A Luz E A Escuridão escrita por Madame Baggio


Capítulo 8
Capítulo 8


Notas iniciais do capítulo

Obrigada pelo comentário!

Já já começa a melhor parte! Sam está chegando *-*



Quando o avião desceu em Ibiza já era noite. Saindo do aeroporto os cinco decidiram pedir um táxi para ir até o centro da cidade e de la verem para onde iriam.

\n\n

-Já que nós somos cinco eu acho que a Lily devia sentar no colo do James. –Sirius sugeriu com um enorme sorriso maroto.

\n\n

Lily revirou os olhos e sem falar nada se sentou no colo de Sirius.

\n\n

-Olha ruiva, com todo respeito, você não faz meu tipo. –ele avisou tranqüilo.

\n\n

-É com o que eu estou contando. –ela respondeu despreocupada.

\n\n

O motorista deixou os cinco numa das ruas mais badaladas, de frente para a praia. De la já se podia ver vários hotéis e bares. As ruas já estavam abarrotadas de pessoas de todas as tribos e feições. Havia luzes coloridas e o lugar lembrava um sonho. Um sonho adolescente de fugir e viver em meio a festas sem nunca olhar para trás.

\n\n

Esse, um dia, havia sido o sonho de Lily, mas ela não tivera coragem de realizá-lo. Aparentemente Samantha King tivera.

\n\n

-Vamos, senhorita Evans. – a voz de James despertou-a para a realidade que era dela.

\n\n

Mas as luzes a estavam seduzindo, pareciam tão convidativas...

\n\n

***

\n\n

Após quarenta minutos James já estava pronto para desistir. Ele perguntara há várias pessoas sobre o tal lugar onde Samantha havia sido vista pela última vez. Um lugar chamado Hell.

\n\n

-Dever ser uma boate. –o policial para quem James perguntara falou pensativo –Mas eu nunca ouvi falar.

\n\n

-Obrigado. –James agradeceu desanimado.

\n\n

-E ai? –Peter perguntou em meio a um bocejo.

\n\n

-Ele também não conhece. –James respondeu cansado.

\n\n

-Ah que saco. –Sirius reclamou –Onde infernos fica essa Hell?

\n\n

-Hell?

\n\n

Os cinco viraram-se para o jovem que havia se aproximado.

\n\n

-Vocês estão querendo ir no Hell? –ele perguntou.

\n\n

Ele era provavelmente espanhol. Dava para ver pela aparência hispânica de seus traços e pelo seu sotaque. Devia ser jovem, da idade deles.

\n\n

-Estamos. –James respondeu –Você sabe onde é?

\n\n

-Sei sim. –o rapaz respondeu abrindo um sorriso –Eu estou indo com uns amigos para la agora mesmo.

\n\n

-Você pode nos indicar o caminho? –Remus pediu.

\n\n

-Eu levo vocês. –o rapaz ofereceu.

\n\n

James agradeceu e eles seguiram-no até uma caminhonete Ford vermelha.

\n\n

-Pulem na caçamba. –o rapaz falou.

\n\n

Os cinco se sentaram na caçamba, onde havia mais duas caixas de cerveja.

\n\n

A caminhonete saiu seguindo mais dois carros. Eles andaram por um bom tempo. Logo a paisagem glamurosa do centro foi desaparecendo, dando lugar a lugares sujos e negligenciados.

\n\n

-Será que é por aqui mesmo? –Remus perguntou desconfiado.

\n\n

-Eu espero que sim. –James respondeu inseguro.

\n\n

Logo o carro parou.

\n\n

-Chegamos. –o rapaz avisou.

\n\n

Os Marotos e Lily olharam em volta e se viram diante do que parecia ser uma casa abandonada. A construção era gigante e um dia devia ter sido uma bela casa, o que ela claramente não era mais.

\n\n

-Aqui? –Sirius perguntou incrédulo.

\n\n

-É, aqui. –o rapaz respondeu tranqüilo pegando as duas caixas de cerveja e apoiando uma sobre cada ombro.

\n\n

-Senhorita Evans fique ao meu lado. –James pediu.

\n\n

-Pontas, se você quer ficar perto da ruiva é só falar. –Sirius falou revirando os olhos.

\n\n

James ignorou-o.

\n\n

O grupo que estava com o rapaz que os trouxe até ali foi abrindo a porta da casa e entrando sem cerimônias. Os Marotos e Lily seguiram o grupo com cuidado, sem saber o que esperar.

\n\n

O chão sob eles parecia pulsar como se fosse vivo e havia um barulho que eles não sabiam identificar, nem sabiam de onde vinha.

\n\n

A casa estava totalmente vazia e suja, mas as luzes estavam acesas em alguns cômodos, os que eles passaram fazendo seu caminho.

\n\n

O rapaz que os trouxera e os amigos andaram tranqüilamente, conversando e rindo. Quando eles chegaram a cozinha um dos rapazes abriu uma porta e ai sim o barulho aumentou absurdamente. Foi ai que tudo fez sentido. O barulho vinha do porão sob eles. Era ali naquela porta que a tal Hell começava.

\n\n

-Eu acho que a defesa civil e a saúde pública iam amar esse lugar. –Sirius comentou irônico.

\n\n

-Essa garota não pode estar aqui. –Lily falou incrédula.

\n\n

-Nós já vamos descobrir. –James falou mais seguro do que realmente se sentia.

\n\n

Eles desceram as escadas, já começando a ver o ambiente melhor. Ao fim da escada havia um cara enorme, com cara de mau. Provavelmente um "segurança".

\n\n

-Nós estamos procurando por Samantha King. –James falou para o homem.

\n\n

-Ela deve estar entrando no ringue agora. –foi a resposta do grandalhão.

\n\n

Os cinco se olharam confusos.

\n\n

-Ringue? –Sirius falou pensativo –Será que eles têm luta de mulher na lama aqui? –ele soava quase esperançoso.

\n\n

Remus revirou os olhos.

\n\n

-Cala a boca, Sirius.

\n\n

Dos pés da escada era mais fácil ver o lugar. Aquilo estava lotado. Se naquele espaço cabiam cem pessoas havia ali naquele momento umas trezentas. A luz era fraca e o ar parecia abafado e cheio de poeira. O som que se ouvia não era de música, era de conversa e gritos, vozes de humanas.

\n\n

Eles cortaram seu caminho pela multidão, procurando qualquer coisa que parecesse um ringue.

\n\n

Quando os gritos começaram a se tornar mais altos eles entenderam que haviam encontrado o que procuravam.

\n\n

Definitivamente não era o que Sirius estava esperando.

\n\n

O tal ringue era um buraco quadrado de dois por dois metros de largura e dois metros fundo no chão. Dentro do ringue havia um homem de pelo menos dois metros de altura. Enorme, forte, cheio de tatuagens na pele queimada de sol, cabeça raspada e barba por fazer. Diante dele havia uma garota. Samantha King, com certeza. Ela era pequena, 1,60, no máximo, com um corpo cheio de curvas proporcionais. Ela tinha a pele morena e cabelos castanhos escuros lisos e longos, presos num rabo de cavalo.

\n\n

-O que raios eles estão fazendo? –Peter perguntou preocupado.

\n\n

-Eu tenho um palpite, mas espero estar errado. –Remus falou olhando a cena.

\n\n

Samantha parecia tranqüila. Ela olhava para o homem diante dele como se não houvesse diferença nenhuma entre eles.

\n\n

Os homens ao redor gritavam o que James interpretou como apostas. Samantha era aparentemente a preferida.

\n\n

-Ela parece ser famosa por aqui. –James observou.

\n\n

-Deve ser. A informação que a gente tinha é que ela veio pra cá há dois anos. É surpreendente que ela tenha ficado nesse lugar tanto tempo. –Remus comentou.

\n\n

-Eu não sei se eu quero ver isso... –Lily falou hesitante.

\n\n

-Não se preocupe, senhorita Lily. –Sirius falou tranqüilo –Qualquer coisa e você pode apostar que o James te protege.

\n\n

Lily revirou os olhos, enquanto James acertava uma cotovelada no amigo.

\n\n

O som de uma campainha chamou a atenção deles. Os gritos ficaram mais altos.

\n\n

O gigante fez o primeiro movimento, desferindo um soco contra Samantha, que desviou num movimento rápido.

\n\n

-Eu não quero ver isso. –Lily falou tapando os olhos.

\n\n

-Mulheres... –Sirius falou, revirando os olhos.

\n\n

Samantha mantinha-se tranqüila, desviando-se da sucessão de golpes de seu adversário, mas nunca revidando. Ela parecia estar esperando alguma coisa.

\n\n

Até que o gigante desferiu um soco e Samantha viu sua oportunidade. Ela desviou do golpe, mas conseguiu dar um tapa no antebraço esquerdo do homem.

\n\n

-Espero que isso não seja tudo o que ela pode fazer. –Sirius falou irônico.

\n\n

-Olha aquilo! –Remus falou impressionado.

\n\n

James teve que olhar atentamente para ver o que Remus tinha visto. O braço esquerdo do gigante estava caído inerte, como um parte sem vida no corpo. Ele parecia não ter mai força para levantar o braço.

\n\n

-Como ela fez isso? –Peter perguntou impressionado.

\n\n

-Eu nem imagino, mas acabo de perceber porque ela também é especial. –Remus observou.

\n\n

Em mais um momento de distração do gigante Samantha bateu com a mão no joelho direito dele. O homem deu mais uns passos sem firmeza, antes de seu joelho falsear e ele cair no chão. Com o oponente caído de joelhos diante de si Samantha não teve dúvida, em acertar-lhe um chute certeiro na face, com a pesada bota que usava, o que fez o gigante cair para trás.

\n\n

-VULPEJA! VULPEJA! –a platéia gritava alucinada.

\n\n

Samantha jogou um olhar para o seu oponente caído e bateu levemente no joelho direito dele, como que para checar se ela estava acordado. O homem pareceu reagir e ela riu levemente antes de pegar o braço esquerdo dele e ajudá-lo a se sentar.

\n\n

-Cara, isso foi demais. –Peter falou animado.

\n\n

-Ai está uma mulher que sabe como tratar um homem... –Lily falou impressionada.

\n\n

-Vamos atrás dela. –James falou.

\n\n

Eles andaram com dificuldade pelo lugar apinhado. Por sorte Samantha também era parada por várias pessoas e eles conseguiram alcançá-la.

\n\n

-Samantha King! –James chamou, quando achou que a distância entre eles era o bastante para ela ouvi-lo.

\n\n

Ao som do seu nome Samantha virou-se, mas sua expressão era de poucos amigos.

\n\n

-Quem é você? –ela exigiu.

\n\n

-James Potter, Auror Supremo do Ministério Inglês. –ele falou sem se intimidar.

\n\n

Os olhos de Samantha se arregalaram.

\n\n

-Fique longe de mim! –ela avisou.

\n\n

-Senhorita King, não se preocupe. –Remus assegurou –Nós só queremos...

\n\n

Samantha deu um tapa na mão que Remus estendera em sua direção.

\n\n

-Fiquem longe de mim. –ela gritou, antes de se afastar correndo.

\n\n

-Quando vocês vão entender que para algumas pessoas o nome do Ministério não é consolo nenhum? –Lily falou com um suspiro entristecido.

\n\n

-Vamos atrás dela. –James falou –Peter, Remus não percam a senhorita ai de vista.

\n\n

Ele e Sirius começaram a abrir caminho por entre a multidão.

\n\n

-Droga! –Remus praguejou.

\n\n

-O que foi, Remus? –Peter perguntou preocupado.

\n\n

-Eu não consigo mexer meu braço! Ela fez alguma coisa e eu não sinto mais meu braço. –Remus falou beirando o desespero.

\n\n

Peter levantou o braço de Remus que Samantha havia tocado. Eles viram, surpresos, que o braço parecia estar apodrecendo rapidamente.

\n\n

-Cara, isso ta parecendo podre. –Peter falou torcendo o nariz.

\n\n

Lily tocou a pele escura com a ponta dos dedos, primeiro de forma hesitante. A pele dela parecia brilhar, mesmo na luz difusa. Logo a pele apodrecida começou a clarear mais uma vez, até voltar ao normal.

\n\n

-Uau. –Peter murmurou impressionado.

\n\n

-Eu estou sentindo meu braço de novo. –Remus falou impressionado, mexendo a mão.

\n\n

-Vamos atrás deles. –Lily falou preocupada –Essa garota é mais problema do que vocês estavam esperando.

\n\n

-E daí? Ela também é... –Peter cochichou para Remus antes de eles saírem atrás da ruiva.

\n\n

***

\n\n

James e Sirius correram atrás de Samantha até saírem de casa e caírem na rua deserta. Ela era rápida, mas eles eram Marotos. Os dois trocaram um olhar de entendimento e Sirius se afastou de James, indo por outro caminho, enquanto o Maroto continuava a correr atrás de Samantha. James achava que eles tinham sorte por ela ainda não ter aparatado, apesar de ele não entender porque ela não fazia isso.

\n\n

Ela pegou uma distância de James, mas quando virou uma das esquinas escuras deu de cara com Sirius esperando por ela.

\n\n

-Que tal você parar de correr um pouquinho e conversar com a gente? –ele propôs tranqüilo.

\n\n

-Fique longe de mim. –ela falou irritada, antes de tentar acertar um chute nele.

\n\n

Apesar do susto Sirius conseguiu escapar por pouco do golpe.

\n\n

-Merlin, que violência. –Sirius falou indignado –Sossega, mulher. A gente só quer conversar.

\n\n

-Eu não tenho assunto nenhum com vocês, cachorrinhos do Ministério. –ela afirmou irritada, antes de tentar dar mais um golpe nele.

\n\n

-Sirius! Cuidado com ela! –James que se aproximava correndo gritou.

\n\n

-Nem precisa avisar. –Sirius falou irônico, enquanto ainda desviava dos golpes dela.

\n\n

Num movimento rápido ele tirou o casaco e conseguiu prender as duas mãos dela.

\n\n

-E agora, nervosinha? –ele provocou –O que você vai fazer?

\n\n

Ela lançou a cabeça para frente e acertou o nariz dele. Os olhos de Sirius se encheram de lágrimas, mas ele não a soltou.

\n\n

-Ai sua filha de uma...

\n\n

-Olha a boca, Almofadinhas... –James falou com um sorriso maroto se aproximando –Mas bem pensado. –ele observou as mãos dela, que estavam presas. –Assim ela não pode usar aquele truquezinho dela.

\n\n

Samantha deu um sorriso de canto de lábios.

\n\n

-É, sorte a de vocês. –ela falou irônica –Mas não da pra dizer o mesmo pra aquele outro amiguinho seu. Se vocês não fizerem nada rápido o braço dele vai apodrecer até ter que ser amputado.

\n\n

Os dois olharam em choque para ela.

\n\n

-Você vai desfazer isso. –James exigiu.

\n\n

-Eu vou pensar no caso de vocês. –ela falou tranqüila –Eu só resolvo o problema se vocês me soltarem agora.

\n\n

-Não vai ser necessário. –Remus, que vinha se aproximando, falou tranqüilo –O problema já foi resolvido.

\n\n

Samantha arregalou os olhos, claramente chocada.

\n\n

-Como você fez isso? –ela quis saber.

\n\n

-Não foi ele. Fui eu.

\n\n

O olhar de Samantha desviou-se de Remus e foi parar na pequena ruiva que vinha na direção deles. Ela parecia tão orgulhosa quanto a própria Samantha o era.

\n\n

-E quem seria você, vermelhinha?

\n\n

-Lily Evans.

\n\n

Lily parou a uma distância segura de Samantha.

\n\n

-Pode soltá-la, Sirius. –a ruiva falou –Não tem nada que ela possa fazer contra um de nós.

\n\n

Sirius hesitou por um minuto, mas acabou largando Samantha. A morena pareceu encolher como um rato encurralado, mas seu olhar mais uma vez caiu em Lily. E quando seus olhos se cruzaram a coisa mais estranha do mundo aconteceu.

\n\n

Era uma sensação de alívio. Um alívio indescritível. Como se finalmente depois de um longo tempo de procura as duas houvessem encontrado algo que elas procuravam.

\n\n

-Senhorita Evans? –Remus chamou preocupado.

\n\n

Lily não ouviu. A mente dela estava trabalhando com força, tentando se lembrar de onde ela poderia conhecer Samantha. E mesmo sem uma resposta para isso ela estava feliz de ter podido finalmente reencontrá-la.

\n\n

Inconscientemente as duas deram um passo para frente. Os quatro rapazes se colocaram em alerta, pontos para pararem Samantha se fosse necessário. Lily levantou a mão parando eles.

\n\n

-Esperem. –ela pediu, sua voz baixa.

\n\n

Os meninos pararam, embora hesitantes. Samantha e Lily se aproximaram, os olhos travados na face uma da outra. A ansiedade crescendo dentro delas. Elas não entendiam o porque da batida descompassada de seus corações, mas sabiam que estavam felizes por finalmente estarem ali.

\n\n

As duas estenderam as mãos, ao mesmo tempo e suavemente tocaram a ponta de seus dedos. Parecia certo. Parecia destinado. A palma da mão delas tinha exatamente o mesmo tamanho. E quando elas se juntaram, os quatro rapazes viram em choque uma luz suave envolver as duas.

\n\n

Finalmente eu te encontrei...



Notas finais do capítulo

COMENTEM!!!

B-jão



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A Luz E A Escuridão" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.