Confronto 2ªtemporada escrita por Gabszinha FerCosta


Capítulo 147
Capítulo 146-Véspera da partida de Marie/ Encontro do Anthony/ Compras no shopping/ Jantar em família


Notas iniciais do capítulo

Oi, gente!!!
Sei que andei sumida, por que meu computador queimou, mas, depois desse tempo, eu comprei um computador novo e voltarei a postar normalmente, desculpem ter ficado sumida, mas aqui estou de volta, e teremos muito mais capítulos pra vocês, então boa leitura e até o próximo capítulo.



  Isabella Marie Swan Cullen

 

  Algum tempo depois…

  Amanhã seria o dia. Amanhã Marie iria para Oxford, estudar no internato. Ela tinha que ir agora, por que as aulas já iriam começar.

  Meu coração ainda estava apertado, não era nada fácil deixar um filho ir. Eu pensava que viveria isso, primeiro com a Kristen, nos seus 18 anos, e não foi isso que aconteceu, primeiro foi a minha menininha, com 10 anos de idade.

  Eu estava sentada na minha cama, vendo algumas fotos de quando eu estava gravida dos gêmeos e fotos deles, quando eles nasceram.

  Sorri.

  Era uma pena que filhos cresciam tão rápido.

  -Mãe. –Anthony entrou no meu quarto.

  -Oi, filho. –Disse.

  -O que você tá fazendo? –Ele perguntou.

  -Só relembrando quando eu fiquei grávida de você e da sua irmã. Foi um momento único. –Disse.

  -E quando você ficou grávida da Kris? –Ele perguntou, olhando as fotos dele.

  -Foi diferente. Quando eu engravidei da sua irmã, eu era uma adolescente confusa e com medo. Teve momentos que eu não consegui aproveitar a minha gravidez. Mas a de vocês foi diferente. Eu já era mais velha, mais madura. Eu aproveitei bastante. –Disse e respirei fundo. –É uma pena que vocês cresçam tão rápido.

  Ele sorriu.

  -Se serve de consolo, eu ainda irei demorar pra sair dessa casa, pra falar a verdade, seria uma boa ideia, eu herdar essa casa. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -Ih, isso pode demorar. Somente depois que o seu pai e eu morrermos e isso vai demorar muito. Nós dois temos uma saúde de ferro. –Disse.

  -Eu sei, por isso sou filho de vocês. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -Tá bom, e ainda por cima puxou o humor do seu pai. –Disse.

  Ele riu.

 -Você tá pronta? –Ele perguntou.

  Eu levaria Anthony e Felicity para o shopping, pois eles teriam o primeiro encontro deles.

  Assenti.

  -Sim, vamos. –Disse, me levantando. –Eu vou deixar vocês lá, depois eu ficarei esperando pelo seu pai.

  -Vocês vão ficar vigiando a gente? –Ele perguntou.

  O olhei.

  -Relaxa, meu amor. –Disse. –Eu vou fazer umas compras e preciso do seu pai para carregar as sacolas. Mas talvez eu o arraste para assistir um filme também, por que nós merecemos relaxar, temos filhos que nos dão muita dor de cabeça.

  Ele riu.

  -Você vai para o seu encontro e eu e seu pai, faremos o nosso encontro. –Disse.

  Ele sorriu.

  -Vocês já estão casados, não precisam ficar marcando encontro. –Ele disse.

  Sorri.

  -Meu querido, quando duas pessoas se amam, fazem coisas como se fosse a primeira vez. –Disse.

  Ele riu.

  -Tá, contanto que não fiquem nos espiando. –Ele disse.

  -Não ficaremos. O Shopping é grande. Não iremos nos encontrar, somente quando você me ligar, pedindo pra buscar vocês. –Disse.

  Ele assentiu.

  -Tá legal, então vamos. Eu não quero me atrasar, isso é com as mulheres. –Ele disse.

  Sorri.

  -Obrigada pelo elogio. –Disse.

  Ele riu.

  Saímos do meu quarto e fomos para o carro. Só tinha nós dois em casa, Kristen estava fazendo um ensaio na agencia, Edward estava na academia, e Marie havia saído com alguns amigos, para se despedir e Rob estava com a Esme, que foi visitar meus tios, na casa de repouso.

  Fomos pra garagem e entramos no carro.

  -Está pronto? –Perguntei, colocando meu cinto.

  Ele assentiu.

  -Sim. –Ele respondeu e colocou seu cinto.

  -Ok, então vamos. –Disse e liguei o carro.

  Saí com o carro da garagem e dirigi direto pra casa da Felicity.

  Enquanto eu dirigia, Thony trocava mensagem com a Felicity, e pelo seu sorriso, eram mensagens de amor.

  Chegamos em frente a casa.

  -Avisa pra ela que já estamos aqui. –Disse.

  -Ok.

  Thony mandou uma mensagem pra ela, alguns minutos depois, Felicity saiu da casa, acompanhada dos seus pais.

  Thony e eu saímos do carro.

  -Sra. Cullen, é um prazer tê-la aqui na nossa humilde residência. –A mãe da Felicity disse.

  Sorri.

  -O prazer é meu, mas, por favor, me chame de Bella. –Disse.

  -É um prazer, Bella. Eu sou o pai da Lilly, Julian Brooke, essa é minha esposa, Marian Brooke. –Ele disse.

  Apertei a mão deles.

  -É um prazer Julian, Marian. –Disse.

  -O prazer é nosso. –Eles disseram.

  -Há anos, Lilly é sua fã. Ela conseguiu maratonar todas as temporadas da sua série. –A mãe de Felicity disse.

  -Sem contar os milhares fã clubes que ela é dona. –Seu pai disse.

  Olhei pra Felicity.

  -Você nunca me falou de fãs clubes. –Disse.

  Ela sorriu.

  -Não é nada demais. –Ela disse.

  Sorri.

  -Mesmo assim, eu quero muito ver. –Disse.

  Ela assentiu.

  -Claro, eu mostro depois. –Ela disse.

  -Ok.

  -Ficamos felizes que ela se apaixonou pelo filho da sua maior ídola. –Julian disse.

  Sorri.

  -É, eu também fiquei muito feliz em saber, que o meu filho está namorando uma grande fã minha. –Disse.

  Eles sorriram.

  -Mãe, podemos ir? –Thony perguntou.

  Assenti.

  -Claro, despeçam-se e vamos. –Disse.

  -Tchau mãe, pai. –Felicity disse, se despedindo dos pais.

  -Tchau, querida. –Eles disseram.

  -Tchau Sr e Sra. Brooke. Prometo que irei respeitar a filha de vocês. –Thony disse.

  Eles sorriram.

  -Tchau. –Eles disseram.

  -Nós sabemos que irá cuidar bem dela, Anthony. –Marian disse.

  Olhei pra eles.

  -Prometo trazê-la sã e salva. –Disse.

  Eles assentiram.

  -Tchau. –Disse.

  -Tchau. –Eles disseram.

  -Vamos, crianças. –Disse.

  Fui com os meninos para o carro.

  Anthony a porta traseira para a Felicity.

  -Obrigada, Thony. –Ela agradeceu.

  -De nada.

  Felicity entrou no carro.

  -Vá atrás com ela, Thony. –Disse.

  Ele assentiu.

  -Ok. –Ele disse e entrou no carro.

  Entrei logo em seguida e dirigi direto para o shopping.

  O caminho inteiro, não se dizia uma só palavra, mas os dois adolescentes no banco de trás, trocavam olhares e sorrisos. Ah, o amor era tão lindo.

  Chegamos ao shopping e eu parei o carro no estacionamento, saímos do carro e entramos no shopping. Algumas pessoas me pararam para falar comigo e me cumprimentar, depois fomos direto para o cinema.

  -Pronto, aqui estamos. Podem entrar e se divirtam. –Disse.

  -Obrigada por nos trazer, mãe. –Thony agradeceu.

  -De nada. Espero que os meus fãs não tenham atrasado vocês. –Disse.

  -Tá tudo bem, eu já me acostumei com isso. –Thony disse.

  -E eu não ligo, por que sou um deles. –Felicity disse.

  Comecei a rir.

  -Tá legal. Entrem e tenham um bom filme. –Disse.

  -Valeu. –Eles disseram e entraram no cinema.

  Depois que eles entraram, peguei meu celular e mandei uma mensagem para o Edward.

De: Bella

Para: Edward

Acabei de deixar as crianças no cinema.

Onde você está?

                             B.C

  Ele respondeu.

De: Edward

Para: Bella

Ok.

Eu acabei de chegar em casa, vou tomar um banho, chamarei um taxi e vou te encontrar.

Vá comprando os nossos ingressos.

                                                        E.C

  Respirei fundo e respondi.

De: Bella

Para: Edward

Ok.

          B.C

  Enviei a mensagem pra ele e fui tomar um sorvete.

  Quando eu terminei de tomar meu sorvete, percebi que uma hora dessas, eles já tinham entrado na sala de cinema, então eu fui até o cinema e entrei, comprei dois ingressos, depois saí e fiquei esperando pelo Edward.

  Meia hora depois, alguns fãs meus, se aproximaram e pediram autógrafos e fotos. Eu fiquei autografando e tirando fotos com eles. Algum tempo depois, Edward apareceu.

  -Oi. –Ele disse e me deu um selinho.

  -Oi. –Disse.

  -Podemos tirar uma foto de vocês juntos?

  Edward sorriu.

  -Claro.

  Edward e eu nos abraçamos e os nossos fãs tiraram fotos da gente.

  Depois da sessão de fotos, nós nos despedimos e eles foram embora, fazendo com que fossemos duas pessoas normais.

  Olhei para o Edward.

  -Você demorou. –Disse.

  -Desculpe, eu estava na academia, cheguei em casa e tive que tomar um banho. –Ele disse. –As crianças já estão no cinema?

  Assenti.

 -Sim.

  -E você comprou os nossos ingressos?

  O olhei.

  -Comprei. –Respondi. –Olha, Edward. Eu não acho isso nada legal, estamos prestes a vigiar o nosso filho e a namorada dele.

  -Relaxa amor, vamos só dar uma espiadinha. Eu quero ver se ele vai tomar atitude e beijá-la. –Ele disse.

  -Eles já se beijaram antes, Edward. –Disse.

  -Eu sei, ele contou. Foi quando ele e Marie estavam brigados, foi só um beijo pra ele se sentir melhor, não aconteceu de novo, apenas foram selinhos. –Ele disse.

  -Mesmo assim, é errado fazermos isso. Você iria gostar, se os nossos pais tivessem nos vigiado no nosso primeiro encontro?

  -Primeiro? Se eles tivessem nos vigiado, meus pais teriam me matado, por que eu estava me drogando, e talvez o susto do meu pai teria sido maior do que já foi, se me visse beijando a ex amante dele. –Ele disse.

  Sorri.

  -É verdade.

  -Agora, já os seus pais. Se tivessem nos vigiado, era para simplesmente afirmar o que eles pensavam de você, que você era uma vadia. Mas isso era o que eles pensavam, por que você é uma mulher maravilhosa. –Ele disse.

  Sorri.

  -Ai que fofo. Olha, eu sei que não somos pessoas normais para dar exemplo, mas se fossemos, nenhum de nós dois iria gostar disso. –Disse.

  Ele assentiu.

  -Você tem toda razão, vamos dar uma espiada e ir embora. Eu quero dar uma joia pra Marie levar com ela, então não vamos demorar. –Ele disse.

  Assenti.

  -Assim espero. –Disse.

  -Vamos.

  Entramos no cinema e fomos pra sala de cinema, nós dois nos sentamos no fundo, algumas fileiras a frente, estavam os dois.

  Sorri.

  -Eles formam um lindo casal. –Disse.

  -É, mas a gente é mais bonito. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  Ficamos prestando atenção no filme.

  -Que filme chato, quem escolheu, hein?

  -A Felicity. É do mesmo diretor da minha série. –Disse.

  Ele me olhou.

  -Ela é apaixonada pelo nosso filho ou por você? –Ele perguntou.

  Sorri e o olhei.

  -Pelo nosso filho. Ela é minha fã, mas se apaixonou por ele, sem saber que ele era meu filho. –Disse.

  -É, talvez fosse o destino. Ela amou o seu trabalho, virou sua fã, sem saber que você tinha dado a luz ao amor da vida dela. –Ela disse.

  Sorri.

  -É, talvez tenha sido mesmo o destino.  –Disse.

  Ele sorriu.

  -Como foi com a gente, começou com o meu pai, Kristen, depois eu cheguei.

  Sorri.

  -E foi a melhor coisa que me aconteceu. –Disse.

  -Eu sei. –Ele disse e me beijou.

  O beijo estava muito bom, até Edward parar e olhar as crianças.

  -Vamos ficar de olho neles. –Ele disse.

  -Nossa. Eu acabei de tomar um fora. –Disse.

  -Depois eu te recompenso, amor. –Ele disse.

  Respirei fundo e olhei para os meninos.

  Uns 20 minutos depois, eles começaram a trocar caricias, Thony passou o braço envolta dela e beijou sua testa.

  -Ele é tão cavalheiro. –Disse.

  -Puxou para o pai. –Ele disse.

  Sorri.

  -Mas não puxou mesmo. –Disse.

  Ele me olhou.

  -Tá me dizendo que eu não sou cavalheiro? –Ele perguntou.

  -Eu não me lembro de você ter sido assim, no nosso primeiro encontro. –Disse.

  -Estávamos em uma festa, só tínhamos que nos pegar, pra eu me dar bem no final, e deu certo. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -Tá legal. –Disse e olhei pra frente. –Hoje em dia você é muito cavalheiro.

  Ele riu.

  -Menos mal. –Ela disse.

  Continuamos prestando atenção nos dois.

  Algum tempo depois, Anthony levou a mão a sua nuca e a puxou pra ele, então, ele a beijou.

  -Finalmente. –Edward disse.

  Sorri.

  -Que coisa mais fofa. –Disse.

  Algum tempo depois, eles se afastaram e voltaram a prestar atenção no filme.

  -Tá legal, agora vamos dar privacidade pra eles. –Ele disse.

  -Vamos.

  Levantamo-nos e saímos da sala de cinema e saímos do cinema.

  -Vamos até a joalheria. Eu preciso achar a joia perfeita pra minha menina. –Ele disse.

  Assenti.

  -Ok, vamos lá.

  Fomos direto pra joalheria.

  Entramos na joalheria e uma moça veio nos atender.

  -Sr e Sra. Cullen, sejam bem vindos. –Ela disse.

  -Obrigado. –Edward agradeceu.

  A garota me olhou, com os olhos pidões.

  Sorri.

  -Você vai me pedir um autógrafo? –Perguntei.

  -Como sabe? –Ela perguntou.

  Sorri.

  -Eu conheço muito bem uma fã, quando ela quer um autógrafo. –Disse.

  Ela sorriu.

  -Eu não perco um episódio seu. –Disse.

  Sorri.

  -Obrigada. –Agradeci. –Nós estamos procurando uma joia pra nossa filha, vá buscar um papel pra eu dar o seu autógrafo, enquanto damos uma olhada nas joias.

  Ela assentiu.

  -Ok, eu já volto. –Ela disse.

  -Está bem. –Disse.

  A garota foi embora.

  -Eu estou começando a achar que os seus fãs marcaram de se encontrar aqui no shopping. –Edward disse.

  Sorri.

  -Eles usam a internet pra tudo hoje em dia. Alguém posta uma foto minha aqui no shopping, avisando que estou aqui passeando e os outros veem e vem aqui me ver. –Disse.

  -Eu acho que não é o caso dessa garota, ela trabalha aqui. –Ele disse.

  Assenti.

  -É. –Disse.

  -Vamos procurar a joia da nossa princesa. –Edward disse.

  Andamos por toda a loja, procurando uma joia perfeita pra Marie.

  -Sr e Sra. Cullen. –A garota voltou. –Eu trouxe o papel. Por favor, eu gostaria do autógrafo dos dois.

  -Ok.

  Peguei o papel e a caneta e dei o meu autógrafo, entreguei para o Edward, ele também deu o seu autógrafo.

  -Aqui, está. –Edward entregou o papel e a caneta para a garota.

  -Obrigada, muito obrigada mesmo. –Ela agradeceu.

  -De nada. –Dissemos.

  -Agora, vamos ao trabalho. Eu trouxe algumas joias pra vocês darem uma olhada. –Ela disse, colocando a caixa de joias na mesa. –São peças exclusivas.

  -Peças exclusivas, eu gostei disso. –Edward disse.

  -Podemos dar uma olhada? –Perguntei.

  -Claro.

  Ela nos mostrou as joias e todas eram lindas.

  -Olhem só esse medalhão de ouro em forma de coração. Peça única e você pode colocar duas fotos dentro do medalhão.

  -Eu gostei. O que você acha, Bella? –Edward perguntou.

  Sorri.

  -Eu acho que combina com a Marie, ela vai adorar. –Disse.

  -É. Quanto custa? –Edward perguntou.

  -700 mil dólares. –A vendedora respondeu.

  -Uau! Por esse preço, ela tem é que se apaixonar pelo colar. –Edward disse.

  -Não seja chato, Edward. Nós podemos pagar. Eu dou 3 mil e você dá 4 mil. –Disse.

  -Por que eu tenho que dar mais? –Ele perguntou.

  Sorri.

  -Por que você é o chefe de família, e por que eu a carreguei por 9 meses na minha barriga, junto com o Anthony, sofri muito naquela gravidez, então eu posso ter um desconto. –Disse.

  Ele riu.

  -Está bem. Sorte a sua que eu amo a minha filha e amo a mãe dela. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -Eu posso gravar uma frase? –Edward perguntou.

  A vendedora assentiu.

  -Sim, atrás. .

  -E as fotos? Demoram muito pra colocar? –Edward perguntou.

  -Uns 30 minutos. Nós temos que imprimir as fotos, cortá-la na forma do pingente e colar. –Ela respondeu.

  Edward assentiu.

  -Ok, nós vamos levar este. –Edward disse.

  -Ok. Vocês já têm as fotos? –Ela perguntou.

  Edward me olhou.

  -Eu estava pensando em colocar de um lado, uma foto da família inteira, sabe, essas de natal, ano novo ou aniversário, e do outro lado, uma foto de nós dois, já que o presente é nosso. –Ele disse.

  Assenti.

  -Ótima ideia, eu tenho essas fotos, espera ai. –Disse, pegando meu celular na bolsa.

  Procurei as fotos no meu celular.

  -Aqui, tiramos em um dos nosso almoços, está a família inteira na casa dos seus pais. –Disse.

  Ele assentiu.

  -Essa é perfeita, e da gente, coloca aquela que nós tiramos no jardim. –Ele disse.

  -Ok.

  Mostrei as duas fotos pra vendedora e entreguei meu celular pra ela.

  -Ok. Só mais uma coisa. –Ela disse. –Na minha opinião, essa coroa de princesa, combinaria com o medalhão, e é perfeita para uma bailarina se apresentar.

  Ela nos mostrou a coroa.

  -Nossa, eu adorei. Vamos levar. –Disse.

  -Espera, quanto que essa coroa vai me custar? –Edward perguntou.

  -500 mil. –A vendedora respondeu.

  -É, tá mais barata. –Ele disse. –Vamos levar.

  Ela sorriu.

  -Ótimo, eu vou preparar tudo pra vocês, com licença. –A vendedora disse e saiu, com o meu celular.

  Edward ficou andando pela loja, eu fiquei ali, esperando, e olhando algumas joias.

  Um colar apareceu a minha frente, os braços envolta da minha cabeça.

  -Minha mulher também merece um belo colar. –Edward disse, atrás de mim.

  Sorri.

  -É belo mesmo, eu gosto de safira. –Disse.

  Ele colocou no meu pescoço.

  -Olhe só, ficou perfeito. –Edward disse.

  Olhei-me no espelho.

  Sorri.

  -É, ficou. –Disse.

  -Gostou? –Ele perguntou.

  Assenti.

  -Sim, muito. –Disse.

  Ele sorriu.

  -Eu sempre gostei de azul na sua pele. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -É, eu sei. –Disse.

  -Nós vamos levar. –Ele disse.

  Virei-me pra ele.

  -Você sabe que esse colar é mais caro, do que esse medalhão que iremos comprar pra Marie, não sabe? –Perguntei.

  Ele assentiu.

  -Sei, mas já estamos gastando uma fortuna mesmo, o que seriam mais uns milhares a mais. –Ele disse.

  Sorri.

  -Está bem. –Dei-lhe um selinho. –Obrigado pelo meu novo colar. Por que não escolhe alguma coisa, pra eu te dar de presente?

  Ele sorriu.

  -Eu não preciso de nada, obrigada. –Ele disse.

  -Por favor, bebê. Eu insisto. –Disse. –Um relógio, talvez?

  Ele negou.

  -Não, eu já tenho muito relógios. –Ele disse.

  -Tá legal, e o que você quer? –Perguntei.

  Ele olhou pela loja toda.

  -Aqui, lembra-se da caneta de ouro do meu pai? –Ele perguntou.

  Assenti.

  -Sim, ele tem aquela caneta, desde que nós namorávamos. –Respondi. –Você quer uma caneta de ouro?

  Ele negou.

  -Pra falar a verdade, não. Eu desejo ter uma dessa. –Ele me mostrou.

  Era uma caneta de diamante.

  -Caneta de diamante. É, parece ser uma boa escolha. –Disse. –Só me prometa que não perderá essa caneta.

  -Eu não sou maluco para perder uma caneta dessas. E eu jamais perdi um presente seu. –Ele disse.

  Sorri.

  -Ok. –Tirei o colar do meu pescoço. –Vamos esperar a vendedora voltar.

  Ficamos ali, esperando ela voltar, alguns minutos depois, ela voltou com o colar da Marie.

  -Prontinho, aqui está. O colar já está com as fotos e com a gravação atrás. –Ela disse, nos entregando o colar.

  Edward abriu o colar, e lá estava a foto. De um lado, toda a nossa família, e quando eu digo a família, não era só eu, Edward, Kris, Marie, Thony e Rob. Também estavam o resto da família. Carlisle, Esme, Emmett, Rosalie, Alice e Jasper, e também tinham as crianças. Do outro lado, tinha uma foto minha e do Edward.

  Sorri.

  -Ficou perfeito. –Disse.

  Edward sorriu.

  -Eu concordo. –Ele disse.

  -Vire-o. Eu quero ver a frase que você colocou. –Disse.

  Edward fechou-o e virou o medalhão.

  “Respira fundo e se joga.” Essa era a frase que ele tinha colocado.

  -Eu sempre falo isso, antes de entrar em campo. –Ele disse.

  Sorri.

  -É uma bela frase. –Disse.

  -É, vai dar confiança pra ela, toda vez que ela for se apresentar. –Ele disse.

  -E você é o melhor pai do mundo. –Disse.

  Ele riu.

  -Eu não deixarei o meu pai saber disso, por que ele é pai de uma de suas filhas. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -Ele também é um dos melhores, pois ele fez filhos lindos. –Disse.

  Ele sorriu.

  -Com isso, eu tenho que concordar. –Ele disse e me deu um selinho.

  Sorri.

  -Pode embrulhar, assim com a coroa. –Edward pegou o colar das minhas mãos. –Embrulhe também esse colar e aquela caneta de diamante.

  A vendedora assentiu.

  -Ok.

  Ela preparou tudo para levarmos, até a caneta do Edward.

  -Prontinho, está tudo embalado. –A vendedora disse.

  -Passe o medalhão e a coroa nesse cartão. –Edward disse, entregando o cartão da nossa conta corrente, já que nós dois iriamos pagar. –O colar de safira, passe nesse cartão. –Ele entregou o seu cartão de crédito.

  -E a caneta, nesse aqui. –Disse, entregando o meu cartão.

  Edward me olhou.

  -Eu ia pagar. –Ele disse.

  -Não, é um presente meu pra você. –Disse.

  Ele riu.

  -Tudo bem. –Ele disse.

  -Eu já volto. –A vendedora disse e saiu com os nossos cartões.

  Algum tempo depois, ela voltou.

  -Aqui está. –Ela nos entregou os cartões e as notas fiscais. –O seu celular, Sra. Cullen. –Ela me entregou meu celular. –E as compras de vocês.

  -Obrigado. –Edward agradeceu.

  -De nada, é uma honra ajuda-los. Voltem sempre.

  -Tchau. –Dissemos.

  -Tchau, e obrigada pelo autógrafo. –Ela disse.

  -De nada. –Dissemos e saímos da loja.

  -Ótimo, já compramos o nosso presente de despedida da nossa filha.

  -É, e ainda gastamos uma fortuna. –Disse.

  -É por isso que eu me esforço pra jogar em campo e você trabalha como modelo e atriz. Nós temos um bom salário. –Ele disse.

  Sorri.

  -É, graças à Deus. –Disse. –Agora vamos comprar algumas coisas.

  -Não acha que já gastamos demais? –Edward perguntou.

  -Eu disse ao Anthony, que ficaria comprando algumas coisas e te usaria para carregar as minhas sacolas, se ele não vir sacolas de várias lojas, ele vai achar que foi uma desculpa e que estávamos os vigiando. –Disse.

  -Mas foi exatamente o que fizemos. –Ele disse.

  -É, mas não vamos deixa-lo descobrir. E essa ideia de vigiá-lo, foi sua. –Disse. –Imagine se fosse a Marie.

  -Marie não tem encontros, ela é a minha garotinha. E graças à Deus que ela está ocupada demais com a sua viagem, não tem tempo pra ficar de namorico. –Ele disse.

  -Lembre-se que a Kristen era a sua garotinha, a do seu pai e a do Emmett. E hoje em dia ela tem um namorado, uma vida sexual com ele. –Disse.

  -Já chega! Vamos às compras, pelo menos eu não vou ficar pensando na adolescência da minha filha e que ela pode seguir os passos da irmã.

  -Em primeiro lugar, nenhuma das minhas filhas apronta.

  Ele riu.

  -Eu sei, eu criei tanto a sua filha, quanto a nossa. –Ele disse. –Mas, já imaginou como seria, se os nossos filhos seguissem os nossos passos?

  -É, a Kristen, provavelmente estaria grávida. –Disse.

  -Bom, nessa parte, ela não te seguiu, mas ela virou uma modelo como você. Talvez tenhamos que esperar um pouco, para sabermos se ela puxará para o meu pai. Sabe, quando ela estiver casada e se interessar por um adolescente de 15 anos.

  -Ai, Edward! Kristen não vai fazer isso, ela vai se casar com o Seth. –Disse.

  Ele fez uma careta.

  -Qual é, Edward. Você sabe que um dia isso vai acontecer, não só com a Kristen, mas com os nossos filhos também. –Disse.

  -Com os nossos filhos, eu espero que levem muito tempo pra isso acontecer. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -Tá legal, vamos às compras. –Disse.

  -Vamos.

  Fomos para as lojas e fizemos algumas comprinhas, compramos roupas para as crianças, Kristen e pra gente, claro, eu também comprei alguns sapatos pra mim.

  -É, acho que isso já é o suficiente, eu não tenho mais condições de segurar mais sacolas. –Edward disse.

  Comecei a rir.

  -Tudo bem, vamos guardar tudo no carro. –Disse.

  -Que horas o Thony vai sair do cinema? –Ele perguntou.

  Olhei no relógio.

  -Falta uma hora para acabar o filme. –Respondi.

  Ele assentiu.

  -Ok.

  Fomos para o estacionamento e colocamos nossas compras no porta malas.

  -Hei. –Edward me puxou pela cintura. –Vamos entrar.

  -Pra quê? –Perguntei.

  Ele sorriu.

  -Temos uma hora, então vamos dar um tempinho no banco de trás. –Ele disse.

  -Edward…

  -Relaxa, o vidro é escuro, ninguém vai ver a gente. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -Tudo bem. Eu acho que um passatempo enquanto o nosso garoto não saí do cinema, vai ser divertido. –Disse.

  -Então vamos.

  Entramos no carro e ficamos no banco traseiro, Edward veio pra cima de mim, e nos divertimos um pouco ali.

***

  Edward estava deitado no banco, eu estava encima dele e estávamos nus, tínhamos acabado de fazer amor.

  -É, pra uma transa no carro, foi bem gostosa. –Ele disse.

  Sorri.

  -É, até os vidros se embaçaram. Será que alguém viu? –Perguntei, me sentando no banco.

  Limpei o vidro, e olhei ao redor do estacionamento, não havia ninguém, tinha carros, mas nenhuma pessoa, parecia até estacionamento de filme de terror.

  -Não tem ninguém. –Disse.

  -Que ótimo, agora vem cá. –Ele me puxou pra cima dele de novo e me beijou.

  Meu celular começou a tocar na minha bolsa.

  Afastei-me dele e sorri.

  -Eu acho que teremos que continuar no nosso quarto. Deve ser o Thony. –Disse.

  Ele sorri.

  -É, fazer o que.

  Peguei minha bolsa no banco do carona e peguei meu celular dentro dela. Olhei o identificador de chamadas e vi que era o Thony.

  -Oi, querido. –Atendi.

  -Oi, mãe. O filme acabou, nós estamos saindo do cinema. –Thony disse.

  Edward se sentou no banco, ficando atrás de mim e me deu um beijo no ombro.

  -Ok, eu estou com o seu pai no estacionamento, daqui a pouco estaremos ai. –Disse.

  -Tá bom, tchau. –Ele disse.

  -Tchau. –Disse e desliguei. –Temos que ir.

  -Tudo bem, mas ao chegarmos em casa, eu te arrasto para o nosso quarto. –Ele disse.

  Sorri.

  -Ok. –Disse.

  Nós dois nos vestimos e quando ficamos apresentáveis, saímos do carro, eu arrumei o meu cabelo e me olhou no retrovisor do carro.

  -Tá ok, vamos.

  Edward pegou a minha mão e entramos no shopping. Fomos direto para o cinema. Chegamos em frente ao cinema e lá estavam os dois, se beijando.

  -Ah, que bonitinho. –Disse.

  Edward riu.

  -Esse é o meu garoto. –Edward disse.

  Comecei a rir.

  Peguei meu celular e tirei uma foto.

  -Vamos lá. –Disse.

  Aproximamo-nos dele e eu pigarreei.

  Os dois se afastaram e nos olharam.

  -Desculpe, quer que demos um tempo pra vocês? –Perguntei.

  -Não, não precisa. –Thony disse, ficando vermelho.

  -Isso ele puxou pra você. –Edward sussurrou no meu ouvido.

  Dei-lhe uma cotovelada em seu braço e ele riu.

  -Como foi o filme, meninos? –Edward perguntou.

  -Muito bom. –Anthony respondeu.

  -É, foi ótimo. –Felicity disse e olhou para o Thony. –Thony foi um amor.

  -Eu espero que ele tenha te respeitado, por que sempre demos educação pra ele e eu sempre respeitei a mãe dele, só não a respeito, quando ela pede.

  -Edward! –Dei-lhe um tapa no braço.

  Ele riu.

  -Tá legal. Estão muito cheios? Querem tomar um sorvete? –Edward perguntou.

  -Eu aceito o sorvete. –Thony disse. 

  -Então vamos, por conta do seu pai. –Disse.

  Edward me olhou.

  -Não acha que eu já gastei demais hoje? –Edward perguntou.

  -Gastamos no máximo um milhão, e não é nem metade do que recebe, então você paga isso fácil, jogador. –Disse.

  Ele riu.

  -Então foram mesmo às compras? –Thony perguntou.

  -Sim, estão tudo no carro. –Respondi.

  -E comprou algo para os seus filhos? –Thony perguntou.

  -Sim, roupas. –Respondi. –E compramos umas joias para sua irmã, é o presente de despedida dela.

  Ele assentiu.

  -Eu aceito isso, mas só por que ela está indo embora. –Thony disse.

  -E eu, dei um colar pra sua mãe. –Edward disse.

  -Eu dei uma caneta para o seu pai. –Disse.

  -É, pelo visto vocês gastaram mesmo. Eu tenho que sair mais vezes com vocês. –Anthony disse.

  Começamos a rir.

 -Vamos tomar esse sorvete. –Disse.

  -É, se conseguirmos tomar em paz, sem nenhum fã te parando. –Thony disse.

  -Não se preocupe, por que já me pararam, tiraram fotos, pediram autógrafos, já está tudo tranquilo. –Disse.

  -Anthony, respeite os seguidores da sua mãe. –Felicity disse.

  -É Thony, você é tão sortudo, que arrumou uma namorada que é fã da sua mãe. –Edward disse.

  -Pois é. –Anthony disse e rimos.

  Fomos pra sorveteria do shopping e tomamos o nosso sorvete. Enquanto tomávamos, eles nos contavam sobre o filme, mas em nenhum momento sobre o beijo que eles deram.

  Depois que tomamos nosso sorvete, Edward pagou e fomos para o carro, nós tínhamos que deixar a Felicity em casa e buscar o Rob na casa da Esme.

(…)

  Depois de deixarmos a Felicity na casa dela, fomos direto pra casa dos Cullen, buscar o meu caçula.

   Chegamos em frente a casa.

  -Thony, nós vamos entrar, você vai ficar aqui? –Edward perguntou.

  -Não, eu vou entrar e dar oi para os meus avós. –Anthony disse.

  -Ok, então vamos. –Disse.

  Saímos do carro e entramos na casa, encontramos Esme brincando com o Rob.

  -Olá. –Disse.

  Eles nos olharam.

  Rob sorriu.

  -Mama. –Ele engatinhou na minha direção.

  -Oi, querido. –Disse e o peguei no colo.

  -Hei, você também tem pai. –Edward disse.

  Começamos a rir.

  -Ele está com fome, Bella é a fonte dele. –Esme disse.

  -Nossa, eu me senti uma vaca que vive dando leite pra ele. –Disse.

  Esme riu.

  -Olha, apesar disso, ele te ama muito. –Esme disse.

  Comecei a rir.

  -Tá legal, eu aceito a derrota. –Edward disse e deu um beijo na testa do Rob. –Só por que a sua mãe é bonita.

  Comecei a rir.

  Edward foi até a Esme.

  -E por falar em mães bonitas. –Ele disse e deu um beijo na bochecha da Esme. –Oi, mãe.

  Esme sorriu.

  -Oi, filho. –Ela disse.

  Anthony se aproximou e deu um beijou na bochecha do Rob.

  -Oi, mano. –Ele disse e foi até a Esme, ele lhe deu um beijo na bochecha. –Oi, vovó.

  -Oi, querido. –Esme disse. –Está com um brilho diferente.

  -É o brilho de apaixonado, ele acabou de voltar de um encontro. –Edward disse.

  -Pai, você pode ser mais indiscreto? –Thony perguntou.

  -Posso, quer que eu seja?

  -Deixa o menino em paz, Edward. –Esme disse. –Então enfim você saiu com aquela doce garota? Fã da sua mãe?

  Ele assentiu.

  -Sim, finalmente. –Ele respondeu.

  Esme sorriu.

  -Que bom, querido. Fico feliz por você. –Esme disse.

  Thony sorriu.

  -Obrigado, vovó.

  -De nada. Sei que está feliz, por que você tem o mesmo olhar que o seu pai tinha, quando se apaixonou pela sua mãe. Marie também está com esse olhar, pelo Gabriel. –Esme disse.

  -Ah! Não me lembre disso. Marie ainda é o meu bebê. –Edward disse.

  Começamos a rir.

  -E por falar na Marie, como está tudo pra mudança?

  -Ela está bem, ansiosa, com quase tudo pronto, agora eu…

  -É, coração de mãe. –Esme disse.

  -Sorte a sua nunca ter precisado se afastar dos seus filhos. –Disse.

  -É, eles só mudaram de casa. –Ela disse.

  -Eu ainda não sei como serão as coisas, depois que ela se mudar. –Edward disse.

  -No começo, vocês sentiram um vazio tremendo, mas com o tempo, vocês aceitaram melhor, por que se darão conta de que ela está muito feliz, e vivendo um sonho. –Esme disse.

  -Tomara que esteja certa. –Disse.

  Rob começou a fazer manha no meu colo.

  -Tá legal, eu vou dar mamar pra ele, por que ele já está ficando impaciente. –Disse.

  -Ok.

  Subi com o Rob E fui para o antigo quarto do Edward, sentei-me na poltrona com ele e comecei a amamenta-lo.

  -Meu amor, você já está comendo de tudo, acho que tá na hora de você largar os peitos da mamãe. –Disse.

  Ele me olhou, aqueles meus olhos, ele não estava bravo, acho que ele iria se adaptar muito bem.

  É isso ai, eu tiraria Rob do peito, e ele passaria a tomar leite comum.

  Sorri.

  -Você está crescendo. –Beijei sua testa. –Só não vá embora tão cedo, como a sua irmã. Espere fazer 18 anos.

  Ele colocou a mãozinha no meu rosto e eu sorri.

  Terminei de amamenta-lo, arrumei minha roupa e saí do quarto com ele, desci e fui pra sala de estar.

  Edward, Esme e Anthony, estavam conversando.

  -Pronto, bebê alimentado. –Disse.

  -Ótimo. –Edward disse e olhou pra Esme. –O papai vai demorar muito pra chegar?

  Esme assentiu.

  -Sim, ele está fazendo plantão.

  -Ok, então mande lembranças pra ele, nós temos que ir e curtir um pouco com a nossa filha, que está para ir embora. –Edward disse, se levantando.

  -Claro, amanhã nós estaremos lá, para nos despedirmos dela. –Esme disse.

  -Ok. Tchau, mãe. –Edward deu um beijo na bochecha da Esme.

  -Tchau, querido. –Esme disse.

  -Tchau, vovó. –Anthony a abraçou.

  Esme lhe deu um beijo na testa.

  -Tchau, querido. 

  Aproximei-me da Esme.

  -Cheguem mais cedo amanhã. Faremos um café da manhã de despedida pra Marie. –Disse.

  Ela assentiu.

  -Pode deixar, Carl e eu estaremos lá. –Esme disse.

  -Ok. –Dei-lhe um beijo na bochecha. –Tchau, Esme.

  -Tchau, Bella. –Ela deu um beijo na bochecha do Rob. –Tchau, querido.

  -Ok, vamos. –Edward disse, pegando a bolsa do Rob. –Tchau, mãe.

  -Tchau, meninos. Até amanhã. –Ele disse.

  -Até. –Dissemos.

  Saímos da residência dos Cullens e fomos para o meu carro, coloquei Rob na cadeirinha, sentado ao lado do Anthony e fui para o banco do carona.

  -Vamos? –Edward perguntou.

  -Vamos. –Disse.

  Edward dirigiu pra casa, agora, nós teríamos nossa última noite com a Marie. Isso ficava cada vez mais difícil pra mim.

***

  Edward e eu estávamos trancados no nosso quarto, deitados em nossa cama, nos cobrindo apenas com o lençol, nós tínhamos acabado de fazer amor.

  -Vamos pensar em ter outro filho? –Ele perguntou.

  O olhei.

  -Eu acabei de decidir tirar o Rob do peito, e quer que eu coloque outro bebê nele? –Perguntei.

  -Você fez uma promessa, esqueceu? –Ele perguntou.

  Neguei.

  -Não, eu não me esqueci. Vou cumprir essa promessa, mas não nesse momento. Espera mais um pouquinho, Edward. Robert ainda é muito pequeno, Marie está indo embora e eu estou voltando para o meu trabalho, eu só quero esperar mais um pouco. –Disse.

  Ele sorriu.

  -Tudo bem, tudo no seu tempo. –Ele disse.

  Sorri.

  -Eu te amo. –Disse.

  -Eu também te amo. –Ele disse e veio pra cima de mim, para começarmos tudo de novo.

  Bateram na porta e Edward respirou fundo.

  -Mãe, Edward. –Kristen me chamou.

  -Sim? –Respondi.

  —Estamos fazendo um jantar de despedida pra Marie, vocês vem?

  -Claro, nós já vamos. –Respondi.

  —Ok.

  Escutamos Kristen se afastando.

  -E ai? Um banho? –Ele perguntou.

  Sorri.

  -Uma rapidinha no banho. –Disse.

  -Beleza. –Edward disse, se levantando.

  Levantei-me também e nós dois fomos para o banheiro, tomar banho.

(…)

  Depois do nosso maravilhoso banho, nós nos arrumamos e descemos para o jantar.

  Fomos direto pra sala de jantar, onde Kristen, Anthony e Marie, arrumavam a mesa de jantar.

  -Oi, pelo visto fizeram mesmo o jantar. –Disse.

  -Na verdade, a Kristen que fez. –Thony disse.

  -Eu pedi pra Kris fazer o jantar, para termos um último jantar em família, antes de eu ir embora. –Marie disse.

  Sorri.

  -Ah, querida. –Beijei sua cabeça. –Eu já disse que você vai fazer falta?

  -Já sim, um monte de vezes. Mas eu não ligo em escutar de novo. –Ela disse.

  Comecei a rir e beijei sua cabeça.

  -Bom, pelo menos eu volto a ser a única filha. –Kristen disse.

  -É, mas só da mamãe, o que significa, que o papai vai ser todo meu. –Thony disse.

  -Não conte muito com isso, Kris. Lembre-se que a mamãe tem uma promessa para cumprir. –Marie disse.

  -Eu acabei de lembra-la disso. –Edward disse.

  -Olha só, eu não me esqueço de uma promessa que eu faço, e eu vou cumprir, mas não agora. E se eu engravidar de novo, não significa que será de uma menina. –Disse.

  -Vamos pensar positivo. –Edward disse.

  Revirei os olhos.

  -Vamos comer. –Disse.

  -A comida está na mesa, eu vou pegar o último integrante da família. –Kris disse.

  -Ok.

  Nós nos sentamos à mesa e Kris subiu para pegar o Rob, nós começamos a nos servir.

  -Não vamos comer, vamos esperar meus dois irmãos que estão faltando. –Marie disse.

  -Tá bom. –Edward disse.

  Esperamos um pouco, até que a Kristen apareceu com o Rob.

  -Pronto, agora não falta mais ninguém. –Ela disse.

  Marie o pegou no colo.

  -Ótimo. –Ela beijou sua bochecha e nos olhou. –Família, é muito bom estar aqui. Meu coração está dividido, está dividido, por que ir estudar nesse internato, é um grande sonho, e estou muito feliz, mas por outro lado, eu estou triste em deixar vocês.

  Sorri.

  -Querida, nós sentiremos muito a sua falta, mas estamos felizes que você está realizando os seus sonhos. Nós queremos que todos vocês realizem o sonho de vocês. Dói muito deixar você ir, mas eu sei que você vai ficar bem. –Disse.

  -É, sua mãe tem razão, você fará muita falta aqui, filha. Mas nós sabemos que será muito feliz nesse internato. –Edward disse.

  -Você é muito importante aqui, mas será muito importante no mundo do balé, até por que, você vem da família Cullen, a família dos talentosos, então, se torne a melhor bailarina do mundo e nos deixe orgulhosos, eu aposto tudo em você, maninha. –Kris disse.

  Marie sorriu.

  -Bom, eu não preciso apostar, por que a minha ligação com você é mais forte, eu sei que você vai arrasar, então vai lá e mostra o que você sabe, parceira. –Thony disse.

  Marie sorriu.

  -Obrigado, parceiro. –Marie disse e olhou para o Rob. –E você, bobbyzinho? Vai sentir a minha falta?

  Rob olhou pra ela e sorriu.

  -Mar, Mar.—Ele a chamou.

  Marie riu e beijou sua bochecha.

  -Eu te amo, maninho. –Ela disse e nos olhou. –Eu amo todos vocês.

  -Nós também te amamos. –Dissemos.

  Fomos até ela e a abraçamos.

  -Tá legal, agora vamos comer. –Ela disse.

  -Espero que a comida esteja boa, por que foi a Kristen quem fez. –Disse.

  -Hei! Eu cozinho muito bem. –Kristen disse.

  Começamos a rir.

  Nós nos sentamos e começamos a comer, um último jantar em família, com a Marie aqui, e amanhã, amanhã era o dia da grande partida, pois amanhã, uma parte do meu coração iria embora.



Notas finais do capítulo

Medalhão: https://i.pinimg.com/736x/77/bb/37/77bb37c819a26c19fe651a922970bfff.jpg

Coroa: http://us01.i.aliimg.com/img/pb/814/829/111/111829814_028.JPG

Colar de safira: https://http2.mlstatic.com/colar-cristal-cristal-D_NQ_NP_893501-MLB20326723876_062015-O.jpg

Caneta: http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocanegocios/foto/0,,17913713,00.jpg



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Confronto 2ªtemporada" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.