O Lado Bom De Ser Invisível escrita por Maga Clari


Capítulo 10
Capítulo 10 - Seu curioso amigo, Charlie


Notas iniciais do capítulo

Surpresas virão ^^



********************************************************

18 de Outubro de 1991

Querido amigo,

Nada de Craig.

Eu sei que não devia alimentar esperanças, e até te falei isso numa das cartas mas é só que... Sei lá, a gente termina tendo inconscientemente, né? Charlie falou que ainda temos três dias para a apresentação e que vai ver ele não recebeu o convite ou não teve tempo de responder.

Eu ainda não tenho uma opinião formada sobre isso, mas eu realmente queria muito que ele fosse assistir meu teste. É o dia mais importante da minha vida, entende? Eu sonho com isso desde garotinha e queria compartilhar isso com alguém. Eu tenho o Charlie, claro, mas não é a mesma coisa. Nem a minha família vai me assistir, eles não acreditam no meu potencial, amigo. Sabe como é estar no meu lugar?

Às vezes, eu penso que meus pais não acreditam nem mesmo que um dia eu saia deste hospital idiota, eles quase nunca aparecem aqui e só nos falamos algumas vezes por telefone. Além do Charlie, eu sei posso contar com o Patrick, mas a Sam eu não tenho muita certeza. Já cheguei a pensar que ela tem ciúmes de mim, ela parece conversar comigo um pouco forçada, não sei. Eu gosto muito dela e eu torço para que Sam largue o namorado e fique com Charlie. Eles foram feitos um pro outro; se é que essa história de amor verdadeiro realmente existe.

Não é que eu seja cética em relação a isso, mas é que depois de tudo que eu passei, fiquei meio tendenciosa a pensar dessa forma, entende? Não sei se um dia vou conhecer alguém que não me abandone, assim como muitos fizeram. Sempre tive essa visão de que seu não me amarrasse em alguém, e vivesse um dia de cada vez, com pessoas diferentes, seria melhor para todo mundo, principalmente para mim. Mas sei lá, nem sei mais no que pensar.

Em relação aos outros amigos, eu ainda tenho Alice, Mary Elisabeth, Bob (que eu subornei para nunca mais oferecer nada ao Charlie haha) e da escola só. Aqui do hospital eu só tenho o BobbY, que é como um irmão pra mim. Talvez o único de todos esses que eu realmente confio. Que gosta de mim de verdade. E eu tenho você. Eu sei que se um dia todos me decepcionarem, você ainda vai estar aqui, não é mesmo?

Peço desculpas por esta carta melancólica, mas é que eu estou com insônia e comecei a ter esses devaneios. Eu realmente precisava compartilhar com alguém e esse alguém era você. Tenho que terminar de escrever, são quase 4am e terei um longo dia de ensaio pela frente. Me deseje sorte.

Com amor,

Noelle

*******************************************************

20 de Outubro de 1991

Querido amigo,

Estamos no camarim e eu estou completamente nervoso! O teste começa em duas horas, mas Noe insistiu em virmos mais cedo, só por garantia. Parece que ela tem um histórico de coisas que acontecem em cima da hora. Engarrafamento, acidentes, gripes, etc etc. Imprevistos em geral. O pior que eu sofro do mesmo problema. Eu a entendo.

Dei uma espiadinha pelas cochias e tem uma infinidade de pessoas lá. Pais, amigos e familiares, provavelmente. Eu sei que já me apresentei antes, no Horror Picuture show, mas não era uma platéia tão grande assim... Minhas mãos estão suando e eu estou começando a pensar em desistir. Eu sei que é um pensamento horrível, porque a Noe está animadíssima e eu nunca tiraria isso dela; ela é minha amiga, né? E é uma garota tão legal... Não merece isso. Mas eu não consegui disfarçar.

"Tá tudo bem, Charlie? Quer uma água?", ela me disse.

"Traga, por favor", respirei fundo e pus as mãos na testa enquanto a esperava voltar com a água, "Muito obrigado, Noe", falei, segurando o copo, tremulamente.

"Não precisa fazer isso se não quiser", ela disse, um pouco triste e preocupada, "Eu me viro sozinha, ou peço ao Patrick, sei lá"

"Eu VOU me apresentar com você, Noe, nem pense uma coisa dessas!"

E com isso, eu fui lá fora tomar ar e agora estou aqui escrevendo pra você. Estou conseguindo me acalmar um pouco, graças a Deus. Promessa idiota! Se não fosse isso, eu estaria relaxado num instante... Se bem que ela não falou nada sobre cigarros e acho que ainda tenho alguns comigo.

Por falar nisso, acho que é o Patrick e a Sam que estão vindo aí. Eu reconheceria aquela picape de longe! Um dia eu ainda vou ter meu próprio carro e eu vou poder chamar a Sam pra sair. Porque eu acho totalmente humilhante um cara chamar alguém pra sair e ficar no banco carona. E é assim que tem acontecido ultimamente. Mas isso vai mudar, pode apostar que sim!

Deixa eu ir, porque ainda tenho muito o que fazer e não posso me atrasar. Sam está dizendo para eu parar de escrever e dar atenção a ela e esse é um pedido que nenhum idiota negaria, né?

PS: É uma pena que não esteja aqui, mas se a gente passar, pode ficar tranquilo que te conto tudo.

Com amor,

Charlie

*********************************************************

20 de Outubro de 1991

Querido amigo,

EU ESTOU DESESPERADA!

Parece que o Charlie teve uma recaída e está nervoso. E se ele não puder fazer o teste? E se eu for desclassificada por estar sozinha? E se Patrick não quiser ir comigo? Eu não sei o que fazer...

Eu andei para um lado e para o outro, tentando ficar calma e pensar racionalmente. Agora falta exatamente meia hora e o Charlie ainda está lá fora "tomando um ar". Ele tem que voltar. Ele prometeu. Não é? Ele vai voltar...

As pessoas estão começando a chegar e dei uma boa olhada nos meus concorrentes: cada um mais lindo e habilidoso do que eu. Ah, já vi que estou perdida.

E o Craig, meu Deus?? Ele não deu sinal de vida! Estou começando a chorar aqui, encolhida próximo ao banheiro, torcendo para que nenhum concorrente me veja como uma candidata fraca. Mas eu precisava mesmo tirar todo esse peso de dentro de mim e então pensei em conversar com você, meu melhor amigo.

Olha, vou terminar esst carta às pressas porque eu ouvi alguém bater a porta do banheiro e odiaria que me pegassem nesse estado. Eu não tenho vergonha de você, entenda bem; mas eu preciso mesmo terminar. E caso eu esteja enganada, foi a Mary Elisabeth que saiu de lá. Eu reconheci o perfume dela.

Me deseja sorte, por favor.

Com amor,

Noelle

******************************************************

21 de Outubro de 1991

Querido amigo,

Hoje eu tive uma surpresa indescritível.

Primeiro, deixa eu te contar sobre a apresentação, como eu prometi (se bem que tenho minhas suspeitas que não seja tão necessário assim, não é?).

Enfim. Deu tudo certo, não cometemos erro algum, e acredito que tenhamos passado, embora o resultado ainda não tenha saído. Apresentamos um trecho de Cats (meu musical favorito, que eu insisti para ser esse) e a platéia adorou. Não sei se foi a apresentação em si, ou se foi nossa roupa sensual de gatinhos haha. Eu não sei bem, mas eu não me senti bonito com aquela roupa; mas que o público gostou, gostou! E Sam mais ainda!

Sam e Patrick aplaudiam na primeira fila e soltavam assobios e coisas do tipo "Vai lá, delícia" (tá, esse foi Patrick haha), ou "Arrasem, gatinhos", dentre outros. Noe estava espetacular, dançava e cantava muito bem. Mas depois que acabamos, ela pareceu um pouco triste, não sei. Não quis perguntar.

Nós quatro nos abraçamos e daí o resto do pessoal veio e fizemos um abraço coletivo em sete! Veja só. Acredito que vai dar tudo certo, ela vai ganhar e eu vou poder começar a operação "Sam" logo logo. Mas para isso eu preciso ainda de um carro... Okay, outra hora eu penso sobre isso, não quero te encher a paciência.

Agora, vamos ao que interessa. Então você existe mesmo? Cara, eu passei tanto tempo te imaginando como fruto da minha cabeça, mas a minha médica mentiu pra mim, ela disse que você era irreal. Sabe como eu descobri isso? Hoje cedo, quando abri meu guarda-roupa para pegar um papel justamente para te escrever, notei que as outras cartas tinham sumido. SUMIDO, amigo!

Arregalei os olhos e joguei tudo pelo chão, desesperado. As enfermeiras pensaram que eu estava em surto e elas me arrancaram à força do quarto e me deram um calmante na veia. Quando eu estava mais calmo, e de volta ao quarto, esperei que elas fossem embora e fui diretamente ao guarda-roupa outra vez. Ao invés das MINHAS cartas ou do vazio, adivinha só o que eu achei? As SUAS cartas.

Eu nunca imaginei que teria respostas, sabe. Isso ainda é um tanto confuso para mim, eu... Minha cabeça está girando e eu não sei quanto tempo mais estarei sóbrio para terminar esta carta gigantesca, então vou acabar logo com isso.

Só mais duas perguntas: por que nunca recebi essas cartas antes? Por que só agora? E por que você não assinou seu nome? Eu... eu me abri com você, sabe. O mínimo que eu esperava era o mesmo. Tudo bem que eu disse que estou usando um nome falso para mim e para os meus amigos, e que eu não gostaria que descobrisse meu endereço, mas agora eu mudei de ideia. Eu quero saber quem você é.

PS: Me desculpa pelos erros de pontuação e excesso de parênteses. O Bill já reclamou comigo, mas meu nervosismo e ansiedade eram tanto que a última coisa que eu ia pensar era nisso.

Com amor,

Seu curioso amigo Charlie

********************************************************





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Lado Bom De Ser Invisível" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.