O Segredo das Sombras escrita por Alison Adams


Capítulo 4
Capítulo 3 -


Notas iniciais do capítulo

Finalmente um dos momentos mais esperados! Espero que o capítulo esteja à altura das expetativas ;) E se estiver não sejam leitores fantasma xD eu quero saber a opinião de TODOS.




Finalmente pude regressar à escola, apesar de já ser quase fim de semana. A cabeça já não me doía e sentia-me como que renovada. Por isso tentei esquecer por completo aqueles dias sombrios, para não ficar paranóica.

A escola estava cheia e já havia aquele leve ambiente de ser sexta feira. O céu encontrava-se nublado e estava-se a levantar um pouco de vento, o que me impedia de ir à praia a seguir às aulas. Infelizmente, o Outono estava a chegar.

A Jéssica estava cá fora com a Alexandra e o Simão e eles foram logo ter comigo mal me viram.

- Como te sentes hoje? – perguntou o Simão.

- Muito bem – respondi com um grande sorriso.

A Jéssica fez um sorriso matreiro e disse:

- Temos um colega novo.

- Quem? – perguntei curiosa.

No seu rosto conseguia ver o seu entusiasmo e ela também estava um pouco envergonhada, por isso soube logo o que ela ia dizer.

- O gajo é um pedaço de mau caminho! É uma obra de arte!

Ri-me juntamente com a Alexandra. O Simão limitou-se a revirar os olhos.

- A Alexandra também o viu – disse a Jéssica.

- Quem é que não o viu!? – disse a Alexandra ironicamente – Um gajo como ele não passa despercebido. Até os calores sobem quando ele passa perto de nós...

Voltei a rir. Era incrível como elas ficavam loucas quando encontravam um rapaz muito giro. O Simão é que já não estava a achar muita piada à conversa. Também se ele estivesse com os amigos e começassem a falar de raparigas muito bonitas e mostrassem indícios de que se queriam envolver com elas, eu não gostaria da conversa.

Ao olhar para a Alexandra reparei que aquela boa disposição era apenas uma fachada. Havia algo que a estava a incomodar e a magoá-la.

Enquanto a Jéssica e a Alexandra discutiam os detalhes físicos e psicológicos do rapaz, eu perguntei, baixinho, ao Simão:

- O que é que se passa com a Alex?

Ele ficou um pouco confuso, provavelmente por eu ter notado apesar de ela estar a fingir muito bem.

- Acho que ela se tinha envolvido com o Fred e já andava a namorar com a Clara há algum tempo, sem ninguém saber. E ela descobriu...

- Eu sabia! – murmurei baixinho, mas o Simão ouviu-me.

- O quê?

- Nada – disfarcei um pouco atrapalhada.

Afinal eu estava certa! A Clara e o Fred estavam a namorar! Coitada da Alex...

Reparei que o Simão não estava mesmo nada feliz com a conversa delas. Algo estava errado. Ele nunca reagira assim sobre um tema como este, pelo menos eu nunca tinha notado.

- Está tudo bem? – perguntei-lhe.

- Claro, porque é que perguntas?

- Não parece. Acho que estás irritado ou aborrecido.

Ele disfarçou dando uma risada e disse:

- Como é que é possível elas conseguirem falar tanto tempo sobre o mesmo gajo?

Eu sabia que ele estava a desviar a conversa, mas se ele não queria falar, eu não insistiria.

- Quanto mais giro ele for, mais elas falam – expliquei.

O sino estava quase a tocar e elas não paravam de falar sobre o rapaz, que por sinal se chamava Tiago. Decidi então ir para a sala, acompanhada pelo Simão.

O ambiente aliviou e fomos a rir o caminho todo.

Ele era o meu melhor amigo e sempre nos déramos realmente bem. Eu acho que ele nunca me escondera nada, até agora. O que seria que o estava a incomodar tanto? Deveria preocupar-me? Deveria insistir?

Optei por o distrair do que quer que fosse que o estivesse a aborrecer. Quanto ele quisesse falar, ele falaria.

Chegámos à porta da sala e deixámo-nos ficar cá fora a conversar.

Não pude deixar de reparar quando um rapaz de cabelos castanhos, com uns olhos azuis, alto e com um corpo que parecia ter sido esculpido à mão por um grande artista. Ele deveria passar muito tempo no ginásio. Reparei nos seus lábios carnudos, mas os seus olhos é que eram a minha perdição. Aquele azul parecia hipnotizante...

- Vá lá, Cila, tu também não... por favor – pediu o Simão, quando reparou para onde eu estava a olhar.

Por onde ele passava via-se raparigas a murmurarem e a darem risinhos. Ele deteve-se de repente e ficou a olhar para mim. O seu olhar demonstrava fascínio... acho eu. É que aqueles olhos azuis deixavam-me um pouco atordoada. E acho que também estavam a afetar o meu lado racional e o meu discernimento.

Ele soltou um riso abafado.

Passou mesmo ao meu lado, permitindo que eu sentisse o seu cheiro. Mas quando a sua mão roçou na minha é que me despertou a curiosidade.

Aquele toque foi esquisito. Foi como se tivesse criado uma ligação marcada pelo calor da sua pele. Arrepiei-me um pouco e entrei na sala de seguida após um olhar de desaprovação da parte do Simão, ao qual eu respondi com um leve encolher de ombros.

Vi o Tiago sentado na segunda fila ao lado da parede. Pensei em ir para trás dele, mas depois lembrei-me que os lugares já deviam estar marcados pelos meus colegas. A Jéssica devia-me ter guardado um ao seu lado. O Simão, que passou ao meu lado, disse:

- O teu lugar é na segunda fila do meio.

No entanto, ao me dirigir para o meu suposto lugar, o Tiago disse:

- Podes-te sentar ao meu lado, o lugar está livre.

Eu sei que a Jéssica iria ficar chateada comigo, por eu a deixar pendurada e por me sentar ao lado de Tiago. Mas ao ver os seus olhos azuis, derreti-me toda e não me consegui conter.

- C-Claro – disse gaguejando um pouco.

Sentei-me ao seu lado e ele apresentou-se:

- Sou o Tiago e tu deves ser a Cila.

Corei levemente e respondi:

- Pelos vistos já sou famosa por estes lados.

Ambos soltámos uma risada e ele disse:

- Sabes quando surge uma história como a tua é normal tornares-te conhecida.

-Pois – disse e acrescentei sorrindo levemente: - Mas isso já passou, eu já estou bem.

- Tens a certeza? Não estás com dor de cabeça, nem nada?

Tentei conter um grande sorriso ao perceber que ele estava genuinamente preocupado comigo. E também tentei esconder o embaraço que sentia ao falar com ele.

- Tenho a certeza. Não me dói nada – disse-lhe.

Consegui perceber que ele ficou muito mais aliviado após eu lhe dar essa confirmação.

Mal tocou, vi a Jéssica a entrar pela porta e percebi que estava arruinada. Ela, ao ver-me sentada ao pé do Tiago, ficou surpreendida inicialmente como quem diz: “Eu vi-o primeiro!”. Acho até que cheguei a ver uma pontinha de inveja e depois fez um sorriso matreiro. Percebi automaticamente pelo seu olhar o que ela estava a pensar: “Mais logo vou querer saber todos os pormenores.

Suspirei por saber que ela iria espremer de mim toda a informação que conseguisse. Não sei como, mas acho que o Tiago se apercebeu do que estava a acontecer e disse:

- Problemas com a amiga?

Ainda pensei em contornar a pergunta, mas aqueles olhos eram irresistíveis.

- Não propriamente. Mas, não sei se já reparaste, és o principal assunto de conversa das raparigas nesta escola e estás na mira de todas elas.

Ele soltou um riso e disse com um tom provocador:

- E tu? Incluís-te nesse grupo?

Senti-me a corar e acho que ele reparou porque alargou o seu sorriso. Ao ver que ele ficaria à espera da minha resposta o tempo que fosse necessário, tentei soar do modo mais descontraído que encontrei:

- Acabei de saber da tua existência há quinze minutos atrás.

E ri-me.

- Mas pelos vistos já estou a causar boa impressão – disse ele, passando a sua mão pela minha bochecha que devia estar vermelha e a ferver.

Mais uma vez o seu toque deu-me a mesma estranha sensação. Como foi mais prolongado, reparei que também me dava a sensação de tranquilidade. O tempo poderia parar que eu não me importaria minimamente. Apenas queria prolongar aquele momento o máximo possível...



Notas finais do capítulo

Mal possa postarei o próximo capítulo! Não se esqueçam das reviews!! Elas fazem-me continuar a fic com mais entusiasmo e mais rapidamente :)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Segredo das Sombras" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.