My Beloved Prince escrita por GabVamp


Capítulo 8
Descobertas Amargas


Notas iniciais do capítulo

Quando resolvemos agir em prol duma causa, acabamos tendo que enfrentar suas consequências. Afinal agir é pedir desesperadamente por uma reação. Lia irá experimentar desse sabor, o sabor amargo de descobrir que nem sempre, por estar lutando se consegue o que quer.




"Mas antes mesmo deles notarem, já estava vindo uma galera que viu a briga de longe. E no meio dos alunos se encontrava a inspetora."

– Vadia, vadia, vadia! – Yumi continua xingando Lia, se debatendo nos braços de Rikku, com o rosto cheio de arranhões com sangue escorrendo.

Brenda ainda na frente de Lia, a impede de ir para cima de Yumi. Lia esta toda descabelada e ofegante.

– Mas o que significa isso? – Pergunta a inspetora com o pior olhar do mundo. Ela fica abismada quando olha o rosto de Yumi.

– Inspetora Sonia... Olha, olha o que essa garota fez no meu rosto, está doendo tanto. – Yumi fala choramingando, se fazendo de coitada.

– Vocês todos vão para o pátio de dentro, agora! – A inspetora manda os outros alunos que estavam só bisbilhotando. Assim que todos vão, ela continua. – Posso saber o que aconteceu aqui?

Yumi novamente se faz de coitada, se solta de Rikku e encena. – Inspetora. Eu vim chamar o Rikku, e de repente essa garota que anda com ele, essa Lia resolveu me agredir... Eu não entendo, eu não fiz nada... – Ela encerra colocando as mãos no rosto machucado.

– MENTIROSA, você veio me xingando e – CALADA! – Berra a inspetora olhando Lia de cara feia. – Eu já ouvi tudo que precisava senhorita. Essa escola é uma escola de classe, não serve para animais, nem pessoas que não podem agir civilizadamente! Se você, por vir de uma escola de classe baixa, não pode conviver aqui, é melhor que saia dessa escola!

– M-mas... – Lia tenta se defender. A inspetora a olha com uma cara mais feia ainda.

– Inspetora Sonia, a Lia-chan só quis nos defender e... – A inspetora interrompe. – Senhorita Brenda, a senhorita está ciente que já deu muito trabalho antigamente? Creio que sabe que é melhor não se envolver em confusão, e muito menos com gente desse tipo.

Lia fica sem acreditar, essa Yumi vem e faz o que quer, e ainda ela sai como culpada. Ela se segura para não chorar.

– Você será punida! Suspensão até a semana que vem! – Fala duramente a inspetora.

Rikku olha para Lia, aperta as mãos, vai até a inspetora. – Inspetora, pensei que todos tinham direito de se defender... Mas pelo jeito a escola menospreza e trata preconceituosamente os

que não têm tanto poder.

A diretora o olha com antipatia.

– Jovenzinho você sabe que não se deve responder assim as pessoas de autoridade! Por acaso é mais um troglodita que não segue as regras?

– “Não seguir as regras”...? Me pergunto, o quanto vocês, “pessoas de autoridade” julgam quem segue as regras... Sabe, já vi muitas coisas acontecerem, e estranhamente não tinha ninguém para punir certos baderneiros. Será que realmente vocês punem os “trogloditas”, ou punem os com menos poder? E simplesmente defendem quem banca uma bolada para a escola? Haha, ainda depois de tudo isso, quer vir falar de seguir regras! – Rikku provoca a inspetora.

– Quanta audácia. Pois bem. Você também está suspenso até semana que vem! Não quero nenhum dos dois aqui amanhã e sexta! Fui CLARA? E quando voltarem ficarão um mês cuidando da limpeza dos banheiros! Lamentável, me admira você jovem Rikku, mesmo depois de tudo isso, ir contra sua irmã e defender essa garota sem classe. Em todo caso vão todos para a direção, chamarei seus responsáveis! – Ao dizer isso, a inspetora sai andando na frente com Yumi.

– I-irmã? – Lia se pergunta com o olhar estático, ainda parada no mesmo lugar.

Brenda se aproxima de Lia, arrumando o cabelo da amiga e confirma. – Sim, Yumi e Rikku são irmãos gêmeos... Pensei que você tinha notado, eles são muito parecidos...

– É... Parando para pensar, realmente são iguaizinhos... – Lia fala com os olhos molhados.

– O QUE VOCÊS ESTÃO ESPERANDO? ANDEM LOGO! – Eles ouvem a inspetora berrando.

Os três começam a andar e vão indo para a diretoria em silencio.

Lia nunca tinha nem reparado como Yumi e Rikku são iguais... O mesmo tipo e cor de cabelo, o rosto muito semelhante... Mas no momento o que mais a preocupava era que teria que ficar em casa esses dois dias antes de ir para casa da sua avó. Ela não conseguia nem imaginar ficar aturando sua prima nesse meio tempo...

Eles enfim chegam na direção, por sorte o diretor nem fala com eles, a inspetora entra sozinha na sala dele, e fica um tempo lá. Enquanto isso os quatro ficam esperando sentados nos bancos do lado de fora. Yumi mais afastada, Brenda ao lado de Lia e Rikku em pé encostado na parede.

Brenda de cabeça baixa fala para Lia. – Desculpe Lia-chan... Por minha causa você acabou se envolvendo com a Yumi dessa forma...

– Não foi por sua culpa. Você é minha amiga, assim como o Ri-chan, não vou deixar qualquer pessoa vir e falar o que bem entende de vocês. – Lia responde séria.

A inspetora sai de cara fechada, e os leva para a sala dela. Onde passa uns 20 minutos em silencio, de espera, até chegar o pai de Rikku e Yumi, e a prima de Lia.

– Muito bem. – Começa dizendo a inspetora. Mas ela é interrompida pelo pai de Rikku, quando ele olha o rosto de Yumi daquele jeito, ele fica muito furioso! Como a inspetora já havia ligado para eles e explicado a situação, o pai deles sabia do ocorrido, ele se vira para Rikku e o olha com um olhar de ódio, levanta o braço e da um tapa forte na cara dele. O que faz o rosto de Rikku se virar, deixando seu cabelo na frente esconder seu olhar.

– Você é um inconsequente! Como deixa uma coisa dessas acontecer a sua irmã? – Pergunta irritado. – Eu não criei um filho homem para agir assim! Andar com gente de baixo calão, renegar ajuda a irmã, e ainda por cima ficar correndo atrás de outros homens. Você é uma VERGONHA! Uma vergonha para a família! Nunca deveria ter nascido! Só nasceu para sujar o meu nome! Seu infeliz!

Lia fica com um aperto no coração de ver essa cena. Ela queria poder ajudar, mas não sabe o que fazer... Brenda fica com as mãos na boca, sem também poder fazer nada...

Ele continua, agora falando com a inspetora. – Eu espero que ele seja tão bem castigado quanto a essa pobre sem vergonha!

A prima de Lia acaba por ficar com raiva do pai de Rikku.

– Olha aqui senhor. Você não tem o direito de ofender ninguém da minha família! Se acha muito porque tem dinheiro não é? – Ela pergunta se aproximando dele.

Ele a olha com olhar de pena e da um sorriso. – Pobre coitada, bem se vê da onde a garota puxou, pelo visto todos dessa família são sem classe.

Ao dizer isso, ele pega Yumi e sai da sala, deixando Amara com mais raiva ainda.

– Por favor, senhorita se controle. Não vá criar confusão igual sua prima não é? – A inspetora chama a atenção de Amara.

– Não, eu não vou. – Ao dizer isso ela se aproxima de Lia. – Olha aqui fedelha, espero que isso não se repita, eu não estou nem ai para o que aconteça com você! Mas não venha me trazer problemas, fui clara? – Ela também sai da sala.

– Já que tudo está resolvido, vocês com a exceção de Brenda ficarão aqui até o próximo sinal, de castigo. – Dizendo isso a inspetora pega Brenda pelo braço, e a leva para fora da sala.



Notas finais do capítulo

Rikku e Yumi são gêmeos, não quis entregar isso logo de cara, afinal Lia não tinha nem notado.Essa escola é bem problemática, realmente quem a banca são os poderosos de elite, com certeza Lia sendo uma garota humilde que veio de uma cidadezinha terá que rebolar bastante para conseguir ser respeitada.Eu quis deixar bem aparente os problemas familiares de Rikku, afinal pais rígidos, que se importam demais com nomes e aparências, raramente aceitaria um filho gay. Ainda quero falar mais da família dele e da Brenda também!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "My Beloved Prince" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.