Confronto 2ªtemporada escrita por Gabszinha FerCosta


Capítulo 114
Capítulo 113-Ainda em Forks/ Em Londres/ Campina/ Alta da Kris




  Edward Anthony Cullen

 

  Alguns dias depois…

  Já tinha quase uma semana que estávamos aqui em Forks, Alice já tinha recebido alta, os pais do Jasper estavam se preparando para irem embora com a gente, eles ficariam na casa da Alice e do Jasper. Kristen estava se recuperando muito bem e logo ela receberia alta, e assim que ela receber, nós iríamos embora.

  Entrei no quarto da Kristen e ela estava mexendo em seu celular.

  -Oi, Kiki. –Disse.

  Ela me olhou e sorriu.

  -Oi, Ed. –Ela disse.

  Aproximei-me dela e dei um beijo em sua testa.

  -Como você está? –Perguntei, me sentando ao seu lado na cama.

  -Estou bem. –Ela respondeu.

  -Te trouxe um café. –Lhe entreguei o copo de café.

  -Valeu, a minha mãe só me trás chá. –Ela disse e tomou um gole.

  Comecei a rir.

  -E por falar nisso, onde ela está?

  -Está na casa dos pais do Jasper, ela está ajudando a Alice a cuidar do bebê, Jasper está com o seu pai, o ajudando a cuidar da mãe dele e Rosalie e Emmett foram visitar os pais dela. –Disse.

  Ela sorriu.

  -Estou com saudade da vovó Lilly e do vovô Rick. –Ela disse.

  -Nós podemos fazer uma visita pra eles, antes de irmos embora. –Disse.

  Ela assentiu.

  -Ok. –Ela disse.

  -Conseguiu falar com o Seth? –Perguntei.

  Ela negou.

  -Não, ele não me atende. –Ela respondeu. –Isso é muito estranho.

  -O que você está pensando?

  -Acho que ele acha que eu o abandonei. –Ela respondeu.

  -O que? Não. Ele deve estar confuso, você foi embora sem dar uma explicação, e nós também fomos, ele deve estar preocupado.

  -Se ele estivesse preocupado, ele tentaria me ligar. –Ele disse.

  -Ou ele não te procurou, por que está com outra. –Disse.

  Ela me deu um tapa no braço.

  -Quer perder a única pessoa que convence a minha mãe a falar com você quando vocês brigam?

  Comecei a rir.

  -Tudo bem, me desculpe. –Disse. –Já parou pra pensar que ele pode estar cuidando da mãe dele?

  -Já, mas ele podia ter me avisado.

  -Você avisou que viria pra Forks? –Perguntei.

  Ela me olhou.

  -Golpe baixo. –Ela disse.

  Comecei a rir.

  -Hei, logo nós iremos voltar e você conversa com ele, não se preocupa, ta?

  Ela assentiu.

  -E os meus irmãos? Eles estão bem?

  -Estão sim, sua mãe falou com a Marie.

  -Eu sinto falta deles.

  Sorri.

  -Eu também sinto.

  Meu celular começou a tocar, olhei o identificador de chamadas.

  -É a sua mãe. –Disse e atendi. –Oi, linda.

  -Oi, onde você está? Eu cheguei em casa e não te encontrei.

  -Estou no hospital com a Kris. –Respondi.

  -E ela está bem?—Ela perguntou.

  -Tá sim, quer falar com ela?

  —Não, eu irei vê-la mais tarde.—Ela respondeu.

  -Tudo bem, estarei em casa daqui a pouco. –Disse.

  —Tá bom, eu vou ficar te esperando.

  -Ok, tchau.

  —Tchau.—Ela disse e eu desliguei.

  -Sua mãe disse que virá te ver mais tarde. –Disse.

  Ela assentiu.

  -Ok.

  A porta se abriu o meu pai entrou.

  -Olá, meus filhos. –Ele disse.

  -Oi pai. –Dissemos.

  Ele se aproximou.

  -Tudo bem por aqui?

  -Sim. –Kristen respondeu. –Eu quero ir embora.

  Ele sorriu.

  -Eu já falei com o médico, ele disse que você receberá alta amanhã. –Ele disse.

  -Ai, que bom.

  -Mas faça repouso por uns dias. Eu irei tirar seus pontos em Londres.

  Ela assentiu.

  Meu pai me olhou.

  -E a Bella?

  -Ela estava com a Alice e acabou de ir pra casa, eu vou me encontrar com ela. –Disse.

  -Ed, pode pedir pra ela me trazer algumas roupas? –Kristen pediu.

  Assenti.

  -Claro, eu falo pra ela. –Disse e lhe dei um beijo na testa. –Tchau, se cuida.

  -Tchau, Ed.

  Olhei para o meu pai.

  -Tchau pai, cuida dela.

  Ele sorriu.

  -Tchau, pode deixar que ela esta em boas mãos. –Ele disse.

  Sorri e saí do quarto.

  Fui pra casa dos Swan, onde a Bella estava me esperando.

  Cheguei em casa e a encontrei na sala de estar.

  -Oi gata. –Disse, a abraçando por trás.

  -Oi, gato. –Ela disse e se virou pra mim. –Cuidou bem da minha filha?

  Sorri.

  -Mas é claro que eu cuidei da minha irmãzinha. –Disse.

  Ela sorriu.

  -Ela está preocupada com o Seth. –Disse. –O que você acha que aconteceu?

  -Bom, pelo que a gente conhece dele, ele pode estar com raiva, por ela ter sumido desse jeito, mas ele também pode ter ido procurar por ela na casa dos seus pais e Esme disse pra ele o que aconteceu e ele deve estar dando um tempo pra que resolvêssemos tudo, ou ele está muito ocupado cuidando da mãe. –Ela disse.

  Assenti.

  -É, foi isso que eu disse pra ela, e parece que ela só vai conseguir falar com ele, quando voltarmos para Londres. –Disse.

  -É, mas Seth vai compreender. –Ela disse, passando os braços envolta do meu pescoço. –Você poderia ser um marido ainda mais perfeito e levar a sua esposa linda para jantar.

  Sorri.

  -Claro, amor da minha vida. Tem algum restaurante que recomende?

  Ela fez uma careta.

  -Os restaurantes que eu fui foi com os meus peguetes e o seu pai. Você conhece algum por aqui?

  -Bom, você sabe que quando eu fui embora, eu ainda era uma criança, nunca levei uma garota pra jantar aqui, mas eu conheço um que é muito bom que eu ia com o meu irmão e os meus pais, é um restaurante japonês, soube que ele ainda existe, fica em Port Angeles. –Disse.

  Ela sorriu.

  -Pra mim tá ótimo, eu adoro comida japonesa. –Ela disse. –E fico muito feliz que serei a primeira e a única que levará para jantar aqui.

  Sorri.

  -Aqui e em qualquer lugar do mundo. –Disse.

  Ela sorriu e me beijou.

  -Eu vou me arrumar. –Ela disse e deu as costas pra mim.

  A puxei pela cintura.

  -Nós ainda temos um tempinho. –Disse e a joguei no sofá.

  Ela riu e me olhou.

  -Vem. –Ela disse.

  Tirei minha camisa e fui pra cima dela.

  Passamos o resto da tarde ali.

  Esme Anne Platt Cullen

  Coloquei Robert no berço, ele havia acabado de dormir.

  -Vovó. –Anthony entrou no quarto.

  -Oi querido, fale baixinho, seu irmão acabou de dormir. –Disse.

  -Ok. –Ele se sentou ao meu lado. –Sabe quando o papai e a mamãe voltam?

  Neguei.

  -Não sei querido, mas eu tenho certeza que até o final da semana, eles voltarão. –Disse.

  Ele assentiu.

  -Está sentindo falta deles, não está?

  -Sim, eu queria mostra pra mamãe a nota que eu tirei na prova. –Ele disse.

  Sorri.

  -Tudo bem. –Peguei meu celular. –Tire uma foto da sua prova e mande para ela.

  Ele sorriu.

  -Sério vovó? Eu posso mesmo?

  -Claro, vai lá, tire a da sua irmã também.  –Disse.

  -Tá bom. –Ele me deu um beijo na bochecha. –Obrigado, vovó.

  Sorri.

  -De nada.

  Anthony saiu do meu quarto e eu voltei a ficar sozinha com o Robert.

  -Vovó. –Anie entrou no quarto.

  -Oi querida, venha aqui me dar um beijo. –Disse.

  Ela se sentou no meu colo e eu dei um beijo em sua bochecha.

  -O vovô Carl.

  -O que tem? –Perguntei.

  -Ele tá no telefone, ele quer falar com você. –Ela disse.

  Assenti.

  -Tudo bem, vamos lá.

  Levantamos-nos, liguei a babá eletrônica.

  Saímos do quarto e descemos, o telefone estava fora do gancho.

  -Vá brincar com o seu irmão e seus primos. –Disse.

  Anie correu para o jardim, sentei-me no sofá e peguei o telefone.

  -Oi, querido. –Disse.

  -Oi, minha linda. Como você está?

  -Bem, e você?

  -Estou bem e com saudade de você.—Ele disse.

  Sorri.

  -Eu também estou com saudade. –Disse.

  -Como estão as coisas por ai? As crianças estão bem? Você está dando conta?

  -Está tudo ótimo e as crianças estão bem, elas não me dão nem a metade do trabalho que o Emmett deu. –Respondi.

  Ele riu.

  -E as coisas por ai?

  -Está tudo indo bem, Kris logo receberá alta e assim que ela receber, nós voltamos pra casa.—Ele disse.

  -Tudo bem, fico feliz que todos estejam bem. –Disse.

  -É, eu também.—Ele disse. —Assim que eu voltar, te levarei para jantar.

  Sorri.

  -Ficarei te esperando, então.

  Ele riu.

  -Tudo bem, amor. Eu liguei pra saber como você tá, não vou ocupar muito o seu tempo, afinal, você tem que cuidar de 7 crianças, eu te ligo quando estivermos voltando. —Ele disse.

  -Ok.

  -Faz um favor? Tente avisar o Seth do que aconteceu, Kristen não está conseguindo falar com ele.—Ele pediu.

  -Claro, eu aviso sim. –Disse.

  —Obrigado, tchau amor, eu te amo.—Ele disse.

  -Tchau, eu também te amo. –Disse e desligamos.

  Respirei fundo.

  Eu estava sentindo falta da minha família, dos meus filhos e principalmente do Carlisle, espero que eles não demorem muito para voltar.

  -Vovó. –Mellanie entrou na sala. –Vamos almoçar no shopping?

  Assenti.

  -Claro. –A olhei. –Carlisle ligou. Ele disse que está tudo bem e a Kristen pediu um favor. Ela não avisou ao Seth o que aconteceu, pode falar com ele?

  Ela assentiu.

  -Claro, amanhã mesmo eu o procuro na escola, eu tenho certeza de que ele vai entender. –Ela disse.

  -Obrigada. Agora vai chamar as crianças para irmos almoçar, eu vou pegar o Robert.

  -Tá. –Ela me deu um beijo na bochecha e foi para o jardim.

  Levantei-me e fui até o quarto pegar o Robert.

  Era bom ter a casa assim, cheia de crianças, eu sentia falta de ver Emmett e Edward correndo pela casa, mas logo isso iria voltar e Carlisle e eu teríamos essa alegria de volta.

  Isabella Marie Swan Cullen

  No dia seguinte…

  Ontem eu tive uma noite incrível com o Edward.

  Nós passamos boa parte da tarde, fazendo amor no sofá, depois nós nos arrumamos e ele me levou em um restaurante japonês e foi incrível, perfeito para um final de noite, e por último, nós terminamos a noite no meu colchão velho, no chão do meu quarto.

  Hoje Edward me fez acordar bem cedo para entrarmos na floresta, eu não sei o que ele estava querendo aqui.

  -O que é que viemos fazer aqui? –Perguntei.

  Ele sorriu.

  -Eu quero te mostrar uma coisa. –Ele respondeu.

  -No meio da mata? –Perguntei.

  -É, era um lugar que eu ia, quando era criança. –Ele respondeu.

  -Esme e Carlisle deixavam um garoto de 12 anos entrar na floresta sozinho? –Perguntei.

  -E você acha que eu contava tudo o que fazia fora de casa?

  Sorri.

  -É, eu sei que não.

  -E você também não contava tudo para o Charlie e a Renée que eu sei. –Ele disse.

  -Se eu tivesse contado antes, eles teriam me expulsado de casa antes. –Disse.

  Ele riu.

  -Nunca teve medo de andar por aqui sozinho? –Perguntei.

  Ele negou.

 -Não, eu sempre segui a trilha e nunca me perdi. –Ele respondeu e me olhou. –Quais eram os programas que fazia com os seus namorados aqui?

 -Bom, pelo que eu me lembre, saiamos apenas para festas, boates. Era coisa de adolescente.

 -E com o meu pai?

  -Nós sempre íamos para a boate em que nos conhecemos. –Respondi.

  -Ele nunca te levou para jantar?

  -Homens casados não levam suas amantes para jantar, em uma cidade pequena, ele pode ser pego. –Disse.

  Ele assentiu.

  O olhei.

  -Você levaria sua amante para jantar?

  Ele me olhou.

  -Isso é uma pergunta inocente ou um teste?

  Sorri.

  -Entenda como quiser. –Disse.

  Ele riu.

  -Se eu tivesse uma amante, eu não a levaria par jantar, como eu não tenho, por que estou muito feliz com a minha esposa, então eu sempre te levarei pra jantar.

  -E não tem mesmo amante? –Perguntei.

  -Que foi? Agora você deu para me testar?

   Comecei a rir.

  -Eu só estou querendo saber se o território ainda é meu. –Disse.

  Ele riu.

  -Eu não tenho amante nenhuma, o território sempre vai ser seu. –Ele disse e passou o braço envolta da minha cintura.

  -Hum, então eu fico mais tranqüila. –Disse.

  -E por que está insegura? –Ele perguntou.

  -Não é fácil ser esposa de um jogador de futebol, a maioria dos jogadores, é galinha, principalmente no seu time, você é o único casado. –Disse.

  Ele sorriu.

  -Também não é fácil estar casado com uma mulher mais velha e que é modelo, vários homens te cobiçam. –Ele disse.

  -Mas eu quero apenas um homem que me cobiça. –O olhei. –Você.

  Ele sorriu e me deu um selinho.

  Nós continuamos andando, até que chegamos a uma campina toda florida.

  -Chegamos. –Ele disse.

  Olhei por todo lugar.

  -É lindo. –Disse.

    Ele sorriu.

  -Eu sei, em todos esses anos, ela não mudou nada. –Ele disse e me olhou. –Eu sempre vim aqui para pensar, ficar sozinho. E nunca falei desse lugar pra ninguém.

  O olhei.

  -E por que decidiu me mostrar?

  Ele sorriu.

  -Por que eu amo você e esse é o tipo de lugar que deveríamos compartilhar.

  Sorri e me aproximei dele.

  -Eu te amo, sabia?

  Ele sorriu.

  -Eu também te amo. –Ele disse. –Vem, vamos nos deitar.

  Deitamos-nos na grama, era tão macia.

  -Feche os olhos, esqueça-se de tudo.

  Fiz o que ele pediu, fechei meus olhos e me esqueci de tudo.

  Isso era relaxante, eu me sentia fazendo ioga, me sentia leve, sem problemas nenhum, isso era muito bom, agora eu sei por que Edward gostava tanto desse lugar.

  Ele se deitou por cima de mim e eu abri os olhos.

  -E então, gostou? –Ele perguntou.

  Sorri.

  -Isso é maravilhoso, obrigada por compartilhar esse lugar comigo. –Agradeci.

  Ele sorriu.

  -De nada. –Ele beijou meu pescoço. –Eu sempre quis fazer outras coisas aqui.

  Sorri e abracei sua cintura com as minhas pernas.

  -Eu sou toda sua. –Disse.

  Ele sorriu e me beijou, eu realizei o grande sonho dele e fizemos amor ali mesmo, naquele lugar lindo, e foi maravilhoso.

***

  Edward e eu tivemos uma manhã incrível naquela campina maravilhosa, foi o melhor sexo que já tive, Edward era um homem maravilhoso e eu me apaixonava cada dia ainda mais por ele.

  Chegamos ao hospital e fomos direto para o quarto da Kristen. Entramos no quarto e estava todo mundo com ela, Carlisle, Rosalie, Emmett, Alice, Jasper e o bebê.

  -Olá. –Edward e eu dissemos.

  -Oi. –Eles disseram.

  -Vocês demoraram. –Kristen disse.

  -Desculpe a demora, querida. –Disse e dei um beijo na sua testa. –Como você está?

  -Muito bem, e vocês?

  -Estamos maravilhosamente bem. –Edward respondeu.

  -Hum, o que vocês fizeram essa noite? –Emmett perguntou.

  -Não é da sua conta, Emmett! –Edward respondeu.

  Emmett riu.

  -Bella, Edward, boas notícias, Kristen recebeu alta. –Carlisle disse.

  Sorri.

  -Sério?

  Ela assentiu.

  -Sim, finalmente eu vou poder ir pra casa. –Ela respondeu.

  -Eu já assinei a alta dela, agora é só levá-la embora. –Carlisle disse.

  -Trouxeram minhas roupas? –Kristen perguntou.

  -Sim, tá tudo aqui. –Edward disse, colocando a bolsa em cima da cama.

  -E quando iremos embora? –Kristen perguntou.

  -Eu vou pedir para deixarem o jatinho pronto para amanhã. –Edward disse.

  -E é bom você descansar Kris, por que a minha mãe chamou todo mundo pra jantar essa noite. –Rosalie disse.

  Kristen assentiu.

  -Pode deixar que eu irei descansar. –Ela disse. –Mamãe, pode me ajudar a trocar de roupa?

  Assenti.

  -Claro, vamos lá. –Disse, pegando sua bolsa.

  Kristen saiu da cama, eu dei um selinho no Edward e fomos para o banheiro.

  Finalmente minha princesa sairia desse hospital e amanhã mesmo iríamos pra casa, e viveríamos nossa vida normal com o resto da família.



Notas finais do capítulo

Campina: http://i.imgur.com/8KFxB.jpg



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Confronto 2ªtemporada" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.