D.N.A Advance: Nova Ordem do Século escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 98
O Poder Pleno de Beelzebumon - Modo Turbo


Notas iniciais do capítulo

Vamos lavar a alma um pouquinho.



Capítulo 98

Paulo acompanhava os outros na tentativa de convencer a população local a acreditar nos digiescolhidos, porém as coisas não estavam nada fáceis para eles pois o povo acreditava mais nas palavras do governador e os soldados aumentavam em número, assim atrapalhando os esforços deles. Mona-sama quem o diga, adorava bater nos soldados e dar vários tiros.

— Paulo, o que foi? — perguntou Linx ao vê-lo parado.

— O meu legacy está vibrando no meu pulso. Parece que está querendo me dizer alguma coisa — ele viu uma luz se intensificar no aparelho.

O rapaz logo se lembrou do que Gennai dissera a respeito daquele legacy e da função dele.

FlashBack On

Dias antes, os digiescolhidos ainda estavam hospedados na casa de Diana e Gaia. Durante aquele dia em que Wesley se recuperava do ferimento causado pelo Chanceler, Paulo aproveitou para sanar uma dúvida a respeito do seu legacy. O jovem abriu uma comunicação com a base secreta.

— Paulo, que bom te ver. Está bem?

— Sim, Gennai. Fiquei com medo, mas o perigo passou. A senhora Diana foi muito boa conosco.

— E como está o Gaia? O marido da Diana?

— Acho que ele está bem. Mas eu te liguei para falar sobre o meu legacy. Quero saber exatamente qual a função dele, porque ainda não tenho o paradeiro do meu verdadeiro parceiro digimon.

— A função do seu legacy? Existem duas funções importantíssimas. Primeiro diz respeito ao seu parceiro. Se vocês se encontrarem, poderão fazer uma digievolução da alma, ou seja, você e seu parceiro formarão um único ser; a segunda função é para ser usada uma única vez. Se Wesley vier a precisar de um impulso de luz, você poderá liberar para que o mesmo absorva e se torne mais forte.

— Mais forte?

— Wesley tem o corpo de um digimon ancestral, ou seja, seu potencial é gigantesco. Mas se ele não controlar sua força oculta, poderá ser tomado pelas trevas e se tornar um demônio. Você está aí para protegê-lo...

FlashBack Off

Paulo mexeu no seu legacy. Estava na hora de usar a segunda função e ver no que dava. A luz saiu imediatamente do aparelho dele e foi na direção da luta principal.

Beelzebumon estava emanando uma aura escura, negra, demoníaca. Seus olhos estavam vermelhos e ele se comportava como um zumbi, como se não tivesse consciência. Djinn ficou observando aquilo com certo desdém.

— Hum? O que é aquilo?

A luz foi direto em Beelzebumon que deu um grito e explodiu tudo ao seu redor. Logo a aura de trevas saiu do seu corpo e ele recuperou a consciência.

— O que está havendo comigo? Eu dormi?

Seu corpo começou a pulsar, ele sentia como sua energia fosse inesgotável. Logo a luz que estava ao seu redor formou uma espécie de bolha branca. Explodiu, iluminando tudo ao seu redor. Djinn ficou de olho naquilo e viu a nova forma de Beelzebumon.

— Ele evoluiu? Impossível!

— Meu corpo!

Beelzebumon estava diferente. Seu corpo parecia ter sido vestido por uma armadura metálica desde seus braços até suas pernas. Ele mais parecia um androide com aquela nova aparência. Suas asas ficaram menores e sua altura ficou um pouco menor.

— Essa energia toda. Até parece que é outra pessoa na minha frente! O que está havendo aqui!

— Essa forma... Sinto-me mais leve. Então essa é a minha forma plena? O Chikara, a luz e a armadura que ganhei de SlashAngemon.

FlashBack On

— O treinamento está despertando seu poder oculto, mas tem um preço. Você corre o risco de perder a consciência se levado ao extremo das suas emoções. Digo isso porque o corpo como Beelzebumon é de um ancestral e soldado do pesadelo.

— Eu posso me tornar mau?

— Não que vai se tornar do mau, mas estará possuído pelas trevas porque seus dados são vírus, e vírus atraí mas a energia escura do que dados e vacina. Mas não se preocupe, tem alguém que vai te salvar disso. Aquele que você tanto salva, será o agente causador do seu verdadeiro poder.

— Paulo?

Oikawa assentiu. Depois daquela pequena explicação, eles retornaram com o treinamento.

FlashBack Off

Ele agora entendia que seu verdadeiro poder havia despertado, e aquela forma mais prática provava isso.

— Hey, não fique convencido só porque se transformou. Continua sendo o mesmo ser inferior, fraco e patético como sempre. Agora acabou a brincadeira. Morra.

Djinn usou a mesma técnica para aumentar e diminuir a temperatura do ar, mas Beelzebumon sequer se incomodava. Ele usou várias vezes, mas sentiu um golpe poderoso na sua barriga, era um soco de Beelzebumon. Logo depois deu um chute no rosto do governador que caiu longe. O vilão se levantou, mas não conseguia ver a presença do outro. Beelzebumon deu uma voadora nas costas dele.

— Você vai pagar por ter feito tanto mau e pela morte do SlashAngemon. Jamais te perdoarei.

— Quem precisa de perdão de um ser inferior... — ele recebeu mais um soco e nem percebeu. — Droga! Você já me deixou irritado. Vou formar outro Big Bang dessa vez mais forte.

Beelzebumon segurou os dois braços de Djinn por trás e o prendeu. O governador não conseguia se soltar daquela posição.

— Você vai morrer nessa ilha, assim como todos os governadores. Um por um irão cair, e você será o primeiro.

— Não fale bobagens! — ele começou a brilhar até explodir. Djinn se afastou de Beelzebumon, voou e formou dezenas de tornados que foram na direção do herói.

Beelzebumon atravessou facilmente os tornados e deu uma cabeçada em Djinn que o fez beijar a lona. O governador já estava cansado e cheio de ferimentos. Ele não estava entendendo como pode o seu rival ter despertado um poder monstruoso.

— O que foi, Lampmon? Está com medo?

— Tolo... — ele subiu na nuvem e foi embora. Beelzebumon foi atrás dele. — Vou destruir Violeta e consequentemente matar todos os seus amigos dah hahahaha! Hã?

— Você não vai fugir — Beelzebumon apareceu diante dele numa velocidade ainda superior. O governador começou a suar frio ao perceber que seu oponente era bem mais poderoso.

— O que vai fazer? Matar meus companheiros junto com o seus súditos? Esqueceu que ainda existem moradores dessa ilha lá em Violeta?

Lampmon ficou completamente transtornado.

A câmera que Ruan mexia finalmente chegou no campo de batalha. Dava para filmar perfeitamente os dois no céu. O rapaz focou em Lampmon, a pedido de Mona-sama.

Lampmon sorriu e fez um desabafo chocante que mudaria o rumo do governo mundial.

— Dah haha e quem disse que estou me importando com esses insetos? Quem disse que quero salvá-los?

Mona ligou o microfone para que toda a ilha pudesse ouvir. Ruan também filmava o que o governador dizia.

Azalea City

"Dah haha e quem disse que estou me importando com esses insetos? Quem disse que quero salvá-los? O povo da ilha Windows não passa de meros capachos e fantoches que eu venho manipulando há anos, e eles acreditam que eu sou o salvador da pátria. Aliás, nós, todos os governadores, achamos todo o povo do governo mundial simples capachos, bonecos de ventríloquos, manipulados! Não passam de uma massa que nós conseguimos manobrar tão fácil quanto roubar doce de criança!"

— Meu Deus o governador enganou a todos nós — disse um morador.

— Será que é ele mesmo que está falando?

— A voz é dele mesmo. Será que fomos enganados todos esse tempo!

A cidade toda ficou agitada.

"Nós manipulamos esses retardados para odiarem os verdadeiros heróis, os digiescolhidos. Eles vivem no conforto enquanto escravizamos, matamos, prendemos e judiamos de digimons lá de baixo. Enquanto sorriam alegres, muitos habitantes do digimundo choravam lágrimas de sangue Dah hahaha. Eles também são uns hipócritas. Para terem a vida de conforto, muitos morreram. Acha mesmo que irei me importar com eles? Assim que essa luta acabar, explodirei a ilha toda e formarei um novo governo. Aliás, as demais ilhas estão do mesmo jeito. Nós governadores mataremos até quem nos admira para alcançar nosso objetivo. Não precisamos desses vermes fracos! DAHHH AHAHAHAHAHAHA"

Os habitantes das três cidades ficaram desesperados com as palavras do governador. A admiração que sentiam por ele caiu por terra.

Monalisa-sama deu uma gargalhada e Ruan trouxe de volta a câmera com o material quente filmado e gravado.

— Você é a pior pessoa que eu já conheci.

— Cale-se! — Beelzebumon iniciou uma séria de golpes no governador. Este caiu no chão todo machucado. — Por que está me batendo assim, Beelzebumon? Tá com raivinha por ter enganado os digiescolhidos ou por ter quase matado teu filhão.

O homem deu um soco no rosto de Djinn.

— Ou porque eu matei aquele inútil? Nunca conseguiu me vencer e agora deu forças para você. Duvido muito que aquele inseto tenha te dado tanta força — levou mais um soco. — Você é irmão do Weiz, não é? Como foi ter virado uma cobaia do próprio irmão? Foi legal?

Beelzebumon formou o canhão da sua mão direita e ficou apontando para ele. Djinn ainda estava ajoelhado. Ele tocou na areia e teve uma ideia.

Depois do pronunciamento de Djinn, a ilha toda ficou agitada. A população tentava arrumar as coisas para saírem imediatamente dela. Começou assim um êxodo na ilha Windows. O problema era que pra sair dali tinha que esperar o portal da fronteira que abre uma vez por dia, no final da tarde. Já estava quase escurecendo e provavelmente o portal iria abrir.

Os soldados não permitiram que os digimons e habitantes da cidade Azalea e das outras duas fugissem. Mesmo com os apelos dos moradores, eles não deixavam.

Andromon conseguiu ficar na vantagem na luta contra Kazejinn. O androide descobriu a fraqueza do gênio, o fogo. Os locais onde Pyrojinn havia queimado serviu como uma barreira para o inimigo não passar.

— Prepare-se — Andromon soltou dois mísseis que atingiu Kazejinn em cheio. O gênio fugiu enquanto ainda tinha forças.

— Parece que não passava de um covarde fraco — disse Andromon.

— Andromon! — disse Ruan. — Pode me levar para onde Mona-sama está?

Kazejinn sentiu as presenças de Djinn e Beelzebumon. Ele logo foi na direção deles.

Djinn estava na mira do canhão de Beelzebumon. Dessa pouca distância era impossível escapar do golpe. Seria muita sorte para ele se pudesse escapar daquilo. Bingo! A sorte chegou. Kazejinn chegou até eles.

— Irmãoooooo, por favoooooooor me ajude.

— Fugiu feito covarde, portanto está deserdado — Djinn soltou um poder e destruiu Kazejinn na mesma hora. — E você mantenha os olhos fechados — ele jogou areia nos olhos de Beelzebumon. Este havia desviado a atenção quando Kazejinn veio.

— Meus olhos...

— Dah hahahaha — Djinn absorveu os dados de Kazejinn que depois virou boneco. — Pensa que eu sou o quê? Um lutador que honra uma boa batalha? Sou feito de ódio e trapaças e faço qualquer coisa suja para vencer uma batalha. Não consegue me enxergar?

Beelzebumon ficou com os olhos fechados. Djinn tentou se aproximar dele sorrateiramente por trás. Não adiantou, o protagonista se virou no mesmo instante e deu um soco na barriga do vilão. Depois fez aparecer o canhão.

— Eu fui treinado para lutar de qualquer maneira. Isso nunca ia me impedir de te derrotar.

— Não... Espera!

Beelzebumon soltou o poderoso raio do seu canhão que atravessou o corpo de Djinn. O governador caiu no chão voltando à sua forma básica e desmaiado. O homem desfez o canhão e foi na direção de Violeta.

...

Fraxus conseguia avançar para mais fundo da pirâmide, derrubando todos os obstáculos que via pela frente seja digimons ou armadilhas. O homem possuía uma força tremenda e conseguia materializar armas bastante poderosas para atacar. Ele era um homem cheio de mistérios. A única coisa curiosa que dava para notar era uma tatuagem de uma teia na altura do ombro e pegando parte do pescoço.

Não durou muito até ele conseguir atravessar uma ponte para o outro lado. Caminhou durante alguns minutos até observar desenhos nas paredes Os desenhos lembravam uma sociedade antiga, assim como o Egito Antigo. Logo após havia uma porta de concreto com pedras preciosas.

— Aqui deve ser o caminho...

Ele destruiu a porta e viu mais uma escada que dava até o fundo. Pronto, conseguiu ir ao último estágio, bem no subsolo. Os desenhos nas paredes não paravam de surgir.

— Ora vejam...

Havia no fundo da pirâmide um terminal ferroviário abandonado. Ali embaixo passava trem.

Derik, Ramona e Meramon estavam num grande salão cheio de pilares. Seres desconhecidos os observavam enquanto eles caminhavam.

— Fiquem atentos. Estamos sendo vigiados por muitos — disse Derik.

— Quem? — perguntou Meramon.

— Acho que por eles — disse Ramona ao ver os seres desconhecidos saírem de trás dos pilares.

Os seres desconhecidos eram na sua maioria cinzas ou pretos, possuíam formas variadas, em especial a de sapos humanoides. Seus olhos eram vermelhos iguais de Devimon e eram criaturas sem identificação aparente. Os três se prepararam. Ramona pegou suas pistolas, Derik o seu bastão e Meramon pronto para queimá-los.

As criaturas avançaram até eles. Começaram a cuspir um líquido na direção deles. Derik percebeu que o líquido, assim que batia em alguma coisa, derretira. Era ácido. O homem chamou atenção para que os três não fossem pegos por aquilo.

Ramona atirava contra eles usando balas tranquilizadoras. As criaturas caíam de uma por uma. Meramon usava seu fogo para espantá-las e Derik usava seu bastão. Uma criatura cuspiu ácido na direção dele, mas o homem usou seu Chikara no bastão e o rodou, usando como escudo.

— São muitas. Perderemos tempo — falou a mulher.

— Tive uma ideia — Derik enfiou o bastão no chão e se afastou. O bastão explodiu, abrindo uma grande cratera e os três caindo dali.

Assim que se recuperaram da queda, eles perceberam que foram parar num local cheio de trilhos. Meramon foi o primeiro a perceber a presença de um trem de carga abandonado perto deles.

Slash e Monodramon desciam a pirâmide. O homem lia um livro enquanto caminhava. O seu parceiro queria saber o que estava lendo.

— Que você tá vendo aí?

— Aqui fala de um digimon ancestral que era o guardião dessa pirâmide. Se ele existe mesmo deve estar no último andar do subsolo.

— Ele é poderoso?

— Aqui dá umas pistas de que o poder dele é de um digimon na fase extrema, mas não dá muitos detalhes. Nem sabemos se ele ainda está vivo.

Fraxus caminhava enquanto segurava o mapa. Ele escutou algo que lembrava o rugido de alguma criatura muito poderosa.

— Ora, ora, será que estou perto do cubo? Aquela criatura deve estar perto.

Ilha Firewall

Gennai foi pessoalmente procurar o núcleo do oceano, e para isso foi até uma ilha peculiar chamada Firewall. Como um verdadeiro escudo, a ilha possuía uma grande muralha que a protegia do mundo externo e contra invasões. Era tudo tão megalomaníaco e exagerado, mas era um simples costume do povo da região. Por dentro das paredes havia uma paradisíaca porção de terra tropical com muitos coqueiros, visitantes e banhistas. Era um local de descanso.

Os moradores vendiam souvenir aos visitantes. Além disso, o local era conhecido por ter hotéis 5 estrelas. Também a ilha não se limitava ao litoral, havia uma floresta mais ao fundo e um planalto onde havia uma grande cidade.

— O senhor precisa de ajuda? — perguntou uma mulher da região. Ela vestia roupas que lembravam uma havaiana.

— Quero falar com o prefeito da ilha. Você o conhece?

— O Senhor Pokuro. Ele vive lá na cidade. Mas ultimamente está ocupado demais para atendê-lo. Ele achou uma joia do oceano bastante rara.

Gennai agradeceu e continuou com a sua caminhada. Não seria fácil conseguir o núcleo do oceano se não chamar a atenção.

Os guardas vigiavam a praia quando um grupo de pessoas correram até eles para avisar que um visitante estava destruindo as barracas de praia. Os homens foram ver. Gennai fingia ser uma pessoa má e assim causou um alvoroço.

— Pare! Melhor parar por aí ou iremos atirar.

Gennai levantou os baços e permitiu ser preso pelos guardas. Ele foi levado até a prisão na cidade por um portal.

O prefeito da cidade, Pokuro II, era um homem alto, gordo, moreno e que vestia uma bermuda de praia com uma camisa floral. Ele trabalhava no seu escritório quando foi chamado pelos policiais. Logo depois foi visitar Gennai na cela da prisão.

— Quem te viu quem te vê. Se não é o próprio Gennai que veio até a minha ilha causar problemas. Sabia que perturbação da ordem pública dá 1 ano de cadeia nesta ilha?

— Tive que chamar atenção para chegar até aqui. Como vai, Pokuro-kun?

— Bem, obrigado. Pelo que você fez pela minha família no passado, não vou te condenar por isso. Você vai sair daqui no primeiro barco que zarpar.

— Não saio desta ilha sem o núcleo do oceano, Pokuro-kun. Preciso desse objeto em meu poder para que as ambições do Chanceler não se concretize. Você sabe que aquele digimon é obstinado.

— Hum... Ele não poderá achar a minha ilha tão facilmente nem penetrar nela.

— Soube que esta ilha é famosa por ter uma arena de luta. Eu teria que lutar para conseguir o objeto?

— A temporada de lutas acabou. Não inventa.

— O que foi, Pokuru-kun? Está com medo de mim? Logo eu que ajudei o seu pai a conquistar esta ilha?

O prefeito da cidade ficou observando o homem por um breve período. Mandou soltá-lo. Assim o levou até o seu gabinete e mostrou o belíssimo núcleo do oceano. O azul era cintilante e parecia que estava vivo dentro da pedra.

— Quero ver se você é bom mesmo ou é só demagogia sua. Lutará com os melhores gladiadores que temos na região.

— Estou preparadíssimo.

...

A luta de Beelzebumon contra Lampmon terminou de maneira surpreendente, mas previsível. O governador não conseguiu bater de frente com o novo poder do herói. O vilão foi humilhado e derrotado mais rápido do que ele imaginava. Foi derrotado por um golpe poderoso e definitivo, porém não foi destruído.

Djinn estava deitado no chão e com o corpo repleto de queimadura. Por um tempo ele estava inconsciente, porém abriu os olhos.

— QUE FODA! — disse Paulo com os olhos brilhando. Ele ficou vendo seu pai com a nova forma. — Ficou daora!

— Como conseguiu essa forma, papai? — perguntou Lúcia.

— Acho que com a ajuda do Paulo. O que importa é que eu derrotei definitivamente Lampmon. Precisamos agora tirar esses digimons da ilha.

— Estava pensando exatamente nisso, mas aqueles porras não dão brechas — disse Mona-sama.

Os soldados cercaram todos eles na cidade. A coisa estava feia, porém uma multidão se formou em volta dos soldados. A população inteira da cidade estava disposta a lutar contra os homens do governador.

— Deixem os digiescolhidos em paz. Eles são os verdadeiros heróis deste mundo!

— Se forem bater neles terão que passar por nós!

— Não vamos mais ser enganados por esse falso líder!

A turba tomou conta.

Os digiescolhidos ajudaram a população. Andromon, Lilimon, Woodmon e Geogreymon ajudaram na luta contra os soldados.

— Precisamos abrir um portal imediatamente para tirar todos os habitantes — disse Linx.

— Mia, você está bem?

— Paulo, ela vai ficar bem. Apenas se afogou um pouco, mas está melhor.

— Meu Deus, eu devia ter cuidado melhor de você.

— Paulo, eu... ainda não gosto de você!

Paulo caiu no chão com aquela afirmação.

Beelzebumon estava pronto para ajudar os demais quando sentiu um poder tremendo vindo de fora da cidade. Todos olharam para trás e viram no céu algo escuro, que tampava o céu da tarde. Beelzebumon aumentou a sua visão e enxergou um ponto verde. Aumentou mais ainda e viu Lampmon com os braços para cima.

— Não pode ser! Ele ainda está vivo... O quê? O que ele está fazendo?!
— Não me diga que... Estamos lascados. Tem certeza que acabou definitivamente com ele? — disse Mona.

Lampmon aproveitou a distração de todos para acumular a energia dos ventos, formando uma esfera do TAMANHO DA ILHA. Todos ficaram olhando com temor, até mesmo quem estava fora conseguia se impressionar com a grandeza do poder.

— Dahh ahaha se eu não posso ganhar essa luta, não haverá mais nenhum vencedor. Vou explodir tudo com meu golpe definitivo. O Big Bang F7. DAHAHAHA AHAHAHAHAHAHA!

Continua...



Notas finais do capítulo

Quem gostou do capítulo comenta, favorita e ajude a fanfic divulgando-a. Será de muita ajuda para mim.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "D.N.A Advance: Nova Ordem do Século" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.