About Sirius Black escrita por Ster


Capítulo 10
Antes - 3º


Notas iniciais do capítulo

FINALMENTE!Uhhhhhlalá, chegamos ao terceiro ano com muito estilo, em um capítulo bem gostoso de ser imaginado.Espero que gostem, lá embaixo a gente conversa!Não esqueçam de comentar, minha felicidade também importa. Ou não. hahahahahaAté!



THE LUPIN THING

FÉRIAS

CASA DOS BLACK




“Sirius,

Eu mandei essa carta para você e James apenas e eu imploro que vocês não comentem isso com Remo. Eu realmente não sabia o que fazer ou com quem falar, fiquei desesperado. Na antepenúltima noite em Hogwarts, vocês dois estavam espiando a reunião dos monitores, para saber a estratégia deles. Acho que vocês se lembram bem.

A questão é: eu vi Remo naquela noite. E não foi voltando do hospital.

Eu estava na sala comunal, olhando o jardim, e então o Salgueiro Lutador começou a mexer-se muito e então parou, imóvel e Remo simplesmente apareceu! De dentro da árvore! Sei que parece loucura, mas eu juro que ele saiu de dentro da árvore, como se ela fosse uma espaçonave, sei lá!

A Madame Pomfrey o esperava e ele foi até ela. Pasmem, ela o abraçou e agachou-se, dando-lhe algo para tomar. Os dois entraram no castelo e eu tomei a liberdade de pegar sua capa James, me perdoe, foi por uma boa causa. Eu desci as escadas correndo, derrubei até algumas pessoas sem querer, a conclusão é que eu finalmente cheguei à enfermaria antes deles. Remo parecia quase morto, eu juro que minhas pernas tremiam de medo dele conseguir me ver, mesmo com a capa.

E seu rosto, ele já tinha aquele corte e estava muito feio!

E a Madame Pomfrey disse coisas como “Vai melhorar, eu prometo”, então eu soube que ela falava sobre a doença de Remo, só não entendia o que ele estava fazendo no Salgueiro Lutador! Entrei com eles na enfermaria e quase molhei as calças quando Remo disse, eu juro que disse, saiu da boca dele exatamente essas palavras:

– Nunca vai ser bom ser um lobisomem. – ele disse, eu juro que disse! Eu não estou louco, ele disse isso! Então eu esperei que Madame Pomfrey abrisse a porta e eu sai dali o mais rápido possível. Que Merlin me perdoe, mas eu tive medo de Remo! Eu não contei nada à vocês em Hogwarts porque eu tive medo... E era esse o motivo de eu ter estado quieto nos últimos três dias de aula. Eu também fui a biblioteca, na esperança de ver que Remo só estava zoando, mas tudo se encaixou, vejam:

– Ele some na época de Lua Cheia, nem nos deixa saber para que hospital vai e não fazemos ideia de que raio de doença era essa que ele dizia ter.

– Remo sempre fica muito pálido quando o fim do mês chega. Com olheiras e tudo mais, vocês sabem que é verdade, sabem sim!

– Ele sempre volta machucado e com uma desculpa pior que a outra.

Não vou me estender nessa carta, minha mão já está doendo e eu sinto fome só de pensar que vou ter que reescrevê-la para enviar à James, eu devia ter pego o Copicola no armário.

Aguardo respostas.

Espero que vocês estejam bem, eu estou, minha vó está fazendo lasanha.

Abraços, Pedro Pettigrew




“Querido idiota,

Você recebeu a carta de Pedro? Será que ele não teve mais um daqueles pesadelos? Você sabe, que nem daquela vez que ele jurou de pés juntos que Lílian Evans era um Dumbledore infiltrado para ouvir nossos planos? Mas não podemos deixar de assumir, faz tudo muito sentido.

Sinto-me péssimo, na verdade, não sei o que pensar... Tudo que quero é falar com Remo, mas ao mesmo tempo eu sinto receio... Ele não para de me mandar cartas, ele te manda também? Sinto-me mal por não conseguir responder.

Não é porque não quero... Só não consigo!

Você também está assim?

De qualquer forma, minhas férias estão bem, obrigada por perguntar. Minha mãe está um pouco abatida, pois papai teve que viajar à trabalho. Eu vi Molly Prewett andando pelo meu bairro! Ela estava com o Arthur, foi legal conversar com eles um pouco.

E aí? Como está sua casa? Me conte tudo, conte pelo espelho se quiser.

Seu belo amigo, James Potter”




“Oi,

Você perguntou se eu ia à festa do Ministério, mas eu não sei. Vou ter que viajar para aquele hospital na Bulgária para meu tratamento... Sei que você está pensando que eu posso muito bem aparatar, mas eu passo mal sempre que meus pais tentam. Já te contei da vez que eu estrunchei, né? É horrível, não queira saber.

E meu irmãozinho Kevin é traumatizado com chaves de portal, então estamos sem saídas.

Espero que você esteja bem... Tem falado com Emmeline? Ela parece muito feliz, acho que é por você. De qualquer forma, acho que encerro por aqui, não tenho muito o que contar.

Apareceu mais uma mancha na minha coxa, tenho certeza que antes dos vinte eu vou virar um jacaré. E pare de rir, porque eu sei que é o que está fazendo.

Bem, é isso.

Marlene McKinnon



“Sirius Black!

Por que você, James e Pedro estão me ignorando? Eu fiz algo errado? Se fiz, por favor, eu peço perdão, não tive a intenção. Vocês podem me dizer e vamos resolver isso, acho infantil vocês simplesmente me ignorarem dessa forma, pensei que fossemos amigos... Eu sinto muito a falta de vocês. Meus ataques estão a cada dia piores e eu me sinto muito sozinho, apesar do meu pai sempre me levar para pescar, aí perto do Largo Grimmauld, talvez... Não sei, se você quiser, podemos nos ver! Sei que não parece divertido, mas meu pai poderia te ensinar a pescar também.

É muito tranquilo e dá uma paz indescritível.

E ei, Sirius, quer saber de uma legal?

Acho que estou com Emmeline Vance! Trocamos cartas desde o começo das férias e ela disse muitas coisas... Não sei, acho que você estava certo afinal, ela gosta de mim! É estranho dizer isso, não sei como uma garota olharia para mim com essa cara toda machucada, mas pelo jeito meu charme é maior que o seu, Senhor Black!

Por favor, me responda!

De seu amigo, Remo Lupin





“Querido Sirius,

Eu realmente desejo que essa carta chegue em suas mãos e não nas de tia Walburga ou meu pai. Eu sei que não devia te escrever, mas eu realmente preciso que você me diga como estão as coisas aí. Pela última carta que me enviou, você disse que Narcisa já estava experimentando vestidos para seu casamento... Meu Deus, passou tão rápido! Eu não tenho esperanças de ser convidada, então gostaria que tirasse fotos e me escrevesse cada detalhe desse grande evento! Como estão meus pais? E meus tios? Tia Walburga continua a mesma, não?

E você, meu amor, como vai?

Aqui está tudo bem dentro dos conformes. Meus sogros estão ficando idosos e a preocupação em Ted é gritante, uma vez que seus cabelos ficam negros como breu quando ele fica preocupado. Ninfadora empina o nariz igual à Naricisa, se você visse, iria ficar assustado, eu sei que iria! Ela também sabe me manipular direitinho, isso ela puxou de Bella, tenho certeza, e ela é muitíssimo prepotente às vezes, isso ela puxou de mim.

E quer saber? Ela é muito respondona!

Acho que você sabe de quem ela puxou isso. Mas às vezes, ela simplesmente se cala e vira um observador, é tão Régulo, falando nele, como ele está?

De qualquer forma, todo o resto ela puxou de Ted, parece um xerox, uma cópia com alguns defeitos propositais. Ela é perfeita e eu mal posso esperar para que você a conheça. Quem sabe você não vem passar um Natal aqui conosco? Pode até trazer seus amigos, tenho certeza que Dora ficaria feliz de ficar na companhia de outras crianças!

Desejo no fundo do meu coração que você esteja bem acima de qualquer coisa.

Sempre sua prima, Andrômeda Tonks.”



“Queridos idiotas,

Como eu estou com o Copicola (desculpe, Pedro), eu não me darei o trabalho de escrever para os dois, então vou copiar apenas. Fico feliz em saber que todo mundo está seguindo o plano. Temos que tirar essa história a limpo, mas cara a cara, continuem respondendo Remo e agindo com naturalidade, nada de perguntas fora do normal, eu sei que você pensou em fazer isso Pedro. Sirius, você tem um sério de problema com frieza quando descobre alguma coisa que não pode dizer, então por favor, vê se tomar um Amortentia, sei lá.

Minha férias estão incríveis porque eu acabei de ganhar uma Shooting Star, isso mesmo, podem babar, chorar ou se matar. Convido vocês a virem aqui em casa para jogarmos Quadribol, meu jardim é grande o suficiente pra isso. E minha mãe é a melhor cozinheira do mundo, vocês iriam se apaixonar.

Vou convidar Remo também.

Naturalidade, porra!

De seu belíssimo amigo, James Potter”






Meu coração estava palpitando quando minha mãe aparatou comigo na frente da casa dos Potter. O nariz de Walburga Black deu uma retorcida violenta ao ver Godric Hollow’s. Motivo? Bruxos pobres, mestiços e pior, amantes da Grifinória. A casa de James era muito grande e muito bonita. Era acinzentada, um azul meio claro demais. O jardim era bem cuidado e tinha uma espécie de vibração boa, eu estava apaixonado.

Era tão diferente daquele buraco negro onde eu morava.

Nem tínhamos batido na porta quando uma mulher de olhos muito azuis e cabelos muito negros abriu a porta, sorridente. Ela era magra e parecia aquela mãe de filmes em sua saia rodada e o sorriso que nunca saia do rosto.

– Vocês! Entrem, por favor, entrem!

– Ah não, eu prefiro ficar aqui mesmo. – Walburga sorriu forçado e apertou meu ombro para que eu não desse um passo. Seus olhos gordos espiaram a casa entre a cabeça da Senhora Potter. – Só vim trazer meu Sirius. Aliás, sou Walburga Crabbe Black.

Ela tinha que dizer o sobrenome, se não ela morria. Ela tirou sua luva e passou a mão no cabelo impecavelmente no lugar, fios negros com mechas louras por todo lugar, para disfarçar o branco da velha. E então sorriu forçado novamente para a Senhora Potter, que aumentou mais ainda seu sorriso, apertando a mão dela.

– Dorea Potter! – ela sorriu. – E você deve ser o pequeno Sirius Black, James não para de falar de você, é o tempo todo!

– É, ele me ama. – sorri para ela, sarcástico. Dorea gargalhou, o que fez mamãe dar alguns passos para trás.

– Bem, eu vou indo. Sirius, sabe que horas voltarei. – e aparatou. Dorea ergueu as sobrancelhas, me empurrando para dentro da casa. Era muito aconchegante e a mãe de James era muito bonita mesmo. A mesa estava lotada de comida, parecia Hogwarts. E ela ainda fazia mais.

– Meu amor, o que você quer? Uma maçã caramelada, hm? Aposto que quer. Ah não, você deve estar com sede, quer soda, suco ou café? Quer alguma coisa, por favor, me diga.

– Mãe! – James apareceu na porta, chocado. – Para de assustar os outros!

– Onde está Remo, hein? Quero que ele venha comer JÁ! Eu não admito ele magro daquele jeito, traga ele aqui! – Dorea pegou um prato. James deu-me um sorriso enorme e eu retribui. Eu nunca me senti tão bem na casa de outra pessoa.

– Mãe, ele já comeu o seu peixe, experimentou a lagosta e você o forçou a comer todas aquelas batatas, acho que chega.

– Mas ele é tão magrinho! – Pedro apareceu na cozinha. – Ah, você mesmo, meu lindinho! Vem aqui, quer uma maçã caramelada.

– Com certeza. – A mãe de James sorriu e com um aceno de sua varinha, trazendo a maçã até a mão de Pedro. – Pegue o que quiser aqui depois... Vocês são tão lindinhos!

– Ok mãe, só pare de cozinhar. – James agarrou meu braço e o de Pedro e nos empurrou por um longo corredor. Na sala, Remo fitava a televisão. Um gelo passou por meu estômago quando ele levantou-se, sorrindo para mim.

– Sirius! – ele disse, vindo até mim e abraçando-me. Retribui, e só assim eu vi que era apenas Remo, meu amigo Remo. Nos desgrudamos e ele sorriu, sentando-se novamente. O risco em seu rosto me mostrou que ele tinha mudados esses meses que se passaram. Estava melhor, muito mais alto e digamos que até bonito, mesmo com aquelas roupas estranhas.

– Você demorou, quase enlouquecemos com minha mãe perguntando onde você estava. Eu disse que ela estava abatida. – James jogou-se no sofá, Sentei-me na poltrona.

– Aquilo é sua mãe abatida? Não queira saber como é minha mãe abatida.

– É só um disfarce, ela cozinha parece um elfo doméstico quando está triste. Tinha que ver no dia que fiquei doente, a casa toda estava cheia de bolinhos.

– Oi. – ela apareceu na sala. Puxa, ela era muito bonita. Minha mãe também era, mas a Senhora Potter era bonita de um jeito melhor. – Vocês estão com fome? Não mintam pra mim.

– Não, pelo amor de Deus! – disse James.

– Pedro, terminou sua maçã, amor? Quer um bolinho? Ah não, eu não consigo ver isso! Remo, você precisa dormir aqui essa última semana, consigo te deixar com o peso ideal em uma semana, sei que consigo.

– Eu... – começou Remo, sem graça.

– Hogwarts não está os alimentando direito, é? No tempo que eu estudava lá, tinha comida para dar e vender!

– Mãe, por favor! – estrilou James. Ela olhou-o, magoada. Eles eram idênticos. Tirando o nariz e os olhos.

– Tudo bem... Mas no almoço ninguém vai fugir de mim. Todo mundo vai comer! – ela saiu da sala e a bagunça recomeçou na cozinha. Nos entreolhamos, risonhos.

– Sua mãe é uma peça. – eu ri.

– Isso é só o começo. Remo, vou entender se nunca mais quiser falar comigo, ela vai ter perturbar até você ficar gordo.

– Eu adorei sua mãe. – ele disse. – Bem, vamos ou não jogar Quadribol? – fomos para o jardim de James. Não era tão grande quanto o mentiroso disse, o jardim da casa dos Crouch, onde eu passei muito tempo jogando, era bem maior. E meu quarto era do tamanho daquele jardim. Mas eu não consegui me importar com aquilo. Godric Hollow’s era o paraíso. As pessoas passavam e sorriam, davam assobios e cumprimentavam James, voando no ar. O sol parecia nunca morrer ali, ao contrário do obscuro Largo Grimmauld. Jogamos o “Pega Pomo” onde todos tinham que ir atrás do Pomo, mas era sempre James que ganhava. Remo não tinha vassoura, então teve que voar na antiga Nimbus 1000 de James, que era muito rápida, não tanto quanto sua Shooting Star. Eu também tinha uma, presente de aniversário. Já Pedro também tinha uma Nimbus 1000, igual a James. Brincamos de tudo que conseguimos, até a hora do almoço.

A Senhora Potter me fez repetir o prato três vezes e eu tive certeza que engordei um três quilos só naquele almoço. Com Remo foi pior, Dorea não parava de abraça-lo e beijá-lo enquanto ele comia seu quarto prato, acho que ele foi o seu preferido de todos os amigos de James. No fim da tarde, a pai de Pedro veio busca-lo e assim que foram, a mãe de Remo apareceu. Ela ficou mais tempo, conversou bastante com a Senhora Potter, até ela chamarem Remo. A Senhora Lupin era tão simples quanto o filho. Ela tinha um cabelo meio ruivo, meio louro... Suas sobrancelhas eram muito escuras e ela vestia uma macacão jeans. Ela tinha o jeito dele Remo, apesar de não parecer com ele fisicamente.

Era tímida, tranquila e inteligente. Pegou os ombros de Remo e sorriu para ele, passando a mão em seu rosto com carinho, como se tivessem ficado separados por anos. Será que ela sabia? Será que ele escondia dela? Ou ela era também e mordeu o próprio filho? Não... Talvez fosse o pai dele.

– Ele é um doce! Mas está tão magrinho, veja só! Eu fiz uma lancheira para ele... – A mãe de Remo olhou a Senhora Potter de um jeito estranho. – Não, oh meu Merlin, por favor, não leve a mal! É que eu fiz tanta comida e... Eu só... Eu...

– Muito obrigada. – sorriu a Senhora Lupin, e a Senhora Potter respirou aliviada. – Eu também estou ao achando muito magro. Vamos, meu amor, pegue a lancheira.

Lupin pegou a enorme cesta de olhos baixos, estava pesado.

– Acho que já vamos.

– Remo, venha aqui mais vezes, eu adorei te conhecer. Ele é tão lindinho. – Sorriu Dorea Potter, balançando-se toda. Irina Lupin sorriu e os dois acenaram para nós antes de aparatarem. A Senhora Potter olhou para mim.

– Você vai dormir aqui, minha estrela? – ela já tinha me dado um apelido.

– Eu? Não, minha mãe já vem. Acho que ela esqueceu as horas.

– Ah, mas eu quero que durma! Vou arrumar o quarto de hospedes, ou você quer dormir com James?

– Meu Deus. – suspirou James.

– Acho melhor com James, e ainda mais que tem espaço. – ela aparatou dentro da própria casa.

– Ela tem mania de fazer isso, desculpe, ela fica assim quando papai viaja, parece uma maluca.

– Eu gostei da sua casa, é diferente da minha. Vou te levar lá e você vai saber do que estou falando.

– Mal posso esperar. – sorriu James.



Notas finais do capítulo

Como eu imagino a casa dos Potter?Uma casa cheia de cores fortes. A proteção da lampada é amarela, as cadeiras são azul rustico e as paredes da cozinha são vermelhas e sempre tem alguma mancha preta em algum lugar que James tentou explodir ou só fez idiotice, como sempre.Sempre que leio histórias sobre os marotos, eu fico doida pra saber como eles descobrem o Lupin, mas eu nunca tive paciência pra chegar até determinada parte. Eu mesma estava louca pra escrever a cena e quando finalmente chegou, eu não sabia o que fazer hahahahaha Eu não acho que seja um par de:"Oh Remo, você é um lobisomem. AH, JÁ SEI, VAMOS VIRAR ANIMAGOS E TE ACOMPANHAR NESSA LOUCA AVENTURA!"Ou um singelo..."Te seguimos até o Salgueiro Lutador e ouvimos gritos. Então deduzimos que você é um lobisomem. Acho que seria legal virarmos animagos pra te fazer companhia."E eu duvido que Aluado apenas disse:"Ok, legal. Vamos pegar os ingredientes."Paciência, vocês vão precisar ter. hahahaha O livro diz que eles levaram quase três anos para conseguir concluir tudo, mas eu duvido que toda a decisão tenha sido prematura. Pela personalidade do Remo, é mais do que claro que ele NÃO aceitou a ideia, no mínimo apenas cedeu aos poucos, afinal, quem aguenta Sirius e James enchendo a paciência?Eles ainda não tem certeza, é só uma ideia. Vai que é só mais um pesadelo do Pedro?Bem, até.