The Choices Of Life... escrita por Natyh Chase Jackson


Capítulo 9
Conversas


Notas iniciais do capítulo

Eu voltei, agora pra ficar, porque aqui, o Nyah! é o meu lugar. kkkkk Isso ficou horrível, mas vocês relevam e fingem que foi muito engraçado.
Pessoal, como estão vocês? Eu espero que bem, pois eu estou maravilhosamente bem, e sabem por quê? Porque eu voltei no prazo, palmas para mim, palmas.
Bom, agora que eu já mostrei o quanto eu estou feliz, eu queria agradecer a todos os leitores que me deixaram reviews e dizer que eu prometo responder a todos. Okay? Okay. Essa semana eu vou pra academia, e eu responderei alguns enquanto eu faço esteira ou bicicleta, ainda não me decidi.
Bom, além de agradecer a esse pimpolhos maravilhosos que me deixaram supermegablasterhiperchucknorris feliz, eu também queria agradecer a Small Riordan eu adorei a sua recomendação, sua gata e eu adorei saber que é a sua primeira. Então, este capítulo é especialmente dedicado a você, tudo bem?
Espero que gostem, e aqui está a tão temível conversa entre a Annie e o Luke.



Annabeth não pensou muito antes de responder:

– Podemos. - a voz dela estava confiante e aquilo desconcertou o loiro, já que o mesmo estava pronto para berrar barbaridades quando ela se recusasse a conversar com ele, o que não aconteceu.

– Como? - ele perguntou sem acreditar.

– Nós podemos conversar, Luke. - a garota reafirmou, e um sorriso idiota começou a surgir no rosto do Castellan.

– Annie. - Nico chamou e não parecia adverti-la, já que tinha um tom calmo. - Posso falar com você? Rapidinho? - o moreno perguntou e ela assentiu confusa.

O Di Ângelo começou a andar em direção a casa com Poseidon, Sally e Annabeth em seu encalço. Quando Luke resolveu segui-los Thalia barrou sua passagem.

– Eu não lembro do Di Ângelo ter te chamado para essa conversa, Castellan. - a morena disse ácida e quando Luke abriu a boca para retrucar grosseiramente, sua mãe colocou a mão sobre seu ombro, pedindo silenciosamente que ele se mantivesse em silêncio.

Já dentro da casa quando Nico ia começar a falar, Poseidon fora mais rápido sugerindo que usassem seu escritório, este que ficava atrás de uma porta que tinha na sala, mas que constantemente era esquecido, já que o Jackson mais velho não o usava muito.

O escritório de Poseidon refletia a personalidade do dono, já que este era super descontraído e agradável de ser estar.

– Eu sempre me esqueço que tem um escritório aqui. - Sally resmungou, enquanto se sentava em um sofá branco que ficava ao lado de uma prateleira com alguns livros do ramo profissional do marido, a pequena saleta também tinha uma mesa de madeira feita a mão, muito bonita, as cores das paredes eram de um azul claro e branco, e os demais móveis eram pretos, dando um belo contraste com a luz do sol, esta que entrava em abundância por uma larga janela atrás da mesa de madeira.

– Porque me chamou aqui, Nico? - Annabeth perguntou na defensiva já que estava preparada para bater de frente com Luke e não com Nico.

– Eu conversei com Poseidon no café da manhã e ele até chegou a concordar comigo. - o moreno de olhos negros começou e Poseidon assentiu como se estivesse afirmando que o que o rapaz falava era a mais pura verdade - Annie, preste atenção, se o Luke pedir para ver o Peter você tem que deixar. Tudo bem? - Nico disse tudo com um pouco de insegurança na voz, já que a última coisa que ele queria naquele momento, era ter um Annabeth raivosa consigo.

– Como é que é? - a loira perguntou ultrajada, já que os planos dela era expulsá-lo a chutes e pontapés, mas antes ela teria que dizer algumas verdades na cara dele, é claro. - Eu não vou deixar esse canalha chegar perto do meu filho.

– Annie, me escuta. - Poseidon pediu, mas a garota nem lhe dera atenção.

– Não, não e não. Se depender de mim, o Luke nunca vai conhecer o meu filho. - a Chase parecia que perderia o controle a qualquer momento.

– Annabeth você tem que deixar. - Nico retrucou ainda calmo.

– Não, o filho é meu e ele se recusou a conhecer o filho quando nos abandonou. Não vai conhecê-lo agora. - a garota devolveu irritando-se com Nico.

– Annabeth! - uma voz imponente e mandona chamou sua atenção e a loira voltou-se abismada para Poseidon, este que não estava com uma cara muito boa - Você acha que eu estou levando numa boa a presença desse rapaz na minha casa? Ainda mais tento que abrir mão do meu neto, para aquele velho idiota que está lá fora? - o homem questionou com a voz rouca e forte, devia ser assim que ele tocava a sua empresa, com impotência e presença de líder, essas características que ele nunca tinha mostrado a Annabeth. - Escute o que o Nico tem a falar. É importante. - o homem voltou a pedir, só que dessa vez parecia um pouco mais com o Poseidon que a loira estava acostumada e a garota assentiu sentando-se ao lado de Sally, esta que analisava tudo em silêncio e para mostrar que estava ali para ajudá-la pegou as mãos da Chase e deu um aperto de leve.

Annabeth só teve tempo de lhe direcionar um sorriso antes de Nico começar a despejar informações em cima de si.

– Eu estive estudando alguns casos familiares para a faculdade - Nico começou fazendo com que Annabeth se lembra-se que ele estava estudando para ser advogado - Enfim, eu estudei vários casos onde a guarda dos filhos são disputadas e se o Luke conseguir comprovar que Peter é mesmo filho dele e provar que você o impediu de ver o próprio filho, as coisas podem se complicar para o seu lado.

– Como assim? - Annabeth perguntou começando a ficar com medo.

– Exame de DNA. – o rapaz fora sucinto e a loira assentiu com a cabeça, como se começasse a entender onde ele queria chegar com aquela conversa – Sem contar que Hermes não é o homem mais correto do mundo. - Nico afirmou com tanta convicção que uma arrepio gelado subiu pela coluna de Annabeth, fazendo-a se retrair.

– Se a guarda do Peter for disputada judicialmente, nós podemos alegar que ele os abandonou quando soube que eu estava grávida. – a loira disse tentando montar argumentos a seu favor.

– Sim, nós podemos. Mas como podemos provar que isso ocorrera de fato? – O rapaz perguntou arqueando a sobrancelha. – Ele pode simplesmente dizer que não sabia da sua gravidez.

– A Thalia. – Annabeth disse, e Nico deu um sorriso de canto como se já esperasse essa resposta.

– A Thalia não seria uma testemunha imparcial nesse caso. Você não concorda? – o Di Ângelo questionou e a Chase assentiu como se entendesse que sua amiga não seria de grande valia em uma situação como aquela. – O que eu quero dizer, é que se você permitir que Luke visite o Peter de vez em quando, as chances dele pedir a guarda de Peter judicialmente diminuem.

– Espera um pouco. Eu não estou entendendo muito bem. – Sally disse se intrometendo e Poseidon deu um sorriso torto antes de simplificar tudo que Nico dissera.

– Ele está dizendo que se a Annie dificultar a relação entre Luke e Peter, ele pode pedir a guarda dele judicialmente, e quando comprovado que ele realmente é o pai do menino, as chances dele aumenta e duplicam se ele contar que a Annabeth não deixa com que ele veja o filho. E pelo o que o Nico me contara sobre esse tal de Hermes, a influência dele pode chegar a tribunais de todo o mundo. Se é que me entendem. – Poseidon disse, fazendo com que a ficha das duas caíssem.

– Então, esse tal de Hermes pode conseguir com que o juiz deixe o meu filho sob a responsabilidade do Luke? Mesmo com tudo que ele me fez? – Annabeth questionou ultrajada, e Nico assentiu cabisbaixo. – Isso não pode estar acontecendo.

– Infelizmente está, Annie. – Nico resmungou, mas rapidamente colocou um sorriso no rosto como se tivesse a solução para os problemas de sua amiga – Por isso que eu te peço, que deixe o Luke ver o Peter quando ele quiser, pois desse jeito eles não vão pensar em tomar a guarda do Peter de você. Entende?

A loira apenas assentiu com a cabeça, antes de colocá-la entre os braços, impedindo que os outros vissem seus olhos lacrimejados.

– Nico, você poderia subir com a Thalia e explicar toda essa situação para o Percy? – Sally perguntou educadamente - Ele surtará caso a Annabeth deixe com que o Luke veja o Peter, ainda mais depois da noite passada. – ela complementou, e o rapaz apenas assentiu antes de deixar a saleta.

Não foi preciso um olhar mais profundo na direção de Poseidon, para que ele soubesse que sua amada esposa gostaria de ficar sozinha com Annabeth.

– Obrigada. – a mulher desenhou as palavras silenciosamente, enquanto Poseidon deixava seu próprio escritório.

Sally puxou Annabeth para seu colo e a aninhou com um bebê em seu braços, deixando que a jovem chorasse como choraria caso fosse a sua mãe ali, no lugar da Sra. Jackson.

– Pode chorar. Não faz mal. – Sally disse acariciando os longos cachos dourados de sua nora.

– Ele vai tirar o meu filho de mim. – Annabeth resmungou entre soluços e respirações cortadas.

– Não, ele não vai. Nós não permitiremos. – a mulher mais velha tentou acalmá-la, mas não parecia estar surtindo efeito.

Annabeth apenas se calou e continuou a chorar copiosamente no colo de sua segunda mãe, sim, Sally era como uma mãe para a moça, e se Atena pudesse estar ali, com certeza a agradeceria por ela ter mantido sua palavra e ter cuidado de sua filha e de seu neto.

Sally deixou que Annabeth chorasse por mais alguns minutos, mas logo tratou de fazer com que ela olhasse em seus olhos, já que a qualquer momento Luke poderia se cansar de esperar e decidir estrar no escritório, e tudo que ambas não queriam, era que ele visse a loira em um momento de fraqueza.

– Agora você vai enxugar essas lágrimas. – Sally disse secando o rosto de Annabeth suavemente com a palma das mãos. – E vai enfrenta-lo de frente.

– Mas... – a mulher mais velha não deixou que a loira completasse a sua queixa, pois rapidamente a interrompeu.

– Eu sei que você não quer dar o braço a torcer, por isso eu vou pedir para que o Percy desça com o Peter e o deixe com os... May e Hermes... – nem mesmo Sally conseguia admitir que Peter não era seu neto, pelo menos não de sangue – E quando vocês saírem, ele verá o Peter e não será como se você tivesse deixando que aquele encontro acontecesse e sim uma fatalidade. Simples assim.

Annabeth se admirou com o plano que Sally arquitetara em pouco tempo, e ele seria de grande ajuda, já que a loira não queria dar o braço a torcer cedendo a visita que Luke tanto queria, mas também não queria que seu filho fosse tirado de si.

– É perfeito. – a Chase disse secando o resto da lágrimas que ainda caiam de seus olhos, e completou – Peça para o Percy deixar nossas coisas prontas, já que assim podemos usar a desculpa de que estávamos de saída, logo, Luke não ficará muito tempo com Peter.

– Ótimo. – Sally disse se levantando e batendo as mãos como se tivesse acabado de assistir a uma pela peça de teatro – Tente disfarçar a cara de choro, afinal não queremos que esse idio... Rapaz tenha o gostinho de saber que te fez chorar. Não é mesmo?

Annabeth apenas assentiu e olhou, rapidamente, em uma das janelas que refletiam seu reflexo. O vermelho que as lágrimas deixaram em suas bochechas e na ponta de seu nariz não passaria tão cedo, mas os olhos úmidos e o rastro de água em suas bochechas já estavam totalmente cegos, e com uma pitada de raiva e indiferença em sua expressão facial, Luke nem notaria que Annabeth estivera chorando.

– Eu pedirei para que ele entre. Tudo bem? – Sally perguntou e Annabeth se voltou para ela, alarmada – Acalme-se, ele não poderá fazer mal nenhum a você, e muito menos ao Peter. – a Sra. Jackson tentou acalmá-la pela segunda vez, e a loira pareceu se tocar que se estivesse afoita ao enfrentar Luke, não sairia vitoriosa, e o que a Chase mais queria no momento era deixar o Castellan se sentindo como um lixo, um vermes se importância. Um verdadeiro nada.

– Pode pedir para que ele entre. Eu tenho algumas verdades entaladas na minha garganta. – a loira respondeu dando um sorriso sádico, e Sally sorriu antes de deixar o escritório de seu marido.

Annabeth olhou a sua volta e respirou fundo tentando acalmar seus batimentos cardíacos, estes que estavam um tanto quanto elevados devido a descarga de informações que Nico despejara sobre si. A loira não permitiria que Peter fosse afastado de si, portanto faria o que o Di Ângelo lhe pedira, mas depois conversaria com todos os advogados de Nova Iorque, e se fosse necessário com todos dos Estados Unidos, para saber como poderia manter o Castellan longe do seu filho.

A loira sentou-se na enorme cadeira executiva que Poseidon tinha em seu escritório, e enquanto se distraia com as fotos de Percy e Thalia pequenos, esperava com que o Castellan entrasse, para que assim a tão esperada conversa tivesse um início.

– Oi, loirinha. – Annabeth respirara fundo, quando percebera que alguém mexia na maçaneta, e ela logo soube que em questão de milésimos de segundos, Luke estaria ali, frente a frente com ela, e a única coisa que a garota fez depois de analisá-lo fora revirar os olhos perante o apelido que ele lhe dera, quando ainda namoravam.

– E então, Castellan, o que você quer? – a Chase perguntara em um tom gélido, e até mesmo um tanto quanto maldoso, e Luke logo mudara a postura descontraída para algo mais sério, percebendo de cara que aquela conversa não seria fácil.

Loirinha, eu só quero esclarecer algumas coisas entre nós dois. – o rapaz disse insistindo em usar o antigo apelido da Chase.

– Entre nós dois? – Annabeth perguntara debruçando-se sobre a mesa, mantendo a expressão de superior. – Não existe nós dois há muito tempo, Luke. Hoje em dia só existe Annabeth e Luke, suas pessoas completamente diferentes.

– Não é bem assim, Annie. - o rapaz disse andando até ficar frente a frente com a loira – Eu sei eu você ainda me ama, ou pelo menos ainda nutre algum sentimento por mim, afinal o que tivemos é uma coisa um tanto quanto difícil de se esquecer.

Annabeth se limitou a rir sarcástica, o que fez com que Luke encolhesse os ombros, já que este esperava enfrentar uma Annabeth frágil, igual àquela que ele namorara dois anos atrás. E não uma garota irônica e que aparentasse ser superior a ele.

– Você acha mesmo que depois do que você me falou eu ainda sentiria algo por você? – a loira disse se levantando e apoiando as mãos na enorme mesa de madeira.

– Acho. – Luke devolveu se debruçando sobre a mesa, mantendo seu rosto a centímetros do de Annabeth, esta que parecia um tanto quando perdida, devido à proximidade repentina. - Sabe por que eu ainda acho isso? – o loiro questionou roçando seus lábios nos de Annabeth, e a loira deixou se levar, olhando-o nos olhos como costumava fazer, quando ainda namoravam - Porque eu te amo, Annabeth. E eu tenho certeza que o amor que você sentia por mim, ainda está ai, em algum lugar dentro de você. – o Castellan afirmou com toda a convicção que havia dentro de si, e para fazer com que suas palavras tivessem mais credibilidade, ele levou sua mão direita até a bochecha da loira e acariciou, exatamente da mesma forma que era acostumado a fazer, e quando achou que o silêncio da loira era um sinal de que ele deveria continuar, ele se inclinou mais um pouco sobre a mesa, a fim de acabar com aquela distância e beijá-la de vez, mas antes que ele o fizesse por completo, a loira se afastou alguns centímetros e disse com a voz falha.

– Sabe o que eu acho? – ela perguntou com a voz mansa, e Luke deu um sorrisinho achando que ela se declararia para ele – Eu acho que ainda nutro sentimentos por você, Luke. – a loira disse e roçou mais umas vez seus lábios nos dele, deixando que ele acreditasse que ela ainda era apaixonada por ele – Mas sabe quais são esses sentimentos? – ela nem dera tempo dele responder, já que respondeu em seguida – Eu tenho ódio de você. Eu tenho nojo da sua pessoa. Eu tenho vontade de te esganar toda vez que olho para você. Eu tenho raiva de você. Está me ouvindo? RAIVA!

A garota continuou a falar com a voz mansa, como se estivesse contando que ainda era completamente apaixonada pelo Castellan, e ao usar aquele tom naquelas palavras, ela conseguira quebrar ainda mais o rapaz, já que ele realmente achara que poderia ter a sua Annabeth de volta. E para completar a loira puxou uma pasta, onde as mãos de Luke estavam apoiadas, o que acabou fazendo com que o Castellan e desequilibrasse e caísse de cara na mesa, deixando com que Annabeth risse da cara de idiota que ele fizera.

– Você achou mesmo que era só vir aqui, me falar coisas idiotas como essas que você acabou de falar, e me teria de volta? Assim? Do nada? – a loira perguntou dando a volta na mesa, e caminhando para ficar frente a frente com seu ex-namorado.

Luke ainda estava atônito com o que Annabeth tinha acabado de fazer, ainda mais da forma que ela fizera. Afinal, a Chase brincara com ele, fizera com que ele acreditasse que ainda a tinha e depois tirou tudo dele num piscar de olhos.

– Peter e eu estamos muito bem sem você. – a loira disse sem sarcasmos e brincadeiras, ela queria que Luke percebesse que ele não era importante, nem na vida dela, nem na de Peter.

– E como você me esquecera tão rápido? Porque, pelo que eu saiba um amor a gente não esquece da noite para o dia. – Luke devolveu enraivecido pelo o que ela fizera.

– Realmente, a gente não esquece alguém da noite pro dia, sorte que eu tive ajuda. – Annabeth respondeu e Luke ergueu a sobrancelha como se a desafiasse a continuar.

– Ah, e o idiota que te ajudou foi por acaso o Perseu? - o Castellan questionou debochado, e antes que a Chase pudesse retrucar, ele emendou – Desculpe-me dizer, mas eu acredito que ele só esteja com pena de você.

– Sim, o Percy me ajudou, foi ele quem conseguiu cicatrizar a maldita ferida que você deixou no meu coração. Eu devo a ele tudo o que eu sou hoje, ele me fez uma pessoa melhor. – Annabeth respondeu com convicção e o Castellan revirou os olhos antes de retrucar.

– Deixe-me te dizer uma verdade: Eu sou o pai do Peter. E não o Perseu. Você tem que ficar COMIGO. - Luke gritou exaltado e Annabeth riu debochada.

– O que te faz ser pai do Peter? Ter o seu DNA combinado com o meu correndo nas veias dele? - a garota loira perguntou sarcasticamente, e Luke teve a coragem de assentir - Então, deixa eu te contar uma novidade, pai é quem cria. - Annabeth completou com um tom de superioridade.

– Então na sua opinião o Perseu é o pai do Peter? - dessa vez o tom debochado partira de Luke.

– Ele também é o pai do meu filho, mas a lista é longa, mas se você quiser eu posso detalhá-la a você. - Annabeth não esperou que Luke a questionasse e logo emendou - A Thalia é mais pai do meu filho do que você e sabe por quê? Porque foi ela quem me apoiou desde o momento em que eu descobrira que estava grávida, também fora com ela que eu descobri que eu estava esperando um menino, sem contar que é ela quem sempre cuida do Peter, quando eu estou ocupada.

“Até mesmo Sally, que não deveria ter obrigação nenhuma para com o meu filho é mais pai que você, sabe o porquê? Porque é ela quem prepara o chá dele quando está com cólica, é ela quem o nina velando-o até a maldita dor deixar seu corpo.”

“Poseidon é mais pai do Peter do que você Luke, pois é ele quem brinca com o meu filho, quando eu estou no banho e até mesmo troca as fraldas, sendo que ele, igual a sua esposa, não tem obrigação nenhuma.

“Até mesmo os meus amigos são mais pais do Peter do que você, pois todos o acolheram como membro da família assim que eu contei que estava grávida, e até mesmo o Travis, o Connor, a Clarisse e a Silena, pessoas que eu nunca imaginei trocando uma fralda, já trocaram mais fraldas do que você pode trocar um dia.”

“E sabe porque o Percy, é sim, o pai do Peter? -nos questionamentos anteriores Annabeth não esperara Luke responder, mas dessa vez ele esperou que ele o fizesse, entretanto ele permanecera calado - O Percy é o pai do Peter, porque foi eles quem lhe deu o primeiro presente, foi ele que me ajudou a escolher o nome, era ele quem ia atrás dos meus desejos mais loucos, sem reclamar, foi ele quem me ajudou a montar o mobília e pintar o quarto para receber o meu filho, foi ele quem me fotografava grávida e conversava com a minha barriga, foi ele quem estava do meu lado na hora do parto, foi ele quem participou das aulas de pais de primeira viagem para que eu não fosse taxada pelas outras mães por ser solteira e é ele quem me acompanha até hoje, trocando fraldas ou passando a noite acordado velando o meu filho quando ele tem febre alta e até mesmo dando banho no meu pequeno, o que acaba virando uma festa entre os dois. E só pra finalizar, é o sobrenome dele que Peter carrega, Peter é um Jackson e não um Castellan. - Chase finalizou seu monólogo com lágrimas nos olhos, enquanto Luke parecia estar completamente quebrado com as revelações de Annabeth. - Se um deles chegar em mim e falar que tem algum direito sob o meu filho, darei razão a eles, pois eles sempre estiveram ao meu lado quando eu precisei, e eu tenho a absoluta certeza de que quando Peter crescer ele poderá confiar em cada uma dessas pessoas, que elas nunca o deixarão desamparado, em nada. - a loira enxugou algumas lágrimas e para finalizar, questionou o ex-namorado - E você, Luke, onde estava quando Peter e eu precisávamos de você?

Luke estava atônito com tudo que Annabeth lhe jogara na cara, um ano poderia ser pouco tempo para algumas pessoas, mas para ele, um ano fora o suficiente para perder toda a vida de seu filho e como consequência perder a mulher que amava.

– Me perdoa? - Luke pediu e tentou avançar para abraçar a loira, mas esta desviara enxugando algumas lágrimas teimosas que insistiam em cair, mas a Chase se recusava a chorar na presença de Luke. - Me perdoa? - o rapaz voltara a pedir e Annabeth riu antes de respondê-lo:

– O que você me fez não tem perdão, Luke.

– Annabeth, por favor, nós podemos começar de novo. Tentar salvar o que sobrou do que tínhamos. - Luke chorava, enquanto falava e até mesmo tentou abraçar Annabeth por trás, mas a loira saíra de seus braços, rapidamente, voltando a ficar cara a cara com Luke.

– Salvar o que restou? - Annabeth perguntara com surpresa, devido a audácia que Luke tinha ao sugerir aquilo.

– É, o que tínhamos era tão bonito, podemos tentar recuperar o nosso relacionamento e sermos felizes. Peter, você e eu. Como uma família. - o rapaz voltou a sugerir.

– Realmente, o que tínhamos era muito bonito. - Annabeth concordara com o pensamento longe, para ser mais exata no tempo em que Luke e ela ainda namoravam. - Mas você conseguiu acabar com tudo da pior maneira possível e ao invés de lembrar-me das coisas boas que já vivi com você, eu só me lembro da humilhação, da sensação de abandono, da raiva e todos os sentimentos ruins que você me causara, quando me dera as costas naquele parque.

– Não foi a minha intenção, loirinha. Eu estava assustado com a possibilidade de ser pai tão cedo. – Annabeth olhou-o incrédula.

– Ah, então para se livrar dos seus medos, você resolveu me pedir que eu tirasse o meu filho? Você não tem coração? – a garota questionou com raiva, e mais uma vez Luke encolheu os ombros com a expressão de culpado.

– Aquela ideia não fora minha. – o rapaz resmungou.

– Mas você veio e a sugeriu para mim, o que a torna sua também, já que você chegou a cogitar a possibilidade de mandar matar o seu filho. – a garota disse dando ênfase ao seu.

– Eu sei que errei, Annabeth. – Luke confessou – Mas aqui estou eu tentando me redimir, mas para isso eu preciso estar perto de você e do nosso filho. – ele disse dando ênfase ao nosso.

– Eu não quero você por perto, Luke, entenda isso de uma vez por todas! – Annabeth exclamou exaltada – O que acontecerá quando Peter crescer? Quando ele me perguntar o porquê de eu não estar junto do “pai” dele? – a Chase fez aspas quando disse pai, deixando claro que aquela palavra só servia de enfeite.

– Então, vamos ficar juntos, vamos dar uma família completa ao Peter. – Luke insistiu e Annabeth não deu ouvidos ao que ele disse.

– Eu não quero machucar o meu filho, contando que não estou com o “pai” dele, porque o “pai” dele nos abandonou assim que eu soube que o esperava, revelou-me que mentiu durante todo o nosso relacionamento e ainda por cima pediu que eu o abortasse. Desculpe-me, mas eu não magoarei o meu filho desse jeito. – Annabeth disse tudo apontando o dedo indicador na cara de Luke - Então a única coisa que eu lhe peço é: vá embora, deixe que Peter tenha a família dele com as pessoas que o quiseram desde sempre, e se livre do que você nunca quis.

Um silêncio perturbador tomou conta do escritório de Poseidon, cada um deles, pensava em mais verdades entaladas para jogar na cara do outro, mas nesse caso somente Annabeth pensavam em como destruir ainda mais seu ex-namorado, já Luke pensava em uma forma de ter de volta tudo aquilo que ele deixou para trás.

– Acho que a nossa conversa foi bem esclarecedora. – Luke iniciou com um tom calmo – Eu já percebi que o que eu fiz não será perdoado, pelo menos não agora, mas cá estou eu, Annabeth, tentando me redimir de todos os meus erros, e se você me permitir, eu gostaria de começar pelo maior. Eu gostaria de conhecer o meu filho, prometo que será rápido.

Annabeth apenas tentava buscar um resquício de mentira nos olhos azuis de Luke, mas não encontrara nada, apenas a certeza de que ele queria tentar recomeçar, pelo menos com o Peter, já que com Annabeth suas chances era nulas.

– Você pode vê-lo, mas é rápido, Percy e eu estávamos de saída. – Annabeth disse seca e rapidamente se encaminhou para a porta dupla que os separava do restante da população da casa dos Jackson.

– Mas uma coisa, Castellan. Se eu perceber que você está fazendo algum mal ao meu filho, você nunca mais o verá. – a loira disse, e Luke ergueu a sobrancelha como se a desafiasse – Eu estou falando sério, Luke, uma pisada na bola e Peter e eu sumimos do mapa. – a garota ameaçou e o rapaz assentiu, antes de segui-la porta a fora.

Era claro e óbvio que Annabeth só estava aceitando que Luke conhecesse Peter graças ao que Nico tinha lhe contado no começo da manhã, mas caso a ameaça de que seu filho fosse tirado de si não pairasse sob a sua cabeça, ela sumiria com Peter, de forma que Luke nunca mais os encontrasse.

A loira respirou fundo antes de abrir a porta, e nem se ela tivesse feito uma aula de yoga para relaxar, ela estaria preparada para o que encontrara no meio da sala.

Hermes e May se divertiam com Peter no colo, os dois pareciam dois velhos babões, e o pequeno Chase parecia estar se divertindo com os dois avós recém-descobertos. Era Sally e Poseidon que não pareciam muito felizes com a cena, e isso era claro, já que a cada vez que um dos dois Castellan falava um “Vem com o vovô” ou um “Quem é o garotão da vovó?”, os Jackson retorciam a expressão em uma careta e se seguravam para não ir até eles e dizer que eles eram os avós de Peter e não o contrário.

Percy, Thalia, Nico, Clarisse, Will, Silena, Bianca, Beckendorf, Chris, Grover, Juniper e Katie olhavam a cena abismados, tirando o primeiro, este que parecia mais raivoso do que surpreso, e até mesmo Travis e Connor que sempre estavam de brincadeira olhavam a cena com um seriedade surpreendente. E o mais hilário em toda aquela cena, era que todos estes olhavam Hermes e May de um lado da sala, como se admirasse um nova espécie de animais que fora exposta em um zoológico.

Percy fora o primeiro a reparar que a conversa entre Luke e Annabeth tinha terminado, e o rapaz mais do que rapidamente, estava atravessando a sala, avançado cada vez mais na direção dos dois, e apesar da tensão ter dobrado no segundo em que todos perceberam que Percy poderia partir para uma pancadaria semelhante à da noite anterior, o rapaz os surpreendeu ao puxar Annabeth para um abraço apertado.

– Está tudo bem. – a loira garantiu em um tom, extremamente, baixo, já que a última coisa que ela queria era que os outros escutassem o que ela tinha a falar.

– Você está com cara de choro. – Percy apontou denunciando que não tinha nada bem.

– Eu vou ficar bem. – a garota assegurou, e Percy deu um beijo em sua testa, antes de soltá-la e voltar-se para Luke.

– O que você quer aqui, Castellan? – o moreno questionou hostil, enquanto abraçava Annabeth de lado – Pensei que já tinha cansado de apanhar. – o rapaz provocou e sua namorada cravou as unhas em seu tanquinho, este que ainda estava descoberto.

– Eu vim em missão de paz, Perseu. – o loiro também respondeu de forma hostil, e os garotos se remexeram inquietos atrás de Percy, fazendo com que o Castellan percebesse que o atual namorado de Annabeth não era o único naquela sala com vontade de dar-lhe um corretivo, e isso também incluía Clarisse e Thalia, estas que o fuzilava de dois em dois segundos. – Eu só quero conhecer o meu filho.

– Filho? – Clarisse exclamou debochada, e tentou avançar, mas Chris a impediu, pois este sabia que se a soltasse, Luke viraria comida de cachorro. – Você é muito cara de pau. – a garota disse revoltada, por seu namorado não deixa-la ir até o loiro de farmácia e acabar com a festa do panaca.

– Eu tenho a permissão da Annabeth. – o rapaz devolveu e todos os amigos de Annabeth se voltaram para a garota com os olhos arregalados de surpresa, exceto Nico e Thalia, estes que tinham raiva estampada em sua íris.

– É pessoal, o Luke só veio aqui conhecer o Peter, e eu permiti. – a loira respondeu com um nó na garganta, e Percy vendo a dificuldade de Annabeth em aceitar toda aquela situação, apertou seu braço envolta dela, e deu um beijo em sua têmpora, fazendo com que ela desse um meio sorriso em sua direção e Luke se mordesse de ciúme um pouco mais atrás do casal ternurinha.

May vendo a tensão que se instalara no ambiente com o simples gesto de Percy, chamou a atenção de Luke para si:

– Filho, venha ver como Peter é um garoto adorável. – a mulher disse, enquanto tentava fazer com que Peter ficasse quieto em seu colo, mas o pequeno se recusava já que agora sabia andar, e suas energias precisavam ser gastas, mas nenhum dos Castellan pareciam entender as necessidades do pequeno Chase, já que tentavam segurá-lo como se ele ainda fosse um bebê de colo.

– Hey, Peter. – Luke desviou sua atenção de Percy e Annabeth, e se dirigiu ao seu pais e ao seu filho, este que passou a olhá-lo com atenção. – Eu sou o seu papai, você sabia?

Percy engoliu em seco, quando ouviu aquelas palavras saindo da boca de Luke, ele era o pai do Peter, e ninguém, nem mesmo aquele loiro aguado mudaria aquilo. Os amigos do casal olharam para Percy no mesmo momento em que Luke fechara a boca, e como se fossem ligados por um espécie de elo telepático, todos começaram a se dispersar, e com isso chamaram Annabeth e Percy.

– Hey, que tal irmos para a piscina? – Travis chamou em seu usual tom de brincadeira, mas seus olhos continuavam sérios.

– É mesmo, pelo que eu saiba a Thals nos convidou para uma pool party e não para ver fantasmas ressurgindo do inferno. – Will que também tinha ficado puto da vida com o que Luke tinha feito com a sua prima, jogou a indireta fuzilando Luke com o olhar, este que se limitou a olhá-lo e logo depois voltar sua atenção para Peter.

O pequeno Chase não sabia o que estava acontecendo, e muito menos sabia quem eram aqueles três novos rostos que tinham aparecido na sua frente. Mas Peter encarava com curiosidade exacerbada o loiro que parecia estar falando com ele.

– Você é muito bonito, sabia? – Luke disse, enquanto os amigos de Annabeth se dispersavam um a um da sala e iam em direção a piscina, aproveitar a pool party que Will tinha falado.

– Ele é a sua cara quando criança, Luke. – May falou encantada. – Você é igualzinho o seu papai, Peter.

Percy se segurou para não pular nos pescoço de May e acabar logo com aquela palhaçada, por isso ele optou por seguir o conselho de seus amigos e ir para a piscina, afinal o que seus olhos não veem, seu coração não sente. E o moreno sabia que se machucaria demais se continuasse na sala.

– Eu vou lá fora. – o rapaz sussurrou no ouvido de Annabeth, esta que se agarrou ao braço do rapaz, ela precisava dele ali, ao seu lado para que ela pudesse enfrentar toda aquela cena de cabeça erguida, mas quando seus olhos encontraram o verde dos olhos de Percy, ela soube que aquilo estava sendo mais dolorido nele, do que nela.

– Tudo bem. – ela assentiu e deu um selinho nele, fazendo com que o rapaz desse um meio sorriso, e lhe roubasse mais um selinho, fazendo-a rir, antes de se afastar.

Luke tinha um olho em Peter e o outro no casal ternura, que agora tinham começado a trocar segredos no canto da sala, e quando o rapaz viu que Percy ia sair, seu sorriso logo se abriu, mas também não durou muito tempo, já que a seguinte cena se sucedeu, rapidamente.

– Luke, segure-o. – Hermes sugeriu e Luke logo estendeu os braços para que May depositasse seu filho em seu colo, mas Peter se remexeu todo e acabou caindo no chão, mas diferente do que o rapaz de olhos azuis esperava, este rapidamente se levantou e correu na direção de Percy, gritando:

Ecy. – e se agarrou as pernas do moreno de olhos verdes, fazendo com que ele desse um sorriso.

– O que você quer, campeão? – Percy questionou, pegando-o no colo, e olhando-o nos olhos.

Aga. – o pequeno respondeu de forma esfuziante e jogou os braços para cima, fazendo Annabeth, Sally e Poseidon rirem, enquanto May, Hermes e Luke fechassem a cara.

– Quer ir para piscina, pequeno? – Annabeth perguntou se aproximando do namorado, e de seu filho.

Peter olhou para a mãe, e pelo visto entendeu o que a mulher loira e bonita quis dizer, já que sorriu e gritou, jogando os braços para cima uma segunda vez.

– Parece que temos mais um viciado em água na família. – Sally disse, esquecendo-se totalmente de que a família Castellan ainda estava ali, e Poseidon riu complementando:

– Esse é o meu garoto, puxou ao vovô aqui. Não é mesmo, Peter? – mas o Jackson, diferente da sua esposa, não tinha se esquecido da presença daqueles intrusos ali, e fizera questão de dizer que Peter era seu neto, para que Hermes parasse de ser um velho babão para cima de Peter.

– Vem com a mamãe, Peter, vamos colocar um roupa melhor para você entrar na piscina. – Annabeth disse entendendo os braços para que seu filho fosse com ela, mas para a sua surpresa e para a surpresa de Luke, o pequeno se agarrou no pescoço de Percy em um abraço, e disse:

– Ecy! – o moreno de olhos verdes riu, e começou a subir as escadas.

– Vamos Peter. Vamos colocar aquela sunga que te deixa quente igual à Apolo. – o rapaz disse, fazendo com que Annabeth risse, escandalosamente, lembrando-se da vez que seu tio estava na piscina da casa do Jackson e sua sunga era laranja igual a de Peter, e como Thalia não tem um filtro verbal, acabou soltando que Apolo era quente, e isso ao lado de Percy, este que não é uma pessoal que entende indiretas de primeira, então o rapaz ainda sem entender disse que se Apolo era quente com aquela sunga, Peter também era já que as duas eram iguais.

O dois logo sumiram, e Annabeth agradeceu mentalmente por poder deixar aquela sala, Sally quem resmungou ao se voltar para seus móveis e dar de cara com May, Hermes e Luke de boca aberta com a cena família que tinha acabado de acontecer ali, na sua frente.

– Querem ficar para a nossa pool party? – a mulher questionou educadamente, imitando Will, ela só não esperava que os três fossem aceitar ao seu convite.



Notas finais do capítulo

E então? Gostaram?
Eu não revisei, então talvez tenha alguns erros por ai, se tiver me avisem que eu arrumo.
O que acharam? Sejam sinceros, por favor.
Eu não sei se a conversa está como vocês esperaram, então me avisem se ela estiver muito ruim, porque eu sei que ruim ela está, então...
Deixem REVIEWS combinado? Recomendações também são bem-vindas.

PESSOAL, EU REPAREI que muita gente ainda lê, ou está relendo IT IS THE LIFE... então, eu só queria dizer que fico muita feliz em saber que vocês ainda passam por lá, e se não fosse pedir demais, eu queria pedir que se vocês realmente gostam da história RECOMENDEM-A, pois eu ficaria felicíssima em ver que ela ainda é capaz de fazer com que vocês sintam vontade de recomendar.



AS MINHAS OUTRAS FICS: Eu estou passando por um bloqueio bravo em ALAYLM e TBOMG, então eu peço que tenham um pouquinho de paciência, pois eu prometo que tentarei driblar esse bloqueio e voltar o mais rápido possível.


Bom, acho que vou ficando por aqui, e se vocês querem me ver no sábado que vem, de novo, já sabem a fórmula, não é mesmo? Se não aqui segue, anotem que é muito importante, cai na prova - encarnei um professora agora, Credo capeta, sai de mim -brincadeira- REVIEWS+RECOMENDAÇÕES=CAPÍTULOS MAIS RÁPIDOS. Entenderam? Espero que sim.


Beeeijos e Até mais.


Natyh.


P.S. Prometo responder aos reviews, e não se esqueçam de recomendar IT IS THE LIFE... e eu ficaria muito feliz se vocês fizessem isso.


P.S. 2: Ninguém conhece ou tem um grupo de semideuses no Facebook ou no Whatsapp? Eu queria entrar em um. Se conhecerem me avisem. Okay?


P.S. 3: Tô pensando em fazer um Twitter pra vocês me seguirem. O que acham?