Confronto 2ªtemporada escrita por Gabszinha FerCosta


Capítulo 117
Capítulo 116-Mais uma doença/ Tempo de irmãos




  Isabella Marie Swan Cullen

  Parei o carro em frente ao hospital, Edward parou o carro dele logo atrás, peguei minha roupa e me vesti, pois eu ainda estava de lingerie. Edward bateu no meu vidro da minha porta. Terminei de me vestir e saí do carro.

  -Ainda bem, achei que havia desmaiado ai dentro. –Edward disse.

  -Desculpe, eu estava me vestindo. Não quer que eu entre no hospital, com nada debaixo desse sobretudo, não é?

  -Claro que não. Você se vestiu?

  Abri o sobretudo e mostrei que havia colocado o meu vestido.

  -Eu terei que ficar com o sobretudo, por que minha lingerie está molhada e está molhando o vestido. –Disse, fechando o sobretudo.

  -Tá, tudo bem. Vamos? Seu irmão está precisando de você. –Ele disse.

  -Vamos.

  Entramos no hospital e procuramos a secretária do Carlisle, que estava no consultório do Carlisle, sentada em sua mesa.

  -Olá, Sr e Sra. Cullen. –Ela disse.

  -Oi Liv, meu pai está por aqui? –Edward perguntou.

  Ela negou.

  -Não, ele está cuidando do filho da Enfermeira Denali. –Ela respondeu.

  -E sabe em que quarto eles estão? –Perguntei.

  Ela assentiu.

  -Sim, quarto 39, 2º andar. –Ela respondeu.

  -Obrigada. –Disse e puxei o Edward para fora do consultório.

  Entramos no elevador e subimos para o 2º andar, fomos para o quarto do Victor e entramos, no quarto estava ele, Carlisle o examinando, Kate, Irina, Tanya e Jacob.

  -Oi. –Disse.

  -Bella, que bom que veio. –Tanya disse.

  Ela estava acabada, e como mãe, eu sabia que ela estava preocupada com o Victor, Jacob também estava assim.

  Olhei para o Victor que estava desacordado e Carlisle, que estava tirando sangue dele.

  -O que houve? –Perguntei.

  -Ele deu entrada aqui com muita febre e desmaiou, estou fazendo todos os exames para descobrir o que ele tem.

  Olhei para Tanya e Jacob.

  -Ele estava doente? –Perguntei.

  -Ele começou a se sentir mal ontem. –Jacob disse.

  -Como eu sou enfermeira, eu cheguei em casa e lhe dei um remédio para abaixar a febre, abaixou, mas hoje ele piorou. –Tanya disse.

  -Pai, tem alguma coisa com a doença nos ossos dele? –Edward perguntou.

  -Talvez, é uma grande possibilidade, por que com a doença dele, a imunidade dele é baixa e ele pode ficar doente com facilidade. –Ele nos olhou. –Mas não é a minha única suspeita.

  -Tem outra suspeita? –Perguntei.

  -Sim, ele pode estar com leucemia.

  -O que? É possível ele ter mais uma doença? –Perguntei.

  -Sim, a doença dele o deixa muito fraco, os ossos e até o sangue. Ele pode ter qualquer doença, câncer, pneumonia, tudo. Eu ainda não tenho nada confirmado, vou levar o sangue para o laboratório e em duas horas eu terei o resultado. –Ele disse.

  Assenti.

  -Ok. –Disse.

  -Pai, pode me examinar? Eu me machuquei treinando. –Edward pediu.

  Carlisle assentiu.

  -Claro, vamos comigo até o laboratório e depois eu te examino na minha sala. –Disse.

  -Ok. –Edward me deu um selinho. –Eu já volto.

  Assenti.

  -Tá.

  Edward saiu do quarto com o seu pai.

  Olhei para Tanya e Jacob.

  -Vão tomar um café bem forte, vocês estão precisando. Eu vou ficar aqui com ele. –Disse.

  -Obrigada, Bella. –Tanya agradeceu.

  Sorri.

  -De nada. –Disse.

  Os dois saíram do quarto, junto com as irmãs da Tanya.

  Tanya havia amadurecido com a maternidade, eu mais do que ninguém sei disse.

  Acariciei os cabelos.

  Victor era uma criança adorável, ele veio como um anjo para resgatar a Tanya das maldades que ela havia feito no passado, eu acho que pelos pais, tanto a Tanya quando o meu pai, que cometeram muitos erros.

  Eu só espero que ele não pague pelos erros deles.

(…)

  Victor continuava dormindo e eu estava ali, sem tirar os olhos dele. Eu estava imaginando como a Tanya estava se sentindo vendo o filho nesse estado, se fosse um dos meus filhos, eu também estaria muito mal.

  Edward entrou no quarto.

  -Oi. –Ele sussurrou.

  -Oi. –Ele me deu um selinho. –Seu pai te examinou?

  Ele assentiu.

  -Sim, ele disse que foi só uma luxação. Ele me receitou uma pomada, disse pra eu fazer uma compressa de água quente e disse pra eu ficar de repouso por dois dias. –Ele respondeu.

  Assentiu.

  -Que bom que não foi nada sério. –Disse.

  -É, e a culpa foi minha também, eu estava distraído no treino pensando em você e Phil já tinha chamado a minha atenção. –Ele disse.

  Sorri.

  -Essa é a primeira briga que temos, que afetou a carreira dos dois. –Disse.

  Ele riu.

  -É, mas pelo menos você não se machucou. –Ele disse.

  -Sendo assim, me desculpe.

  Ele sorriu.

  -A culpa não foi sua. –Ele disse, acariciando meu cabelo. –A Tanya acabou de passar mal, a pressão dela subiu, provavelmente por que ela está muito preocupada com o filho, Jacob quer levá-la para casa, mas eles vieram na ambulância junto com o Victor, então eu vou levá-los pra casa. Você fica aqui com o Victor?

  Assenti.

  -Claro, vai lá. –Disse.

  Ele me deu um selinho.

  -Eu não demoro. –Ele disse.

  -Tá.

  Edward saiu do quarto para levar Tanya e Jacob pra casa e eu continuei fazendo companhia para o meu irmão.

  Algumas horas depois…

  Edward entrou no quarto.

  -Voltei, amor.

  -Oi, você demorou. –Disse.

  -Eu passei em casa para deixar o meu carro, pra que pudéssemos voltar juntos e te trouxe outra roupa, inclusive lingerie seca. –Ele disse.

  Comecei a rir.

  -A sua ainda está molhada? –Ele perguntou.

  -Um pouco, e confesso que eu já estou ficando incomodada, obrigada. –Agradeci.

  Ele sorriu.

  -De nada. Meu pai já deu notícias?

  Neguei.

  -Ainda não. –Respondi.

  Ele assentiu.

  -Vai se trocar, eu fico aqui com ele. –Ele disse.

  -Ok.

  Levantei-me, peguei a sacola e fui ao banheiro.

  Troquei de roupa e de lingerie e voltei para o outro quarto.

  -E ai? Está melhor? –Ele perguntou.

  Sorri.

  -Bem melhor. –Respondi.

  A porta se abriu e Carlisle entrou.

  -Oi, tudo bem por aqui? –Perguntei.

  -Sim. –Edward respondeu.

  -Fico feliz que tenham se entendido. –Carlisle disse.

  -É, seu filho é um homem difícil. –Disse.

  -Puxou pra mãe. –Carlisle disse.

  Comecei a rir.

  -Não ousem falar mal da minha mãe. –Edward disse, me abraçando por trás. –Ela não está aqui para se defender.

  Carlisle riu.

  -Trouxe o resultado dos exames? –Perguntei.

  Ele assentiu.

  -Sim.

  A porta se abriu e Jacob e Tanya entraram.

  -O que estão fazendo aqui? Não iam pra casa descansar? –Perguntei.

  -Nós fomos, mas Tanya quis voltar. –Jacob respondeu.

  -Eu dormi por horas, já estou bem, e o meu filho? –Tanya perguntou.

  -Ele acordou algumas vezes, mas logo voltou a dormir. –Respondi.

 -O sedativo que dei à ele, é bem forte. –Carlisle disse.

 -E qual é o resultado dos exames, pai? –Edward perguntou.

  Carlisle respirou fundo.

  -Eu sinto muito informar vocês, mas o resultado para leucemia deu positivo. –Ele disse.

  -Ai, eu não acredito nisso. –Tanya disse, chorando e foi consolada pelo Jacob.

  -E tem alguma cura? –Jacob perguntou.

  -Sim, tem. O câncer dela ainda está no começo e temos a chance de salvá-lo com a doação de medula. –Ele disse.

  -Então ele tem uma chance. 

  -Tanya, eu comparei o seu tipo sanguíneo. Nós temos seus dados aqui no hospital, já que trabalha aqui. Você não tem o mesmo tipo sanguíneo dele, sabe o tipo sanguíneo das suas irmãs?

  -São os mesmos que o meu. –Ela respondeu.

  -Eu não posso doar? –Jacob perguntou.

  -Sinto muito Jacob, mas tem que ser um parente. Se a Tanya não é compatível com o Victor, então ele é compatível com o pai biológico. –Carlisle disse.

  Todos me olharam.

  -Que foi? Todo mundo aqui sabe, que Charlie está morto. –Disse.

  -Sim, nós sabemos. Você sabe se é compatível com ele? –Carlisle perguntou.

  Neguei.

  -Não sei, talvez. –Respondi.

  -Aceita fazer exame pra ver se é compatível? As chances são poucas, mas se você for compatível com ele, pode salvar a vida dele. –Carlisle disse.

  Respirei fundo.

  -Tudo bem, se for pra salvar a vida dele, eu faço o exame. –Disse.

  -Tudo bem, venha comigo. –Carlisle disse.

  Olhei para o Edward.

  -Eu já volto. –Disse.

  Ele assentiu.

  -Tá.

  Saí do quarto do Victor e fui até o laboratório com o Carlisle.

  Carlisle tirou uma amostra de sangue do meu braço.

  -Pronto, tentarei obter os resultados em uma hora. Espere no quarto. –Ele disse.

  Assenti.

  -Ok.

  Saí do laboratório e voltei para o quarto, espero que tudo isso dê certo.

  Uma hora depois…

  Eu estava sentada em uma cadeira, Edward estava em pé ao meu lado, mas sua cara não é das melhores.

  Peguei em sua mão e o olhei.

  -Tudo bem? –Perguntei.

  Ele assentiu.

  -Tá, eu só estou com um pouco de dor. –Ele respondeu.

  Assenti e me levantei.

  -Sente-se aqui. –Pedi.

  -Não precisa…

  -Senta logo, Edward! –Disse.

  Ele se sentou.

  Fiquei atrás dele e massageei suas costas.

  -Nós já iremos embora. –Disse e lhe dei um beijo na bochecha.

  Carlisle entrou no quarto.

  -Até que enfim. –Edward disse.

  -Desculpe a demora. Eu trouxe os resultados. –Ele disse.

  -E então? –Jacob perguntou.

  -Deu positivo. Bella é compatível com o Victor. –Carlisle respondeu.

  -Ah, que bom. –Tanya me olhou. –Bella, por favor, você tem que salvar a vida do meu filho.

  Assenti.

  -Claro Tanya, Victor é meu irmão, eu dôo a medula pra ele. –Disse. –O que eu tenho que fazer, Carlisle?

  -Bom, não podemos fazer a transfusão assim, ele tem que fazer um tratamento primeiro, tomando algumas medicações, fazendo quimioterapia, então ele terá que ficar internado por um tempo, e quanto a você, Bella, terá que ser internada uns 2 dias antes da cirurgia. –Carlisle disse.

  -Bella está amamentando, isso vai prejudicar em algo?

  Carlisle negou.

  -Não, isso não vai afetar em nada do leite dela. –Ele respondeu.

  Assenti.

  -Então está tudo certo, estarei aqui na hora certa. –Disse.

  -Obrigada, Bella. –Tanya agradeceu.

  Sorri.

  -De nada. –Disse. –Agora eu tenho mesmo que ir, tenho 3 crianças para cuidar e ainda tem a Kristen, que ultimamente tem precisado de atenção.

  Ela assentiu.

  -Claro, podem ir, nós assumimos daqui. –Tanya disse.

  -Ok. –Dei um beijo na testa do Victor. –Vamos, Edward. Tchau gente.

  -Tchau, gente. –Edward disse.

  -Tchau. –Eles disseram.

  Saímos do hospital e fomos para o meu carro, Edward dirigiu.

  -Espero que Victor fique bem. –Disse.

  -Ele vai ficar. –Ele disse, pegando na minha mão e depositou um beijo.

  Eu espero mesmo que ele ficasse, Tanya e Jacob não iriam agüentar se o perdessem.

  Edward Anthony Cullen

 

  No dia seguinte…

  Já que eu não podia treinar, eu estava passando o dia inteiro em casa. Aqui estava uma paz muito grande, Rob estava dormindo, os gêmeos na escola e Kristen estava em seu quarto.

  -Bebê, eu te trouxe um lanchinho. –Bella disse, colocando a bandeja em cima da mesa de centro.

  -Hum, que mimo. –Disse, me sentando. –Você não vai trabalhar?

  Ela negou.

  -Não, hoje é minha folga nas filmagens do filme e da série, eu ia gravar uma cena com a Rosie, mas ela se sentiu mal e cancelaram a gravação. –Ela respondeu.

  -Mas ela está bem? –Perguntei.

  -Não sei, não falei com ela. –Ela respondeu. –Hoje eu ficarei aqui, cuidando do meu maridinho lindo.

  Sorri.

  -Hum, eu to adorando ser paparicado. –Disse.

  Ela riu.

  -Tire a camisa, tá na hora de passar a sua pomada. –Ela disse.

  Tirei a camisa e Bella passou a pomada nas minhas costas.

  -Aí, essa coisa é gelada. –Disse.

  -Pare de reclamar, e ela é anestésica. –Ela disse.

  Bufei.

  Bella terminou de passar a pomada em mim, a campainha tocou.

  -Vai abrir a porta. –Ela pediu.

  Levantei-me.

  -Hei, não vai colocar a camisa? Pode ser uma mulher oferecida. –Ela disse.

  Comecei a rir.

  -Tá vendo isso aqui? –Apontei para minha tatuagem na ponta. –É o nome da minha dona, relaxa.

  Fui abrir a porta.

  Abri a porta e dei de cara com o Emmett.

  -Emm, que surpresa. –Disse.

  -Oi, irmão. –Ele disse, entrando. –Oi, cunhadinha linda.

  -Oi, cunhado lindo. –Bella disse e lhe deu um beijo na bochecha. –Tudo bom?

  Ele assentiu.

  -Sim, e vocês?

  -Estamos bem. –Respondi.

  -Como está Rose? –Bella perguntou.

  -Melhor. Ela não quis ir ao médico, disse que foi só uma queda de pressão, mas eu vou pedir para o meu pai examiná-la. –Ele disse. –Hum, lanchinho.

  Ele sentou no sofá e pegou meu lanche.

  Bella riu.

  -Eu vou fazer mais lanches. –Bella disse e foi pra cozinha.

  Sentei-me ao lado do Emmett.

  -E ai? Qual o motivo da visita? –Perguntei.

  -Bom, eu pensei…

  -Oi Emm, veio visitar seus irmãos. –Kristen disse.

  -Oi Kiki. –Ele disse, a cumprimentando.

  Kristen se sentou ao meu lado.

  -Que bom que chegou, eu queria falar com você também. –Emmett disse. –Eu soube do seu rompimento com o Seth, então pensei que faria muito bem pra você, se passássemos um tempo juntos, nós três, o que acha? Uma coisa de irmãos.

  Kristen sorriu.

  -Eu acho ótimo, mas eu tenho mais irmãos. –Ela disse.

  -Que são meus sobrinhos, eu to falando de nós três. Nunca passamos um tempo juntos. –Ele disse.

  Kris riu.

  -Tudo bem, eu topo. –Ela disse.

  -Eu também. –Disse.

  -Ok, vamos marcar pra quando Edward estiver recuperado da lesão, isso vai ser depois de amanhã, eu me encontro com ele no clube e nós vamos nos encontrar com você.

  Ele sorriu.

  -Perfeito.

  -Pronto, eu trouxe mais lanches. –Bella voltou e colocou a bandeja na mesa de centro.

  -Hum, que beleza. –Emmett disse e começamos a comer.

  -Sente aqui, mãe. Temos novidades. –Kris disse e Bella se sentou ao seu lado.

  Começamos a contar pra Bella e ela adorou a idéia do Emmett. Acho que seria muito bom nós três passarmos um tempo juntos, ainda mais a Kristen, que ainda estava muito mal com o término do seu namoro.



Notas finais do capítulo

Oi, gente!!!
Quero dar um recadinho para quem também acompanha Internato do Amor, Meu passado é você, Minha Doce Perdição, Riscos da Paixão, Traições e amor e Vendidos aos Cullens. Eu iria postas essas histórias no Domingo, mas não deu, o motivo é que eu fui Mesária nas eleições, fiquei em pé das 7h da manhã às 17h da tarde, cheguei em casa muito cansada e não pude postar, mas essa semana irei postar todas, então até a próxima história.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Confronto 2ªtemporada" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.