Memories Of My Hero escrita por Nel


Capítulo 11
Memórias


Notas iniciais do capítulo

Yo minna o/
Nada mais para falar, aproveitem o capítulo



Capítulo 11 - Memórias


P.O.V. Karin


No dia seguinte acordei com tanta dor de cabeça que mal pude levantar da cama... Minhas memória da minha vida anterior estavam vindo em um turbilhão de uma vez, fazendo minha cabeça parecer que ia explodir!

Acho que tinha alguma coisa a ver com o sonho que eu tive hoje, ele foi diferente do de sempre, era uma menina de olhos amarelos e cabelo roxo que sorriu para mim e disse "só dessa vez, vou te devolver suas memórias, mas vou guardar uma parte para a hora certa" e ela sumia e eu acordava com a dor de cabeça muito forte.


– Karin-san! - escutei Renji me chamando.

– Chame o Ichi-nii agora - falei rolando na cama.

– Você... Hai - ele saiu correndo.

– Está bem, Karin? - perguntou Kasaigetsu se materializando.

– Kasaigetsu... Eu acho que minha cabeça vai explodir... - sussurrei.

– Que bom que lembrou que consegue me materializar - ela riu e sumiu

– Karin?! - perguntou Ichi-nii aparecendo.

– Ichi-nii... Eu... Eu lembro! - sorri e pulei nele chorando - me desculpe, eu te fiz sofrer e até chorar! Eu...

– Se acalme - ele me abraçou e deu um sorriso de leve - estou feliz que esteja bem e que tenha se lembrado.

– Ichi-nii... Eu tive um sonho estranho essa noite - e então contei o sonho para ele, que escutou sério.

– Então a Senna está bem - ele sorriu para o nada - desculpe Karin, essa pessoa que você viu é minha amiga, mas tem realmente muito tempo que eu não a vejo... Digamos que ela guarda as memórias das almas que morrem e renascem.

– Entendi... Mas tem uma parte que me incomoda - falei - eu não lembro nada do Hitsugaya-taichou... O que ele era meu?

– Ann, bem, pelo que ele me disse, seu namorado.

– O-O que?! - eu teria caído de costas se o Ichi-nii não tivesse me segurado. COMO ASSIM EU NAMORAVA UM TAICHOU?! Cara, eu era uma mortal sem noção de perigo!

– Pois é - ele riu da minha reação.

– Eu acho que tenho que ir falar com ele - falei me espreguiçando.

– Eu não faria isso se fosse você, ele anda mal por tudo, as vezes quando perdia as esperanças de te encontrar ele começava a chorar, o que era muito estranho, e ele andou muito mais frio que o normal - falou ele, viu! Sabia que o taichou não estava normal! - além do mais você não deveria estar trabalhando? O Byakuya é bem rígido com o trabalho.

– Ops, verdade - falei - ah! Qualquer dia desses vamos para casa? Já estou com saudades do baka-oji-san e da Yuzu... Do Kisuke-san e da Yoruichi-san também... E da Shihiro... Não posso trazer ela para cá não?

– Vou ver o que posso fazer - ele sorriu - ja ne, Karin.

– Ja - acenei para ele, que se foi.

Depois eu fui para o escritório principal meio nervosa, eu seria formalmente apresentada ao taichou agora...

– Ohayo, Kuchiki-taichou - falei assim que entrei.

– Ohayo, Karin - ele falou ainda olhando para os papéis.

– Ann... O senhor precisa de alguma coisa? - perguntei e ele finalmente me olhou.

– Parece que você é mais educada do que seu irmão... Eu iria pedir para ter uma pequena luta com você para testar suas habilidades, mas pelo visto você não estava se sentindo bem de manhã, então vou te liberar por hoje, dispensada - ele falou.

– Arigatou, Kuchiki-taichou, prometo estar melhor amanhã - falei saindo da sala, primeiro em rumo ao décimo esquadrão.

– Ah! Karin-chan! - Rangiku me recebeu com um abraço - o taichou saiu se é isso que está procurando.

– Ah! Eu volto depois então - não pude conter a decepção em minha voz - eu queria que ele me falasse de nós dois... Talvez eu lembrasse de algo já que eu lembrei de tudo... Menos dele.

– Oh! Bem, eu sei onde ele está se quiser saber... - ela falou cobrindo a boca com a mão... Eu SABIA que ela estava tendo idéias estranhas como sempre.

– Onde? - perguntei ignorando a reação dela.

– Lembra que eu te falei do Raki? - ela sussurrou um pouco mais séria.

– Claro - sussurrei de volta - seu filho, certo?

– Sim, o taichou me pediu para poder cuidar dele hoje... Foi estranho, mas eu deixei, embora fosse sobrar mais papelada para mim - ela riu e me entregou um papel com um endereço - eles estão nessa casa.

– Arigatou, Rangiku-san - fiz uma pequena reverência.

– Nha, menos formalidade, e pode tirar esse "san" do final - ela sorriu - somos amigas.

– Hai, Rangiku - e nós rimos e nos despedimos.

Fui direto para o lugar que ela ma mandou, e ao chegar entrei sem pedir permissão.

– Karin? - perguntou o taichou.

– Ohayo - falei.

– Ohayo - ele respondeu.

Ele estava sentado no chão junto com um bebê de aproximadamente 1 anos, com cabelo prateado e olhos azuis intensos, e se não fosse pelo sorriso eu juraria que era filho do taichou.

– A Rangiku me mandou para te ajudar a cuidar do Raki - falei - na verdade eu que pedi. - ele continuou calado, então eu continuei - eu me lembrei de bastante coisa hoje de manhã, mas não consegui me recordar nada sobre você... E eu queria ver se talvez conversássemos eu lembraria de alguma coisa - sorri sem graça, mas ele sorriu levemente.

– Só se me ajudar a cuidar do Raki.

– Hai, Hitsugaya - falei me sentando junto dos dois.

– Nunca pensei que falaria isso, mas me chame de Toushirou.

Eu acabei rindo, de algo que não me lembrava, e ele me acompanhou.

Raki bateu as pequenas palmas rindo conosco e eu peguei ele no colo.

– Kawaii - sorri para ele, hoje seria um dia bom...



Notas finais do capítulo

Sem imagem do Raki porque eu não achei nenhum bebe que batesse com o que eu imagino u-u mas ele é tipo um Gin bebê de olhos abertos kkk
E então cadê meus revews? Preciso deles okay?
Alguém leu o mangá de hoje? A Soi Fon foi muito foda *~*
O capítulo fez mais sentido para quem viu o Memories of Nobody, e para quem não viu, veja, é divo *~*
Ja ne o/



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Memories Of My Hero" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.