Perdoar E Esquecer? escrita por Melanie


Capítulo 2
Epílogo


Notas iniciais do capítulo

Como o prometido aqui está o epílogo... Desculpem a demora em postar, mas hoje o dia foi longo e só tive tempo agora de noite. Estou postando as pressas, por isso me desculpem caso tenha algum erro. Quando tiver mais tempo vou re-ler e arrumar o que estiver errado. Mesmo assim eu espero que gostem.



Borboletas verdes, azuis, rosas, vermelhas ou coloridas, não importa pra onde eu olhe, tem sempre uma borboleta presente, e isso é apenas parte do que torna essa paisagem umas das mais lindas que eu já vi. Posso ouvir o canto dos pássaros, e quando fecho os olhos para sentir melhor o perfume das flores é como se um deles estivesse ao meu lado, cantando apenas para mim. O campo verde que se estende a km de distância ajuda a mostrar porque essa campina é um dos melhores lugares de Konoha.

Seria clichê se eu dissesse que muita coisa aconteceu desde que aceitei o pedido de namoro do Sasuke, mas seria mentira se eu dissesse que começamos a namorar e vivemos felizes para sempre, num mar de rosas. Porque a verdade é que realmente muita coisa aconteceu desde então. Ainda me lembro perfeitamente de quando saímos da minha casa juntos, e de qual foi a "surpresa" do pessoal ao nos ver juntos...

" – Vamos Sasuke, me deixa sair do quarto. Já ficamos tempo demais aqui. E eu to com fome. – Falei tentando me soltar dele, mas eu já comentei como é difícil quando ele está me beijando? Não? Então eu falo agora, é muito difícil.

– Eu também estou com fome, Sakura.– Ele falou me prensando na parede e voltando a me beijar.

– Não é disso que eu estou falando.– Dei um leve tapa nele, mas ele só começou a beijar meu pescoço. Maldita a hora em que ele percebeu que era só beijar meu pescoço que eu já ficava totalmente entregue. – Uchiha Sasuke, é sério, eu quero almoçar. Ontem eu não jantei, e se eu desmaiar de fome a culpa vai ser toda sua. – Qual é o meu problema? Eu estava mesmo trocando mais um pouco de sexo com o Sasuke pra ir almoçar? Eu tenho problema ou o que?

– Tá legal, você venceu.– Ele falou me soltando, e eu quase quis puxar ele de volta, mas algo me disse que se eu colocasse minha saúde no meio ele não voltaria atrás e ele não faria nada pra me prejudicar. E agora eu estou quase me arrependendo, quase, porque minha fome ainda está falando mais alto. – Quer sair pra almoçar fora, ou vai cozinhar? – Ele falou indo em direção a cama pra por a calça. Isso mesmo, ele estava apenas de cueca. E eu me sentei em cima da cômoda pra vê-lo, claro. Era uma bela visão.

– Pra mim tanto faz, o que você quer?

– Eu prefiro nem sair desse quarto... – Ele vinha na minha direção. – Mas como essa não é uma opção, podemos almoçar fora. Vai ser ótimo para as pessoas verem que você está comigo. – Ele terminou de dizer abrindo minhas pernas e em seguida ele as fechou em volta da sua cintura. Eu ainda estava sentada, então coloquei meus braços ao redor do pescoço dele.

– Isso é verdade. – Concordei. – Mas pra irmos você precisa ir pra sua casa trocar de roupa. Daí, quando voltar, podemos ir almoçar no restaurante que abriu. Que tal?

– Perfeito... Mas você não acha que pra eu ir pra minha casa eu não precise da minha camisa de volta? – É, eu estava com a camisa dele. Havíamos ido tomar banho, e foi um banho mais demorado do que o esperado, então quando saímos, eu coloquei uma calcinha e sutiã limpos, mas vesti sua camisa. E agora ele a estava desabotoado lentamente, e quando ele passou os dedos levemente pelo vale dos meus seios eu comecei a respirar pesadamente. Ele sabia como me fazer perder a cabeça.

– É, você precisa... – Eu não consegui falar mais nada. Ele terminou de desabotoar e abriu a camisa mostrando o conjunto preto que eu estava usando. Ele me olhava com desejo, mas não tive tempo de falar alguma coisa porque ele me beijou, o que não é uma boa coisa, considerando que eu estava com a camisa aberta e ele estava sem camisa. Acho que não tem problema irmos almoçar um pouco mais tarde.

Ele começou a passar a mão nas minhas pernas, e eu as apertei ainda mais ao redor dele. Eu estava arranhando suas costas quando ele subiu as mãos para tirar a camisa...

– Cof...Cof...

– AAAAAAAAAAAAAAAH... – Ok, talvez eu não precisasse ter gritado, mas eu me assustei. Imagina, você está beijando seu namorado, naquele maior clima, as coisas estão esquentando, e chega alguém e te assusta. Sou alguém que se assusta facilmente, mas acho que é melhor ver quem é a pessoa, antes de matá-la. – Eu não acredito, Pakkun? O que está fazendo aqui seu cachorro estúpido? – Kakashi me paga. Sasuke me soltou e eu me levantei ficando ao seu lado.

– Yo, Sakura-chan! – Ele me cumprimentou sorrindo e levantando a pata.– Desculpe aparecer assim, não sabia que estaria atrapalhando algo. – Ele falou e só então percebi que estava olhando para o meu corpo. Cachorro safado. Eu estava com a camisa aberta. Sasuke também percebeu e pareceu não ter gostado, porque entrou na minha frente e olhou mortalmente para Pakkun.

– Não respondeu, o que está fazendo aqui?– Enquanto ele perguntava eu fechava alguns botões a pressa. Quando terminei, sai de trás dele, só que ele não gostou muito, porque me olhou meio atravessado.

– Vamos Pakkun, fale logo, estávamos de saída. – Dane-se que ele não gostou.

– É, eu vi, vocês realmente pareciam que estavam com pressa para sair.– Sasuke olhou novamente com raiva para o cachorro e eu provavelmente fiquei vermelha. – Ok, ok não é da minha conta, mas eu estou curioso sobre uma coisa, você estão juntos agora? – Eu ia responder, mas Sasuke tomou minha frente.

– Estamos, agora dá pra falar o que veio fazer aqui? Já que invadiu o quarto dela deve ser importante. Ou se esqueceu?

– Claro que não Sasuke, passei na sua casa também, mas você não estava lá, agora eu entendo o por que.... – Sasuke estreitou seus olhos. – Então vim aqui na casa da Sakura-chan, e por sorte você está aqui, então falo com os dois de uma vez.– Ele parou para respirar. – Kakashi está chamando todos para a casa dele para almoçarem, ele tem um comunicado a fazer.– Será que era o que eu estava pensando? Eu fui perguntar, mas Pakkun me interrompeu. – Sim, Sakura-chan, é exatamente isso que está pensando.

– Aaaaah não acredito, finalmente. – Não pude evitar um grito de felicidade.

– Posso dizer o mesmo sobre você. – Pakkun falou e eu corei novamente. – Bom, era só isso, tentem não se atrasar. Até mais... – Ele acenou novamente e desapareceu.

– Sasuke-kun temos que ir. – Eu falei já voltando ao normal.

– Temos mesmo que ir? O que ele vai falar que é tão importante assim?

– Você vai ver lá, não vou estragar a surpresa. – Corri em direção ao banheiro com uma roupa na mão. Quando voltei estava com um short e uma camiseta comum e a camisa de Sasuke na minha mão. - Aqui, vá para casa se trocar, não podemos nos atrasar.– Disse entregando a camisa para que ele vestisse.

– Tudo bem, eu passo aqui. Mas você não vai com essa roupa ,não é? Esse short é muito curto.– Ele disse assim que terminou de se vestir e apontou para meu short.

– Claro que não, isso é só pra te acompanhar até a porta.– Eu dei uma rápida escovada no meu cabelo. - E qual o problema de eu usar esse short? Se eu quiser, não vai ser você que vai me fazer mudar de ideia sabia?– Eu coloquei as duas mãos na cintura. É óbvio que eu não usaria algo desse comprimento, mas adorava ver Sasuke com ciúmes. Ninguém pode me culpar, não é?

– Você está brincando, eu sei que está. Não seria você se usasse algo assim.– Ele colocou os braços ao redor da minha cintura.

– Assim como?– Eu apenas coloquei minhas mãos em seus braços, para me apoiar. Seus braços eram um lugar seguro para mim.

– Tão curto...– Ele estava se aproximando.

– É verdade.– Eu concordei e acabei com a distância entre nós.

Foi um beijo rápido, se fosse mais ousado iriamos voltar para a cama, e eu queria mesmo ir nesse almoço. Quando nos separamos expulsei Sasuke do meu quarto e o acompanhei até a porta. Antes de sair ele me deu mais um beijo, e quando eu entrei de novo e fechei a porta não consegui me impedir de me encostar na porta e escorregar até o chão. Sasuke estava sendo tão perfeito. Eu estava ainda mais apaixonada por ele, e eu nem sabia que isso era possível. Mas voltei a realidade e corri para meu quarto me arrumar. Tomei um outro banho, só que bem mais rápido e fui procurar alguma roupa para vestir.

Optei por um sapato comum, uma saia florida de cintura alta, e uma camisa regata branca. No cabelo eu apenas fiz uma trança embutida e deixei alguns fios soltos. Passei apenas rímel e brilho labial, nada mais. Não gosto de maquiagem. Quando terminei ouvi batidas na porta. Me arrumei bem a tempo. Desci correndo e abri a porta. Sasuke estava lindo.

– Você está linda. – Ele disse e em seguida me beijou. Será que algum dia ia me acostumar com isso. Em receber elogios e em beijá-lo? Acho que não.

– Você também. Lindo demais pro meu gosto. Vamos antes que eu comece a me arrepender de estar indo. – Ele não falou nada, apenas riu e me beijou de novo, eu tranquei a porta e fomos. De mãos dadas. Eu imaginava que ele não fosse muito dado a demonstrações públicas de afeto, por isso fiquei muito surpresa quando ele entrelaçou nossos dedos. E eu não preciso dizer o quanto amei, não é? Por onde passávamos as pessoas olhavam, alguns não acreditavam que eu estava com ele, outros diziam que tinha até demorado, já as mulheres me olhavam com inveja e raiva pura. Eu ia conversando com Sasuke e ria mentalmente do modo como elas me olhavam.

Quando chegamos todos já estavam lá. Emi não estava, graças a deus, não tinha porque ela ir, ela era amiga apenas de Karin. De qualquer jeito quando entramos e o pessoal viu que estávamos de mãos dadas foi uma bagunça só. As meninas gritaram e foram correndo falar comigo. Até mesmo Karin, ela já havia superado Sasuke mesmo. Os rapazes não fizeram muita coisa, eram mais discretos, menos Naruto... Ele veio correndo na direção do Sasuke.

– Sasuke-teme, eu sabia que você e a Sakura-chan ainda iam ficar juntos.– Ele abraçou Sasuke, o obrigando a soltar minha mão para sair do abraço que Naruto tinha dado nele. – Mas olha só, se a magoar de novo, eu juro que te mato, teme...– Eu não aguentei e comecei a rir. Naruto...

– Não pode só ficar feliz por mim, Naruto? – Eu perguntei e ele me abraçou.

– É claro, Sakura-chan, eu estou feliz, mas se o teme te magoar ou fizer qualquer coisinha que você não goste, você me fala tá legal? Que eu dou uma lição nele. – Ele falou ainda me abraçando e eu ri de novo. Sasuke ouviu e apenas revirou os olhos.

– Tudo bem Naruto, eu falo. – Disse, e ele me soltou. Ele estava com um sorriso enorme, estava realmente feliz por mim.

– Tudo bem Naruto, pare de monopolizar a Sakura, e deixe as amigas dela falarem com ela. – Quem falou? Isso mesmo, Ino. Ela afastou Naruto e me abraçou. – Aaah Saky, estou tão feliz por você amiga. Tão feliz... Mas você não é a única que está num conto de fadas. – Ela falou e me soltou, será que... – Não é isso, estamos só conversando, mas se tudo der certo, eu posso ver um futuro pra nós dois Saky.

– Ino! Isso é incrível. Estou muito feliz por você também. – A abracei novamente.

– Awn é realmente lindo isso, Ino e Gaara podem ser nosso futuro casal, mas Ino, deixe a outras falarem com a Sakura.– Ten ten falou e então me abraçou.

Todos falaram com a gente. Suigetsu e Karin também, mas Sasuke me puxou do abraço que Suigetsu me deu... Tão ciumento, mas tão fofo. Nossa, estou ficando uma boba apaixonada. Melhor parar. Kakashi apareceu com Shizune do seu lado. Eu apenas sorria, tive a certeza do que era nesse momento. Eles viram que eu Sasuke estavamos de mãos dadas e também foram falar conosco, mas daí Kakashi disse que tinha um comunicado a fazer. E qual foi a minha surpresa ao saber que ele e Shizune se casariam? Isso mesmo, nenhuma. A surpresa mesmo foi quando Shizune perguntou se eu e Sasuke não queríamos ser seus padrinhos. Eu fiquei emocionada e é claro que aceitamos, na verdade eu aceitei na hora e Sasuke não teve muita escolha se não aceitar, mas acho que ele aceitaria de qualquer maneira. Kakashi perguntou se Naruto e Hinata não queriam ser seus padrinhos, Hinata também se emocionou e também aceitou na hora, assim como Naruto. O almoço continuou na maior festa, só teve um pequeno inconveniente que foi quando Naruto e Pakkun incendiaram a cozinha da casa de Kakashi. "

Comecei a rir assim que me lembrei daquele dia, realmente, ainda não me acostumei com os elogios que recebo de Sasuke... Aquele foi um dia incrível, ver todos os meus amigos reunidos e felizes. Aquele sim parecia um recomeço.

Também me lembro perfeitamente de quando Sasuke foi conhecer meus pais. Todo mundo sabe que na maioria das vezes quando você leva seu namorado para conhecer seus pais, seu pai em especial, as coisas podem ficar estranhas. O que não diferente para o Sasuke...

" – Você quer relaxar, Sasuke? Parece até que está indo de encontro a sua morte.– Eu disse vendo-o andar de um lado do quarto ao outro pelo espelho enquanto terminava de pentear meu cabelo. – Não é pra tanto, amor.– Me levantei e fui em sua direção.

– Não é pra tanto, Sakura? Estou indo conhecer seus pais! – Ele disse como se isso explicasse tudo e eu não consegui me segurar e tive que rir. – Isso, ria, não é você que está no meu lugar.– Ele voltou a andar de um lado para o outro. Ver Sasuke tão nervoso por causa de algo tão simples era impagável.

– Sasuke, amor, você já conhece meus pais... – Eu tentei explicar pra ele que não era motivo pra ele ficar nervoso, mas ele me interrompeu.

– Eu conheço seus pais como seu parceiro de equipe, e é assim que eles me conhecem, não como o cara que dormiu com a filha deles.

– Tá legal, Sasuke me escuta. – Eu me aproximei dele de novo só que dessa vez segurei seu rosto para que ele me olhasse e prestasse atenção no que eu iria falar. – Você deveria usar isso a seu favor. Meus pais já te conhecem, o que significa que você já passou pela parte da apresentação e a maioria das perguntas. Além do mais, se serve de alguma coisa, minha mãe sempre gostou de você, então... Relaxa, amor.– Eu dei um selinho nele. – E você sabe que eu teria adorado conhecer seus pais, mas infelizmente isso não é possível. E eu concordo, eu também estaria nervosa em ser aceita pela sua mãe, e daí você é quem estaria me dizendo pra relaxar.

– Você tá certa, mas ainda é diferente. Tenho certeza de que seu pai me odeia, o que é perfeitamente aceitável. Eu magoei a filha dele, fiz ela sofrer por anos, e eu ainda dormi com ela. Eu não me surpreenderia se ele tentasse me matar.– Ele colocou uma mecha do meu cabelo atrás da orelha, já me acostumei com ele fazendo isso, e eu adoro.

– Não seja tão dramático, você está exagerando e... – Ele me olhou com um olhar que significava 'você acha mesmo que estou?'. – Tá certo, talvez nem tanto, mas você pode culpá-lo? Ele é um pai preocupado com o bem-estar da única filha que tem.

– Com um genro como eu, qualquer pai estaria.

– Sas...

– Você sabe que é verdade. Não tem no que discordar, Sakura.

– Se eu rebater o que você disse, você vai contra-rebater e não vamos sair daqui hoje, então, só me prometa que vai parar de pensar nisso e vai se concentrar em fazê-lo mudar de ideia ao seu respeito, que tal?

– Certo, vamos logo então.– Ele me beijou, sua boca estava com gosto de menta, como sempre, e outra coisa...

– Você andou bebendo?

– Não pode me culpar.

– Você é inacreditável. – Balancei a cabeça negativamente e peguei minha bolsa em cima da cama.

– Você sabia disso quando aceitou namorar comigo. – Ele falou e me puxou pra um abraço. – Gosto desse seu perfume.

Eu ri.

– Vamos, não quer se atrasar e perder pontos com meu pai, não é? – Me soltei dele e fui em direção a porta saindo do quarto.

– Nem pensar, aliás, eu já disse que você está linda?– Ele falou segurando minha mão pra me impedir de continuar a descer as escadas.

– Na verdade não.

– Bem, você está, como sempre. – Ele me beijou de leve e foi em direção a porta para abri-la para mim. Eu fiquei parada no mesmo lugar feito uma boba, ele causava esse efeito em mim. – Você vem ou não? Não quer que eu perca pontos com seu pai, não é? – Eu ri e fui em sua direção.

Caminhamos em direção a casa dos meus pais de mãos dadas, como sempre, às vezes ele me beijava, mas somente quando havia poucas pessoas na rua. Quando nos aproximamos eu o senti voltando a ficar tenso, e apertei de leve sua mão como para que encorajá-lo. Paramos em frente a porta e eu bati.

– Sakura, meu amor. – Minha mãe abriu a porta e me abraçou. – Estou tão feliz que tenha chegado.

– Nos vimos ontem, mamãe... – Eu falei retribuindo seu abraço.

– E daí? Uma mãe não pode ter saudades da filha que não mora mais com ela? – Ela me soltou e se virou para o Sasuke que estava atrás de mim e sorriu para ele. – Sasuke, querido, quanto tempo. – Ela foi até ele e o abraçou. – Continua um rapaz lindo.– Disse assim que o soltou. Acho que Sasuke ficou meio sem graça. Tão fofo.

– Obrigado, senhora Haruno. É um prazer revê-la.

– Por favor Sasuke, me chame de Mebuki. Já nos conhecemos a tanto tempo para toda essa formalidade... Vamos entrem.– Mamãe nos deu passagem para entrarmos.

– Aqui mãe.– Eu entreguei a ela a sobremesa que havia feito.

– Eu disse que não precisava querida. Obrigada, vou por na geladeira. Seu pai está na sala. – Ela disse se retirando e indo para cozinha.

– Então, preparado?– Sorri para ele da forma mais confiante que consegui.

– Não, mas você vai estar do meu lado, então vou sobreviver. Vai na frente, amor.

Entrei na sala e meu pai estava lendo o jornal. É isso, seja o que Kami-sama quiser.

– Pai!– Fui correndo em sua direção, ele abaixou o jornal e quando me viu seus olhos se iluminaram.

– Sakura, minha filha. – Ele levantou e me abraçou, me girando. – Senti sua falta, minha flor.

– Também senti sua falta, papai.– Falei quando ele me pôs no chão.– Vim aqui ontem conversar com a mamãe, mas o senhor não estava.

– Tive que sair ontem, se soubesse que viria, não teria saído.– Eu sorri, e então me lembrei, Sasuke.

– Papai, o senhor se lembra do Sasuke não é?– Sasuke se aproximou e estendeu a mão.

– É um prazer revê-lo, senhor Haruno.

– A sim, Uchiha Sasuke, a quanto tempo rapaz. – Papai apertou a mão de Sasuke. As coisas estavam ficando tensas.

– Papai, a mamãe lhe contou que eu e Sasuke estamos namorando, não contou?

– Ela contou, mas uma parte minha ainda esperava que ela estivesse se enganado. Ou que não passasse de uma brincadeira.

– Paaai.– Eu o repreendi. Isso é muito vergonhoso.

– Desculpe, querida, mas o Uchiha?– Eu ia responder, mas Sasuke foi mais rápido.

– Senhor Haruno, sei que já fiz coisas que o senhor não aprova, e são coisas das quais a maioria eu me arrependo, mas, eu amo a sua filha, senhor. E eu não faria nada que pudesse machuca-la, ou magoa-la. – Sasuke se explicou. Mas, meu amor, se bem conheço meu pai, isso ainda não foi o bastante. Acho que EU deveria ter bebido alguma coisa forte antes de vir pra cá.

– Um pouco tarde para não querer magoa-la não acha?

– Eu já me desculpei com ela senhor Haruno, e Sakura me perdoou.– Quando Sasuke terminou de falar minha mãe entrou na sala.

– Ela pode até ter lhe perdoado, mas é porque minha filha o ama ao ponto de se esquecer facilmente das coisas, garoto.– Papai disse.

– Saito, querido, você disse bem, Sakura o ama, e ela o perdoou. Então por que é que nós é que vamos guardar magoas do rapaz? É a felicidade da nossa filha que está em questão, querido.– Minha mãe tentou contornar a situação. Ela é sempre tão justa.

– Você acha mesmo Mebuki, que podemos concordar com o namoro da nossa filha justo com esse rapaz? Quais as chances dele não magoa-la novamente? Quais as chances dele não errar com ela de novo e ela sofrer?– Eu não podia acreditar nisso.

– Paaaaai.– O repreendi novamente. - Pare de falar do Sasuke como se ele não estivesse ouvindo. Eu sei o que estou fazendo pai, eu o amo, quero dar essa chance a ele. Mamãe concordou, e eu queria que o senhor concordasse também. Por isso viemos jantar aqui. Mas se o senhor não me apoiar nisso, não fará a menor diferença, eu só não queria ficar com o Sasuke sem vocês saberem, e já que o senhor... – Não vá chorar Sakura. Não seja tão sentimental.

– Sakura, querida, eu só quero o seu bem, e se você tem tanta certeza assim de que ficará bem com o Uchiha, então você tem o meu apoio. Nada mais importa para mim do que sua felicidade.– Meu pai falou e em seguida me abraçou.

– Obrigada, papai.– Eu retribui seu abraço.

– Agora será que eu posso falar com você antes de irmos jantar, Uchiha? – Papai falou assim que me soltou.

– Claro, senhor Haruno.– Eu olhei para Sasuke torcendo para ele ver o pedido de desculpas que estava em meus olhos.

– Sakura, me ajude a arrumar a mesa, vamos deixar os homens conversarem, querida. – Concordei com a cabeça e fui em sua direção. Quando passei ao lado de Sasuke dei um beijo em sua bochecha e me virei para olhar meu pai tentando avisa-lo para não fazer nada com Sasuke.

Chegando na cozinha, ajudei minha mãe a por a mesa, ela falava comigo e eu tentava responder sorrindo, mas minha mente estava na sala. O que meu pai estava falando com Sasuke? Eu estava ansiosa para terminar rápido. Quando minha mãe disse que eu podia ir até a sala chama-los, eu não acreditei no que vi quando cheguei. Meu pai tinha acertado um soco em Sasuke.

– PAAAAAAAAAI. – Fui correndo na direção de Sasuke. Havia um pouco de sangue saindo do seu lábio inferior.

– Agora sim podemos ir jantar rapaz, estou esperando vocês dois na mesa. Pedirei a sua mãe para esperar vocês dois chegarem para começarmos a comer, querida.– Ele falou se retirando, como se nada tivesse acontecido."

Depois eu descobri que meu pai havia batido em Sasuke como um modo de encerrar e esquecer o que ele havia feito. Um modo bem criativo, devo ressaltar. Aquela noite se tornou inesquecível para mim, porque quando chegamos na mesa, após eu tê-lo curado, foi como se nada tivesse acontecido, meu pai conversava sobre tudo com Sasuke. Acho que no fim eu não estava tão certa de que não tinha nada para Sasuke se preocupar. Mas uma outra coisa que eu faço questão de não esquecer e contar pra quem quiser ouvir foi o dia em que eu me encontrei com Emi. Aquela vadia teve o que merecia...

" – O que você acha desse, Sakura-chan?– Naruto me perguntou mostrando mais uma caixinha.

– Naruto, é um anel de compromisso. Você vai comprar para pedir a Hina em casamento, e o objetivo desse anel aí não é mostrar que ela vai se casar, é chamar atenção de tão chamativo que é. Olha o tamanho desse pedra. Ela nunca usaria isso. – Eu peguei a caixinha e devolvi a atendente. Comecei a procurar por um mais delicado que fosse mais a cara da minha amiga.

– Sakura-chan eu desisto, não faço ideia de qual comprar. Acho melhor pedi-la em casamento sem o anel. – E ele seria o próximo Hokage. Reconfortante.

– Pelo amor de Deus, Naruto. Não seja tão idiota assim. Se você fizer isso você é um homem morto. Onde já se viu? Pedir uma mulher em casamento sem um anel... – Vi o anel perfeito. Mostrei para a atendente e ela pegou.– Aqui, Naruto. Esse anel é perfeito pra Hina. – Mostrei para ele. Era um anel delicado, com um único solitário no meio, Hina não era de usar coisas muito luxuosas, por isso era perfeito para ela.

– É perfeito, Sakura-chan. Eu vou levar. – Ele entregou para a mulher de novo e me abraçou. – Obrigado. Eu sabia que podia contar com você.

– Não tem de que, só prometa que irá caprichar no pedido. Seja romântico. – Retribuí seu abraço.

– Claro.

– Já estou indo. Quero comprar umas flores lá com a Ino antes de ir. Tchau Naruto. – Me despedi dele e fui em direção a porta.

– Tchau Sakura-chan. Manda um oi pro Sasuke-teme por mim. – Naruto nunca mudaria.

Saí da loja e comecei a caminhar na direção da floricultura da família Yamanaka. Chegando lá fui falar com Ino que estava atrás do caixa.

– Oi porquinha.– Ela estava abaixada anotando alguma coisa.

– Oi testuda. Espera só um pouco que já vou falar com você.– Ela terminou de escrever se levantou e gritou.– Você não vai acreditar.

– Que você enlouqueceu de vez? Eu já imaginava porquinha. – Ai meu ouvido. Acho que fiquei surda.

– Sem graça... Não é isso tá legal? Você não vai acreditar, mas Gaara e eu estamos namorando.– A última parte ela gritou. Não seria a Ino se em cada 10 frases que fala, em 9 não gritasse. Mas não pude evitar de ficar feliz por ela. Eu sabia o quanto ela e Gaara estavam enrolando para assumirem um compromisso, e eu sabia o quanto isso machucava Ino. Isso porque ela não é muito de chorar.

– Fico feliz por você, Ino. Já não era sem tempo. – A puxei para um abraço.

– Concordo. Mas você sabe como é. Até poder avisar a todos em Suna que, bem, que esta namorando, não acho que tenha sido dessa maneira que ele explicou, mas foi como eu entendi. Mas até poder avisar a todos que está namorando, ainda vai demorar um pouco. Só que eu sinceramente não me importo sabe? Quer dizer, minha insegurança está enorme, mas eu acho que ele gosta mesmo de mim, entende? Então vou confiar nele. – Eu me pergunto se ela sabe o que é respirar entre uma frase e outra.

– Eu não sei se conseguiria fazer algo assim no seu lugar. Eu sou muito insegura. – Comentei.

– O que é ridículo...– Ela continuou falando, mas eu não ouvi. Me distrai vendo algo interessante na janela. – Ei, Sakura, está me ouvindo. O que tanto olha pela janela? – Ela parou ao meu lado. – Aaaaah, entendi. Emi. Ela é sua preocupação?– Emi estava conversando com uma mulher que eu não fazia ideia de quem era.

– Sim. Quero dizer, não. Talvez. Aaah Ino, Emi simplesmente me irrita. Ela é completamente obcecada pelo Sasuke, além de não ser nenhum pouco feia.– Emi não era feia, por mais que fosse duro para eu admitir isso, era a verdade.

– Está sendo boba Saky, Emi pode até ser bonitinha, mas você é bem mais linda que ela. E Emi tentou de todos os modos se aproximar de Sasuke e fazer com que ele a notasse, e nunca conseguiu mais do que uma ou duas palavras com ele. Sasuke nunca te trocaria por ela. Não há motivos pra se sentir insegura perto dela. Você é melhor que ela em tudo. – Ino tinha razão, então por que algo me incomodava?

– Está certa Ino. Pode me entregar as flores de sempre? Tenho que ir para casa. Sasuke já deve estar lá.

– Margaridas, certo? – Ela falou indo em direção as margaridas.

– Não sei por que ainda pergunta... – Disse rindo.

– Aqui. – Ela me entregou um buquê. – Vai ficar bem mesmo, Saky?

– Claro, por que não ficaria? Só terei que passar por ela, não começarei a conversar com ela. – Peguei o buquê e lhe entreguei o dinheiro. – Até mais Ino.– Me despedi com um aceno já da porta.

– Até Saky.

Quando fechei a porta respirei fundo. Vamos Sakura, passe por ela, finja que não a viu e continue andando. Caso ela fale com você, ignore. Simples.

– Está decidido, ainda hoje eu irei até a casa dele. Entrarei pela janela e o esperarei nua em sua cama. – Estava passando atrás dela quando ouvi isso. Parei um pouco para continuar ouvindo. Não podia ser o que eu acho que é, não é? – De hoje não passa, Yuki. Essa noite será a noite em que eu irei transar com o Uchiha. E farei ele largar a esquisita de cabelo rosa.– Aquela vadia pretendia fazer o que? Eu iria avançar pra cima dela quando a tal de Yuki começou a falar.

– Tem certeza de que vai mesmo fazer isso, Emi? O Uchiha parece mesmo gostar da doutora. Não acho que ele a trairia.– Acho que posso esperar antes de matá-la. O que você vai responder Emi?

– Não seja ridícula, Yuki. Sasuke-kun é um homem como qualquer outro. E como qualquer outro não irá resistir ao ver uma mulher nua em sua cama.–Ela só pode ser maluca.

– Tem mesmo certeza disso, Emi?– Tente manter a calma Sakura. Não vá fazer nada do que possa se arrepender. Como por exemplo matar essa vadia. É, esse é um bom exemplo. Respire, conte até 10... Emi se virou, ela pareceu surpresa.

– Aaah olá doutora. Que surpresa vê-la por aqui. – Ela sorriu. Teve a coragem de sorrir, aaaah mas eu quero tanto quebrar todos os dentes da boca dela.

– Não mude de assunto Emi, tem mesmo tanta certeza assim de que Sasuke me trairá com alguém como você?– Me aproximei mais dela. Eu quero tanto tirar esse sorriso ridículo da cara dela.

– Não é o que a senhorita... Aaah quer saber? Eu acho sim. Até hoje não sei o que Sasuke viu em você. E quanto eu o fizer escolher entre eu ou você, não fique surpresa quando for até a casa dele e me vir em seu quarto. Sabe que ele é muito pra você... – Não a deixei terminar porque lhe dei um tapa. Isso a pegou de surpresa tenho certeza, ela não esperava que eu batesse nela. E esse é o maior erro que ela poderia cometer. Ela não me conhece, não mesmo.

– Escuta bem o que eu vou dizer Emi, porque eu só vou dizer uma única vez. Fique longe do Sasuke. Não se aproxime dele em hipótese alguma. Se eu souber que você esta se insinuado para ele de novo... Você não quer saber o que eu posso fazer quando estou com raiva. – 1, 2, 3, 4...

– Está me ameaçando? Não seja ridícula Sakura, eu não tenho medo de você. E se está tão preocupada assim comigo, é porque no fundo você sabe. Você sabe que Sasuke não sente nada por você, que você é apenas mais uma pra lista dele, que ele só está te usando.– 5, 6, 7, 8... –E quando ele se cansar de você, você sabe que ele vai procurar alguém que o satisfaça, e você sabe doutora, que quando ele te largar, é a mim que ele irá procurar. – 9,10.

– Você é uma vadia Emi, por que Sasuke iria querer algo com uma vadia? Você é o tipo de mulher que caso ele não estivesse com alguém entraria para a lista dele. Mas ele não está sozinho. E o que realmente te irrita é que você sabe que ele não me trocaria, muito menos por alguém como você.– Eu falei com uma falsa calma. - Não vou perder mais meu tempo com você, se me der lincença tenho que ir me encontrar com o Sasuke.– Me virei, isso Sakura, você sabe que está irritando ela. Você sabe que está mexendo com ela. Mas antes de ir completamente embora, me virei para ela novamente. – E você gostaria de estar no meu lugar, não é? – Agora sim, me virei de novo e quando ia começar a andar senti um puxão em meu cabelo. Eu já esperava algo assim dela, mas ainda fui pega de surpresa e não pude evitar gritar pelo susto. Mas por favor, isso não chega nem perto de algumas lutas das quais já participei. Eu já devia imaginar algo tão baixo assim dela.

– Emi, NÃO. – Pude ouvir a garota Yuki gritar, antes de ser jogada no chão. Emi me prendeu no chão e começou a me arranhar.

Ela estava com raiva, eu a havia irritado mesmo. Ela arranhava meus braços e meu rosto enquanto gritava coisas que eu não conseguia entender. Provavelmente insultos. Eu me debatia. Era óbvio que ela não era uma kunoichi, e por mais que eu pudesse acabar com ela em um piscar de olhos não seria justo. E eu não era tão covarde assim. Eu só podia me defender.

Aaaaah meu rosto! Pela dor, ela deve ter me cortado. Desgraçada.

– Emi, para, você vai matá-la.– Pude ouvir o que Yuki gritou, mas não consegui entender. Isso estava parecendo uma brincadeira de criança, como Emi poderia me matar? Consegui entender assim que senti sua mãos em meu pescoço. Ela vai me estrangular? Era isso que ela queria fazer? Chega de bancar a boa samaritana, Sakura. Você treinou com Tsunade por anos, não é assim que vai morrer não é? Não podia usar chakra contra ela, seria injusto, mas não podia continuar apanhando, não dela. Não acredito que vou me rebaixar ao nível dela. Comecei a arranhar o rosto dela também, e a puxar o cabelo dela. Só que eu tenho muito mais força que ela, então eu a estava machucando.

Ela apertou meu pescoço com mais força e eu me engasguei. Podia ver o sangue saindo do rosto dela, mas ela ainda não me soltava. Sinto muito Emi, por mais que eu te odeie, não tenho outra escolha. Concentrei chakra em meu punho direito para socá-la e acabar com isso, mas quando ia acertá-la alguém segurou me pulso.

– Não faça isso, Sakura. Se fizer vai matá-la, e essa não é você.– Distingui a voz de Ino. Ela devia ter percebido o que ia fazer e me impediu a tempo. Senti Emi sendo tirada de cima de mim, ela ainda gritava. Não sei quem a levou embora, mas assim que ela saiu Ino me ajudou a levantar. – Olha só pro seu rosto. Aaaah Saky, você podia ter impedido ela de te machucar, mas não, você é tão boazinha. Você não tem jeito hein amiga.– Ela segurava meu rosto enquanto eu tentava limpar a poeira da minha roupa. – Vem , vamos voltar pra floricultura, eu dou um jeito no seu rosto antes de você ir ver o Sasuke. – Sasuke!

– Eu mesma posso fazer isso Ino. Obrigada, mas agora eu tenho que ir. Estou super atrasada.– Peguei minha bolsa que estava no chão e comecei a andar.

– Não acho que seja uma boa ideia. Sasuke vai enlouquecer quando te vir assim.– Ela tinha razão.

– Eu entro sem ele me ver. Tchau Ino.– Me despedi e voltei a andar. Ouvi Ino se despedindo, mas comecei a correr. Infelizmente as palavras de Emi eram como veneno, e começaram a me afetar. "

Emi me machucou naquele dia, mas ela ficou bem pior. Shizune deu um jeito de deixa-la mais alguns dias machucada. Quando cheguei em casa entrei pela janela do meu quarto esperando que Sasuke estivesse na sala, mas para meu azar ele estava no meu quarto. Quando ele me viu machucada ele realmente ficou irritado. Tive que segura-lo para que ele não fosse atrás de Emi. Se ele fosse, ela com certeza apareceria morta no dia seguinte. Me curar foi a parte fácil, difícil foi esquecer as palavras que Emi disse. Fiquei remoendo em minha mente por dias, mas ela nunca mais me procurou, e eu sabia que havia dedo do Sasuke, mas nunca perguntei. Com o passar do tempo já não me importava mais com o que ela disse. Seria patético continuar me importando. Eu conhecia Sasuke e sabia que ele realmente me amava. E se eu ainda tinha dúvidas, todas elas sumiram na noite em que ele me pediu em casamento...

" – Tudo bem, Hina você é a próxima.– Ten Ten disse e Hinata ficou vermelha.

– Ten ten-chan não acho que seja uma boa ideia.– Hina estava sem graça, até assim ela é fofa.

– Vamos Hina, Ten-ten falou, até a Tema falou. Estamos entre amigas, não tem do que se envergonhar. – Ino estava tentando encoraja-la. Mas sobre esse assunto eu não acho que ela vai conseguir.

– Tudo bem, foisobreamesadacozinhadacasadele.– Ela falou muito rápido ficando ainda mais vermelha.

– Onde? - Temari perguntou. Hina respirou fundo e falou de novo, só que de cabeça baixa.

– Foi sobre a mesa da cozinha da casa dele. – Eu pensei que ela fosse desmaiar de tão vermelha. Ino começou a rir, o que piorou muito a situação.

– Quem diria hein. O baka do Naruto não é fraco não. – Ino disse ainda rindo.

– Ino, não piore a situação pra Hina. Tudo bem Hina-chan, agora é sua vez Ino. – Eu tentei ajudar a Hina. A coitadinha parecia que ir ter um treco.

– Foi mal Hina, mas é que eu nunca imaginaria algo assim sobre você.– Ela se explicou. – Minha vez não é? Ok, foi quando eu fui visita-lo em Suna. Fui até a sala dele e aconteceu.

– Não acredito Ino. Na sala dele? A meu deus, eu nunca mais entro na sala do meu irmão sem imaginar vocês dois lá. Que nojo.– Temari disse nos fazendo rir. Mas a ideia foi dela, de falarmos em qual foi o lugar mais estranho que já transamos. Devia aguentar ouvir sobre Gaara e Ino. - Sua vez Saky.

– Tudo bem. Foi no telhado do hospital. – Não é um lugar tão estranho assim se eu for parar pra pensar, mas eu não falaria os outros.

As meninas começaram a rir e a fazer piadinhas. Ainda bem que eu não fui realmente sincera, se não... Sasuke e eu estávamos a quase 1 ano namorando, amanhã faríamos 1 ano. Paramos de rir quando ouvimos batidas na porta. Hina foi lá abrir, a casa era dela.

– Saky? Ele quer falar com você. – Ela apontou para um homem que eu reconheci como sendo um Ambu. Já o havia visto sem máscara, estava cuidando do pré-natal de sua esposa.

– Doutora Haruno? Sei que está fora de seu horário de trabalho, mas você estava tratando de minha esposa no hospital e ela está passando muito mal... – Ele estava desesperado.

– Onde ela está? – Perguntei.

– Estávamos vendo uma casa para nos mudarmos e ela começou a sentir algumas dores. Eu pedi para ela esperar na casa enquanto tentava lhe encontrar. – Eu disse que era uma gravidez arriscada e pedi para ela manter repouso. Pelo visto não foi o bastante.

– Tudo bem, eu só vou trocar de roupa. – Me levantei e fui procurar algo mais apresentável para ir com ele até sua esposa. – Estou pronta, vamos?

Ele acenou e saiu da casa, eu me despedi das meninas e disse que voltaria assim que pudesse. Quando sai ele estava me esperando e juntos fomos em direção a uma casa um pouco afastada das outras. Estava tudo escuro.

– Tem certeza de que é essa casa? – Me virei para perguntar e ele havia sumido. Que ótimo, só podia ser uma brincadeira. Muito sem graça, diga-se de passagem. Pensei que poderia ser um ataque, mas não sentia nenhum chakra inimigo, na verdade eu não sentia chakra nenhum.

Estava me virando para ir embora, quando ouvi um barulho vindo de dentro da casa. Era uma casa antiga, parecia abandonada. Pensei novamente na hipótese de ser um ataque e que Daichi houvesse sido pego, mas eliminei novamente essa ideia, ele é um Ambu, não seria pego sem uma luta. Mas então o que tinha dentro da casa? A curiosidade falou mais alto e comecei a me aproximar. Já perto o suficiente vi que a porta estava aberta. Não vai ter medo agora não é Sakura? Me aproximei mais, tinha uma luz, uma luz bem fraca, mas era um luz. Respirei fundo e abri a porta, eu estava nervosa, por que eu estava nervosa? Porque você é uma medrosa Sakura.

– Mas o que... – Eu não acreditava no que estava vendo. Haviam pétalas de rosas vermelhas espalhadas pelo chão. Velas iluminavam a maior parte da casa. Pelo menos a parte que estava no meu campo de visão. E no meio da sala estava...– Sasuke? O que está fazendo aqui? O que é tudo isso? – Ele sorriu e veio na minha direção.

– Isso, Sakura, é a minha tentativa de te surpreender. Mas você me diz, eu consegui? – Ele parou na minha frente. Eu continuava sem acreditar.

– Claro...eu não esperava isso, quer dizer em vim até aqui porque pensei que a esposa de Daichi estava com problemas... Daichi, ele.. ele sabia disso tudo?– Apontei para as flores e velas.

– Pedi um pequeno favor a ele, e ele me ajudou a te trazer pra cá.

– Por que tudo isso Sasuke? Nosso aniversário de 1 ano de namoro é amanhã. Pretende sair em alguma missão amanhã?– Ele deu o meu sorriso de canto preferido.

– Não, eu não vou ir a lugar nenhum amanhã. Isso faz parte de outra surpresa.– Ele colocou a mão no bolso e tirou uma caixinha. Era uma caixinha preta, parecida com a que o Naruto tinha comprado para pedir a Hina em... Eu coloquei as mãos na boca surpresa. Não podia ser isso. Podia? Sasuke riu de novo. – Pela sua cara acho que já faz uma ideia do que é, não é? Não sabe como é difícil te surpreender, ainda mais por que fazer essas coisas não é muito a minha cara, mas você consegue com que eu aja contra meus princípios, então...– Com a mão que estava livre, ele segurou minha mão direita. – Espero que você não se importe por eu não me ajoelhar, mas não seria muito a minha cara. – Ele sorriu de novo e deu uma pausa, podia sentir meus olhos enchendo de lágrimas. - Haruno Sakura, aceita se casar comigo? – Algumas lágrimas começaram a cair. Sasuke está me pedindo em casamento!

– Você tem alguma dúvida Sasuke? Claro que eu aceito. – Eu o abracei. Ele me girou e quando me solto me beijou. Eu vou me casar com o Sasuke! Meu deus! – Aaaah Sasuke, eu te amo tanto. Ainda não acredito que você fez tudo isso.

– Eu também te amo. Eu não aguentava mais esperar pra te pedir em casamento. – Ele comentou enquanto me beijava de novo.

– Não posso descrever como estou feliz. Meu amor, isso tudo está tão perfeito. Arrumou tudo sozinho?– Eu perguntei enquanto passava meus braços ao redor de seu pescoço.

– Na verdade eu pedi ajuda para Ino e Hinata.

– Isso explica porque elas não ficaram tão preocupadas quando Daichi apareceu pedindo minha ajuda. – Eu terminei de falar e dei um tapa no braço dele. – Eu fiquei preocupada com a esposa dele sabia?

– Desculpe, mas era o único jeito que eu consegui imaginar de fazer você sair da casa da Hinata de noite e sem desconfiar de nada.

– É, deu certo, nem em um milhão de anos eu imaginava que fosse ser pedida em casamento hoje.

– Agora que você aceitou, não vou te deixar voltar pra onde suas amigas estão. Essa noite você é minha.– Ele falou próximo do meu ouvido. Eu sorri.

– Só essa noite?

– Essa noite e todas as próximas que tiverem pelo resto da sua vida.– Ele me beijou e quando eu achei que ele fosse começar a tirar a blusa que eu estava usando, ele começa a falar. – Só pra constar, essa roupa é curta demais pra sair com um homem no meio da noite.

– Eu não acredito, Sasuke! O homem é casado e ele e a mulher estão esperando um filho.– Ele realmente parou de me beijar pra falar isso? – E até onde eu sabia, eu vinha ver a esposa dele.

– Mas ainda sim...

– Sasuke, cala a boca e me beija, tá?– Ele sorriu e me beijou. Mas ao invés de voltarmos de onde paramos ele me levantou no colo e me deitou no meio de algumas almofadas que tinha mais ao fundo. Ele realmente preparou tudo. Quem diria não é? Mas quem sou eu pra reclamar? "

O melhor pedido de casamento que eu poderia imaginar receber. Vindo do Sasuke eu não esperava nada romântico, mas ele se superou. Nos casamos 3 meses depois. Foi uma correria pra deixar tudo pronto, mas eu não queria nada grande de mais. Convidamos todos os nossos amigos, e a festa, Tsunade fez questão de pagar. Gaara pediu Ino em casamento uma semana depois. Ela não se aguentava de tanta alegria, e eu ficava feliz por ela. O dia do nosso casamento foi o momento mais feliz da minha vida, até um certo dia...

" – Não, não, não, não. – Eu continuava repetindo essas palavras olhando para os papeis em minha mão. Isso não pode estar acontecendo! Não agora. Quer dizer, faz apenas dois meses que nos casamos. O que Sasuke vai achar? Será que ele vai pirar? Provavelmente, se eu estou pirando.

– E então Saky? O que diz?– Eu tinha até me esquecido que Ino estava na minha sala para saber o resultado comigo. – Fala logo, eu estou ficando agoniada.

– Deu positivo Ino, eu estou grávida.– Falar só tornou a situação mais verdadeira. E o impacto pareceu ficar maior. Quer dizer, a alguns dias eu vinha sentindo alguns enjoos fortes e estava com algumas tonturas, no começo eu pensei que fosse só o cansaço, o trabalho e a vida de casada poderia causar isso, mas daí eu percebi que minha menstruação estava atrasada e vim até o hospital fazer o teste. Eu precisava ter 100% de certeza, e aqui estava o resultado. Ino deu um grito e veio correndo me abraçar.

– A meu deus Sakura, isso é perfeito! É incrível! Meus parabéns amiga. – Ela falava enquanto me abraçava, eu retribui o abraço, mas ela percebeu que tinha algo errado. – Espera, você não parece animada. Por que não está animada? Um filho Sakura, você devia estar pulando de alegria. Seu sonho não era ser mãe? Por que está com essa cara?– Eu me sentei em minha cadeira.

– Um filho Ino! Eu...eu não sei se estou pronta pra ser mãe. Ta legal, eu adoro crianças e meu sonho sempre foi ser mãe, mas...E se eu for uma péssima mãe? E se eu não souber o que fazer? E se o bebê não parar de chorar? E se eu não souber como segurá-lo? – Eu terminei de falar e nem percebi que estava chorando. Malditos hormônios. Ino se abaixou na minha frente e segurou minhas mãos.

– Sakura, seus medos são completamente normais. Toda mulher quando está grávida tem medo. É por isso que são chamadas de mães de primeira viagem, porque elas não fazem ideia de como cuidar de um filho. Se soubessem, já seriam de segunda viagem, ou terceira... Mas isso ainda não é motivo pra não estar animada, e você sabe. Qual é o verdadeiro motivo Saky?– Ela tinha razão. Eu sempre soube que ser mãe não seria fácil. Quer dizer, uma outra vida vai depender da sua. Isso por si só já é apavorante, mas eu ainda sempre quis ser mãe. Então porque não estou pulando de alegria? Eu sempre imaginei que quando descobrisse que estava grávida ia sair gritando aos quatro ventos, pra todos saberem, mas porque não estou? Então eu percebi, e algumas lágrimas começaram a cair de novo. Já disse que odeio esses hormônios?

– E se Sasuke não quiser essa criança e me abandonar?– Eu perguntei em um sussurro, mas Ino me ouviu.

– Sakura, amiga, você ouviu o que perguntou? É claro que Sasuke vai querer essa criança! Ele precisa reconstituir o clã Uchiha não precisa? E o que seria melhor do que reconstituir o clã com a mulher que ele ama? Porque você sabe que ele te ama não é? Ele nunca te abandonaria Saky, nunca. Muito menos quando souber que você está esperando um filho dele. – Talvez ela tivesse razão, mas eu só conseguia me imaginar com uma barriga enorme e Sasuke me abandonando pra ir ficar com uma mulher mais bonita. – Não pode ficar preocupada com isso, quando você contar que esta grávida e ele souber que você pensou uma coisa dessas dele, ele vai ficar realmente chateado com você.– Ela levantou e me puxou para que eu levantasse também. Ela começou a limpar meu rosto. – Agora melhora essa carinha, porque eu não sei se você percebeu, mas... VOCÊ TÁ GRÁVIDA. – Ino gritou e me abraçou de novo. Não consegui evitar e comecei a rir, a gargalhar na verdade. Ino estava certa, Sasuke não me abandonaria, com ou sem bebê, ele nunca me deixaria. Eu poderia lidar com minha insegurança de ser trocada mais tarde. Agora eu quero mesmo é curtir esse momento.

– Eu estou grávida Ino! Eu ainda não acredito. É tão surreal. Consegue imaginar que tem uma criança crescendo dentro de mim? – Eu perguntei sorrindo com as mãos no ventre. Ela sorriu e me olhou com um olhar que dizia claramente: era essa a reação que eu estava esperando. Ela estava certa, eu tinha mesmo que ficar feliz. Pulando de alegria.

– É mesmo inacreditável. Eu vou ser tia! Isso é tão incrível. – Ela estava gritando de novo.

– Tenho que contar ao Sasuke. – Acabei de me dar conta disso. - Como vou contar a ele? – Ela também percebeu isso.

– Já sei! Faça uma surpresa. Prepare a casa, faça um belo jantar e conte.– Não era uma má ideia.

– Perfeito. – Olhei no relógio. – Acho que se eu sair agora, posso preparar tudo ainda hoje.

– Claro, claro. Vai, pode ir. Eu cubro o seu turno.– Ino me entregou a minha bolsa e me empurrou em direção a porta.

– Obrigada Ino. – Agradeci enquanto abria a porta e pegava a bolsa.

– Tudo pelo meu futuro sobrinho, ou sobrinha.– Eu sorri de novo, e me virei. Comecei a correr em direção a saída do hospital. Eu precisava correr se queria arrumar tudo ainda pra hoje a noite.

Fui ao mercado e comprei várias coisas para preparar um jantar caprichado. Fui correndo até o distrito Uchiha, Sasuke o havia reconstruído inteiramente, e agora morávamos na casa principal. Outro sinal de que ele realmente queria ter filhos não é? Afinal ele não reconstruiria tudo aquilo para sermos só eu e ele não é? Pare de pensar nisso Sakura. Quando cheguei em casa eram 17hrs. Sasuke saia as 19:30min da Ambu, geralmente jantávamos as 20hrs. Eu precisava preparar a comida, arrumar a mesa, e me arrumar. E ainda tinha que comer alguma coisa, não podia mais ficar sem me alimentar direito. Tudo bem, respira Sakura, vai dar tempo. Você consegue, pensamento positivo, pensamento positivo, pensamento positivo...

Quando terminei de arrumar a mesa, já com a comida pronta e tomar um lanche rápido pra repor as energias eram 19hrs. Ok, eu tenho 30 min pra me arrumar. Corri para o quarto tomar um banho, quando sai eram 19:20min. Vesti um vestido tomara-que-caia preto curto, salto, prendi apenas uma parte do meu cabelo. Ele estava grande, mas nem tanto, eu cortei para o casamento, mas agora pretendia deixar crescer. Fiz uma maquiagem forte nos olhos para combinar com o vestido, e passei um batom bem clarinho. É isso 19:40min, Sasuke está chegando. É hora do show.

Ouvi a porta abrindo e me preparei para sair do quarto. Quando cheguei nas escadas Sasuke estava olhando para a mesa de jantar que eu havia colocado.

– Gostou? – Perguntei descendo alguns degraus, ele se virou e pareceu surpreso por estar vestida assim, afinal estávamos em casa.

– Eu me esqueci de alguma data comemorativa? – Eu ri, era óbvio que ele pensaria algo sim.

– Não, quer dizer talvez, mas eu acho que não, esse dia ainda não conta como comemoração.– Ele ia falar algo mas eu o interrompi. – Mas ainda não disse se gostou da minha surpresa. – Perguntei parando na sua frente. Ele acabou com a distância entre nós e me beijou. Vou considerar isso como um sim. Eu amava o modo como ele me beijava quando chegava em casa de noite. É sempre tão faminto, intenso. Eu retribuía na mesma intensidade, claro. Tínhamos ficado grande parte do dia sem nos vermos, nos tocarmos, nos beijarmos. A noite era quando matávamos essa saudade. Mas ainda não era hora de irmos para o quarto. Eu tinha algo importante para falar. A muito contra gosto me separei dele, e foi realmente difícil, sua boca é uma tentação. – Porque não vai tomar tomar um banho e se trocar?

– Eu preferia que você fosse tomar um banho comigo, mas você já esta pronta. – Eu sorri.

– Vá se trocar Sasuke, tenho algo importante pra te falar. – Falei o empurrando em direção a escada.

– Tudo bem, mas só porque fiquei curioso para saber o que pode ser tão importante assim. – Eu dei um sorriso misterioso e ele começou a subir as escadas, mas parou e se virou para falar comigo.– Mas só pra deixar claro, mas tarde você não me escapa.– Eu ri alto, ele era tão, tão... Tão Sasuke.

Ele não demoraria, então fui em direção a cozinha pegar um copo de aguá, precisava pensar em como contar. Bebi a aguá e fui ver o frango que estava no forno, perfeito. Fui até a geladeira e a sobremesa também estava lá. Eu não podia ficar nervosa. Ino tinha razão, ele não me abandonaria, ele ficaria feliz, eu sei disso. Fui até a janela ver as estrelas e me surpreendi ao ver que era noite de lua cheia. Sorri com a ironia novamente, me distrai dos meus pensamentos quando me senti ser abraçada por trás, esse cheiro, eu reconheceria em qualquer lugar. Sasuke beijou meu pescoço.

– E então? O que tem de tão importante pra me falar?

– Ainda não. Vamos jantar primeiro, daí depois eu falo. – Eu precisava de mais tempo para pensar em como contar.

– Você está bem? – Ele perguntou me analisando. Maldita a hora em que eu não sei mentir pra ele. Me esquivei dele e fui em direção a mesa.

– Claro que sim. Porque eu não estaria? – Falei rápido e na mesma hora me arrependi. Sakura, sua idiota. Ele se aproximou da mesa e se sentou. Sem desviar os olhos de mim. Malditos olhos.

– Está estranha, parece nervosa. – Ele comentou. Tive que mordeu a língua para não falar de uma vez, eu não podia contar assim só porque ele estava me deixando mais nervosa ainda me analisando.

– É só impressão sua, amor. Eu estou ótima, na verdade, ansiosa pra saber a sua opinião sobre a minha comida de hoje.– Fui em direção ao forno.

– Ainda queria saber o que tem de tão especial hoje pra você ter feito tudo isso... Eu não me esqueci de nada não é mesmo?

– Não.. Eu não posso fazer uma surpresa pro meu marido de vez em quando? – Perguntei colocando a bandeja na mesa.

– Se fosse apenas uma surpresa... eu sei que tem algo por trás, mas tudo bem, vou esperar até que queira me contar.

– Ótimo. – Dei um beijo em sua bochecha e fui me sentar.

Comemos enquanto conversávamos sobre o dia de hoje e eu tentei ser o mais natural possível, sem deixar transparecer nada. Ele continuava desconfiando, eu sabia que ele já tinha percebido que eu estava escondendo algo, e temia que ele tivesse juntado as pontas e percebesse que esse "algo" aconteceu hoje, porque se ele percebeu já deve estar imaginando um monte de coisas, e isso não é nada bom.

Quando terminamos de comer eu me levantei para por os pratos na pia e quando estava me virando para voltar á mesa Sasuke me pegou no colo e me beijou. Eu sabia o que ele queria, ele queria terminar o que começamos e, sua língua explorava minha boca de um modo que quase me fez concordar em deixar para amanhã. Mas eu não podia, quando eu ia me separar dele ouvimos batidas na porta, e foi Sasuke que me afastou.

– Que droga...eu espero que realmente seja importante, ou o idiota que está me interrompendo agora vai ter a cabeça arrancada. – Eu não aguentei e ri. Sasuke podia ser tão impaciente, como uma criança de vez vez em quando, chegava a ser engraçado.

– Sem estresse, amor. Eu não vou a lugar nenhum essa noite.– Comentei enquanto tentava arrumar meu cabelo.

Ele resmungou alguma coisa que não pude entender me fazendo rir novamente e foi em direção a porta, eu fui atrás dele. Quando abrimos um Ambu estava parado do lado de fora.

– Senhor Uchiha? O Hokage pede perdão por lhe estar perturbando a essa hora da noite, mas ele diz que não pode esperar. Ele me mandou aqui para avisa-lo de que deve se arrumar imediatamente para partir da vila. Uma missão de última hora senhor, os prisioneiros da prisão leste de Suna fugiram. – Eu prendi a respiração. Sasuke ter que ir em uma missão a essa hora já era ruim, mas prisão leste?

– Como assim fugiram?

– Não sabemos, por isso Naruto-sama quer que o senhor lidere um esquadrão para prendê-los, e tentar descobrir como eles fugiram. Gaara-sama pediu ajuda a Konoha.– Se a situação não fosse tão grave eu juro que ficaria com raiva de Naruto. Tá legal que Sasuke será o novo líder da Ambu, mas... Como vou contar agora?

– Por.. por quanto tempo será a missão?– Perguntei pegando no braço de Sasuke. Estava ficando tonta. Droga! Não desmaie agora Sakura. Agora não.

– Sem tempo determinado, senhora Uchiha.– Minha visão estava ficando turva. Sasuke suspirou.

– Muito bem. A que horas devo estar na saída da vila? – Me desequilibrei, mas Sasuke ainda não percebeu.

– Daqui a uma hora senhor.– Ele balançou a cabeça se despedindo. E então olhou para mim. – Senhora Uchiha.– Ele se curvou e desapareceu. Sasuke fechou a porta enquanto eu permanecia parada no mesmo lugar, tentando focar as coisas. Ele se virou para mim.

– Bem, isso não estava nos planos. – Ele passou as mãos pelos meus braços. Eu abaixei a cabeça e senti seus dedos em meu queixo me levantando para olhar para ele. – Sinto muito Sakura, mas eu prometo que vou recompensar. Sei que a noite não terminou e que você ainda tinha que me contar algo, mas...sabe que eu não tenho escolha. Preciso ir. – Ele me beijou. Mas eu não estava com clima pra isso, e antes que eu chorasse, culpa dos hormônios, me separei dele.

– Tudo bem, eu entendo. – Meus olhos lagrimejaram.

– Ei, não fica assim meu amor. Eu tentarei voltar o mais rápido que conseguir. Prometo.

– Eu sei. Vou ficar bem, vou trocar de roupa para ir dormir na casa da Ino. Aproveitar enquanto ela não se muda pra Suna, mande um oi para Gaara por mim tá? – Ele suspirou novamente e me abraçou. Ele não podia fazer nada.

– Vai ficar bem mesmo? – Não.

– Sim.

– Vou me preparar. Eu te amo. – Ele disse e beijou minha testa. Não vou chorar, não vou chorar. Ele se virou e começou a subir as escadas. Minha vez de suspirar, não podia fazer nada, acho melhor ir tirar a mesa. Pelo menos esse era meu plano, mas quando cheguei na cozinha comecei a ficar tonta de novo. Tentei chegar até a cadeira para sentar mas não consegui. Tudo ficou escuro.

...

Aaaah que dor de cabeça, o que aconteceu? Onde estou? Olhei ao redor, estava em meu quarto, mas eu não me lembro de ter ido dormir, então como fui parar aqui? Eu devo ter desmaiado, pus as mãos na barriga apenas para ter certeza de que o bebê estava bem. Suspirei aliviada, ele estava ótimo. Nessas horas é muito bom ser médica. Tentei me sentar e na hora fiquei enjoada. Levantei correndo e fui ao banheiro, devo ter vomitado minha alma.... Droga! Acabei de me lembrar, Sasuke! Ele ia em uma missão, daqui a.. 20min? Como fiquei tanto tempo apagada? Eu devia contar a ele, eu tinha que contar que estou grávida. Droga, droga, droga, mil vezes droga, fui até a pia escovar os dentes e joguei uma água no rosto. Por Deus, eu estava péssima. Ouvi barulhos e uma porta sendo fechada. Não, não, não. Sai correndo do banheiro e desci as escadas o mais rápido que pude. Quado cheguei não tinha ninguém, Sasuke já deve ter ido. Não consigo acreditar que ele foi numa missão por não sei quanto tempo e eu não consegui si quer me despedir adequad...

– Sakura? O que está fazendo fora da cama?

– Sasuke?– Eu corri em sua direção e o abracei. – Eu pensei que você já tivesse ido. O que faz aqui?

– Na verdade eu... – O interrompi.

– Eu pensei que não fosse conseguir me despedir direito de você.

– Sakura, eu não...

– Eu precisava me despedir direito de você. Eu quase pirei quando ouvi a porta batendo. – Me acalmei um pouco, acabo de perceber que não o deixei falar nada, e ele acha irritante quando eu o interrompo, sorri sem graça. Tudo bem, era agora. Só diga Sakura. – Eu... – Respirei fundo. – Nós, queríamos te dizer pra tomar cuidado, e tentar voltar o mais rápido que puder.– Pronto, falei.

– Nós? – Podia imaginar a mente dele tentando entender. Talvez fosse melhor dar uma pista? Coloquei as mãos no ventre, não tem como ele não entender. Eu podia ver a expressão dele de surpresa assimilando os fatos. – Você..você...você está..– Eu sorri e concordei com a cabeça, já estava querendo chorar, mas ainda não.

– Eu estou grávida Sasuke. – Me ouvir falar parece que havia tornado a notícia mais verdadeira para ele, porque ele veio na minha direção e me abraçou me girando. Confesso que fui pega desprevenida e acabei gritando, mas eu estava feliz, então comecei a rir. Sasuke acabou rindo comigo. Ele me pôs no chão e me beijou.

– Desde quando sabe disso?

– Soube hoje de manhã no hospital. Eu já estava desconfiada, mas precisava ter certeza, então fiz um exame...

– Porque não me contou que estava desconfiada? – Eu podia ver a felicidade nos olhos dele. Ino tinha razão. Como pude pensar na possibilidade dele não querer essa criança?

– Eu queria ter certeza, podia não ser nada... Quer dizer, eu estava me enjoando com tudo, podia ser só uma virose.– Ele continuava sorrindo e balançou a cabeça negativamente. – O que?

– Eu devia ter imaginado, suas mudanças de humor... – Ele parou de sorrir, sua expressão mudou drasticamente de felicidade para preocupação. – Você desmaiou e caiu no chão. Você está bem? O bebê está bem?– Eu sorri com a preocupação dele.

– Não se preocupe. Nós dois estamos bem, eu verifiquei assim que acordei.– Ele pareceu relaxar, mas daí eu pensei em algo. – Sasuke, você não devia estar indo para o portão da vila? Vai se atrasar. Não se preocupe, vamos ficar bem. – Eu estava adorando falar no plural.

Acha mesmo que eu vou sair da vila depois de saber que está grávida? Sakura... tsc, tsc, tsc, parece que não me conhece.– Eu sorri, parece que eu só consigo sorrir, mas é melhor do que só chorar.

– Mas Naruto...– Dessa vez ele me interrompeu, no fundo eu desconfiava que ele estava fazendo isso por eu tê-lo interrompido.

– Quando você desmaiou eu pedi para ele vir aqui. Conversei com ele, disse que você não estava bem e que tinha desmaiado. Ele ficou preocupado, disse que eu não precisava mais ir na missão, claro que eu não iria de qualquer jeito, foi por isso que eu tinha chamado ele, para avisar de que não ia mais, você tinha desmaiado e eu não ia te deixar aqui, não depois disso, mas ele falou que eu não precisava mais ir então não precisei falar isso para ele.

– Então eu acho que podia ter feito um pouco mais de suspense. Se eu soubesse que você não ia mais, podia ter contado mais tarde.– Disse me virando, ele me abraçou por trás e fomos para sala.

– Eu teria falado se você não tivesse me interrompido...– Ele disse quando nos sentamos no sofá. Ele estava com o braço envolta de mim. Eu ri.

– Sabia que estava demorando pra você falar disso.– Comentei enquanto me ajeitava melhor.

– Você sabe o quanto isso em irrita. Você continua me irritando... E eu amo isso em você.

– O que mais ama em mim? – Eu estava praticamente deitada em cima dele.

– Tudo.– Ele falou com tanta sinceridade. Ele segurou meu rosto para que eu olhasse pra ele. – Obrigado Sakura.

– Pelo o que?

– Por estar comigo, por ter me esperado, por ter continuado me amando mesmo depois de tudo. E agora, por estar me dando uma família... Eu nunca imaginei um futuro assim pra mim.– Pronto, agora eu estou chorando, maravilhava. Ele enxugava minhas lágrimas a medida que caiam.

– Malditos hormônios... – Comentei rindo e ele sorriu. – Sabe que não precisa agradecer.

– Queria poder falar o quanto estou feliz, mas não sei como...

– Não precisa, eu posso ver. Eu te amo.

– Eu também te amo, Sakura. – Ele disse e me beijou. Acho que nunca vou cansar de ouvir isso. "

Sorri com essa lembrança e meu sorriso aumentou quando percebi que aquele serzinho no meu colo estava acordando.

– Oi, meu amor.– Falei assim que seus olhinhos verdes pararam em mim. - A mamãe já estava pensando quando você iria acordar.

– Mãe, mãe, mãe...– Me virei apenas para comprovar o que já sabia. Meus meninos vinham correndo em minha direção.

– Calma Raiden, vai acabar caindo e se machucando. – Comentei rindo assim que ele me alcançou.

– Não valeu Raiden, você trapaceou. Você me empurrou .– Meu outro garotinho chegou.

– Não empurrei não, a culpa não é minha se você não sabe perder Ryo.

– Meninos, tenham calma. Realmente importa quem ganhou?– Tentei acalmar a situação.

– Claro que sim mãe. – Os dois falaram juntos e então se olharam, eles odiavam quando falavam juntos. Odiavam o fato de serem gêmeos, e ainda serem idênticos. Por isso competiam em tudo. Eu ri. Meus dois meninos, tão parecidos com o pai. Na verdade são a cara do pai. Cabelos e olhos pretos. Tão lindos.

– Ok, ok, então mais tarde vocês apostam outra corrida está bem? Agora que tal se sentarem e pegarem alguma coisa pra comer? Aposto como estão com fome.– Eles se sentaram na hora e começaram a conversar, eu sorri com a cena, viviam competindo e discutindo mais não conseguem brigar de verdade. 9 anos e já me enlouquecem. - Onde está o pai de vocês?– Eu perguntei enquanto bebia um pouco de suco.

– Ele estava vindo com Daisuke. – Raiden disse.

– Estavam atrás de nós dois.– Ryo completou apontando para ele e o irmão. – Nós viemos na frente quando vimos a tia Ino. Ela estava vindo com a Issa-chan, e sabe como ela tem uma queda pelo Daisuke. – Dei um sorriso, Issa-chan é a filha mais velha de Ino e Gaara, tem 11 anos, é idêntica ao Gaara, mas com a personalidade da Ino. Sempre que minha amiga vinha a Konoha, Issa vinha com ela apenas para ver Daisuke. Sei que ele ainda não se importa com essas coisas, mas posso imaginar que muitas águas vão rolar quando eles forem um pouco mais velhos.

– Então já devem estar chegando.– Mal terminei de falar e já os vi se aproximando. Sasuke continuava lindo, a idade só o estava tornando mais lindo, e eu não sou suspeita pra falar isso não, as outras mulheres pensam a mesma coisa, pra minha infelicidade. Ao seu lado estava Daisuke, nosso filho mais velho, 12 anos. Tinha acabado de se formar, o melhor da turma. Sasuke não podia estar mais orgulhoso, ele e Naruto continuavam competindo, agora pelos filhos. Sasuke dizia que Daisuke era melhor que Ichiro, o filho mais velho de Naruto e Hina, mesma idade de Daisuke, e Naruto dizia que Ichiro era melhor que Daisuke... Eu me acabava de rir ao ver os dois discutindo sobre isso, e Hinata também achava engraçado.

Daisuke era o mais parecido com Sasuke, principalmente na personalidade, mas tinha olhos verdes como os meus. No dia que soubemos que eu estava esperando um menino, Sasuke ficou tão feliz, e eu achava que ele não podia ficar mais feliz do que quando soubemos que eu estava grávida. Me enganei.

– Como estão minhas duas garotas favoritas? – Sasuke perguntou assim que chegou, ele meu deu um rápido beijo e começou a falar com a nossa menininha. Aika tinha 1 ano, e era a coisa mais fofa do mundo. Olhos verdes, cabelo rosa, eu diria que ela é uma miniatura minha assim como Raiden e Ryo são de Sasuke.

– Nós estamos ótimas, não é meu amor? – Perguntei para Aika que gargalhou. – Ela acabou de acordar, por isso está tão animada.

– E você? O que ficou fazendo?– Ele perguntou quando se sentou do meu lado e prontamente pegou Aika no colo. Sasuke não podia ficar perto de Aika e não a pegar.

– Relembrando algumas coisas. Você demorou com os meninos. Falando nos meninos...– Olhei para onde os três estavam conversando.– Não fala mais comigo Daisuke?– Meu filho olhou para mim e sorriu. Eu conhecia esse sorriso...

– A culpa não é minha se estava ocupada.– Ele se levantou e me deu um beijo na bochecha. – Oi mãe. – Ele se virou para Aika e começou a brincar com ela. – Como está Aika-chan?– Ela ria sem parar. Adorava quando o irmão fazia cócegas nela. Ele deu um beijo nela e foi se sentar com os irmãos. Sasuke continuava com Aika no colo, então eu deitei minha cabeça em seu ombro e fiquei olhando para os meninos. Pude ouvir quando Daisuke perguntou aos irmãos se tinham falado com Aika. Não pude evitar rir quando os dois levantaram emburrados por terem que parar de falar seja lá sobre o que e vieram na nossa direção, levantei a cabeça.

– Oi Aika-chan... – Os dois falaram juntos, mas Ryo segurava na mãozinha dela enquanto Raiden acariciava a bochecha dela. Eles deram um beijo nela e voltaram a comer.

Era engraçado isso, Daisuke era todo protetor com a irmã, com os irmãos na verdade, mas com Aika ele tinha um cuidado extra. Ryo e Raiden não ficavam tão em cima de Aika, mas também eram bem protetores com ela. As vezes se esqueciam de que ela estava por perto quando começavam a discutir ou a conversar, e hoje não foi diferente, mas adoravam brincar com ela, a menos que quisessem ir treinar, dai já era outra história.

Olhei para Sasuke que brincava com Aika. Ele também era todo cuidados com ela. Olhei com pena para minha filha imaginando o quanto ela teria problemas mais pra frente. Um pai super-protetor, mais três irmãos mais velhos super-protetores? A coitadinha iria sofrer muito...

– No que está pensando? – Sasuke perguntou.

– No quanto Aika irá sofrer mais pra frente. – Ele me olhou sem entender, e eu sorri. – Um pai super-protetor, mais três irmãos mais velhos super-protetores? Ainda bem que ela vai ter a mãe para salvá-la.

– A maior culpa é da mãe.– Ele falou e eu o olhei sem entender.

– Como assim a culpa é minha? O que eu fiz?

– Ninguém mandou você ser tão linda. E Aika é a sua cara, o que significa... – Estreitei os olhos em sua direção tentando ignorar o elogio.

– Nem pense nisso Uchiha. Você não vai complicar a vida amorosa da minha filha.

– Sua filha? Ela é tão minha quanto sua. Além do que ainda é cedo para fazer algo.

– Aham, mas você já está avisado. – Falei desconfiadamente, era óbvio que isso ainda era um assunto que me daria muita dor de cabeça.– E eu não estava me referindo a isso. Eu estava me referindo quanto ao fato de ela futuramente ir em missões e os irmãos a protegerem. Porque tendo o pai que tem, é óbvio como essa lindinha vai querer ser um kunoichi...– Disse enquanto balançava a mãozinha dela.

– Nem me lembre disso, estou pensando seriamente de proibi-la.– O olhei na hora. Ele não podia estar falando sério, mas pela sua cara estava.

– Não pode fazer isso Sasuke.

– Claro que posso, sou o pai dela. E se eu disser que ela não vai ser uma kunoichi, ela não vai ser.– Eu o olhava incrédula. Com os meninos ele foi mais relevante, mas com Aika...

– Nunca entendi isso sabia? Quero dizer, meu pai também foi contra no início, mas eu entendia que ele estava preocupado, podia ser perigoso, mas você... Eu sinto que tem algo a mais. Essa sua preocupação excessiva com a segurança das crianças e agora querendo proibir Aika de ser uma kunoichi caso ela queira ser... O que é Sasuke? Por que não me conta? – Ele olhou para onde os meninos estavam conversando, depois para Aika e então pra mim.

– É complicado... Desde que Daisuke nasceu eu vivo com um medo constante de que algo aconteça com ele. Então Raiden e Ryo nasceram, e meu medo aumentou, mas então Aika nasceu e... ela é tão parecida com você. Eu não aguentaria se alguém quisesse feri-la, não aguentaria se alguém quisesse ferir qualquer um de vocês. – Eu tive que me segurar para não interrompe-lo. Estava claro que seria melhor deixa-lo falar, ele estava guardando isso a muito tempo.– Não posso fazer muita coisa pra te proteger, além do que, eu sei que você sabe se cuidar, mas tudo que eu achar que devo fazer para te manter segura eu farei. Mas com as crianças... Eu não sei o que faria se eles fossem atacados para que eu fosse atingido. – Ele olhou para Aika de novo e voltou a falar. – Eu olho para Aika e vejo você, e só de pensar na possibilidade de ela querer ser um kunoichi...

– Sasuke, para.– Eu o interrompi, estávamos falando baixo para que os meninos não percebessem. – Nada de ruim vai acontecer com as crianças ou comigo. Estou surpresa por você ainda se preocupar com o fato de que posso ser atacada, já faz anos que estamos juntos e nunca um ataque direto aconteceu contra mim.– Eu parei e olhei para os garotos. – Quanto aos meninos, eles são fortes, só de olhar para Daisuke dá pra saber que caso ele saia em alguma missão e seja atacado ele vai saber se defender. E Raiden e Ryo... ainda vai demorar alguns anos até que eles se formem e também comecem a sair em missões como Daisuke. Mas quando saírem, uma vai cuidar do outro e eles ficarão bem.– Voltei meu olhar para Sasuke. – Agora sobre Aika, ainda vai demorar muito tempo até termos que nos preocupar com a segurança dela, mas eu sei que ela será uma grande kunoichi que também saberá se defender. Eu confio nos meus filhos Sasuke, você também deveria confiar.

– Eu confio neles Sakura. Não confio são nas outras pessoas.

– Eu não acho que alguém vai ser tão idiota ao ponto de atacar um dos filhos de Uchiha Sasuke. Porque, meu amor, todos já devem saber que você matará qualquer um que fizer isso. – Acariciei seu rosto. E ele sorriu.

– Tem razão. – Ele se aproximou e me beijou.

– Ei vocês dois, por favor né... Se querem se beijar então deixem a Aika aqui com a gente. Não querem dar um mal exemplo pra ela, não é? Ela não precisava ver isso. – Ryo falou e tivemos que nos separar, bem na hora que Sasuke ia aprofundar o beijo. Mas ele tinha razão, não sobre o mal exemplo, não é como se ela nunca fosse se envolver com ninguém, mas sim sobre ela estar aqui.

– Você tem razão Ryo.– Sasuke se levantou e entregou Aika para Ryo.– Fique com sua irmã por uma momento.– Eu não acredito que ele disse isso.

– Não acredito que disse isso Sasuke!– Falei quando ele voltou a se sentar do meu lado. – Você não tem jeito.

– Quer que eu tome jeito, então?– Ele perguntou se aproximando.

– Não, não mesmo. – Acabei com a distância entre nós e o beijei. Eu mesma aprofundei o beijo. Quando o ar faltou, nos separamos e eu pude ouvir Aika gargalhando com os irmãos. Olhei para os quatro que estava andando em direção ao lago que tinha mais na frente. Sasuke seguiu meu olhar e eu comentei. – Eles são incríveis. Ainda não acredito que tive filhos tão perfeitos.– Ele virou meu rosto em sua direção.

– Eles são perfeitos como você.– Sasuke disse olhando em meus olhos. Eu tenho certeza de que corei, porque ele deu um sorriso e me beijou.

Eu também tenho certeza de que eu nunca, jamais, vou me acostumar com seus elogios. Ainda custo a acreditar que temos uma família juntos... Sempre quis ficar com Sasuke, mas houve um tempo em que esse meu sonho se perdeu, mas então, quando menos esperava meu sonho se realizou. Só que essa realidade, é melhor do que qualquer sonho que eu já tive.



Notas finais do capítulo

E então? O que acharam? Acho que me empolguei um pouquinho escrevendo... É isso, obrigada aos que leram até o fim!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Perdoar E Esquecer?" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.