A Maldição Do Dragão escrita por Julie


Capítulo 10
Um Dia Nada Bom...


Notas iniciais do capítulo

O capítulo não está lá essas coisas tenho que dizer. Passei o dia limpando o sistema do meu note. Então fiquei sem inspiração. =/





POV Terry

Cavalgavamos lentamente pelo Deserto Vermelho. Depois de atravessarmos o rio e a pequena floresta, nos deparamos com este cenário inóspito. Eu não fazia ideia que havia um deserto por aqui, os mapas não o mostravam. Esperava caminhar por um cerrado agradável, mas agora estamos derretendo debaixo deste sol, quer dizer, somente eu e Luc estamos derrentendo, porque Kenna parece não se incomodar nem um pouco com o calor e aquele tal de Feo age como se nem estivesse num deserto escaldante. E por falar no idiota-do-elfo-metido-e-arrogante, ele está a metros a nossa frente fazendo papel de batedor. Mas duvido que tenha qualquer coisa nesse deserto , a não ser nós é claro, somos os únicos loucos o bastante para estar aqui. E tudo para levar Kenna até minha tia, é loucura mas estamos enfrentando a morte, de várias maneiras devo dizer, para que Kenna simplesmente pergunte a Fênix sobre o seu próprio passado, o que não faz nenhum sentido. Mas fazer a vontade de Kenna parece ser a única coisa que importa, isso porque ela nem se quer me pediu ajuda, apenas expressou seu desejo e cá estou eu, pronto para lhe dar minha vida, nem sei o que eu seria capaz de fazer se ela realmente pedisse alguma coisa a mim. Creio que eu não sou o único a me sentir assim, Feo parece estar sempre a disposição de Kenna, já Luc prontamente obedece as ordens dela, coisa que pensei que ele jamais faria já que é um machista assumido. Mas todos nós estamos sofrendo do mesmo mal ou feitiço, eu não sei precisar o que é essa necessidade de ajudar Kenna a chegar em seu objetivo seja ele qual for. Tenho que admitir também que as coisas estão se encaminhando muito bem depois que Kenna passou a liderar nossa expedição, no dia anterior quando ainda estávamos acampados na beira do rio, Kenna acabou com a discussão entre mim e Feo, ela decidiu que Feo deveria vir com conosco e dispensou os outros elfos, disse que seria bom ter um elfo guerreiro como ele por perto. E agora é ela quem manda. Não consigo entender como isso aconteceu, mas como já disse, ela manda e nós obedecemos de bom grado.

Continuamos com nossa caminhada tranquilamente até avistarmos o cavalo de Feo correr apressado em nossa direção, só que sem ele. Luc emparelha seu cavalo com o de Feo e segura em suas rédeas fazendo o animal parar sua corrida. Olhamos para frente e nem sinal de Feo.

Onde ele está- Kenna pergunta preocupada- Vocês o viram?

Não consigo ver nada- Diz Luc

Nem eu- Falo também- É melhor corrermos- Saio em disparada com Kenna e Luc logo atrás. Paramos ao ver Feo lutar com um monstro de aspecto horroroso, parece um tipo macaco gigante com pele de cobra , longas presas pendiam de sua boca e garras negras surgiam surgiam em seus dedos . Ótimo, outra criatura mística, já estou cansado delas. Feo fere a criatura, porém a criatura também o feriu,posso ver sua perna sangrando. Desço do cavalo e chamo a atenção do monstro para mim, posso não ir com a cara de Feo mas não quero que ele morra. Luc e Kenna também fazem o mesmo, logo o monstro está cercado por nós quatro e parece ficar um pouco confuso, não sabe qual de nós atacar. Percebendo a vantagem, Kenna lança uma de suas flechas mágicas, decidi chamá-las assim pois elas simplesmente aparece brilhantes quando ela estica o arco, a flecha atinge o que deveria ser o peito da criatura fazendo com urre de dor, então eu ataco com minha espada duas vezes, primeiro no flanco esquerdo e depois atinjo o braço fazendo jorrar um sangue negro dos ferimentos do monstro. Luc usa da mesma tática e logo o monstro tomba na areia vermelha, Feo se aproxima dele e finca uma adaga em seu peito e como num passe de mágica o monstro se desintegra. Eu sei, muito estranho.

Você está bem?- Kenna pergunta a Feo.

Sim– É só o que Feo diz.

Então prosseguimos no nosso caminho, Kenna queria acampar por ali mesmo, mas Feo insistiu para continuarmos em frente até anoitecer. O ferimento na perna dele não tinha sido grave, por isso não havia motivos para parar, foi o que ele disse. Da minha parte foi melhor assim, se ele está bem o melhor mesmo é continuar para sairmos logo desse maldito deserto. Agradeço aos céus quando finalmente vejo árvores á frente, são poucas mas ao menos teremos uma proteção maior durante a noite, não é seguro ficar em um lugar aberto. Imagine então minha decepção, quando de trás das árvores surgem criaturinhas verdes. Isso mesmo, mais seres místicos! As criaturas eram pequenas eu admito, mas eram muitas e tinham dentes bastante afiados. Realmente este não é um bom dia.



Notas finais do capítulo

O tal monstro é criação minha, mas ele é tão sem graça que nem dei um nome pra ele...



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A Maldição Do Dragão" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.