encontravam.

– Ei, eu sei que eu não te conheço mas você gostaria de ir ao baile comigo? - disse um menino baixinho no final do corredor.

Belle parara atrás de uma pilastra. Ela não gostava de espiar, mas se ela passasse agora iria atrapalhar os dois. Ela esticara mais o pescoço para conseguir ver com quem Pedro Pettigrew estava falando. Era uma garota do terceiro ano da Grifinória.

– Amm… não obrigada… eu já tenho um par - disse a garota parecendo um pouco enojada, saindo logo depois.

Pedro mais uma vez encolhera os ombros e abaixara a cabeça. Belle se simpatizou com o garoto. Ela sabia o quanto era ruim todos os seus amigos terem par menos você. “Depois eu falarei com ele” pensara Belle, agora estava muito atrasada e precisava correr.

Ela deu a volta por trás da pilastra e continuou o seu caminho em direção à aula de História da Magia.

–---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

– E então, Malfoy? Alguém no mundo quis ir com você ao baile? Eu acho meio difícil, não é? - provocou Tiago na aula de Transfiguração.

Lílian e Lucius acabaram sentado, para desespero de Lílian na frente de Tiago Potter e Severo. Assim, a garota ouvia durante toda a aula as provocações de Tiago para Severo e Lucius (este porém, retribuía).

– Sabe é uma grande pena, Potter, você tentar me provocar, pois por trás disso eu tenho certeza que a única pessoa que não tem par é você. - disse Lucius, friamente, enquanto a professora Minerva corrigia o erro de Remus e Verônica Dingle.

– Há! É aí que você se engana… - disse Tiago transformando seu alfinete em uma almofadinha tão rápido que Lílian o encarara perplexa.

– O quê foi? - perguntou Tiago e reparando que Lílian o encarava mexeu rapidamente no seu cabelo e deu um sorrisinho.

– Como você conseguiu... - começou Lílian, mas logo percebendo o que estava fazendo, balançou a cabeça e virou-se novamente para frente encarando seu alfinete pensativamente.

Severo ficara vermelho de raiva, ao perceber que Lílian se admirou com Tiago, porém a garota não vira a vermelhidão do rosto do garoto.

Tiago deu um sorrisinho triunfante, encarando Severo silenciosamente. Os dois travavam uma pequena guerra de olhares, quando a professora de repente, chegou na mesa dos garotos para ver como estavam indo.

– Muito bom, sr. Potter! - disse a professora admirada, dando um pequeno e raro sorriso para o garoto - E o sr. Snape, só há um pequeno defeito. Sua almofadinha deveria ficar da cor do alfinete e não de uma cor alaranjada!

Severo abaixara a cabeça e assentira vermelho para a professora que passara para a dupla seguinte, Lílian e Lucius.

– Oh, sr. Malfoy por quê seu alfinete virou uma almofada deste tamanho? - perguntou a professora, espantada. A almofada de Malfoy estava o dobro do tamanho que era para ser.

Malfoy deu de ombros e encarou a professora friamente, quando ela se virou para Lílian.

– Querida, está tendo dificuldades? - perguntou a professora, pacientemente. Ela gostava bastante de Lílian, principalmente por conta de sua bondade.

– Não… é só que não estou conseguindo me concentrar… - disse Lílian, encarando seu alfinete, que simplesmente não se transformava numa almofadinha, quando a varinha de Lílian a apontava.

Lílian respirara fundo então, pensando em sua mãe e apontara a varinha para o alfinete mais uma vez. Ela sussurrou o nome do feitiço e então, o alfinete de repente transformara-se numa perfeita almofadinha.

– Oh! - exclamou Lílian, dando um grande sorriso - Consegui!
– Muito bom, srta. Evans! - disse a professora.

– Até que foi fácil…foi só pensar na minha mãe e…

– Como disse? - perguntou a professora, espremendo seus olhos já estreitos.

– Que foi só pensar na minha mãe? - perguntou Lílian, encarando a professora com seus olhos verde- esmeraldas.

– Isso é incrível… - disse a professora com a boca aberta - A srta. pensa tanto nos outros que até para realizar um feitiço você faz isso… extraordinário!

Lílian deu um sorrisinho nervoso e se sentiu ficar vermelha. As pessoas normalmente diziam que ela era muito bondosa e corajosa para defender à todos. Mas Lílian às vezes se cansava disso… se ela não fosse tão preocupada com os outros e se preocupasse mais consigo mesmo ela achava que a vida dela podia ser bem mais fácil.

Porém ela sentia tamanha compaixão por todos que era difícil mudar quem ela era. A professora deu mais um pequeno sorriso e seguiu para a próxima dupla.

– Humph! Pelo amor de Deus… pensa nos outros… a sangue-ruim é tão bondosa! Há! - sussurrou Malfoy contrariado.

Lílian simplesmente o ignorara.

–---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

– Ah vamos Remus… - insistiu Sirius mais uma vez - O que você estava fazendo durante todos esses dias? Às vezes você sumia durante o dia e à noite você simplesmente desaparecia e só voltava de manhã! E a sua cara nesses útimos dias não era nada boa...

– Já disse que estava me sentindo meio mal… - disse Remus por trás de seu dever de Poções na biblioteca.

Os garotos haviam passado a tarde inteira fazendo os últimos deveres antes de voltar para casa no dia seguinte.

– Sabe que nós não engolimos essa de “passando mal por uma semana”, não é? - perguntou Tiago, empurrando seu dever de História da Magia para a pilha de pergaminhos em cima da mesa e encostando-se na cadeira, cansado.

Remus, parecendo preocupado, tentou mudar de assunto.

– Então, onde vocês irão comprar as roupas para o baile? - perguntou ele.

– Provavelmente no Beco Diagonal… - disse Pedro, desistindo do dever de Poções e esfregando os olhos.

– É… eu também - disse Tiago.

– Meus pais devem ter um monte dessas roupas lá em casa… descendentes da família Black - disse Sirius, fazendo uma careta - Eles acham que o Beco Diagonal está infestado por todo tipo de gente… nascidos-trouxas, traidores de sangue... e não querem se contaminar, de acordo com eles.

– O quê seus pais disseram ao saber que você foi para a Grifinória? - perguntou Tiago.

– Eles surtaram! - disse Sirius, dando um sorrisinho maroto. - Meu pai disse que nunca viu tamanha ignorância à família Black e minha mãe não diz à ninguém que sou da Grifinória. Deve dizer que eu sou da Sonserina… - completou Sirius com mais uma careta.

– Você tem um irmão, não é? - perguntou Remus.

Sirius afirmou.

– Regulus… é dois anos mais novo que eu. - contou Sirius - Ele é como meus pais… tem nojo de nascidos-trouxas e traidores de sangue e se acha superior.

Os meninos permaneceram em silêncio por um tempo, até que terminaram os deveres. Ou, no caso de Pedro, parte deles.

Este na verdade, estava preocupado com outras coisas.

–---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

– Qual cor de vestido o Tiago deve gostar? - perguntou Abbey, nervosa mexendo em seus cabelos. Ela sempre fazia isso quando ficava nervosa.

– Como é que nós vamos saber? - perguntou Belle, irritada. A garota estava se sentindo mal por ser a única que não tinha um par.

– A Líly deve saber! - replicou Abbey, olhando para Lílian, que estava pegando algumas coisas para levar para casa.

A garota parou de frente para Abbey e revirou os olhos.

– Claro que vou! Afinal eu adoro o Potter! - disse Lílian sarcasticamente.

– Desculpa, srta. irritada! - disse Abbey virando-se para Belle - Ei, o que aconteceu com o Robert? Você não ia falar com ele hoje?

Belle fez uma careta.

– Ele já tinha par. Quando eu ia falar com ele, ele estava convidando a Emily Gills da Corvinal… - contou Belle.

– Hmm… calma… ainda falta uma semana para o Halloween. Amanhã você compra um vestido bem lindo e na próxima semana damos um jeito de arrumar um par para você! - disse Abbey tentando animar a amiga.

– É...tomara que você esteja certa. - disse Belle, desanimada.

Lílian deu um sorriso solidário para a amiga.

– Está tudo bem. - disse Lílian, torcendo para que ela estivesse certa.

***

– E o Guilherme é 3 anos mais velho que eu, apesar de ser a pessoa mais irritante do mundo! - contou Abbey, sobre seu irmão, Guilherme. As garotas estavam conversando sobre as famílias, durante muito tempo, enquanto o Expresso de Hogwarts avançava pelas estradas, em direção à Londres. - Ele é de Drumstrang.

– Drumstrang? - perguntou Lílian confusa, enquanto observava os feijõezinhos de todos os sabores detalhadamente, tentando decidir qual escolher. A moça do carrinho de doces havia acabado de passar.

– É uma outra escola de magia. - disse Abbey.

– Dizem que fica embaixo do mar… - disse Belle, excitada.

– Hmm… outra escola de magia? - perguntou Lílian interessada. - Eu não sabia que existiam outras.

– Como assim, Líly? - perguntou Abbey, catando um dos feijõezinhos de Lílian. - Você achava que só existia Hogwarts?

– Não… eu na verdade nunca parei para pensar nisso… - disse Lílian.

“CADUM!” As meninas se assustaram, de repente com um estrondo vindo do corredor do trem, e um grito de uma garota. As garotas se entreolharam com os olhos arregalados.

Lílian se levantou e foi até a porta devagar. Um pouco à frente no corredor, havia um tumulto de pessoas que pareciam assustadas. Lílian aproximara-se devagar e se assustou com o quê viu. Remus Lupin estava caído no chão, desacordado e com arranhões e marcas nas mãos e no rosto… de sangue.



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado!!! E por favor me mandem reviews!!! É o que me anima a continuar!!! Beijinhos!!!