A Maldição Do Dragão escrita por Julie


Capítulo 33
Onde está Tessália?


Notas iniciais do capítulo

Capítulo horrível, demorei tanto pra fazer e saiu isso. Tristeza.




POV Kenna

Estátuas em ruínas e areia. Foi tudo o que vimos quando atracamos no leito do rio Augúria. Depois de algumas horas navegando no Rio Dourado finalmente chegamos ao nosso destino e a decepção pairou sobre mim. Para todo o lugar que olho só vejo mais e mais desta maldita areia amarela, tudo aqui parece uma grande praia morta. Onde está o reino maravilhoso que contam as lendas? Em lugar nenhum por aqui! Será que estamos no lugar errado?

Este é o lugar certo.– Élio diz como se lesse minha mente. Mas deve ter sido minha expressão de raiva e desapontamento que me denunciou.

Tem certeza? - Pergunto carrancuda.– Acho que estamos perdidos.– Sussurro desanimada olhando para a enorme estátua diante de mim.

Absoluta.– Ele diz também em tom baixo.

Eu o olho e ele me parece tão confiante de si, tão calmo e tão lindo... Não, não, não... Não é hora pra isso Kenna! Por que esses pensamentos vem na pior hora possível? Além disso ele não está nem aí pra mim, deve me achar uma garota idiota, eu o beijei e ele fugiu, isso significa que não gosta de mim. Volto a olhar para estátua a minha frente, parece ser um homem, não um homem qualquer, um rei. É imponente e sério, só pode ser um rei. As pernas estão enterradas na areia, só se pode ver do quadril para cima, e mesmo assim é enorme, deve ter uns seis metros de altura. Olho ao redor e mais ruínas de destacam em meio a areia amarela, várias estátuas semelhantes estão espalhadas pela areia, umas sem braços, outras sem cabeças, fixadas em duas fileiras como se formassem um caminho, mas não vejo para onde, pois só existem estátuas até uns cem metros a frente e depois é só mais areia.

Ei! Tem alguma coisa aqui!– Grita Luc no fim do tal caminho e vamos depressa até ele.

O que diz aí?– Terry pergunta e todos olhamos fixamente para a placa de pedra vermelha cravada na areia. Tem algo escrito nela mas não sei o que é, não sou boa com outras línguas.

É uma mistura de várias línguas.– Explica Feo. Ele sim é o perito em várias línguas.

Então diga o que está escrito. - Diz Luc impaciente.

Não é tão simples.– Resmunga Feo. - São muitas línguas e a maioria não são mais faladas hoje, preciso de um tempo. Será que podem se afastar?

– Claro.– Eu digo ao perceber que estamos todos quase em cima da placa. - Vamos nos afastar pessoal.

Alguns minutos depois, após fazer muitas caretas e falar um pouco sozinho, Feo parece ter finalmente decifrado a escrita.

Então?– Digo me aproximando de mansinho.

– Já traduzi. - Ele responde ainda olhando fixamente para a placa. - Mas não posso dar certeza de nada, afinal alguns caracteres são tão antigos que...

Tudo bem. - Eu o interrompo.– Apenas leia pra mim.

Nós também queremos ouvir.– Retruca Luc já ao meu lado e os outros se aproximam também.

Muito bem, lá vai.– Feo se ajeita e começa a ler o que diz na placa vermelha:

“ De Tessália foi roubada,

Cada gota retirada.

Se no Reino queres entrar,

Deves dela demonstrar.

Com olhos fechados sempre vela,

Passe primeiro pela sentinela.”

E o que isso quer dizer exatamente?– Luc pergunta coçando a testa, algo que faz quando está confuso ou seja, sempre.

Parece ser um tipo de enigma.– Élio se expressa pela terceira vez desde que chagamos aqui. Ele fala pouco, mas está muito calado ultimamente, só diz o necessário.

– Tem razão. - Eu digo olhando para a placa, não quero ter que encará-lo.– Talvez se resolvermos este enigma possamos entrar em Tessália.

É mesmo necessário?– Terry parece se opor a ideia. - Por que temos que entrar em Tessália? Podemos simplesmente seguir o caminho Kenna, não devemos mais perder tempo.

Não sei se isso é possível Terry.– Contesta Élio.

E por que não?– Feo pergunta antes de Terry.

Porque o mapa é claro.– Élio explica. - Temos que passar por Tessália se quisermos chegar até a Caverna da Morte.

Mesmo que não fosse assim, iríamos entrar em Tessália de qualquer jeito.– Afirmo encarando a todos, que me lançam olhares surpresos. Mas antes que me perguntem eu direi o que penso. - Acredito que exista algo para nós em Tessália. Se é bom ou ruim eu não sei, mas temos que passar por Tessália se quisermos ter sucesso em nossa jornada. Todos esses obstáculos pelo caminho tem me mostrado que não estou preparada para enfrentar o Dragão, mesmo ele estando adormecido.

Kenna..–Terry me olha surpreso novamente e eu entendo o porque, falei do Dragão na frente de Élio, mas já faz um tempo que desconfio que ele sabe mais do que aparenta.

– Não é preciso mais manter segredo Terry. - Sorrio para mim mesma. - Élio já sabe de tudo, desde o começo eu suponho.

Então isso significa que não está aqui por acaso.– Terry afirma encarando Élio.

Sim.– Élio fala simplesmente.

A questão é por que?– Terry pergunta se aproximando mais de Élio.

Isso não importa Terry.– Intervenho, não é hora para brigas. – Sejam lá quais forem os motivos do Élio eu não me importo, afinal de contas precisamos dele.– Sim, eu menti; é claro que quero saber o segredo que Élio esconde, mas sei que ele não dirá. - E se todos puderem prestar atenção, eu já decifrei o enigma.

Tão rápido?– Diz Luc animado. - Então fale, o que é?



Notas finais do capítulo

Tristeza. Tristeza. Tristeza...



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A Maldição Do Dragão" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.