Coração Gelado escrita por Jane Viesseli


Capítulo 6
A Criança Imortal





A guarda ofensiva de Aro já estava pronta para partir, não havia necessidade de levar nada e por isso, os vampiros levaram bem menos de meia hora para se arrumarem e se reagruparem. Demetri, Félix, Jane, Alec e Maximilian, estes eram os componentes da guarda para a missão da criança imortal.

O grupo partiu de Volterra assim que o Sol se pôs completamente, aproveitando a escuridão e a calada da noite para viajar sem interrupções. Trilhas e caminhos comuns nunca eram usados por Jane, pois na opinião da vampira, andar como humanos era coisa de idiota e o oculto era sempre a melhor opção para tudo o que fosse fazer.

Para um ser humano comum, viajar da Itália para a Escócia poderia levar aproximadamente 23 horas entre carros e trens, mas o que era 2.347 km de trajeto para um vampiro? Nada, isso não era absolutamente nada e por isso, o grupo levou menos da metade do tempo para chegar ao seu destino.

― Conseguiremos terminar o trabalho em menos de uma hora...

― Entretanto, não conseguiremos retornar a Volterra antes de o Sol nascer – interrompe Jane com sua voz seca e cortante – não tente me ensinar a fazer o meu trabalho Demetri.

O camaleão solta uma risada involuntária, fazendo todos os outros vampiros o olharem irritados. Max pigarreia desconcertado, ajeitando os cabelos bagunçados e olhando ao redor como se conhecesse tudo por ali – o que não era verdade.

― E então, onde está a tarefa?

― Logo após a cidade – explica Alec – Demetri é rastreador, irá nos levar até ela.

― Ok – concorda ele, achando bastante viável terem um rastreador naquele momento – e o que estamos esperando?

Todos os homens olham para Jane, denunciando-a claramente como a líder da guarda e a única capaz de dar ordens naquela missão. Seu poder era tão letal, que ninguém ousava atropelar sua autoridade, nem mesmo seu irmão.

― Vamos – diz a vampira, suspirando como se estivesse fatigada – quero voltar para casa logo, não gosto de todo esse verde – completa, olhando para a paisagem escurecida pela madrugada e esboçando uma leve careta.

O grupo coloca-se em movimento mais uma vez. Os passos eram silenciosos ao caminharam pela pequena e adormecida cidade, não havia vigilância noturna e até mesmo os animais de estimação pareciam não notar suas presenças.

O camaleão observava prédios e casas com interesse, pois apesar de já ter visitado a Escócia em seus muitos anos de imortalidade, ele não se lembrava de ter visitado aquela cidade em especial. A noite estava fresca e o céu permanecia limpo de qualquer nuvem, e com tanta coisa para se observar, Max demorou a se dar conta de que já haviam chegado ao local de sua missão.

A casa se localizava no alto de uma colina, escondida do contato excessivo com humanos e embrenhada num pequeno bosque. Alguns passos foram dados em direção à residência e antes mesmo que pudessem chegar próximo a porta, os moradores já se colocavam do lado de fora com evidente pavor.

― O que os trás a nossa casa? – pergunta o homem receoso.

A família era composta de quatro pessoas: um homem, uma mulher, uma jovem e...

― A aberração – pensa Alec, assim que deposita seus olhos sobre a criança escondida atrás da vampira mais velha.

― Vocês possuem algo proibido, criaram algo que não deveriam – começa Jane, fazendo uma leve pausa, pois já sabia que depois de sua pequena introdução viriam os pedidos de condolência.

― Não, por favor! Ele não machucou ninguém, não quebrou nenhuma de nossas regras...

― Ele é um ser incontrolável – golpeia Félix entre dentes – não tem domínio sobre sua sede, o que acabará nos exposto mais cedo ou mais tarde.

― Eu cuidarei dele, o vigiarei a todo instante – intercede a mulher avançando em direção a Jane – por favor, poupem o meu menino...

Jane odiava aproximações, principalmente de vampiros que considerava inferiores por não possuírem dons importantes. Seus olhos se estreitam numa tentativa de causar dor, de fazer aquela aproximação cessar imediatamente, mas tudo o que conseguiu foi ficar ainda mais furiosa ao perceber que seu poder ainda estava bloqueado pelo camaleão e que a vampira a estava tocando.

Alec arregala os olhos com o infortúnio, entendendo perfeitamente porque a mulher conseguira chegar naquele ponto, já que ele próprio sentia a ausência de seu dom.

― Afaste-se – ordena ele em defesa de sua gêmea.

― Por favor, Jane, eu o manterei controlado, não quebraremos mais nenhuma regra...

― Afaste-se! – ordena Alec novamente, com ainda mais ferocidade, segurando o ombro da irmã com uma mão e empurrando a vampira com a outra.

―Não tente persuadir-me – rosna Jane com a raiva transbordando de seu corpo, fazendo a família escocesa se arrepiar em alerta, esperando o ataque habitual da vampira – se não nos entregarem a criança imortal, todos serão exterminados.

― Não! Não! – continuou a mulher, enquanto a criança se escondia atrás dos parentes e o homem os cercava protetoramente, como se realmente pretende-se lutar com ele.

― Faça o seu trabalho – lança Jane à Maximilian com um olhar cortante, não aguentando nem mais um segundo das lamúrias daquela vampira insolente.

O camaleão se aproxima devagar e silenciosamente, como se estivesse a passear no parque sem segundas intenções. Atrás de seu corpo, Demetri, Félix e Alec duvidavam de sua capacidade de cumprir a missão, depois do estranho comportamento no jantar em Volterra.

Maximilian se ajoelha a dois metros da criança imortal, estendendo a mão direita em sua direção e abrindo o seu sorriso mais doce. Com dois singelos movimentos de mão ele convida a criança a se aproximar, o que prontamente faz o homem da família segurá-lo para conter a aproximação.

― Não dificulte as coisas – sussurra Max sem desfazer o seu sorriso, ativando sua camuflagem e deixando seu cheiro humano impregnar o ar.

As bochechas tomam cor em questão de segundos, chamando a atenção dos vampiros mais velhos rapidamente e unindo isso aos olhos cor de chocolate, nenhum deles teria como dizer que se tratava de um vampiro ali.

O cheiro humano se espalhou pelo ambiente de forma avassaladora, pois era daquela forma que o camaleão pretendia atrair a criança imortal. Os olhos da pequena criatura cintilaram no mais absoluto tom de rubro e seu semblante se tornou interessado assim que o aroma acertou suas narinas, ao mesmo tempo em que suas pequenas presas já estavam expostas, desejando provar em seu paladar o dono daquele cheiro tão tentador.

― Venha! – chama num sussurro, fazendo a criança simpatizar com seu sorriso caloroso e sorrir também, soltando-se do aperto do pai ao avançar dois míseros passos.

Mais dois movimentos de mão incentivam a criança a chegar ainda mais perto e a tocar a mão que lhe era oferecida. O calor que emanava do camaleão parecia enfeitiçar a mente do garoto imortal, que não se intimidou quando o vampiro o tomou nos braços para um abraço.

O cheiro era viciante, a proximidade tentadora e os vampiros que somente observavam não puderam esconder a surpresa ao verem a pequeno vampiro morder o pescoço de Maximilian e tomar de seu sangue.

― De fato uma aberração – murmura Alec ao ver a cena, tentando imaginar quantos problemas uma criaturinha como aquela poderia causar ao sigilo de sua espécie.

O horror nos rostos da guarda Volturi era nítido, mas não tão nítido quanto os olhos cintilantes de Jane, que assistiam a criança se alimentar com uma mistura de raiva e inveja, como se o monstrinho estivesse lhe roubando um prazer bastante pessoal...

Aproveitando-se do choque que se instalara entre a família escocesa, o camaleão se colocou de pé e retornou para perto dos gêmeos, levando a criança consigo antes que pudesse ser detido. E parando logo atrás de Jane – de costas para a vampira – Max novamente se ajoelha, devolvendo a criança para o solo e desligando lentamente a sua camuflagem.

Demetri observava enojado enquanto a criança com os lábios sujos de sangue se soltava do pescoço do vampiro. Os ferimentos se curaram tão rápido quanto a expressão confusa que se alojou no pequeno rosto infantil.

― Por favor, deixe-o ir – pede a vampira escocesa, dessa vez direcionada à Max.

― Ele é um menino bonito – confessa o vampiro com um asco mal camuflado, antes de acariciar o rosto da aberração com ambas as mãos e torcer-lhe o pescoço de forma tão rápida, que até mesmo Jane se surpreendera.

Não houve hesitação, medo ou piedade. Maximiliam simplesmente afastou a criança imortal da família que o criara e arrancou-lhe a cabeça em questão de segundos, lançando o corpo decapitado ao chão como se não passasse de um pedaço de lixo.

Houve gritos de desespero, mas não era como se a família escocesa pudesse fazer alguma coisa contra os Volturis e principalmente contra Jane.

― Félix, limpe a sujeira – ordena a loira meio minuto depois, quando finalmente conseguiu recuperar-se da surpresa – e não demore muito, precisamos encontrar abrigo antes que amanheça.

O homem acena em concordância, retirando uma caixa de fósforo do bolso da calça e lançando fogo sobre o cadáver, que se acendeu quase que instantaneamente.

O grupo parti com a mesma praticidade com que surgiram. Não houve condolências, nem despedidas, eles simplesmente deram as costas para os escoceses e partiram com um sorriso de dever cumprido brincando em seus lábios.

― Meus parabéns camaleão – diz Demetri – você realmente fez seu papel... Não estava muito confiante de seu sucesso.

― A situação ocorrida em Volterra, não é a mesma daqui – explica calmamente – crianças imortais são perigosas e não devem ser poupadas! – confessa, levando a mão onde outrora fora mordido e limpando o restante do sangue contido ali.

― De fato, parabéns... Por sua primeira missão... – parabeniza Félix.

― Sim... Você realmente se mostrou ser um de nós – arrisca Alec, sem jeito, não encontrando as palavras certas para aquele momento e olhando-o rapidamente, antes de voltar-se inteiramente a irmã.

― Obrigado – agradece surpreso com as repentinas parabenizações, analisando de forma curiosa o momento em que Jane repreendeu o irmão com o olhar, pelo simples fato de tê-lo elogiado.



Notas finais do capítulo

Olá pessoal, tem alguém vivo aí ainda? *u*
Me perdoem pela demora... Travei totalmente neste capítulo e não consegui redigi-lo até hoje. Espero sinceramente que tenha ficado bom...
Por enquanto iremos ver Maximilian firmar seu lugar no clã Volturi, mas em breve teremos mais romance S2
Beijos, e espero que gostem do capítulo ^-^



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Coração Gelado" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.