A Nossa História de Amor escrita por Manu Pontes


Capítulo 15
Conversas e Conselhos..


Notas iniciais do capítulo

Oi, amores..
Aqui estou eu mais uma vez.. E não demorei tanto dessa vez.. XD
Espero que gostem do capitulo..
E que leiam as notas finais..
Créditos para a betagem feita pelo Mr_Strife..



Capitulo 14 – Conversas e Conselhos..

 

Um mês havia se passado desde a morte de Hiashi. As Hyuuga, Hinata e Hanabi, que já moravam juntas, agora dividiam o apartamento com a membro mais nova da família, Yurika. Era uma cuidando da outra. Yurika durante esse tempo não chorara ou lamentara-se uma única vez, a menina vivia alegre como qualquer criança, porém não negava que sentia saudades do pai. Hanabi evitava tocar em assuntos relacionados ao pai. Konohamaru sem dúvidas fazia de tudo para alegrá-la em seus momentos de saudades, lembrança da perda.

Hinata tentava manter-se forte, e assim como Hanabi evitava assuntos que lembravam o patriarca Hyuuga. Mas era impossível fechar os olhos antes de adormecer sem lembrar-se de Hiashi. A morena vivia para as irmãs e o sobrinho que estava a caminho, já que Tenten estava grávida do primo, Neji. Além de administrar a agência o máximo que podia. O trabalho era uma ótima ocupação para a sua mente, um ponto de escape.

Naruto também vivia uma rotina como a de sua sócia, vivia para o trabalho, não dava para designar o que o loiro sentia como preocupação ou felicidade. O rosto com traços firmes e com as íris azuis com um brilho intenso que há muito não se via. Enquanto estava com amigos, a família, e principalmente com Yurika e Hinata. Apesar de Hinata ter optado por uma amizade com o loiro, viviam normalmente, as discussões eram tranqüilas, geralmente interrompidas por uma garotinha que não deixava que os ânimos se aquecessem demais entre eles.

Yurika era a menina dos seus olhos, tinha por ela um carinho especial, uma relação empolgante, entre risos e conversas, brincadeiras que ajudavam ambos a diminuir as saudades dolorosas impostas pelo destino, às vezes. Yurika estava sendo mais que um conforto à Hinata, ela era a sua alegria, à de Hanabi, Neji, Hinata e de todos que compartilhavam um pouco de seus horários em sua companhia.

 

...

 

Sexta-feira, quase meio dia e a mesa ainda estava cheia de papéis, papéis, e mais papéis. O punho e os dedos estavam cansados. Os olhos perolados estavam sombreados dando ao rosto antes delicado uma fisionomia de fadiga, e distração. Nas últimas noites mal dormira, pois cada vez que adormecia a morena era anegada por pesadelos, mais uma vez aquele pesadelo a atormentava.

- Hinata? Hinata?

Ouviu seu nome ser chamado por uma voz de tom agradável, o que a tirou de seus devaneios.

- Ino?! – a morena assustou- se ao ver a mulher loira, de orbes tão azuis como os do Uzumaki de pé em frente à sua mesa. Ino estava com um vestidinho azul bem claro de alcinhas, afinal já estavam na primavera.

- Hyuuga, mas que olheiras são essas? – disse a loira com as mãos na cintura. Hinata sorriu, Ino continuava escandalosa e linda com uma barriga de cinco meses.

- Loira, se acalme, ok? – sorriu somente Ino para alegrá-la. – Mas o que está fazendo aqui? E como vai esse garotinho aí? – perguntou ao se aproximar de Ino dando-lhe um abraço e um carinho sobre o tecido no ventre volumoso.

- Está ótimo, está mexendo tanto que às vezes fico tonta.. Acho que ele será parecido comigo, totalmente inquieto. – ambas riram, certamente Gaara teria em breve fios grisalhos entre os ruivos..

- Que bom, fico feliz por vocês.

- Obrigada. Bem, mas voltando ao que vim fazer aqui, eu vim lhe convidar para almoçar. Eu, você, e Tenten que já está nos esperando.

- Oh! Eu gostaria muito, Ino, mas tenho muito trabalho ainda... – mas não pôde continuar, pois fora interrompida pela loira exasperada.

- Ei?! Eu não vim até aqui para receber uma recusa, entendeu Hina? Então, eu vou estar na sala de ensaios com o Gaara, e daqui a pouco voltarei para buscá-la. – sorriu e se pôs a retirar-se da sala antes que Hinata tivesse tempo para retrucar algo.

- Mas será que ninguém respeita a minha opinião? – indagou para si mesma, atônita a resposta óbvia em meio ao silêncio. – É claro que não. – sorriu de canto.

 

...

 

O sol da primavera era extasiante e agradável. As folhagens das árvores e a grama bem verdinha eram sempre exuberantes aos olhos de todos. Do intenso inverno de New York já não se tinha mais vestígios. O Central Park nessa época se mostrava ainda mais encantador, muitos turistas aproveitavam para fazer caminhadas, tirar fotos e visitarem os excelentes restaurantes que havia próximo ao parque.

O almoço estava sendo muito agradável. Sentadas em uma das mesas do jardim de um restaurante, a visão do parque e de belas árvores era maravilhosa. Conversavam trivialidades e desfrutavam um saboroso almoço entre muitas risadas. Ino contava como Gaara havia reagido ao saber que ela estava grávida.

- Acredite, eu entrei em pânico e ele simplesmente começou a gargalhar, me rodopiando entre os móveis da sala. – sorria ao contar. Ela se sentia muito feliz e completa, um filho sempre fora seu sonho, ainda mais se fosse de Gaara, o homem que mais amava na vida desde sua adolescência.

- Neji também foi um fofo comigo, nunca o tinha visto tão feliz, além dos vários mimos que vive me fazendo... Às vezes acho que vivo um sonho. – suspirou, sorrindo, a morena de cabelos cor chocolate.

- Eu espero que você, Tenten, tenha uma menina, assim nossos filhos poderão um dia se casar. – disse a loira sonhadora e com um grande sorriso nos lábios. As outras duas mulheres se surpreenderam com as palavras da Yamanaka.

- Ino?! Eles ainda nem nasceram e você já está os noivando? Nem eu mesma me casei ainda.

- Em relação a isso, porque você e Neji não se casam logo? Já vivem como marido e mulher, e vão ter uma filha.

- Err... O Neji ainda está se refazendo da p-perda. – pausou fitando receosa a amiga Hyuuga, não queria ter que tocar naquele assunto ainda doloroso. – E bem, eu não acho que seja apropriado termos uma comemoração agora.

- Oh! – exclamou a Hyuuga. - Tenten... Se for por minha causa e pelas garotas não se preocupe, sim? – sorriu levemente. – Por que não conversa com o Neji? Afinal, vocês têm muito que comemorar. – Tenten sorriu pondo sua mão sobre o ventre. – P-Papai ficaria feliz por vocês. – sentiu os olhos arderem, mas não permitiu as lágrimas estragarem aquele momento com as amigas.

- Eu vou pensar nisso. Obrigada, Hina. – sorriram, junto com a loira.

Ótimo, porque quero que os sogros do meu menino sejam muito felizes. – comentou a Yamanaka sorridente.

Ino?! – disseram as morenas, em seguida o som de gargalhadas era ouvido pelo jardim.

 

...

 

Quase oito horas da noite, o belo sol já havia dado lugar a lua nova brilhante e as estrelas. Da janela – onde estava há mais de meia hora deliciando-se com a vista e com uma taça de vinho – podia-se ter uma visão bem ampla de uma das mais belas cidades do mundo. New York à noite, era cheia de luzes, de vida. A brisa fresca que adentrava seu apartamento refrescava todo o ambiente gélido do lugar. Às vezes sentia-se angustiado naquele apartamento tão espaçoso para que só uma pessoa ali morasse. Sentia falta de uma companhia, queria ouvir o som de gargalhadas, queria sentir que havia vida naquele espaço. Sorriu enquanto as lembranças daquela tarde lhe invadiam a mente.

 

Flashback on:

 

O som de gargalhadas era bem audível a todos. Ao adentrar-se ao apartamento, viam-se duas crianças deitadas no carpete marfim envolvidas em uma séria guerra de cócegas. A menina se revirava no chão enquanto ria gostosamente.

- P-Pára.. – tentava balbuciar para a outra “criança”. – Pá- Pára Naruto. – pedia em meio a risos.

- Há! Mas a minha princesinha está muito fraca.. – disse o loiro sorridente enquanto distribuía cócegas pela barriga da pequena Hyuuga.

- V-Você que é muito grande, Nar-Naruto. – justificou-se.

- Certo, princesinha. – disse finalizando a brincadeira. Sentaram-se no carpete, ainda ao som de pequenas gargalhadas.

- Sabe, Naruto...? – começou. – Eu me sinto tão bem quando você está comigo. – o loiro sorriu largamente, ouvir aquilo realmente o enchia de alegria. – Você me lembra o papai. – concluiu a pequena.

- Sente muita falta dele, não é? – a menina confirmou. O rostinho permanecera com um sorriso, mas podia-se ver uma fina linha de saudades em seus olhos perolados. Naruto abriu os braços, e a pequena o abraçou. – Não se sinta triste, Yu. Seu pai está bem. Lembra, ele ti disse isso. – sorriu apertando carinhosamente a bochecha lívida.

- Eu sei. – sorriu. – Naruto, porque você não volta a namorar com a Hina? – perguntou. Naruto se surpreendeu com a pergunta repentina da menina, na verdade era difícil explicar a uma criança que adultos agiam pior que elas. Yurika sorriu com a careta que Naruto fez.

- Yu... Err... Princesinha, eu e a Hina, a gente...

- Você ama a Hina? – perguntou, interrompendo o loiro. Naruto fitou os olhinhos perolados da menina, não havia como mentir.

- Amo, Yu. E sempre amarei. – suspirou enquanto via um sorriso nos lábios da garotinha. Aquilo não era conversa para se ter com uma menina de 7 anos, ou era? Pensava o loiro.

- Ela também ti ama, Naruto. – disse a Hyuuga sorrindo. – Então não há porque ficarem separados, não é? – Naruto sorriu, no final estava recebendo conselhos de uma menininha e ela estava certa.

- Sim. Mas vamos esquecer isso agora, ok? – piscou para a menina enquanto se levantavam. – Que tal tomarmos um sorvete, e depois irmos para a agência, hein?

- SIM! – exclamou Yurika dando pulinhos de alegria.

 

Flashback off.

 

Sorria olhando a cidade. Era incrível como uma criança era capaz de alegrar qualquer pessoa. E como as coisas eram tão simples para elas. Certamente, os adultos deveriam voltar a ser crianças, ao menos teriam menos problemas. Sorveu um gole de vinho na boca, a taça com o restante do líquido alcoólico foi posta sobre o criado mudo do quarto, talvez uma caminhada pelo jardim ajudasse-o a pensar.

 

...

 

- Hina? Hina?

- Sim. Estou na cozinha. – disse, após segundos, Hanabi surgia na cozinha. Estava linda com uma calça jeans skinny, uma blusa tomara-que-caia de tom bordô, uma jaqueta jeans e calçava sandálias pretas de salto fino.

- Hana, você está linda. – sorriu.

- Obrigada. Eu vou sair com o Kono, nós vamos ao cinema. – disse alegre.

- Vá mesmo, fazia tempo que não a via sair. Precisa se divertir. – disse enquanto terminava de ensaboar um copo de vidro.

- Não diga isso de mim, você faz o mesmo. – retrucou. - Também merece mais uma chance. – disse abraçando a irmã pelos ombros.

- Hana, desça logo menina. – mudou de assunto, não queria tocar naquele assunto. Sua vida estava estável daquele jeito, isso já era muito bom. - Antes que Konohamaru grite lá da rua em pleno fôlego. – riram, a verdade era que o rapaz poderia realmente tentar fazer isso.

- Ok, eu vou indo. – se aproximou mais de Hinata. - Yurika está no quarto, disse que só irá dormir após você ir lá. – disse dando um beijo em Hinata e indo em direção a porta do corredor da sala.

Hinata suspirou após ver a irmã sair. Sentia-se feliz por ver a irmã voltando a ser a irmã alegre e teimosa que sempre fora. Às vezes isso a fazia sentir que a vida continuava a mesma, mas sempre lembrava no fim que em seu coração faltava algo. Não era somente a falta da presença do pai que lhe causava angustia, mas também, o medo.

- Chega, Hinata! Pare com isso agora. – ordenou a si mesma chacoalhando a cabeça. Precisava realmente esquecer os problemas, ao menos naquele momento. Um bom motivo para isso, uma linda menina acabava de chegar à cozinha.

Yurika usava um pijaminha de algodão lilás com flores brancas, e calçava pantufas lilás. O rosto demonstrava o cansaço do pequeno corpo.

- Hina. – murmurou a menina.

- Parece que alguém mal está se agüentando em pé, hein? – disse a Hyuuga mais velha ao terminar de secar a louça do jantar. – Vamos mocinha, hora de dormir. Você já gastou muita energia hoje lá na agência. – sorriu para Yurika enquanto a pegava no colo e se dirigia para o seu quarto, que agora dividia com a pequena.

- Hina? – chamou a menina, aconchegada nos braços de Hinata.

- Sim, amor? – disse adentrando o cômodo do quarto. Hinata puxou a coberta e pôs a garotinha sobre o colchão macio da cama.

– Você tem um cheiro tão bom. Quando eu for adulta quero ter um cheiro igual ao seu... – sorriu, sentindo Hinata a cobrir com uma fina coberta, afinal era uma noite quente aquela.

- Você também tem um cheiro muito gostoso. – disse enquanto acariciava os fios negros de Yu.

- Cheiro de quê? – perguntou curiosa, apesar da sonolência. Os olhos perolados da mais velha sentiram uma ardência repentina com a pergunta inocente.

- Cheiro de... Bebê. – respondeu dando-lhe um beijo carinhoso na testa, enquanto Yurika adormecia.

Retirou-se do quarto, nesse momento precisava de um banho.  Algo que aliviasse toda a tensão de seus músculos. Sentia que aos poucos perderia o seu bem mais precioso, e a esperança parecia querer ir junto. O dia pelo qual mais esperou parecia estar próximo, mas ela ainda não se sentia preparada. Ainda não!

Naquela hora só queria esquecer seus problemas e angústias, afinal era sexta-feira, a semana havia sido cansativa, apesar da descontração do almoço de hoje com as amigas, e da surpresa presença de Yurika na agência. Sorriu, ao lembrar-se de como todos se encantavam rapidamente com a menina que era sempre simpática e educada com todos, mesmo sendo um pouco tímida no começo. De fato, era inevitável não se apaixonar pela doce Yurika Hyuuga.

 

....

 

A caminhada pelo jardim do edifício Konoha havia feito muito bem aos seus pensamentos, que agora pareciam estar cada vez mais ordenados. Sua vida estava numa fronteira entre uma linha que poderia fazê-lo feliz com a coragem da mulher de orbes perolados, ou a restrição de seus sentimentos na tentativa de aceitar a vontade ilusória da mesma mulher. Ele tinha idéia de que poderia fazer Hinata feliz, mas as aparentes dúvidas delas começavam a deixá-lo confuso. Será que ele realmente estava certo? Nem ao menos sabia se continuava o mesmo.

 

Flashback on:

 

- Acho que deve dar mais uma chance não só a ela, mas também a você mesmo. - Myuki argumentou, queria abrir os olhos do seu primo para a verdade submissa à escuridão de seu coração.

- Não. Isso não é uma questão de escolha. - manteve-se firme.

- Naruto, você não sorri como antes, seus olhos perderam o brilho. Onde está o meu primo de antes? - duas lágrimas rolaram a face da loira, que era sensível à sua família. Naruto era mais que um primo, era um irmão após a adolescência revoltante e curiosa deles.

- Myuki... - murmurou, após as verdades pronunciadas por sua prima.

- Prometa-me que irá pensar nisso, por favor! - ela o fitou intensamente.

- Eu... Eu... - suspirou profundamente. - Prometo. Agora pare de chorar. - sorriu.

 

Flashback off.

 

Ultimamente seus próprios sorrisos estavam deixando-o surpreso, afinal ele voltava a sorrir verdadeiramente. Ele voltava a ser feliz. Mas ainda não estava completo. Sua felicidade ainda que parecesse egoísta, precisava dela. Hinata Hyuuga. Sua promessa ainda não havia sido totalmente cumprida... E ele nunca voltava atrás na sua palavra.

 

...

 

A Hyuuga usava um hobby branco, segurado por uma fina faixa branca em um laço folgado em sua cintura.  O hobby cobria uma boa parte de seu corpo alvo, já abrigado por uma camisola de tecido um palmo acima do joelho, de cor preta.

As mechas negras ainda estavam úmidas, sendo secas delicadamente pelas mãos alvas e  uma toalha marfim de algodão. Estava disposta a aproveitar aquele simples gesto, na intenção de relaxar naquele momento de tranqüilidade. O banho havia de muito a ajudado, seus pensamentos já estavam mais brandos, e o corpo parecia leve. Não estava sonolenta apesar da hora, provavelmente já se passavam das dez horas da noite.

Sentiu-se despertar ao ouvir o som da campainha, de inicio estranhara, esperava ouvir o som do interfone. Mas provavelmente não deveria ser alguém desconhecido do edifício, muito provavelmente seria um vizinho.

- “Naruto?”

Sentiu o coração acelerar, será que haveria acontecido algo a ele? Ou a Kushina, ou Minato? Levantou-se rapidamente do sofá, onde estava. Ligeiramente, foi abrindo a porta e vendo o loiro a sua frente. Ele possuía uma postura e uma fisionomia serena, mas ainda assim Hinata logo o perguntou.

- Naruto, o que aconteceu? Você e seus pais estão bem? – os olhos da Hyuuga estavam bem abertos, aguardando a resposta do Uzumaki.

- Hã?! Meus pais estão bem, Hinata. – disse. - Não se preocupe. – completou o loiro, sorrindo levemente de canto.

- Há, sim. – a Hyuuga sentiu o rosto corar levemente depois de calma. Que vergonha sentia pelo bombardeio de perguntas feitas ao loiro, mas ao menos se sentia aliviada por estarem bem.

Houve, por alguns segundos, um silêncio entre o casal, enquanto o loiro fitava fixamente a Hyuuga.

- Nós precisamos conversar, Hinata. – disse o Uzumaki, passando a ter sua face bronzeada séria.

 

 

 



Notas finais do capítulo

Bem, espero que tenham gostado, amores..
Pois estamos na reta final da FanFiction.. *olhos ardendo*
Bem, meus horários estão apertando mais, pois eu consegui passar para um curso técnico federal..
Então vocês já até imaginam a minha correria..
Manhã, tarde e noite.. Todos os turnos para o estudo.. o.O
Peço que me encham de alegria com seus reviews..
Estou com saudades de seus comentários..
Há! Me sigam no twitter @Manu_Pontes
Sempre que posso eu divulgo notícias sobre a FanFiction e meus novos projetos lá..
Mais uma vez agradeço ao Mr_Strife pela betagem..
E leiam a FanFiction dele.. É perfeita, acreditem..
http://fanfiction.nyah.com.br/historia/80828/Reminiscencias