About Sirius Black escrita por Ster


Capítulo 75
Depois - 1994


Notas iniciais do capítulo

Oh Nyah do meu coração, que bom que voltou



1994

LIFEFORMS

– Finalmente! – meu coração deu um salto quando vi a sombra de um grande pássaro no ar. Eu nunca consigo me lembrar muito bem da noite em que Harry me salvou do Beijo do Dementador, mas a lembrança fica muito mais clara com a adrenalina em minhas veias enquanto eu voava naquele hipogrifo sobrevoando sob minha cabeça.

Depois de me deixar no meio do nada, ele simplesmente sumiu, me deixando sem escolhas, basicamente me forçando a ficar por aí, perdido durante meses em forma animaga, até Emmeline me encontrar, ainda em forma animaga, e levar o simpático cachorrinho para sua casa, às pressas, como se tivesse achado ouro. – Eu pensei que nunca voltaria.

Por impulso, eu quase aproximei-me dele de imediato. Mas consegui me recompor e primeiro me apresentei amistosamente, olhando em seus olhos selvagens. Após experimentar a liberdade, eu senti uma falta enorme de minha Guzzi, maior do que eu poderia explicar. Gostaria de saber que fim Hagrid deu a ela, provavelmente foi destruída em pedaços após minha prisão. Então aquele bicho enorme e estranho que James tanto queria montar um dia, era uma leve lembrança da minha moto, que jurei ser a única mulher que eu amaria na vida.

– Onde você vai colocar isso? – questionou Emmeline, aparecendo no jardim. – Porque aqui ele não vai ficar.

– Eu também não vou ficar, na verdade. – comentei acariciando Bicuço. Nem precisei me virar para ver a expressão aterrorizada de Emmeline.

– Como assim?

– Harry está precisando de mim.

– O quê? – exaltou-se Emmeline. – Você mandou semana passada aquela carta à ele...

– Ficou louca, Emmeline? Eu só falei merda na carta, o menino ia ficar doido. – gargalhei lembrando-me do que escrevi. Claro que um dia eu iria comentar com Harry sobre James na adolescência, jogar um verde pra saber se ele dá uns beijinhos na Hermione, mas não por uma carta!

– Por que ele precisa de você, o que aconteceu? Ele está debaixo da asa de Dumbledore, nada pode acontecer.

– A cicatriz dele tem incomodado. – Bicuço parecia cansado, tanto que não hesitou em simplesmente desmontar na grama e fechar os olhos. – Da última vez também estavamos debaixo da asa de Dumbledore e deu no que deu.

– Sirius, é muito arriscado... Olhe, eu sei que você é basicamente o único parente que ele tem, mas Hogwarts é o lugar mais seguro do mundo. E essa cicatriz... É só uma cicatriz, digo, você acha que as de Moody não o incomodam?

– Moody já levou um Avada Kedavra e sobreviveu? Em que ano foi isso? – debochei entrando dentro da casa novamente. Eu odiava quando Emms fazia pouco caso de Harry. Ela era um caso estranho quando o assunto era o garoto. Ela tinha uma espécie de medo do garoto, como se James fosse abrir um zíper e sair de dentro dele. Obviamente eu também penso isso às vezes, porque quando você o vê... Realmente o vê, seu coração dispara e você realmente acha que James vai simplesmente passar a mão nos olhos e uma imensidão castanha vai invadi-los.

Mas quando Harry abre sua boca, você tem ciência de que tudo não passara de uma loucura.

– Quando você vai? Eu vou com você.

– Eu vou ficar em forma animaga, Emmeline, acho que não dá para nós sairmos por aí de mãos dadas, não é? – ironizei novamente, me jogando no sofá. Eu estava irritado e enjoado por estar preocupado feito um pai chato. Claro que Harry era uma criança diferente, mas ainda assim eu não queria me alarmar muito para não parecer super protetor, mas ao mesmo tempo eu tinha um mini infarto só de pensar na possibilidade de estar sendo despreocupado o suficiente para deixar a possibilidade de coisas ruins acontecerem abertas.

– Sirius, eu já disse que também vou, você vai precisar de ajuda!

– Ok, então compra uma coleira pra gente passear por Hogsmeade. Emmeline, tenta entender: NÃO DÁ PRA VOCÊ IR JUNTO! É perigoso, arriscado, e eu não duvido nada que se me pegarem, você também vá presa por ter me ajudado.

– Então eu fico pra trás de novo – ah não Deus, sem drama. Olhei Emmeline, brava como estava. Era divertido olhar para ela, com trinta anos, e lembrar-me da Emmeline de doze anos que eu era loucamente obcecado.

– Ninguém vai ficar pra trás... Tem Remo.

– Remo desaparece, Sirius! – do que ela está falando? Não consigo me concentrar em gritos femininos. – Você sabia que eu só fui ver Remo novamente ano passado?

– ANO PASSADO? – berrei, assustado.

– Ele sumiu por treze anos. Às vezes ele aparecia na casa de Moody ou se encontrava com Dumbledore. Nenhuma carta minha foi respondida. Ele desapareceu por treze anos.

Uau, o que ele ficou fazendo durante treze anos?

– Eu não sabia dessa.

– Deve ser porque você só pensa em você, como sempre. – ela sentou-se na poltrona. – Sem Dorcas, Lily, Lene, Remo, Você, James ou Pedro... – ela torceu o nariz levemente. – Eu fiquei sozinha por anos!

– Desculpe, Emms. – eu me esqueci desse detalhe. Tão ruim quanto ficar preso, perder todos os seus amigos é uma das piores sensações do mundo. – Mas agora eu estou aqui, está tudo bem.

– Eu sei... Ah Dorcas, eu sinto tanta falta dela. Aposto que estaria nos contando algo sobre hipogrifos agora se estivesse aqui. – sorriu ela, saudosa.

– Marlene estaria reclamando porque estou de botas em cima do sofá, James estaria falando que poderíamos cruzar o hipogrifo com outro e ter um hipogrifo para cada um e Lily estaria rindo porque James só diz coisas idiotas. – Emmeline e eu rimos alto, quase morrendo de nostalgia. Era difícil sentir falta de pessoas que você não podia recuperar o contato. A eterna sensação de que você não aproveitou todo aquele tempo de forma adequada. Se eu pudesse voltar ao passado, teria abraçado Lene mais vezes, implorado para que James nunca parasse de falar em vez de ficar pedindo para se calar, conversado mais com Lily e dito a Dorcas que ela era bonita, mesmo não penteando o cabelo.

Mas o passado estava enterrado... E não havia como voltar.

[][][]

Emmeline me deu um belo presente de aniversário.

Sozinho eu jamais lembraria que na noite da morte de James e Lily, eu estava hospedado na casa de Emmeline, e como minha casa tinha sido carbonizada, eu usava uma mochila como casa, onde nela estavam todos os meus pertences. Ela guardou a mochila.

– Eu mal posso acreditar que... Merlin. – uma sensação de conforto me abrigou. Era como saber que meu passado realmente existiu, que os dias onde eu sorria e andava de moto feito um babaca realmente aconteceram, eu estava lá de verdade, não são sonhos e nem borrões. – A carta de Lily...

"Caro Almofadinhas,

Muito, muito obrigada pelo presente de aniversário que mandou para Harry! Foi o que ele mais gostou até agora. Um aninho de idade e já dispara pela casa montado em uma vassoura de brinquedo, tão vaidoso que estou enviando uma foto para você ver. Sabe, a vassoura só levanta uns 60 centímetros do chão, mas ele quase matou o gato e quebrou um vaso horrível que a Petúnia mandou no Natal (nada contra). É claro que James achou muito engraçado, diz que ele vai ser um grande jogador de quadribol, mas tivemos que guardar todos os enfeites da casa e dar um jeito de ficar sempre de olho nele quando brinca.

Tivemos um chá de aniversário muito tranquilo, só nós e a velha Batilda que sempre nos tratou com carinho e vive mimando o Harry. Ficamos com pena que você não tenha podido vir, mas a Ordem vem em primeiro lugar e Harry não tem idade para saber que está fazendo anos! James está se sentindo um pouco frustrado trancado em casa, ele procura não demonstrar, mas eu percebo - além disso, Dumbledore ficou com a Capa de Invisibilidade dele, então não há possibilidade de pequenos passeios. Se você pudesse lhe fazer uma visita, isso o animaria muito. Rabicho esteve aqui no fim de semana passado, achei-o meio deprimido, mas provavelmente foram as notícias sobre McKinnon, chorei a noite inteira quando soube.

Batilda passa por aqui quase todo o dia, é uma velhota fascinante que conta as histórias mais surpreendentes sobre Dumbledore, não tenho muita certeza se ele gostaria disso caso soubesse! Fico em dúvida se devo realmente acreditar, por que me parece inacreditável que Dumbledore pudesse ter sido amigo de Geraldo Grindelwald. Pessoalmente, acho que ele está começando a caducar!

Afetuosamente,

Lílian."

Argh, Lily escrevia tão certinho que eu ficava frustrado. Ler esta carta após todos os acontecimentos me enche de impotência. Éramos todos idiotas. Rabicho estava basicamente gritando para todos nós que estava algo errado. Aquela carta foi escrita alguns meses antes de James e eu nos reconciliarmos. Foi difícil perder Marlene e não tê-lo para me apoiar. Quase rasguei a bolsa, sedento por mais. Eu precisava de todas as cartas guardadas, cada vestígio de um passado quase esquecido. Agarrei todo o bolo de cartas e comecei a abri-las, uma por uma, enquanto Emmeline também lia outras.

“Idiota,

Sirius, dá pra você aparecer? Você está com o meu livro de feitiço preferido e ainda teve a cara de pau de aparecer na minha casa e ROUBAR meu uísque de fogo, seu cachorro asqueroso!

É bom você voltar com meu livro e com uma nova garrafa!

AGORA!

MARLENE MCKINNON”

“Almofadinhas do céu!

Você precisa aparecer aqui em casa, eu vou enlouquecer. Dumbledore simplesmente sequestrou minha capa e eu estou incapacitado de respirar fora dessa residência contaminada pelos berros de Harry Potter. Eu até tentei enfeitiçar outros lençóis, mas o feitiço acaba muito rápido, é uma merda.

E pra que eu te escolhi como padrinho se você não vem educar sua cria? Harry precisa de nós cara, precisamos salvá-lo antes que Lily faça uma lobotomia total na criança e ele vire um nerdzinho igual ao Remo. Aliás, lembra daquele plano? Eu preciso ter um menino e Remo precisa ter uma menina para o meu garoto pegar a garota dele e nós zombarmos dele o resto da vida? Como porras isso vai acontecer agora? Vai demorar muito para Remo encontrar outra mulher, convenhamos, e meu filhinho não vai ser babá e nem pedófilo para ficar com meninas mais novas que ele.

Agora eu quero que você tenha uma garota para que Harry possa pegá-la. Não, retiro o que eu disse, isso é tipo incesto, que nojo. Tem que ser Rabicho então. Apesar de que ele não ficaria irritado... Que droga, Frank podia ter tido uma menina, não? Desculpe esse assunto idiota, é que eu realmente não tenho o que pensar estando trancado em casa todo dia. Estou quase fazendo doutorado em medicina bruxa porque já li todos os livros que tinha para ler e agora estou lendo os de Lily.

E Harry, bem, há dias bons e dias ruins. Normalmente são bons. Ele é divertido demais, você não tem noção de como é legal brincar com uma criança, eles são tão inocentes! Um dia, quando tudo isso passar e Harry tiver uns cinco anos, vamos nos transformar na frente dele, o menino vai morrer de susto, eu vou chorar de rir. Ah não, retiro o que eu disse, que pai horrível eu sou... Cruzes. Mas se você quiser assustá-lo... Eu não vou ficar bravo.

Enfim, aparece pelo amor de deus.

Pontas”

“SIRIUS ORION BLACK!

ONDE VOCÊ ESTÁ, E CADÊ O MEU LIVRO?

SE VOCÊ NÃO APARECER NOS PRÓXIMOS DIAS, EU MESMA VOU ATRÁS DE VOCÊ E VOU ENFIAR ESSE LIVRO NO SEU RABO!

MARLENE LIESEL MCKINNON”

“Almofadinhas,

Hoje a ronda é sua... Tenho coisa para resolver.

Rabicho”

“Sirius,

Por favor apareça, Marlene está ficando louca e eu também.

Emmeline”

“Almofadinhas,

Agora eu tenho certeza que Lily fez oclumência. Não estamos seguros, rapaz, a mulher é um perigo. Bem que você me disse, é um dementador. Ela simplesmente descobriu que me encontrei com você hoje e está possessa. Na verdade ela também quer sair de casa e não pode, bem, eu que não posso fazer nada se ela não é esperta como eu.

Harry está começando a falar, o que é muito bom, pois eu estava ficando cansado de ter que ficar decifrando os gemidos dele. Agora ele fala: babaca, pão, xixi e papai.

Babaca eu não preciso explicar né? É meu novo nome para Lílian. Não tenho muito o que falar, só sentir: TÉDIO.

Afetuosamente (Meu deus, estou virando Lílian)

Pontas”

– James era retardado. – comentou Emmeline, lendo sua penúltima carta.

– Sim, era. – sorri pegando os nossos espelhos. Observei o meu, com uma esperança quase vazia em que James aparecesse de repente e me desse um susto, igual ele fazia quando estávamos de detenção. Maldito seja, essa praga, quase me explode de tanta saudade. Eu poderia dar aquele espelho a Harry agora, eu também lhe daria o Mapa do Maroto se tivesse em mãos.

– Olhe. – sorriu Emmeline com uma folha suja nas mãos. – Te lembra alguém, Bigode?

Peguei a folha em suas mãos e o sorriso nasceu em meus lábios de imediato.

Nyah desgraçado não carrega a imagem [frustrações infinitas]: https://lh5.googleusercontent.com/-_P9RY1o-gxM/U4PJ-4ogJdI/AAAAAAAAAnc/XfzvKFC0AHE/w1047-h519-no/Sem+t%25C3%25ADtulo.jpg

Como eu sou velho, meu Deus. A menina já está com vinte anos e eu trocava suas fraldas. Enfiei a mão dentro da bolsa a fundo e procurei mais lembranças, mas o grande e pesado quadro que Drômeda me dera no meu aniversário de doze anos chamou atenção. Ver aquela família era como me imaginar em um lugar estranho e sem sentido. Minhas primas... O fim dos Black, afinal, continuação eu não daria. O título morreria comigo assim como nasceu com Sirius I. Guardei o quadro novamente quase afogado pelas lembranças de dez anos na companhia daquelas três garotas e Régulo, assustado e quase devastado...

Eu sentia falta.



Notas finais do capítulo

***O caralho do desenho não carrega, vai se foder Nyah.


Ai gente, chega de blablabla né?
Ta ficando insuportável escrever mil capítulos onde a minha única dinâmica é ou a Emmeline ou o Sirius ficar ressucitando gente morta, please, não sou coveira. Vamos partir pra ação agora, por favor.
Graças a deus o Torneio Tribruxo ja começa no próximo capítulo e a gente se livra dessa segunda prisão que é a casa da Emmeline.


PREMIO DO SÉCULO: Eu consegui encaixar muito bem os fatos, ieeeeeei, graças a dios! Reparem: Como porras Snape achou a carta de Lily no quarto do Sirius, se ele não morava lá desde 75/76? Como essa carta foi parar lá se ele saiu de Azkaban sem nenhum de seus pertences? Digo no raciocinio de quando ele foi preso, seus pertences ficaram em sei lá onde da prisão até que ele fosse solto (nunca). Lógico não tem sentido o Snape achar essa carta se o Sirius só volta pra casa em 1995, EXPLICA ISSO J.K, RESPONDAM ESSA ATEUS! Claro, eu disse que a Emmeline seria importante nessa época da fic, eu disse...



VERGONHA DO SÉCULO: EU ESQUECI O BICUÇO KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Meu deus, que cagada master, é tipo fazer uma fanfic sobre o Harry e esquecer o Voldemort. Que crime, me perdoem por todas as divindades, eu vou preencher as lacunas todas nos próximos capítulos, me desculpem mesmo.

Beijinhos



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "About Sirius Black" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.