Confronto 2ªtemporada escrita por Gabszinha FerCosta


Capítulo 145
Capítulo 144-Alta/ Café em família/ Matando a saudade




  Emmett Cullen

  Cheguei em frente a escola e fiquei esperando pela Kristen. Algumas estudantes, correram até mim e me abraçaram

  Sorri.

  -Oi, meninas. –Disse.

  -Emmett, me dá um autógrafo?

  Assenti.

  -Claro.

  Comecei a dar meu autógrafo, para cada um. Era impressionante, como muitas garotas gostavam de luta.

  Autografei em vários lugares, camisas, cadernos, mochilas, algumas até levantaram a blusa, pra eu assinar o sutiã, Kristen apareceu bem na hora que eu estava assinando em um sutiã.

  -Emmett Cullen! –Ela me gritou.

  -Oi, maninha. –Dei-lhe um beijo na bochecha.

  -Tá legal gente, o show acabou. Nosso lutador dará atenção a irmã dele. –Seth disse.

  -Ahh, Kris. Deixe-o mais um tempo com a gente. –Uma garota pediu.

  -Claro que não. Vocês já passaram tempo demais com ele, ele é um irmão casado, deixem meu irmão em paz. Andem, circulando. –Kristen disse.

  Devolvi a caneta pra garota e elas foram embora.

  Olhei pra ela.

  Ela estava brava, e eu conhecia aquela cara de bravo, meu pai tem aquela cara.

  -Que foi? –Perguntei e ela me deu um tapa no braço. –Aí! Ficou maluca?

  -Eu não pedi pra você vir, pra ficar dando autógrafos no sutiã das garotas. –Ela disse. 

  Sorri.

 -Kiki, é só um autógrafo, nada importante. Eu amo a minha esposa e jamais a trocaria por ninguém. Minha gravidinha ficar cada dia mais linda. –Disse.

  Ela assentiu.

  -Eu acho bom. –Ela disse.

  -Afinal, por que me chamou aqui? –Perguntei.

  -Eu preciso de companhia, para comprar umas coisas pra minha festa. –Ela disse.

   -E não tem mais ninguém pra fazer isso? –Perguntei.

  -Não, Edward está em uma reunião com o seu técnico, Marie está ocupada arrumando algumas coisas para a sua mudança, Thony está a ajudando, Esme está cuidando do Rob e tia Rose não pode se esforçar muito.

  -E quanto ao Jasper e a Alice? –Perguntei.

  -Tio Jazz está trabalhando e a tia Alice é a minha estilista, eu preciso de uma opinião de fora. –Ela disse.

  -E o seu namorado não poder ir? –Ele perguntou.

  -Eu bem que gostaria, mas prometi a minha irmã que cuidaria da minha mãe, pra ela poder levar a namorada ao cinema. –Seth disse.

  -Por favor, ursinho. Você é meu irmão mais velho, faça esse favorzinho pra sua caçula. –Ela pediu, fazendo aquela carinha de anjo, que ela fazia desde os 3 anos, quando ela queria alguma coisa.

  Sorri.

  -Eu não consigo dizer não pra você.

  Ela sorriu.

  -É por isso que eu te amo. –Ela disse.

  Comecei a rir.

  -É, eu sei. –Disse. –Então vamos logo?

  -Vamos. Tchau, Seth. –Ela lhe deu um beijo.

  -Tá legal. –Disse, a puxando.

  Kris riu.

  -Tchau, Emmett. –Seth disse.

  -Tchau. –Disse.

  Seth foi embora e eu olhei para a Kris.

  -Vamos lá.

  Fomos para o meu carro, entramos no carro e eu a olhei.

  -Tá legal, pra onde nós temos que ir? –Perguntei.

  -Pra agencia primeiro, eu tenho que fazer uma prova do vestido. –Ela respondeu.

  Assenti.

  -Ok, então vamos para o trabalho da minha gata. –Disse, ligando o carro.

  Kristen riu.

  Dirigi para a agencia.

  -Como está a sua mãe? –Perguntei.

  -Bem, louca para ir embora. –Ela respondeu.

  Sorri.

  -É, só mais um dia. –Disse.

 Ela sorriu.

  -É, graças à Deus, amanhã ela estará em casa. –Ela disse.

  -E aquela louca vai apodrecer na cadeia. –Disse.

  -Vai mesmo, eu não vejo a hora dela ser condenada. –Ela disse.

  -Espero que ela pegue uma perpétua. –Disse.

  -Eu também espero.

  Parei o carro em frente a agencia.

  -Ok, vamos lá. –Disse.

  Saímos do carro e entramos na agencia, entramos no elevador e subimos para o último andar, saímos do elevador.

  -Eu vou ali a recepção perguntar da Alice. –Kris disse.

  -Ok. –Disse.

  Kristen foi até a recepção e eu me sentei no sofá.

  Fiquei esperando pela Kristen, vendo as modelos andando pra lá e pra cá.

  -Oi, Emmett. –Uma modelo se aproximou de mim.

  Ela era alta, tinha os olhos bem azuis, o cabelo era longo, ondulado e preto e ela era bem branca.

  -Oi. –Disse.

  Ela se sentou a minha frente.

  -Sou Madaline. Sou grande fã de luta. –Ela disse.

  Sorri.

  -Olha, são poucas as modelos que gostam de lutas. –Disse.

  -Ser lutadora, era minha segunda opção. –Ela disse.

  Comecei a rir.

  -Sério? –Perguntei.

  Ela assentiu.

  -É, eu treino bastante. Olha. –Ela arregaçou a manga e mostrou o braço, que era fortinho, no estilo feminino.

  Dava pra ver que ela treinava mesmo.

  -É, você leva jeito. –Disse. –Tem certeza de que está na carreira certa?

  Ela riu.

  -Tenho. Lutar era mesmo minha segunda opção. –Ela disse.

  -Bom, se enjoar de desfilar e posar para fotos, te darei as boas vindas ao ring. –Disse.

  Ela riu.

  Nós dois começamos a conversar sobre as lutas e todo o treinamento, ela fazia os mesmo treinamentos que eu, eu nunca tinha visto uma modelo, tão fã de luta.

  -Você só treina os braços? –Perguntei.

  -Não, eu treino as pernas e o abdômen também, olha. –Ela se levantou e levantou a blusa, mostrando sua barriga.

  Sua barriga era bem definida e cheia de gominhos, ela treinava mesmo.

  -É, você treina mesmo. –Disse.

  Ela riu.

  Senti braços envolta do meu pescoço e eu reconhecia muito bem aquele abraço.

  -Atrapalho?

  A voz de ciúmes e raiva da Rosalie, me deixou todo arrepiado.

  -Oi, Rosalie. Nós só estávamos conversando. –Madaline disse.

  -Eu pensei que estava em casa. –Disse.

  Ela me soltou.

  -Eu já estava indo, quando vi você e resolvi vir falar com você. –Ela respondeu.

  Madaline a olhou.

  -Tudo bem?

  Virei-me e olhei pra Rosalie. Ela estava com a mão na barriga e sorriu.

  -Tudo, é só o nosso bebê se mexendo. –Ela respondeu.

  Estiquei minha mão e toquei sua barriga, nosso bebê se mexeu e eu sorri.

  -Bom, eu vou me arrumar, com licença. –Madaline disse. –Foi bom te conhecer pessoalmente, Emmett.

  Sorri.

  -Foi bom te conhecer também, Madaline. –Disse.

  -Tchau. –Ela disse.

  -Tchau.

  Madaline foi embora, Rosalie deu a volta no sofá e se sentou ao meu lado, com braços cruzados, me encarando com a cara amarrada.

  A olhei.

  -Ursinha.

  -Não me chama assim! –Ela disse.

  -Desfaz essa cara de ciumenta, vai. Olha a cena na frente da minha irmã, não vai querer fazer feio, na frente da sua afilhada querida.

  -Não use a Kristen, para as suas sem vergonhisses. –Ela disse.

  Comecei a rir.

  -Mas eu não fiz nada. –Disse.

  Ela se virou pra mim.

  -Não fez, Emmett Cullen?!

  -Calma, e não grita. Você não pode se estressar. –Disse.

  Ela ficou emburrada.

  -Olha, ela se aproximou de mim, falou comigo, disse que se interessava muito por luta, que era a segunda opção dela e que ela treinava. –Disse.

  -Eu vi muito bem, quando ela levantou a blusa. –Ela disse.

  -Ela estava me mostrando os músculos, por que ela treina. –Disse.

  Ela assentiu.

  -Aham.

  -Loira. –Acariciei seu rosto. –Apesar de adorar tanquinhos e o meu ser o mais lindo de todos. Eu prefiro uma barriguinha de grávida. –Disse e passei a mão na sua barriga. –Por mim você ficava assim pra sempre, de 12 em 12 meses.

  Ela começou a rir.

  -Isso não vai acontecer.

  -Nós podíamos deixar a casa bem cheia de crianças. –Disse.

  -Não. Vamos com calma. –Ela disse. 

  -Meu amor, a única modelo que irei reparar, é em você. –Disse.

  -Ela gostou de você. –Ela disse.

  -E eu amo você. –Disse. –Eu ainda quero você cuidando de mim, quando eu estiver bem velhinho.

  Ela riu.

  -Eu vou adorar cuidar do Emmett gagá. –Ela disse.

  Comecei a rir e a beijei.

  -Oi, casal bonito. –Kristen voltou.

  Rose e eu nos afastamos.

  -Oi, já localizou a Alice? –Perguntei.

  Ela assentiu.

  -Ela foi resolver algumas coisas na faculdade, mas daqui a pouco ela estará aqui. –Ela respondeu.

  -Então ela vai mesmo fazer faculdade de moda? –Perguntei.

  Rose assentiu.

  -Vai sim, e eu, Bella e Kris, seremos as manequins dela. –Rose respondeu.

  -Ela leva jeito, meu vestido está ficando lindo. –Kris disse.

  Rose sorriu.

  -Tá mesmo.

  -Ela podia ter estudado moda, há alguns anos, antes de nos casarmos, ela podia ter desenhado o vestido dela, o seu e o da Bella. –Disse.

  -É, mas a Mary desenhou os três e ficaram lindos. –Rose disse.

  -Bom, como eu ainda irei me casar algum dia, ela pode desenhar o meu. –Kristen disse.

  -É, e eu espero mesmo que não seja tão cedo, e nem pense em engravidar tão cedo também. –Disse.

  Kristen riu.

  -Pode deixar, maninho. –Ela disse. –Posso ficar aqui com vocês? Já vou avisando que eu não quero ficar segurando vela.

  -Pode ficar aqui, nós iremos nos comportar. –Rose disse.

  Kris se sentou ao lado da Rosie e ficamos conversando sobre a Bella, que amanhã mesmo iria pra casa.

  Algum tempo depois, as portas do elevador se abriram e Alice saiu de lá.

  -Oi, querida empresária. –Disse.

  Ela sorriu, se aproximando.

  -Oi Emm, Rosie, Kris. –Ela disse.

  -Oi. –Dissemos.

  -Kris, está pronta pra prova? –Alice perguntou.

  -Sim, vamos lá. –Ela respondeu.

  -Ok, então vamos.

  Nós nos levantamos.

  Olhei pra Rose.

  -Você não estava indo pra casa? –Perguntei.

  -Eu não vou perder a prova do vestido de debutante da minha afilhada. E eu não ia pra casa, eu ia visitar a Bella e depois eu ia pra casa, mas isso pode esperar. –Ela disse.

  -Você não pode ficar se cansando. –Disse.

  Ela sorriu.

  -Relaxa, eu estou ótima. –Ela disse.

  Assenti.

  -Vem. –Ela me puxou e fomos para o ateliê.

 Entramos no ateliê e me sentei em uma das poltronas, Rosalie se sentou no meu colo.

  Alice pegou um vestido, que estava dentro de uma capa.

  -Aqui está, Kris. Vai lá e prova.

  -Ok.

  Kristen entrou no provador, para se trocar.

  -E ai, Allie. Como está a roupa dos 15 casais? –Perguntei.

  Ela sorriu.

  -A roupa de vocês, está ficando maravilhosa. Logo eu marcarei para vocês virem provar, vamos esperar a Bella sair do hospital, afinal, ela também é uma das 15. –Alice respondeu.

  Kristen saiu do provador, vestida com o seu vestido de princesa.

  -Kris, você está linda. –Rose disse.

  Sorri.

  -Uma verdadeira princesa. –Disse.

  Ela sorriu.

  -Vocês gostaram? –Kris perguntou.

  -Sim. –Respondemos.

  Kristen olhou pra Rose.

  -Tia, por que você tá chorando?

  -É que… passou tão rápido. Parece que foi ontem que sua mãe e eu deixamos Forks, ela grávida e completamente desolada, nós duas fazendo de tudo para te criar. –Ela disse.

  Kris sorriu pra ela.

  -Não precisa chorar. –Ela disse.

  -Será que são os hormônios da gravidez? –Alice perguntou.

  Beijei a bochecha da Rosalie.

  -É, se ela já chorou, imagine a Bella. –Disse.

  -Tá legal, chega de choro, não é? Eu vou fazer uns ajustes, Kris. –Alice disse.

  -Tá bom.

  Alice começou a ajustar o vestido da Alice, Rose e eu só observávamos, bem abraçadinhos.

  -Emm. –Rose sussurrou.

  -Hum.

  -Ele tá mexendo de novo.

  Passei a mão na sua barriga e o nosso bebê mexeu.

  Sorri.

  -Nosso ursinho. –Disse.

  Ela sorriu e me deu um selinho.

  Rosalie se levantou.

  -Eu vou ao banheiro. –Rose disse.

  -Ok. –Kris e Allie disseram.

  Rose me olhou.

  -Me acompanhe, Emm.

  Assenti.

  -Tá. –Disse, me levantando.

  Saímos do ateliê e Rosalie saiu me puxando. Entramos no camarim.

  -Eu pensei que quisesse ir ao banheiro.

  Ela sorriu.

  -Foi só uma desculpa. –Ela disse.

  Rose sentou-se na penteadeira, encostando as costas no espelho e me olhou.

  -Vem cá. –Ela me chamou, com o dedo indicador.

  Sorri e fui até ela, fiquei entre suas pernas e a beijei, ela enfiou a mão dentro da minha blusa e desabotoou minha calça.

  -Tranque a porta. –Ela pediu.

  Fui até a porta, e voltei pra ela, logo nós dois tiramos a roupa e transamos ali mesmo.

  Rosalie e eu saímos do camarim, ela fechou o último botão da sua blusa e arrumou o cabelo.

  -Será que alguém reparou o que estávamos fazendo lá dentro? –Perguntei.

  Ela negou.

  -Não. Eu tenho certeza de que não fomos o primeiro casal, a fazer isso no camarim. .-Ela disse. –Meu cabelo está bagunçado?

  Neguei.

  -Não. –Passei um braço pela sua cintura. –Está se sentindo bem?

  Ela assentiu.

  -Muito bem. –Ela respondeu.

  Sorri e beijei sua bochecha.

  Encontramos com Alice e Kristen.

  -Oi, estávamos procurando por vocês. –Alice disse.

  -Nós já estávamos voltando para o ateliê. –Rose disse.

  Kristen assentiu.

  -Aham, sei. Eu nem quero saber, o que vocês dois estavam fazendo. –Ela disse.

  Começamos a rir.

  -E ai? Tudo certo? –Perguntei.

  -Tudo. Já podemos ir comprar o que falta. –Alice respondeu.

  -Então vamos. –Disse.

  -Vamos.

  Fomos para o elevador e descemos para o térreo. Saímos do elevador e do prédio.

  -Bom, eu vou para o hospital ver a Bella. –Ela me olhou. –Eu vejo você em casa.

  -Tá bom. Dirija com cuidado. –Disse.

  -Pode deixar. –Ela me deu um selinho. –Tchau, meninas.

  -Tchau.

  -Manda um beijo pra minha mãe, diga que mais tarde eu passo lá. –Kristen disse.

  Rose assentiu.

  -Claro, pode deixar. –Ela disse e deu um beijo na cabeça dela. –E vocês, cuidem do meu marido.

  -Pode deixar. –Ela disse.

  -Tchau, gente.

  -Tchau. –Dissemos.

  Rosalie foi para o seu carro e foi embora.

  -Mais de 10 anos, e você ainda baba por ela. –Kristen disse.

  A olhei.

  -Não fale como se não estivesse apaixonada. –Disse.

  Ela riu.

  -Entrem, vamos as compras. –Disse.

  Entramos no meu carro e partimos para as compras. Espero me acostumar com isso, afinal, eu também tinha uma filha e ela teria esse dia especial algum dia, e era a minha irmãzinha, eu iria colaborar para ser o melhor dia da vida dela, todos nós iriamos.

  Isabella Marie Swan Cullen

  Eu estava mudando de canal, procurando alguma coisa interessante para assistir, mas não tinha nada. Bocejei. Eu estava entediada.

  Bateram na porta e Esme entrou com o Robert.

  -Olá. –Ela disse.

  Sorri.

  -Oi, que bom que vieram, eu já estava me sentindo entediada. –Disse.

  Ela me entregou o Robert.

  -Oi, meu amor. –Beijei sua testa. –A vovó está cuidando bem de você?

  Esme riu.

  -Muito bem. –Ela disse.

  Comecei a rir.

  -Você deve estar com fome, vamos mamar meu amor. –Disse e comecei a dar o peito pra ele, ele começou a amamentar, com muita fome.

  -Se incomodam de ficarem sozinhos? Eu vou dar oi para o Carlisle. –Ela disse.

  -Claro, pode ir. Nós ficaremos bem. –Disse.

  -Ok. Eu já volto. –Ela disse.

  -Tá.

  Esme saiu do meu quarto, me deixando sozinha com o meu filho.

  Acariciei sua bochecha.

  -Meu amor, amanhã a mamãe volta pra casa e ficarei grudadinha com você, seus irmãos e seu papai. –Disse.

  Ele me olhou, e seus olhinhos brilhavam.

  -Oi, amiga. –Rosalie entrou no quarto.

  -Oi. –Disse.

  Ela me deu um beijo na bochecha e um beijo na testa do Robert.

  -Quem o trouxe?

  -Esme, ela foi ficar com o Carlisle. –Respondi.

  Ela assentiu.

  Rosalie se sentou na poltrona, ao meu lado.

  -Emmett foi levar a Kris e a Allie para comprar as últimas coisas para a festa. –Rose disse.

  Sorri.

  -Ele deve estar bem entediado. –Disse.

  Ela riu.

  -Eu encontrei com eles na agencia. Eu estava indo embora, quando vi Kristen na recepção e ele no sofá, e ele estava conversando com uma modelo nova, ela veio com um papo de que gostava de luta e estava até mostrando a barriga definida dela. –Ela disse.

  -E não está brava, por que ela está com uma barriga lisa e você está barrigudinha?

  Ela me encarou.

  -Eu estou grávida, Bella.

  Comecei a rir.

  -Eu sei. Mas a garota tinha mesmo uma barriga definida de lutadora? –Perguntei.

  -É, até que tinha. Mas ela disse que lutar era a segunda opção dela. Olha, é sério, ela está dando em cima dele, eu tenho certeza, e ela ficou toda sentida, quando eu me aproximei e marquei território.

  -E como é que você marcou território, loirinha? Você não foi ignorante não, foi?

  Ela negou.

  -Não. Eu só o abracei por trás e perguntei se estava atrapalhando, eles disseram que não, que só estavam conversando, nessa hora, meu bebê chutou e eu coloquei a mão na barriga, ele também não gostou daquela bruxa. Ela perguntou se eu estava bem, ai eu disse que ele tinha mexido e Emmett passou a mão na minha barriga, ela pediu licença e se retirou, por que notou que estava sobrando. –Rosalie disse.

  -E o que você disse para o Emmett? –Perguntei.

  -Falei um monte pra ele, ele disse pra eu me acalmar, que ele amava barriga com tanquinho, inclusive o dele, mas que ele preferia me ver grávida, e que se fosse possível, ele me via somente grávida. –Ela disse.

  Comecei a rir.

  -É, coisa de Emmett. Mas eu sei bem como é que é. Tem um bando de Marias chuteiras, que vivem correndo atrás do Edward. Os homens dessa família são bem atraentes.

  -Me diz você, que pegou os três. –Ela disse.

  Sorri.

  -Se não fossem atraentes, eu não tinha pegado. –Disse.

  Ela riu.

  A porta abriu e Esme entrou.

  -Oi, Rosalie.

  -Oi, Esme. –Rose disse.

  -Como está o nosso garotão? –Esme perguntou.

  -Ele já está terminando de mamar.

  -Estávamos falando do charme dos Cullen.

  -É mesmo? Quem está dando problema dessa vez? Edward ou Emmett?

  -Emmett. Ele estava na agencia com a Kris, que foi experimentar seu vestido, e umas das novas modelos, estava dando em cima dele, que raiva dessa garota, e ela só tem 19 anos!

  -Você tem que manter a calma, pense no seu bebê. Mas isso é normal, Bella também passa por isso com o Edward. Mas tenho que admitir que eles puxaram isso do Carlisle. Ele sempre chamou a atenção das mulheres, desde o colégio.

  -É, não é a toa que a minha mãe era obcecada por ele. –Disse.

  -É, ele era capitão do time de futebol. –Esme disse.

  -Os mais populares. –Rosalie disse.

  -Pois é. Mas não liga para essas garotas, Rose. Meu filho ama você. –Esme disse.

  Ela assentiu.

  -É, meus hormônios estão muito sensíveis também, por isso eu me exaltei mais do que o normal. –Disse.

  -Sentir mais ciúmes durante a gravidez, é normal. –Esme disse.

  Terminei de amamentar o Rob e ele dormiu no meu colo.

  -Mas mudando de assunto, Kris experimentou o vestido dela, ficou perfeito. Eu fiquei emocionada. –Rose disse.

  Sorri.

  -É uma pena eu ter perdido isso. –Disse.

  -Mas você vai ter a chance de vê, no aniversário dela. –Esme disse.

  Sorri.

  -É, mas me conte como foi lá, Rose. Eu quero saber de tudo. Sente aqui, Esme.

  Esme se sentou ao meu lado e Rosalie começou a contar, sobre a prova do vestido da Kristen, eu queria muito estar lá com ela, e exigirei que ela experimente esse vestido pra eu ver, assim que eu saísse daqui, espero que esse dia acabe logo, pra eu ir embora amanhã mesmo.

  No dia seguinte…

  Acordei com alguém abrindo as cortinas do meu quarto e a claridade entrou.

  Eu odiava acordar assim.

  -Bella, acorda. –Carlisle disse.

  Abri os olhos e o olhei.

  -O que é, Carlisle? –Perguntei.

  -Você tem que se arrumar, você recebe alta hoje. –Ele disse.

  -Que horas são?

  -5h da manhã. –Ele respondeu.

  -O que? Por que tão cedo?

  -Edward pediu para ser bem cedo, pra você poder tomar café com as crianças. –Ele disse. –Você tem roupa pra ir embora?

  Assenti.

  -Tenho, Kris me trouxe ontem. –Disse.

  -Então levanta e começa a se arrumar, daqui à pouco, Edward estará aqui, para te buscar. –Ele disse.

  Respirei fundo.

  -Ok, eu vou tomar banho. –Disse.

  -Ok, então eu volto mais tarde, pra te dar alta, tenho que visitar uns pacientes. –Ele disse.

  -Tá bom. –Disse, me levantando.

  Edward saiu do quarto e eu fui para o banheiro. Fiz minha higiene matinal e tomei um banho.

  Voltei para o quarto só de toalha, peguei a roupa que Kris havia me trago ontem e me vesti, penteei meu cabelo e arrumei minhas coisas, quando ficou tudo pronto, peguei meu celular. Já era 5h30, e Edward ainda não tinha chegado.

  Peguei uma maçã e fui para o sofá, fiquei ali comendo, até o Edward chegar, pra me levar embora daqui.

  Terminei de comer minha maçã e olhei as horas mais uma vez. Já eram 6h02.

  A porta se abriu e Edward entrou.

  -Bom dia, vida. –Ele disse.

  -Você demorou. –Disse.

  -Desculpe, mas agora todo mundo está saindo pra trabalhar, eu peguei transito. –Ele disse.

  Assenti.

  -Eu só quero ir embora. –Disse.

  Ele sorriu, se aproximando de mim.

  -Nós já iremos, amor. –Ele disse e me deu um selinho.

  -Com licença, desculpe interromper. –Carlisle disse, entrando. –Eu trouxe a sua alta, Bella.

  Sorri.

  -Graças à Deus. –Disse, me levantando.

  -Eu só preciso da assinatura do seu marido, e você poderá ir pra casa. –Ele disse.

  -Então assina logo, marido. –Disse, olhando para o Edward.

  Ele riu.

 -Tá bom, deixa eu assinar logo isso. –Ele disse.

  Carlisle lhe entregou a prancheta e a caneta e Edward assinou.

  -Pronto. –Ele disse, devolvendo a prancheta e a caneta para o Carlisle. –Ela está bem mesmo pra ir?

  -Eu estou ótima. –Disse.

  -Ela está, Edward. Eu fiz os exames nela, ela está bem. Eu só quero que ela faça um checape uma vez por mês, por um ano. –Carlisle disse.

  Assenti.

  -Prometo que farei. –Disse.

  Carlisle assentiu.

  -Então é isso, Sra. Cullen. Você está de alta. –Ele disse.

  Sorri.

  -Aleluia. Muito obrigada pela hospitalidade. –Disse.

  -Bella, eu sei que os seus pais não foram os melhores pais, mas pelo menos eles te deram uma boa educação. É assim que agradece o seu médico? –Edward disse.

  Até parecia que ele estava falando com um dos nossos filhos.

  Comecei a rir e fui até o Carlisle.

  -Carlisle. –Peguei sua mão. –Muito obrigada por tudo o que você fez por mim e por ter salvado a minha vida. –Agradeci e sorri. –Eu sei que você odiaria deixar a sua filha e os seus netos sem mãe, e o seu filho sem esposa.

  Ele sorriu.

  -De nada, Bella. Nós somos uma família, eu só fiz o meu trabalho. –Ele sorriu. –E eu só pensei na minha filha e nos meus netos.

  -Obrigado, pai. –Edward disse.

  Começamos a rir.

  -Depois Esme e eu iremos te fazer uma visita, para comemorar a sua volta pra casa. –Carlisle disse.

  Sorri.

  -Jantar em família lá em casa hoje à noite, para comemorarmos. –Disse.

  -Esme leva a sobremesa. –Ele disse.

  -Beleza, estou mesmo morrendo de saudade das sobremesas dela. –Disse.

  Ele riu.

  -Então nos vemos à noite. –Ele disse.

  -Até. –Disse e olhei para o Edward. –Vamos, amor?

  Ele assentiu.

  -Vamos. –Ele disse, pegando minhas coisas. –Tchau, pai. Até a noite.

  -Tchau Edward, cuide bem dela.

  -Pode deixar. –Edward disse e saímos do quarto.

  Passei o braço envolta da sua cintura e beijei seu ombro.

  -Estou feliz em voltar pra casa, poder dormir na nossa cama. –Disse.

  Ele sorriu.

  -Eu também estou feliz em te ter de volta. É horrível dormir sozinho. –Ele disse.

  Sorri.

  -É, eu te acostumei mal. –Disse.

  -São 12 anos dividindo a cama com você. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  Fomos para o estacionamento e eu entrei no Volvo do Edward, ele colocou minhas coisas no banco de trás e entrou no carro.

  -Pronta para ir pra casa? –Ele perguntou.

  Sorri.

  -Prontíssima.

  Ele sorriu e ligou o carro. Edward dirigiu direto pra nossa casa.

  -E ai? Minha casa tá inteira? –Perguntei.

  Ele sorriu.

  -É claro que está, nós mantemos a ordem. –Ele disse.

  Assenti.

  -Eu espero. –Disse. –As crianças estavam dormindo, quando você saiu?

  Ele assentiu.

  -Sim, eu dei uma olhada neles. Kris estava dormindo com o Seth no seu quarto, os gêmeos estavam dormindo no quarto deles e Rob estava dormindo como um anjinho, eu deixei a babá eletrônica no quarto da Kris, caso ele acorde. –Edward respondeu.

  Assenti.

  -Eu quero enchê-los de beijos. –Disse.

  Ele sorriu.

  -Você vai. –Ele disse.

  Edward parou o carro em frente a nossa casa.

  -Ah, ela é tão linda. –Disse.

  Ele riu e saiu do carro.

  Edward pegou minhas coisas e abriu a porta pra mim.

  Saí do carro e peguei em sua mão.

  Nós fomos até a entrada e entramos em casa.

  Estava igual a como eu deixei, nada fora do lugar.

  Sorri.

  -É tão bom estar em casa. –Disse.

  -Eu sei. –Ele disse e beijou minha bochecha. –Quer descansar um pouco?

  Assenti.

  -Eu só vou dar um beijo nas crianças. Pode me preparar um banho de banheira?

  Ele assentiu.

  -Pode deixar comigo. –Ele disse.

  -Obrigada. –Agradeci.

  -De nada. –Ele disse, me deu um selinho e subiu.

  Respirei fundo.

  Eu estava me sentindo tão bem por estar em casa.

  Subi e fui direto para o quarto da Kristen, entrei no quarto e ela estava dormindo, junto com o Seth. Fui até ela e lhe dei um beijo na testa.

  Acariciei seus cabelos e saí do quarto. Fui até o quarto da Marie. A primeira coisa que eu vi, foi seu enorme espelho e sua barra. Minha pequena bailarina. Fui até a cama e acariciei seus cabelos, dei-lhe um beijo na testa e a cobri. Saí do quarto da Marie e fui para o quarto do meu jogador de futebol. Entrei no quarto dele, e ele estava dormindo igual ao Edward, mesma posição, o cabelo todo bagunçado. Fui até ele e lhe dei um beijo na testa. Ele nem sequer se mexeu, tinha um sono de pedra igual ao pai, ele realmente era a cópia fiel do Edward. Saí do quarto e fui para o quarto do meu caçulinha. Entrei no quarto e ele estava dormindo como um anjinho. Aproximei-me do berço.

  -Oi, meu amorzinho. –Beijei sua testa. –Hoje a mamãe vai te amamentar aqui, em casa. E não no hospital.

  Ele continuou dormindo.

  Dei mais um beijo na testa dele e saí do quarto, eu não queria que ninguém acordasse agora, pois eu precisava de um banho de verdade.

  Entrei no meu quarto.

  -Edward.

  Ele saiu do banheiro.

  -Oi, e as crianças?

  -Dormindo. –Respondi.

  -Eu preparei o seu banho. Vai lá e relaxa. –Ele disse.

  Sorri.

  -Obrigada. –Dei-lhe um selinho. –Eu já volto.

  -Tá.

  Fui para o banheiro.

  Edward tinha me preparado um excelente banho de banheira, com bastante espuma.

  Tirei minha roupa e entrei na água, que estava bem quentinha.

  Sentei-me e relaxei na banheira.

  Fiquei cerca de uma hora na banheira, depois eu saí e fui para o closet. Vesti-me e fui para o quarto, Edward estava sentado na cama.

  -Olha só, banho tomado, em casa de novo. –Ele disse.

  Sorri.

  -E está feliz?

  -Muito. –Ele respondeu.

  Fui até ele e lhe dei um selinho.

  -Vamos fazer o café? –Perguntei.

  -Vamos.

  Edward se levantou da cama e saímos do quarto. Descemos e fomos direto pra cozinha. Nós preparamos todo o café da manhã, daqui a pouco, as crianças acordariam.

  Nós colocamos a mesa do café e nos sentamos à mesa.

  -Vamos deixar as crianças na escola, depois a gente volta pra casa e passar o dia juntos. –Edward disse.

  -Não tem treino hoje? –Perguntei.

  -Eu posso falta um dia, para ficar com a minha esposa. –Ele disse.

  Sorri.

  -Ok. –Disse. –Eu aceito.

  Ele sorriu.

  -Bom dia. –Kris e Seth apareceram.

  -Bom dia. –Dissemos.

  -Mãe. –Kris correu até mim.

  Levantei-me e a abracei.

  -Oi, querida. –Disse.

  Ela me soltou.

  -Quando chegou? –Ela perguntou.

  -Há uma hora. Seu irmão não quis acordar você e seus irmãos, por que queria que tomássemos café todos juntos. –Disse.

  Ela assentiu.

  -Então vamos tomar café. –Ela disse, se sentando.

  -Oi, Bella. –Seth me abraçou.

  -Oi, Seth. –Disse, o abraçando de volta. –Espero que tenha cuidado muito bem da minha filha, enquanto estive ausente.

  Ele sorriu.

  -Sim, eu cuidei muito bem dela. –Ele disse.

  -Seth e Anthony me ajudaram a cuidar das nossas meninas. –Edward disse.

  -Ah, então eu agradeço por ter sido um grande homem, eu sei que essas garotas dão trabalho. –Disse.

  -Hei! –Kristen reclamou.

  Nós rimos.

  -Não foi nada. –Seth disse e se sentou ao lado da Kris.

  Sentei-me e nós voltamos a tomar café.

  -E como está se sentindo? –Kris perguntou.

  -Muito bem e feliz por estar de volta. –Respondi.

  -Ed, o que o papai disse sobre os exames? –Kris perguntou.

  -Que ela está bem e sem sequelas, ela pode voltar pra vida dela, normalmente. –Edward respondeu.

  -Ah, então já pode voltar ao trabalho? –Kristen perguntou.

  -É, eu posso. Mas eu vou conversar com a Mary, para não voltar agora. Devido a minha ausência, as gravações do filme e da série, estão atrasados, eu quero recompensar o tempo perdido. –Respondi.

  -É, os dois elencos também torceram pra você ficar boa logo, eu não sabia que era uma atriz tão importante. –Edward disse.

  Sorri.

  -Eu sou bem esforçada. –Disse.

  Ele riu.

  -Eu sei.

  -Os gêmeos não vão se atrasar? –Kris perguntou.

  -Eles sabem o horário deles, daqui à pouco ele desce. –Edward disse.

  -Eles ficarão bem felizes em ver a mãe aqui. –Seth disse.

  Sorri.

  -Espero que sim. –Disse.

  Nós continuamos tomando café, até que os meus dois anjinhos apareceram, rindo.

  -Bom dia, meninos. –Disse.

  Eles me olharam.

  -Mãe! –Eles correram até mim e me abraçou.

  -Oi, meus amores. –Disse.

  -Quando chegou? –Thony perguntou.

  -Há uma hora. Eu tomei banho, e seu pai e eu fizemos o café, para tomarmos todos juntos, sentem-se. –Disse.

  Eles se sentaram.

  -Que bom que está de volta, mamãe. –Marie disse.

  Sorri.

  -Sim, estou de volta e 100% recuperada. –Disse. –Agora, eu posso te ajudar na sua mudança para o internato.

  Ela sorriu.

  -Eu vou adorar. –Ela disse.

  -E você Thony, eu quero que volte a treinar. A nova geração de futebol nessa família, tem que continuar. –Disse.

  -Eu concordo. –Edward disse.

  Thony sorriu.

  -Pode deixar. –Ele disse.

  -E eu também vou precisar de ajuda, para os preparativos finais pra minha festa. –Kristen disse.

  -Pode deixar, querida. –Disse.

  -Mãe, eu fiz uma coreografia pra você. –Ela disse.

  Sorri.

  -Que ótimo, querida. E já está pronta para se apresentar? –Perguntei.

  -Sim, pode ser quando eu chegar da escola?

  -Por que não espera mais um pouco? Nós daremos um jantar para comemorarmos a volta da mamãe, virá a família inteira, você pode nos fazer uma apresentação. –Edward disse.

  Marie sorriu.

  -Ok. Vou apresentar pra família inteira. –Marie disse. 

  -E Seth, você é praticamente da família, está convidado. –Disse.

  Seth sorriu.

  -Obrigado, eu venho sim.

  -Assim, como os pretendentes de vocês dois, também estão convidados. –Disse.

  -É, eu os deixo em casa depois. –Edward disse.

  -Nós falaremos com eles. –Thony disse.

  -É. –Marie disse.

  -Agora vamos terminar esse café, por que iremos levar vocês na escola. –Edward disse.

  Nós continuamos tomando café. Depois que terminamos, as crianças foram arrumar seus materiais. Edward e eu tiramos a mesa.

  -Deixe a louça comigo, vá ver o Rob. –Edward disse.

  -Tá bom. –Disse e lhe dei um beijo na bochecha.

  Saí da cozinha e subi, fui para o quarto do Robert, ele estava deitado no berço, já acordado.

  Aproximei-me do berço.

  -Bom dia, meu amor. –Disse.

  Ele me olhou e soltou um sorriso de orelha a orelha, ele se levantou, ficando em pé e estendeu os bracinhos.

  -Mama.

  O peguei no colo e beijei sua bochecha.

  -Eu sei que sentiu falta da mamãe vindo aqui no seu quarto, pela manhã. –Disse.

  Ele sorriu pra mim.

  Fui até a poltrona com ele e me sentei.

  -Vamos mamar.

  Comecei a amamenta-lo. Ele, assim como todos os meus filhos, estavam felizes em me ter de volta, eu também estava feliz em estar de volta.

  Depois de amamentar o Rob, dei um banho nele e o vesti, desci com ele, Edward estava sentado no sofá, o rosto preocupado, assistindo TV.

  -Tudo bem? –Perguntei.

  -O time está perdendo. –Ele respondeu.

  Sentei-me em seu colo e sentei o Rob no meu.

  -Logo você voltará, meu jogador. –Disse.

  -Assim espero, minha rainha. –Ele disse e beijou meu ombro, depois ele deu um beijo na testa do Rob. –Vejo que alguém gostou de ter a mamãe de volta.

  Comecei a rir.

  -Você lavou a louça?

  Ele assentiu.

  -Sim. –Ele respondeu. –Vai arrumar a bolsa do Rob.

  -Pra que? –Perguntei.

  -Eu vou deixar passar a tarde com a minha mãe, para termos mais privacidade. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -Tá bom. –Levantei-me. –Cuida dele.

  -Tá. –Ele disse, pegando o Rob no colo.

  Subi e fui para o quarto do Robert, peguei sua bolsa e a enchi de fraldas, roupinhas e alguns brinquedos. Quando terminei, desci e já estavam todos na sala.

  -Pronto? –Edward perguntou.

  Assenti.

  -Pronto.

  -Então vamos.

  Fomos pra garagem.

  -Tá legal, meninos. Vocês terão que se apertar no banco de trás. –Edward disse.

  -Pode deixar, nós damos um jeito. –Kristen disse.

  Kris foi com o Rob no colo, Seth foi com o Anthony e Marie foi no banco mesmo.

  -É, couberam. –Edward disse e fechou a porta traseira, depois abriu o banco do carona e me olhou. –Sra. Cullen.

  Sorri.

  -Obrigada, Sr. Cullen. –Agradeci, entrando no quarto.

  Edward fechou a porta, deu a volta e entrou no carro, ele ligou o carro e saímos da garagem, Edward dirigiu pra casa das crianças.

  No caminho, fomos conversando sobre a festa da Kristen, que estava chegando e já estávamos todos ansiosos, já fazia muito tempo que esperávamos por esse dia.

  Chegamos em frente a escola dos gêmeos.

  -Tá legal, gêmeos. Essa é a parada de vocês. –Edward disse.

  Na porta da escola, estavam as almas gêmeas deles e eles assentiram.

  -Olha, nosso genro e nora. –Disse, acenando.

  Edward também acenou.

  -Mãe! –Os dois chamaram minha atenção.

  Começamos a rir.

  -Vão, antes que se atrasem. –Edward disse.

  -Tchau Kris, Seth, Rob. –Eles disseram.

  -Tchau.

  Eles deram um beijo na minha bochecha e na bochecha do Edward.

  -Tchau pai, mãe.

  -Tchau. –Dissemos.

  -Boa aula. –Disse.

  -Valeu.

  -Mandem lembranças para os seus “amigos”. –Edward disse.

  -Tá. –Eles disseram, ficando vermelhos e saindo da escola.

  Eles se juntaram aos dois e entraram na escola.

  -Quando eles assumirão esses namoros? –Kristen perguntou.

  -Deixem eles curtirem, eles ainda estão muito novos para assumirem um compromisso. –Edward disse.

  -É, nem você assumiu compromisso aos 10 anos, né?

  Ele sorriu.

  -É, só fui assumir mesmo, aos 15 anos. –Ele respondeu.

  Comecei a rir e revirei os olhos.

  Edward dirigiu pra escola da Kristen e do Seth. Chegamos em frente a escola.

  -Pronto, estão entregues. –Edward disse.

  -Tchau, Ed. –Kris deu um beijo na bochecha do Edward.

  -Tchau, manina.

  -Tchau, Edward. –Seth disse.

  -Tchau. –Edward respondeu.

  Eles saíram do carro e eu também saí, para pegar o Rob. O peguei do colo da Kristen.

  -Tchau, irmãozinho. –Kris deu um beijo na testa do Rob e outro na minha bochecha. –Tchau, mãe.

  -Tchau, querida. Tchau, Seth. –Disse.

  -Tchau, Bella. –Seth disse.

  Seth e Kristen entraram na escola.

   Entrei no banco de trás, com Rob no colo, pois não trouxemos a cadeirinha dele.

  -Podemos ir? –Edward perguntou.

  Assenti.

  -Sim. –Respondi.

  Edward ligou o carro e dirigiu pra casa dos seus pais. Chegamos em frente a casa.

  -Você vai entrar? –Ele perguntou.

  Neguei.

  -Não, leve-o lá. Eu vou ficar aqui, diga a sua mãe, que nos vemos à noite. –Disse.

  -Ok. –Ele disse e saiu do carro e abriu a porta traseira. –Vem filho, vamos pra vovó.

  O enchi de beijos.

  -Tchau, meu amor. Até mais tarde. –Disse.

  Edward o pegou do meu colo.

  -A bolsa dele. –Disse, lhe entregando a bolsa.

  -Ok, eu já volto. –Ele disse, fechando a porta.

  -Tá.

  Edward entrou na casa e eu pulei para o banco da frente e fiquei o esperando.

  Peguei meu celular, que haviam duas mensagens, li a primeira.

De: Tanya

Para: Bella

Oi, Bella. Desculpe não ter ido te ver no hospital.

Eu fiquei na maior correria, metade do meu tempo eu trabalhava e a outra metade, eu tinha que vir pra casa cuidar do Victor.

Ele está ótimo e se recuperando, ainda essa semana nós iremos te visitar, ele está louco para te ver. Até mais.

                                         T.D

  Sorri e respondi.

De: Bella

Para Tanya

Oi, Tanya.

Não precisa se preocupar, o seu trabalho e o seu filho, vem em primeiro lugar.

Vocês são bem vindos na minha casa, ficarei esperando por vocês. Um beijo, e até mais.

                                                  B.C

  Mandei a mensagem pra ela e li a próxima mensagem, era da Mary.

De: Mary

Para: Bella

Oi, Bella.

Eu soube que você recebeu alta, fico feliz que esteja bem.

Amanhã mesmo, me espera que eu irei te ver.

                                        M.W

  Respondi.

De: Bella

Para: Mary

Oi, Mary. Obrigada pela consideração. Eu estou muito bem.

Estarei te esperando, beijos.

                                     B.C

  Enviei a mensagem pra ela.

  Edward saiu da casa e entrou no carro.

  -Pronto.

  -Sua mãe vai ficar com ele? –Perguntei.

  Ele assentiu.

  -Vai. Ela disse que o levará, na hora do jantar. –Ele respondeu.

  -E o que você disse pra ela?

  -Pedi pra ela ficar essa tarde com ele, pra você descansar, mas acho que ela não acreditou. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -A sua mãe é esperta, Edward. É óbvio que ela sabe, o que queremos fazer. –Disse.

  Ele riu.

  -É, tem razão. –Ele disse, ligando o carro. –Vamos?

  -Vamos.

  Ele dirigiu pra casa.

  Chegamos em casa e saímos do carro.

  -Ah, em casa e a casa é toda nossa. –Edward disse, fechando o carro.

  -É, então vamos aproveitar enquanto as crianças não chegam, por que ainda temos que organizar o jantar. –Disse.

  -Teremos tempo pra isso. –Ele disse, me agarrando e me beijando.

  -Vamos.

  Entramos em casa e subimos para o nosso quarto, entramos no quarto, fechamos a porta e Edward me prensou na porta e me beijou.

  Ele me olhou.

  -Tem certeza de que está bem? –Ele perguntou.

  O olhei.

  -Bem, até demais. –Respondi e voltei a beijá-lo.

  Ele puxou a barra da minha blusa pra cima e a tirou, a jogando no chão, depois ele desabotoou minha calça e eu tirei meus sapatos, os chutando pra longe, Edward desceu minha calça e a tirou, eu fiquei só de lingerie. Desabotoei sua camisa e a tirei, jogando no chão, desabotoei sua calça e a desci, ele a chutou pra longe e me beijou, suas mãos subiram pelas minhas costas e desabotoou meu sutiã e ele se livrou dele, ele me levantou pela cintura e eu passei minhas pernas envolta da sua cintura, ele me carregou até a cama e me deitou. Edward beijou meu pescoço e foi descendo os beijos, até alcançar minha calcinha, ele a tirou e a jogou no chão, depois ele se levantou e ficou a frente da cama, me olhando, completamente nua na nossa cama.

  -Pronta? –Ele perguntou.

  Sorri.

  -Prontíssima. –Respondi.

  Ele tirou a cueca, a jogando longe e veio pra cima de mim, e enfim, matamos a saudade que estávamos um do outro, e isso, duraria a tarde inteira.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Confronto 2ªtemporada" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.