My Beloved Prince escrita por GabVamp


Capítulo 12
Muito Obrigado!


Notas iniciais do capítulo

As palavras tem um certo poder mágico. Quando são ditas com sentimentos verdadeiros elas tem a capacidade de fazer coisas acontecerem.Será que Lia sabe desse poder? Será que ela vai ser enfeitiçada por palavras mágicas? Seu coração será alcançado de uma forma que ela jamais imaginou?




"Lia depois de tanto estresse quer estrangular Rikku. Sempre por culpa dele. Desde que ela chegou nessa escola tanta coisa aconteceu, ainda mais por Rikku estar sempre por perto. Ainda por cima esse cheiro de maçã. Lia fica perdida em pensamentos, temendo adormecer e acabar sonhando novamente com coisas estranhas e fazendo coisas mais estranhas ainda. Ela acaba por não conseguir dormir. Só se da conta do tempo que passou quando vê a claridade entrando pelas frestas da janela."


A essa hora sua prima já chegou faz tempo e logo mais ela irá levantar para tomar seu leite, depois disso voltará a dormir, e essa é a hora perfeita para Lia e Rikku saírem.
Lia se vira para o lado de Rikku. Ele está dormindo, com uma expressão tão suave... Com aquela touca de gatinho. Ela fica pensando em como ele é fofo, e começa sentir algo estranho no seu estomago. Ahhhhh o cheiro! Olha só, esse bendito cheiro exalando tão fortemente, como quem não quer nada, mas mexendo tanto com a mente de Lia! Rikku é tão bonito, tem o rosto tão liso, o cabelo tão sedoso, e esse cheiro de maçã verde... Lia fica com vontade de tocar no rosto dele, mas ela hesita. — P-por que eu estou tendo essas vontades loucas? — Ela fica se perguntando. Mas acaba se deixando levar novamente, e toca de leve no rosto dele.
— Caipira o que você está querendo? — Rikku pergunta de olhos fechados, deixando Lia super travada de susto. Antes dela conseguir tirar sua mão do rosto dele, Rikku a segura. Ele abre os olhos e a olha. Ela sente seu coração disparado, seu rosto em chamas, ela tenta dizer algo.— E-eu... É que... Eu... – Ela não consegue terminar frase alguma. Esse olhar penetrante de Rikku trava Lia por completo.
— Sua mão está gelada. O que foi...? — Ele pergunta ainda a olhando diretamente.
— Eu... E-eu não sei... Só que, você é tão bonito e... É estranho sabe...? Eu ando s-sentindo umas coisas estranhas no meu peito... — Ela começa a tremer um pouco . — Acho que é p-porque eu nunca estive assim, com alguém tão b-b-bonito quanto você... — Ao dizer isso ela cora, e fica com os olhos lacrimejantes.
Rikku fica um pouco vermelho e faz uma cara de tímido que deixa Lia mais perturbada ainda.
— Você me acha tão b-bonito assim? — Ele pergunta com o rosto corado, curvando um pouco as sobrancelhas.
— Você é muito lindo! O cara mais lindo que já vi! — Ela responde com muita convicção.
Rikku arregala os olhos, e puxa correndo o cobertor, para tampar o rosto. Lia fica mais tímida ainda depois que nota que o que disse foi extremamente constrangedor.
— E-e-eu não deveria ter dito isso! Desculpe. — Ela fala rapidamente.
Ela fica sem saber o que fazer, pois realmente deixou Rikku tão constrangido, ao ponto dele se esconder. Lia fica se culpando mentalmente, mas ao mesmo tempo acha isso tão fofo.
Rikku ainda com o cobertor no rosto, diz com uma voz baixa e tímida. — Ninguém nunca disse isso assim de mim, dessa forma... Eu... V-você conseguiu destruir minhas defesas... S-su-sua caipira... — Ele da uma pausa e conclui. — Ahhhh que constrangedor!
Lia se levanta rapidamente. — E-eu vou ver se minha prima já foi dormir... Espere aqui... — Então, ela abre a porta e sai do quarto. Nossa pobre Lia fica estática, pensando no que ela vem dizendo, e principalmente no que ela vem fazendo! Culpa do cheiro de maçã, culpa do cheiro! Ela fica repetindo isso para si mesma enquanto desce as escadas. Ela vai para a cozinha e olha se sua prima bebeu o leite.
Sim, Amara já bebeu seu leite. Então ela está no seu quarto dormindo. Lia sobe as escadas e entra em seu quarto, Rikku já está arrumado, muito bem arrumado por sinal, o que chama a atenção da garota.
— Vamos caipira! Se troque rápido! — Ele a apressa emburrado.
Lia então se veste rapidamente. Como já sabia que ia viajar, ela tinha arrumado sua mochila antes.
Agora com tudo pronto, é só simplesmente sair.
Ela abre a porta devagar, pois sabe que mesmo sua prima estando cansada e com sono, tem um sono leve, se eles derem muita bandeira ela pode acordar e pegar Rikku no flagra.
Lia olha para Rikku e faz sinal de silencio. Eles começam a andar com o passo mais suave possível. Descem as escadas devagar, passam pela sala e então pela cozinha, e enfim chegam à entrada. Ela abre a porta e eles enfim, saem!
— Ahhhh enfim livres! — Ela exclama aliviada.
Eles vão para o ponto de ônibus mais próximo.
— Agora precisamos ligar para a Brenda-chan! — Lembra Lia, já pegando seu celular.
Ela então liga para Brenda e explica todos os ocorridos. Brenda fica um pouco chateada de não poder ir com eles antes, mas concorda que é o melhor por conta de Rikku.
A viajem é longa. Eles pegam o ônibus que os levam até o metrô. Do metrô passam várias estações até chegarem a onde tem o trem. No trem é a parte mais demorada, afinal é bem longe. Então dá-lhe umas cinco horas de viagem de trem.
Lia aproveita para relaxar, afinal ela não dormiu quase nada e está morrendo de sono. Rikku fica encantado com o cenário recheado com uma paisagem rural. Ele leva uma câmera, e vai tirando várias fotos do caminho.
— Realmente cidades do interior são bem fofas! As fotos realmente saem bonitas! — Diz ele sorridente, olhando as fotos tiradas.
Lia se sente bem, conseguiu relaxar e deixar de lado as preocupações da noite passada. Ela sente que vai conseguir aproveitar sua estadia em sua antiga cidadezinha. É até um pouco nostálgico, mesmo fazendo pouco tempo que ela se mudou. Lia sente uma saudade de sua cidade, de sua antiga casa, de sua antiga família... Ela fica perdida em pensamentos olhando para a paisagem fora do trem.
— Por que está com essa cara de otária, caipira? — Rikku pergunta se aproximando.
— De repente me deu um aperto sabe...? Fui embora no meio de uma briga. Tudo na minha vida de antes foi destruído... É um pouco estranho voltar assim... Confesso que estou com um pouco de medo, de acabar revendo meu padrasto. Dele querer me obrigar a ficar e coisas do tipo... Ou de até me bater... — Ela responde com uma expressão triste, ainda olhando para a janela.
Eu estou com você. Que ninguém ouse te machucar! Eu não me dou bem com minha família, mas se precisar posso usá-los ao meu favor para acabar com a raça de quem eu quiser. — Rikku fala isso de uma forma séria. Lia sente um pouco de medo. Pessoas que são ricas muitas vezes usam o poder do dinheiro para resolver as coisas, isso é assustador... Mas ao mesmo tempo ela fica feliz, de ter alguém dizendo que vai defendê-la e que vai estar com ela.
— Obrigada Ri-chan. — Ela agradece sorrindo ainda olhando para a janela.
— V-você não tem o porquê agradecer! Você mesma disse que somos amigos e ainda por cima me ajudou várias vezes. Eu nunca deixo na mão quem me ajudou! — Ele responde emburrado, se virando para frente, pegando sua câmera. — E-eu nunca tive a o-oportunidade de te agradecer decentemente, por todas as vezes que você me ajudou... Desde o primeiro momento, você vem sempre me d-defendendo e me ajudando... Então, por tudo isso, por sempre estar lá por mim... Por nunca ter me evitado por conta de preconceitos e coisas do tipo... — Ele se vira novamente para ela. Puxa o rosto de Lia para ficar de frente do dele. Olha-a nos olhos e finaliza. —Muito obrigado L-Lia-chan.
Lia o olha e fica parada um pouco pasma. Rikku rapidamente olha para frente de novo e fica em silencio. Ela não acredita nas palavras que acabou de ouvir... Rikku a agradeceu? Ele, ele a chamou de “Lia-chan”...? Ele foi tão simpático e fofo... Lia realmente fica pasma e com o coração acelerado. Ela jamais imaginou que ele a agradeceria em algum momento! Ela volta a olhar para a paisagem lá fora, pensando em Rikku que ficou quieto o resto da viajem, talvez por timidez...? Ela ficou com vontade de puxar assunto, mas achou melhor deixá-lo quieto. Afinal deve ter sido bem difícil para alguém orgulhoso como ele, agradecer assim, de forma tão meiga e simpática...
A viagem acaba quando eles enfim chegam à antiga cidade de Lia. Uma cidadezinha bem fofa, cheia de verde, com casas bem separadas uma das outras! Lia sente seu coração apertado.



Notas finais do capítulo

Ri-chan sempre me surpreendendo. Sinto que ele está ficando cada vez mais doce, doçura essa que Lia está ficando tentada a experimentar. Até que ponto conseguimos controlar nossos impulsos? Enfim Lia chega em sua antiga cidade, mas... Que surpresas devemos esperar de encontros com um passado nem tão distante?No próximo capítulo teremos muito mais descobertas e confusões e a presença de dois personagens importantes no passado de nossa Lia. Será que enfim Rikku ficará mexido? Não percam!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "My Beloved Prince" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.