A Maldição Do Dragão escrita por Julie


Capítulo 37
Em Perigo...


Notas iniciais do capítulo

Olá! Demorei nada né? kkkk
Mas aqui estou e devo avisar: se segurem pois esse e o próximo capítulo serão tensos!
Não gosto de por dois povs no mesmo capítulo mas aqui foi necessário.
Leiam com atenção!
Bjos e divirtam-se!




POV Élio

Eu sabia que algo estava errado no momento que o vi, Valdur, era esse o nome que ele usava agora? Ou talvez, apenas tenha possuído o verdadeiro rei Valdur, ele pode muito bem fazer isso. Pode também sabe se disfarçar muito bem, olhando para ele qualquer um acredita que seja apenas um rei honrado, até Kenna foi enganada; porém não há como ele se esconder de mim, um pequeno vacilo de sua parte foi o suficiente para que eu o reconhecesse. Mas não podia demonstrar isso antes, seria muito perigoso para Kenna, tudo o que posso fazer agora é sair desta cela para ajudar os outros e rezar para Kenna não descubra que foi enganada, ou então não terei tempo de salvá–la.

Olha só o que peguei na minha ratoeira. – Diz uma voz que conheço bem.

Dione. – Digo e me viro para encará–la por entre as barras da cela.

Élio, querido – Ela diz falsamente. – Quanto tempo, estava com saudades.

Não posso dizer o mesmo de você.– Sorrio ao perceber minha oportunidade de fuga. - Se bem me lembro você nos traiu e tentou matar Kenna.

Ora, por favor.– Desdenha. - Não os trai, por que nunca estive do lado de vocês.

Mas você fingiu muito, conseguiu me enganar.– Digo e me aproximo das barras.

Se você não estivesse tão ocupado babando por aquela garotinha sem graça, talvez tivesse percebido antes.– Fala com voz baixa.

Acha mesmo que eu estava babando por ela?– Pergunto e encosto meu ombro esquerdo nas barras frias.

Não ouse tentar me enganar Élio.– Ela retruca.

Bem, o que posso dizer? Eu fiquei um tanto distraído naquela época e não foi por causa de Kenna.

Humm... Não minta pra mim.– Diz se fazendo de ofendida. - Não é educado.

Não estou mentindo.– Fixo meu olhar em seus olhos. - Você causa esse efeito nos homens e sabe muito bem disso. Ao seu lado todos nós não passamos de garotinhos bobos, que são facilmente enganados.

Isso é verdade.– Ela se aproxima. - Nenhum homem resiste quando quero seduzi-lo.

Está aí algo que eu pagaria pra ver.– Me afasto repentinamente. - Apesar de sua incrível beleza e poder de sedução, eu não me renderia á uma traidora como você.

Você está me desafiando? - Ela me olha tentando parecer irritada, mas levanta sua sobrancelha esquerda. O que significa que caiu em minha armadilha.

Sim.– É tudo o que eu digo.

Não devia ter feito isso.– Dione fala e a cela se abre violentamente.

O que pensa que vai fazer?– Pergunto fingindo espanto.

Você vai ver.– Ela se aproxima de mim e eu me afasto até encostar na parede. - O que foi? Está com medo de mim?

Medo?– Indago e ela pousa sua mão direita em meu peito. - Não, apenas queria ter a certeza de que faria isso.

O que? – Dione pergunta confusa mas já é tarde demais. Seguro em seu braço fazendo–a gritar de dor com calor que passa de mim para ela. – Como isso é possível? – Ela diz gemendo. – Esse ... fogo? Você... não pode ser... – E a última coisa que ela diz antes de desmaiar.

Obrigado por abrir a cela mágica pra mim. – Falo e saio pelo corredor o mais depressa que posso. Não há tempo a perder, Kenna está em perigo.

POV Kenna

Qual é o problema princesa? – Valdur continua com sua frieza.

Quem é você? Ignoro a pergunta dele.

Ora! – Ele solta uma pequena gargalhada. – Sou o rei de Tessália. Pensei que fosse mais esperta!

Não. Não é! Quero saber quem é você, pois essa já é a segunda vez que nos encontramos. – Eu tento me manter calma, mas o medo e a raiva começam a tomar conta de mim. – Primeiro na Floresta das Almas e agora aqui em Tessália, está diferente, mas eu sei que é você.

Você é mesmo admirável princesa. – Ele se aproxima de mim e eu me afasto rapidamente. – Mesmo com todo o meu poder não consegui enganá–la por muito tempo. Eu já deveria saber.

— Por que não para de dizer bobagens e fale logo quem é e o que quer de mim. – Pergunto nervosa.

Já lhe disse uma vez que o quero de você. – Ele se afasta e eu respiro aliviada, quanto mais perto ele está de mim, mais medo eu sinto. – Apenas deixe de ser teimosa e aceite minha proposta, junte–se a mim Kenna.

— E eu já lhe dei minha resposta uma vez, pena que meu arco não está aqui para eu repeti–la.

Sempre tão destemida! – Ele gargalha novamente. – Mas eu sei que está com medo de mim princesa e com razão. Porém sua mãe foi mais corajosa.

Você não sabe nada sobre minha mãe. – Falo entre dentes.

— Você é que não sabe nada sobre sua mãe. Nem sabe como ela morreu de verdade.

Já chega! – Eu grito. – Não quero mais ouvir você, me diga onde estão os outros agora!

Mas ainda não terminamos nossa conversa. – Se aproxima de mim novamente, mas dessa vez eu não recuo, não deixarei que meu medo me vença. – Você não quer saber quem eu sou?

— Não me importa mais saber quem você é.

— Vou lhe dizer mesmo assim e talvez você perceba o quanto é inútil lutar contra mim.

— Não estou lutando contra você, tudo o que eu quero é acabar com a Maldição.

Exatamente. – Me olha com ódio. – Está tentando atrapalhar meus planos. Mas não vou deixar que uma humana tola como você acabe com o que eu tenho planejado há milênios!

— Naquela vez você disse que eu era fraca e que não era capaz de destruir o Coração de Ônix, por que acha que poderia acabar com seus planos?

— Não brinque comigo menina, não sabe quem eu sou e do que sou capaz!

— Eu pensei que me diria. – Provoco novamente e ele sorri.

Já tive muitos nomes, mas o meu nome preferido é Faurium.

— Faurium? Impossível! O mago Faurium foi destruído a muito tempo pelo grande rei dos elfos Malgamor! – Falo assustada, ele não pode ser Faurium!

Malgamor.- Ele diz com desdém. – Um grande tolo isso sim! Os malditos elfos sempre estão no meu caminho, Malgamor, a Velha e seu falso pai Felon! Todos lutando em vão contra mim!

Agora eu entendo. – Afirmo mais assustada. – Foi você quem lançou a Maldição no cavaleiro, você o transformou num dragão!

Não querida. – Diz e seus olhos ficam negros. – Você não entende. Mas isso não importa, já que você vai morrer agora.



Notas finais do capítulo

O que acharam? heim, heim heim?