About Sirius Black escrita por Ster


Capítulo 13
Antes - 3º


Notas iniciais do capítulo

Passou rápido né?Conversamos lá embaixo, pitelzinhos.



LETTERS FOR LILY

JANEIRO

HOGWARTS





– Então... É isso. – Estávamos reunidos na biblioteca, na mesa mais distante de todas as outras, com vários livros sobre poções e animagia. Meu Deus, aquilo ia dar um trabalho do inferno para ser feito. Iriamos ter que fazer coisas que nem sequer estudamos... Remo nos olhava, um por um.

– Impossível. – ele disse, por fim.

– Nada é impossível pra mim, Lupin. – sorriu James. Ele estava sem óculos, mania que estava pegando, vivia batendo a cara nos quadros ou tropeçando nas escadas. – Eu estou disposto. Os ingredientes vão ser fáceis de achar, é só assaltarmos o professor Horácio. O difícil está aqui. – ele apontou para a cabeça. – Mas todo mundo aqui é bom em transfiguração, então, não vai demorar muito.

– Se formos rápido... Seis meses. – eu chutei. – Nah, acho que um ano.

– Vocês não entenderam ainda né? Não tem volta! Vocês vão mudar o corpo de vocês por uma aventurazinha idiota? – estrilou Remo.

– Não é aventura idiota, é pra te fazer companhia!

– Companhia? James, você é retardado ou o que? Eu vou matar vocês, idiotas!

– O único idiota aqui é você, o livro diz claramente: Lobisomens não ferem animais! – Pedro olhava tudo tão quieto quanto eu. Não tenho certeza se eu queria aquilo, mas James estava obcecado. – Aluado, não precisa se preocupar. Vai dar tudo certo.

– Meu nome é Remo e não Aluado. – e levantou-se, empurrando a cadeira contra a mesa com força, em passos fortes até a saída. James suspirou o olhou as costas de Remo com raiva.

– Babaca. – ele disse.

– Eu entendo o que ele quer dizer. Ele vai ficar ressentido se algo der errado para nós. Ou, ele tem medo de ficar esperançoso e tudo dar errado, vai ser uma grande decepção. – Olhamos Pedro, surpresos. Uau, uma epifania de inteligência no nosso pequeno Pettigrew!

– Não vai dar nada errado, meu Deus, se vocês ficarem com esses pensamentos ruins, aí que vai dar errado mesmo! – James olhou-me. – E você?

– O que tem eu?

– O que você acha disso tudo? – quis saber Pedro.

– Não sei. Acho que Remo está certo. – James quase enfartou ali mesmo, mas eu ergui a mão antes que ele falasse. – Mas, ele não pode opinar. Quem vai fazer somos nós. Se der errado, a gente se fode. Não é problema dele.

James deu um sorriso tão grande que quase me assustou.

– É assim que se fala. – e fechou os livros. Empilhando para aluga-los.







James mudou drasticamente em curto período de tempo.

Agora ele bagunçava o cabelo dele, e uma vez sem óculos, as garotas pareciam ver seus olhos e suspiravam quando ele passava com a gravata toda desfeita e as vezes com a barra da calça dobrada, para ser diferenciado. O garoto era um metido nato, sempre gostou de atenção, do sorriso das pessoas para ele e às vezes até dos aplausos.

Mais um dia entediante de aulas.

Primeira aula do dia era História da Magia, então eu poderia tirar todo o atraso do meu sono e depois pegar as anotações de Remo, na verdade, eu não faço a mínima ideia do porque ele copia o que o Profº Binns fala, porque parece que ele está terminando de morrer com aquela voz arrastada.

Segunda aula do dia era Voo, com a linda Sonserina. Era a hora em que James mais ficava animado, afinal, ele conseguiu passar no teste de Quadribol e jogaria pela Grifinória como apanhador ano que vem. Se ele já era metido agora, ano que vem ele iria explodir de tanto ego acumulado. Ele limpava sua Shooting Star (a MELHOR vassoura da atualidade), eu até fazia o mesmo com a minha, só que com mais humildade. Enquanto isso Snape rezava pra não cair da vassoura, ele odiava as aulas de Voo.

– Cuidado pra não cair no lago, punheteiro. – riu James para Snape, deixando poeira. As vezes até ele me irritava um pouco. Algumas voltas no ar, alguns risos e provocações. Sem jamais esquecer as amostras grátis de talento dadas por James, que estufava todo o peito quando as meninas aplaudiam e sorriam para ele, descendo da vassoura com o cabelo todo bagunçado e aquele ar de “Sou foda”. Era engraçado, Evans nem olhava pra cara dele, acho que as vezes ela esquecia que James existia e isso deixava meu amigo um pouco chateado.

Terceira aula antes do almoço, e Pedro já estava passando mal e resmungando. Ele ficava hilário nesses momentos, pois era tão atrevido quanto James, mas só quando estava com fome. Em Herbologia, nós finalmente aprendermos o que era Narciso, aquela plantinha que Bartô e Tonks estavam fumando ano passado. A professora disse que as flores são ótimas para um chá que cura ressaca, enxaqueca, mas em excesso ela causa essas dores. Ela tem um efeito tranquilizante também, mas precisa ser utilizada em cuidado e com receita pois ela é uma plantinha muito perigosa.

– É alucinógena. Sabe, que nem maconha. – explicou Remo, quando eu lhe disse que não fazia sentido Bartô fumando a planta. – Só que é mais prejudicial que a maconha, ela deixa a pessoa doida se for usada em excesso. Deve ser por isso que Bartolomeu era daquele jeito.

Deus, minha vida agora faz sentido!

No almoço, Pedro finalmente voltou ao normal e James vinha com a mochila pesada. Jogou em cima da mesa e respirou fundo.

– Peguei tudo. Só falta a Essência de Tarantola. – ele pegou um frasquinho vazio. – Não faço ideia onde eu acho isso.

– Vocês ainda não desistiram? Bem, foi ótimo ser amigo de vocês, mas não me peçam para aparecer no enterro, não quero chorar na frente das tietes de James.

– Tietes? – sorriu James. – Eu tenho tietes?

– Foco! – pediu Pedro. – Essa poção vai dar um trabalho do inferno. Precisamos do melhor.

Ninguém precisava dizer nada, nossos olhares foram lentamente até a mesa da Sonserina, onde ao lado de Snape, Lily falava animada sobre seu dia. Ele ouvia tudo hipnotizado, sem notar nossos olhares.

Ranhoso. – sorriu James.





O plano era simples.

James iria fazer seu show de sempre e roubar o livro de Poções do Snape.

Aquele livro valia ouro uma vez que Snape era o melhor na matéria e ninguém sabia como, mas nós sempre o víamos fazendo muitas anotações em seu livro, era todo rabiscado, cheiro de contas e rabiscos e com certeza ele deve ter rabiscado a parte mais precisa do livro, afinal, ele estava sempre praticando no laboratório, aquele nerdzinho asqueroso.

Ele andava sempre de cabeça baixa em direção do jardim e James aguardava. Saia faíscas de sua varinha tamanha era a agitação. Quando Snape passou por nós....

Flipendo. – Snape voou longe e quando ia bater a cara no chão, James chamou – Accio Snape!

Novamente, ele parecia um boneco de pano voando no ar em direção de James, tentei segurar o riso quando apontei minha varinha.

Impedimenta. – cancelou o feitiço de James. – Immobilius!

Já no chão, tão duro quanto uma tábua, as pessoas arranjavam seus melhores lugares para ver mais uma artimanha de James Potter. Bartô Crouch chegou, gargalhando, ele fumava um Narciso, curvando-se todo para rir do desespero de Snape em tentativas frustradas de voltar ao normal. Pedro virou Snape com facilidade e tirou a mochila de suas costas, entregando a James pelo ar. Ele levantou o Seboso e o deixou de pé para assistir o que James faria com sua mochila.

Ele abriu e pegou algumas folhas avulsas.

– Uhhh, olha só o que temos aqui. – ele leu uma página e gargalhou. – L.E? O que será que significa Sirius?

– Hmmmm, deixe me ver... Lazarento Energúmeno? Ah não, tinha que ser Ranhoso Energúmeno. – respondi, olhando aquele garoto patético. Sua sonsisse me enojava. Ele era um covarde asqueroso, atacava James pelas costas e saia correndo. Merecia aquilo.

– Ahhh, só pode significar uma coisa: Lílian Evans. Você é xonadinho na Evans, é? Awnnnnnnnnnnn, ele apaixonado pela Evans, gente! – gritou James, gargalhando. Ele deu um tapinha no rosto petrificado de Snape, que ficou vermelho e seus olhos revelavam o ódio contido em sua limitação. – Você acha mesmo que ela gosta de você? Acha mesmo, que ela vai olhar pra um vermezinho que nem você?

– É pra responder? – debochei, arrancando risos do público. James virou-se para mim, sorridente, passou os olhos pelas folhas e colocou seu óculos, limpando a garganta antes de começar.

– “Sem herói, sem glória, amor é quando a gente mora um no outro” – droga, abortar missão, abortar missão, EVANS SE APROXIMANDO! – “Não consigo tirar meus olhos de você. Os meus sonhos tem esboços de fios cor de acaju, olhos verdes que me envolvem em um abismo que sei que nunca conseguirei sair. Tons de vinho dançam ao meu redor e sei que não posso parar... Não posso parar de amar você, meu Lírio.”

Lílian Evans e James Potter se olharam após o fim da recitação. Ele ajoelhou-se aos pés dela e pegou sua mão direita, a beijando. Tirou seus óculos e deu um longo sorriso para Lily, que parecia entre uma linha invisível de choque e raiva.

– Gostou, Lírio?

– Foi você quem escreveu? – Seu sorriso morreu e ele largou a mão de Lílian, rasgando o papel em pedacinhos.

– Não, na verdade foi o Ranhoso quem escreveu enquanto se masturbava pensado em você. Desrespeitoso, não? – as pessoas riram, e eu juro que fiz tudo que foi possível para não rir. Lily balançou a cabeça negativamente, lentamente, parecia prestes a vomitar.

– Por que está fazendo isso com ele, James? Solte-o.

– Ah qual é, princesa. Deixa a gente se divertir um pouquinho, deixa?

– Se divertir? É assim que se diverte? Azarando os outros, humilhando as pessoas só para o seu ego inflar? Só não te jogo das masmorras porque sei que você não vai morrer, afinal, seu ego é tão grande que amortece a queda. – quando Lílian pegou a varinha para retirar o feitiço sob Snape, um vulto negro pulou em cima de James, e só depois vimos que era o próprio Snape. Lily deu um gritinho e entre a confusão, eu peguei o livro de poções de Snape e escondi entre minhas vestes. Foi a cena mais engraçada de toda minha vida, James e Ranhoso se estapeando no jardim. Um raio branco fez Snape voar no ar e deixar James livre.

– Ah não, Sev, eu errei, me desculpe. – Lilian parecia desesperada ao ajudar Snape a se levantar e recolher suas coisas. Ele estava tremendo muito quando James se levantou.

– Hoje tudo bem, mas se eu fosse você, Seboso, aprenderia a me defender, pois as garotas não estarão aqui pra sempre.

– Cala essa sua boca imunda, cala a boca, CALA A BOCA! – U-A-U. Lílian Evans parecia um monstro quando marchou até James e o empurrou com força até a árvore onde prendemos Snape e enfiou sua varinha abaixo de seu queixo. Ele pareceu assustado, mas ao se ver tão próximo de Lílian, mudou sua posição para desafio, olhando-a com deboche.

– Vai... O que você vai fazer? Me estuporar? Anda, Evans. Faz logo. – ela tremeu um pouco quando Remo tocou seu ombro.

– Não vale a pena, Lily. – ele disse.

– Por que você anda com esse idiota, Remo? Eu não consigo entender. – e apertou mais ainda sua varinha contra James. – Por que você é tão... Argh!

Lentamente, ela abaixou sua varinha, respirando fundo e retomando seu controle. James sorriu para ela, acariciou seu braço e descaradamente tocou sua cintura.

– Sabia que não conseguiria. Não iria fazer você se sentir melhor. – Lílian sorriu para ele, assentindo. Parecia uma realidade paralela quando ela acariciou o lado direito de seu rosto e James quase enfartou, sem conseguir piscar em nenhum momento. Mas tudo voltou ao normal quando ela deu espaço e voltou com uma mão pesada, quando quebrando o pescoço dele ao lhe dar um bom tapa. James acariciou o lado estapeado e olhou Bartô quando Lílian foi ajudar Snape a se levantar. Bartô passou à James uma garrafinha de metal, aquela que os alcoólicos normalmente carregando no bolso. James deu um bom gole e jogou o resto na mochila. Lílian virou-se a tempo de ver James dar um trago no Narciso e sorrir para ela enquanto soltava a fumaça, simplesmente dando um peteleco no cigarro, que mal tocou no material de Snape e acendeu uma longa chama viva.

– NÃO! – gritou Snape, desesperado. – Minhas coisas... Não!

– Que pena. – a voz de James se assemelhava a gelo. – Acho que você perdeu seu material.

E foi embora. Maldito idiota, e se eu não tivesse pego o livro? Estaria tudo perdido! Pedro, Remo e eu nos entreolhamos, como sempre fazíamos quando James fazia aquelas coisas ridículas. Vi um pouco de Lily consolando Snape, que fitava inconsolável suas coisas pegando fogo e ao longe, James sorria para todos, de braços abertos, Rita Skeeter passou por ele e lhe deu um beijo e uma foto, que James guardou no bolso antes do professora Sprout o pegar para a detenção. Virei-me devagarzinho, fingindo não ter nada a ver com aquilo.

– VOCÊS TAMBÉM, BLACK, PETTIGREW E LUPIN, PODEM VIR AQUI AGORA! – gritou a professora. E a gargalhada escandalosa de James preencheu o gramado.

Tivemos detenção até o último dia de aula.

Meus agradecimentos à James Potter.



Notas finais do capítulo

O terceiro ano não foi fechado com estilo hahahahaEm compensação, o quarto ano do Sirius (já finalizei) é de longe meu favorito (O segundo ano era meu preferido). Muitas coisas que eu deixei de lado, vão acontecer nesse maravilhoso quarto ano, e se vocês comentarem logo de cara esse capítulo, ainda hoje, no fim do do dia, eu posto o primeiro capítulo do quarto ano.O que esperar do quarto ano?É o penúltimo ano antes do DURANTE do Sirius, então é como se fosse um fim de temporada, fim de fase basicamente. Então o final é mais longo, e muita coisa acontece ao mesmo tempo. Eu realmente quero conseguir agradar todo mundo nesse fim de ciclo, pois o DURANTE vai ser enorme, o quinto, sexto e sétimo infelizmente não vão poder ser divididos em quatro capítulos. Eu vou precisar de mais, pois muita acontece no quinto ano. Tem o ínicio de uma revolução bruxa, tem a adolescencia do Sirius que eu não posso deixar de lado, N.O.M's, tem os Animagos, o Mapa do Maroto, tem muuuuita coisa.Então por favor, não fiquem frustradas pela falta de tudo isso nesses anos, pois logo no primeirissimo capítulo do quinto ano, já tem a formação do Mapa do Maroto, é o capítulo inteiro em cima disso. Sem seguida já vem as transformações e muuuito mais.Quinto ano do Sirius promete bastante e eu estou trabalhando HARD pra ficar nada menos que perfeitamente bem encaixado e detalhado, tudo para vocês. Vai ser engraçado, triste, romantico, e engraçado de novo porque estamos falando do Sirius.E SIM, TEM MARLENE NO QUINTO ANO hahahahahahahahaAté ♥