D.N.A Advance: Nova Ordem do Século escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 74
O Chanceler


Notas iniciais do capítulo

O Chanceler é do mal;

O Chanceler é poderoso;

O Chanceler é pop, cult;

O Chanceler é um ídolo teen;

O Chanceler é amado por seus fãs e odiado por seus inimigos;

O Chanceler é o Justin Bieber do digimundo.

Ele resolve as paradas..



Cidade Work

Uma das cidades mais industrializadas da região leste do continente Sarva ganhou notoriedade por parte das autoridades pró-governo pois ficava perto de uma mina de diamante. Cerca de mais de cinquenta mil habitantes, digimons e programas, viviam tranquilamente. As casas bem construídas com tijolos e pedras, e também alguns prédios com no máximo quatro andares. O lugar lembrava um pouco Paris, pois havia um rio cortando a cidade em dois.

Os digimons fizeram protestos com cartazes contra o governo do Chanceler e ainda saíram para brigar com os soldados vindos para expulsar os moradores. Ninguém arredou o pé. O líder da região era também o mais forte dos digimons. Ele conseguiu derrotar muitos soldados e até abater as naves da tropa.

O líder chamava-se Shurimon Black e era um samurai. Como todo herói, não deixaria seus amigos e outros inocentes a mercê da violência que foi a entrada da tropa naquela região. Ele quis lutar até o fim.

O terceiro lacaio de Chanceler, além dos já conhecidos Wisemon e NeoDevimon, era uma belíssima Sanzomon. Esta delicada mulher parecia uma monge com uma coroa, roupas esvoaçantes e um rosário nas mãos. Estava sentada sobre um Unimon, mas lá no céu onde não era alcançada pelas shurikens do inimigo.

A encarregada voltou para uma nave junto com o seu cavalo alado e foi informar o ocorrido para NeoDevimon.

─ Pode falar, Sanzomon. Aqui quem fala é o Neo.

─ Os resistentes estão acabando com as tropas. Sinceramente, trazer comigo apenas cinquenta homens foi um ato impensado do mestre. Avise-o que estamos perdendo contingente pois há muitos moradores revoltados e jogando poderes nas nossas máquinas. Avise também que existem uns digimons guerreiros, mas esses eu dou conta.

─ Avisarei, mas não agora. O mestre está dando um discurso de um programa social que ele fez. Depois eu falo.

─ Okay.

─ Chefa Sanzomon, chefa Sanzomon ─ disse um Evilmon que trabalhava na nave.

─ O que foi, criatura?

─ Chegou mais um para defender a cidade. Um SkullMeramon.

─ Mais insetos. Quando eles vão aprender que não podem competir com o nosso governo? Formigas dando trabalho a um dinossauro.

...

CAPÍTULO 74

Palácio de Gelo

NeoDevimon levou os visitantes até a saída e agradeceu. Depois foi até o salão onde o seu mestre ficava.

─ Mestre, dessa vez eles quase o sufocaram.

─ Nem me fale. Digimons imundos. Eu tive que me agarrar com esses pobretões, até quando vou ter que aturar isso?

─ Até o senhor derrotar os digiescolhidos.

─ Não preciso nem me mover, os governadores se encarregarão disso e tem ainda o Wisemon. A estúpida da repórter me perguntou se eu ia usar força bruta contra aquelas pestes. Mas é claro... que sim ─ Chanceler fez um olhar maligno e um sorriso que até assustou seu lacaio. ─ Preciso tomar um banho para tirar esse odor de populacho. Quem me incomodar será morto imediatamente.

─ Ma-mas mestre Stra...

─ Se ousar falar o meu nome, juro que vou comer você no jantar.

NeoDevimon ficou tremendo de medo.

─ O que você quer me falar. Fala logo.

─ Mestre... é sobre a zona leste do digimundo. As nossas tropas estão sendo atacadas pela população local. Deve haver guerreiros poderosos naquela região.

─ Por que você não me contou isso antes?

─ De-desculpa, mestre! O senhor estava muito ocupado.

─ Avise às tropas que eu irei pessoalmente até aquela zona. Quero ver esses grandes guerreiros. Você vem comigo, prepare o meu pégaso. Aquelas formigas do andar de baixo tem que saber do que eu sou capaz. Enquanto isso tomarei o meu banho.

─ Sim, mestre.

Chanceler caminhou para o andar superior do seu palácio. Um ser extremamente ambíguo e que não media esforços para enganar a população das ilhas e conquistar a população do digimundo.

─ Agora um momento só pra mim... Hoop! ─ retirou sua capa, roupas e ficou apenas com uma calça cinza com vários acessórios. Jogou-se numa enorme banheira que mais parecia uma piscina do que banheira. Ficou lá, sossegado.

NeoDevimon foi para o lado de trás do palácio onde havia um local em que o Chanceler guardava a sua coleção de carros, motos, a nave dele e o seu alazão que era um Unimon com asas douradas. Ele tinha um ciume doentio desse digimon. O lacaio preparou a nave e mandou os demais empregados para fazê-la funcionar, pois o Mestre ia viajar com aquilo.

Depois de minutos a fio dormindo na banheira, ele acordou disposto. Disposto até demais. Retirou-se do banheiro e foi se arrumar. Desceu para ir direto à nave. Mas antes seu estômago roncou. O mordomo, um programa em forma de um idoso, serviu seu patrão com comida farta. Era peru assado, porco, peixes, frutos do mar, frutos, leguminosas, sucos naturais, bolos, tortas, torradas, leite e queijo, scargot, caviar, espumantes, vinhos, licor de dados, água natural e por aí vai.

─ Olha só para esta mesa. Que mesa farta. Parabéns, Norman.

─ Senhor. Sempre quero agradá-lo.

─ Eu nem sei por onde começar. Comida demais deixa-nos indecisos.

A mesa do palácio era uma joia raríssima. Feita a partir de cascos de Zudomons. A coloração lembrava muito o marfim dos elefantes.

Chanceler comeu de tudo e mais um pouco.

─ Terei que matar algumas baratas daqui a pouco e preciso estar disposto. Não é fácil conviver com digimons pobres. Gente de quinta categoria, zé povinho que come muito salame, pão com ovo e mortadela. Têm mais é que serem enganados.

─ Se o senhor acha...

─ Eu não acho, tenho certeza. Um bando de parasitas que gostam de sugar o meu dinheiro. Sabe como é, os mortos de fome, imbecis, pobretões, analfabetos, querem mamar à minha custa? De jeito nenhum. Verás, caro Norman, depois que eu e os governadores derrotarmos os digiescolhidos, vamos implantar uma ditadura universal no digimundo. O Imperador está louco para sancionar essa lei que eu estou criando. Será crime hediondo defender, receber em casa ou mencionar os digiescolhidos. Um crime com pena de morte.

Norman, de olhos fechados, apenas ouvia o seu patrão.

O lobo, trajado de líder, levantou-se da mesa. Saiu para os fundos do palácio onde Neo já o aguardava. Ele subiu a bordo da nave e pediu para os pilotos partirem. A nave era muito parecida com um besouro escaravelho dourado. Levantou voo e saiu numa velocidade altíssima.

Sanzomon finalmente conseguiu enxergar a vinda do Chanceler. A nave dele era bem maior que a de Sanzomon. Do alto da nave mãe, abriu-se o teto para dar passagem a dois Unimons com o líder e Neo montados. Os cavalos voaram até a outra nave.

─ Mestre ─ disse Sanzomon. ─ Ainda bem que o senhor veio.

─ Não posso acreditar que nem mesmo cinquenta homens foram suficientes. São um bando de frouxos isso sim ─ disse ele não alterando nem a voz nem a expressão. Mantinha-se calmo e sereno. Porém, mesmo assim Sanzomon ficou com muto medo.

─ Perdoe-nos, grande Chanceler. Infelizmente encontramos certos sujeitos que estão atrapalhando a nossa missão.

─ Esta região será boa pra mim, porém não é a cidade que eu me interesso. Há bilhões e bilhões de Zenis naquelas minas. Preciso varrer essa cidade e construir uma instalação aqui. Agora vamos ver quem são esses obstáculos.

Os três saíram montados em seus unimons. As tropas, digimons máquinas etc, ficaram em guarda numa rua bastante larga. Era onde acontecia a batalha. A tropa ficou parada e fizeram uma espécie de “corredor” no meio deles para a passagem dos três. NeoDevimon e Sanzomon foram os primeiros a chegar.

─ Cadê o dono dos bois? Chama o Chanceler porque queremos lutar com ele ─ disse o Shurimon.

─ É verdade, queremos derrotá-lo com as nossas próprias mãos ─ disse um WereGarurumon.

─ Como é que é, seus insolentes?! Meçam as palavras ao falar do Chanceler ─ disse Neo.

Passado algum tempo naquele bate boca, finalmente o líder decidiu encará-los de frente.

─ Estou aqui ─ disse ele andando com seu unimon até a frente. ─ Por que querem que eu lute com vocês?

─ Então essa é a verdadeira face do famigerado Chanceler! Aquele que paga de bom moço nas zonas e que mata milhares no resto do mundo ─ disse Were.

─ Ele está falando de mim. Ele não está falando de mim, está?

─ Não senhor ─ respondeu a cínica da Sanzomon.

─ Eu não sou mau. Só quero trazer para vocês um governo melhor. Um governo de igualdades sociais. Preciso muito desta cidade pra construir um complexo que irá dar emprego a muitos. Juro que indenizarei a todos.

─ Para de falar besteira, seu safado. Vem pra luta, canalha! ─ disse Were.

─ Ah, estou vendo que não há diálogo com essa gente. Há diálogo com animais, Neo?

─ Não senhor.

─ Não há nem que chovesse canivete. Por isso que gosto de dar uma limpeza por esta região porque há ainda lixo sobrando. Mas tudo bem, vou acatar o seu gosto e vamos lutar ─ ele desceu do cavalo. ─ Você é muito grande pra mim, mas eu posso dizer a você que consigo dar conta. Aliás quanto de poder de dados essas três criaturas têm?

Sanzomon tinha uma máquina portátil que media a força alheia.

─ Weregarurumon tem 90 mil, SkullMeramon 75 mil e Shurimon com 120 mil.

─ Nossa, vocês são muito fortes. Todos os três no nível da perfeição. Que pena que tenho que matá-los pois seriam meus mais fortes soldados. Mesmo assim pegarei leve. Meu nível de poder está em torno de 50 mil e é o mínimo que eu posso chegar. Se quiserem podem me atacar de uma só vez ou separados. Façam do melhor jeito para vocês.

─ Ele não parece grande coisa ─ disse Shurimon.

─ Tenho até pena dele ─ disse SkullMeramon.

─ Entendi. Vocês acham que sou fraco suficiente a ponto de não derrotá-los. Pois bem, vou mostrar a minha verdadeira forma ─ Chanceler se concentrou e começou a mudar de forma. Agora estava despido da cintura, usava uma calça cinza quase branca com muitos cintos amarrados perto dos joelhos; suas luvas agora tinha garras idênticas a de um Beelzebumon e nos pés as botas deram lugar as patas com garras. Parecia um pequeno lobisomem em forma criança. ─ Esta é a minha verdadeira forma. Ah e meu nome verdadeiro, sintam-se honrado, é Strabimon.

Strabimon começou a fazer flexões de todos os tipos. Ele era bem menor que seus três oponentes e ainda estava na forma criança. Será que ele tinha tanto potencial assim?

─ Mestre Strabimon pode parecer inofensivo, mas não é ─ disse NeoDevimon.

─ Com certeza. Olhando-o assim ninguém diria que ele é extremamente poderoso ─ disse Senzomon.

─ Vamos. Quem será o primeiro?

SkullMeramon foi o primeiro. Ele começou a aumentar as suas chamas e a ficar mais quente. Os soldados e digimons se afastaram, exceto o Chanceler.

─ Vai se arrepender de ter nascido, Chanceler ─ ele lançou a corrente dele na direção do menor. ─ Acertei? O quê? Não pode ser!

Strabimon segurou a corrente com apenas uma mão e sem sair do lugar. Mesmo ela sendo bem grossa e com a temperatura de quase 1000 graus, o pequeno ser não aparentava fazer esforço ou dor alguma. SkullMeramon deixou a corrente vermelha de tão quente, mas nada do Chanceler largá-la. Ele começou a puxá-la, mas o digimau tinha uma força absurda e não saía do lugar.

─ Impossível. Ele sequer se mexe!

─ Falei pra você que sou muito forte. Agora me cansei de lutar com um ser tão inferior ─ ele encostou o dedo na corrente e ela começou a virar dados até atingir SkullMeramon.

─ Não! Como ele fez isso? Meu corpo está se desintegrando...

Ele explodiu em dados. Os outros dois ficaram chocados com o poder tremendo do menor. Shurimon não se abalou com a morte do companheiro e partiu pra cima do inimigo. Jogou várias de suas Shurikens na direção do outro. O vilão parou todas apenas com o seu poder da mente e as atirou na direção do ninja. Este foi acertado pelos objetos. Caiu morto e virou dados.

─ Então sobrou o falador. Vamos lutar com dignidade.

─ Cala a boca! ─ disse WereGarurumon.

Com os seus punhos fechados ele começou a socar a cara de Strabimon sem parar. O menor lançou um sorriso.

─ Esse é todo o seu poder? E ainda dei minha cara para você bater. Mas eu não senti nem cócegas. Lamentável. Agora é a minha vez de agir.

Strabimon usou a extrema velocidade para alcançar o pescoço de Were. Este se ajoelhou pois não tinha forças para parar o inimigo. O vilão se divertia com a dor alheia.

─ Estão vendo, cavalheiros? Eis a derrocada de um inseto.

Um raio vermelho saiu dos seus olhos e atravessou o coração de Were. Este virou dados na mesma hora.

NeoDevimon e Sanzomon ficaram assombrados com o poder do seu mestre. Mesmo no nível criança, ele era muito mais forte que até mesmo digimons de nível mega.

─ Escutem, soldados, afastem-se todos da cidade. Bater em retirada de pelo menos 2 quilômetros. Vocês dois, avisem a todos os meus soldados para saírem.

─ Mestre, não me diga que vai fazer aquilo? ─ perguntou Neo.

─ Claro que sim. Aqui precisa-se de uma varrida. Há muito lixo. Vamos.

Strabimon e seus lacaios levantaram voo com os Unimons. Naves, soldados, máquinas se afastaram ao máximo da cidade. Os habitantes de Work viram todos saírem e começaram a comemorar pois achavam que o exército havia se rendido. Ledo engano.

─ Olha só! Eles estão comemorando. Dá até pena de insetos como eles. Por favor,  afastem-se.

Chanceler montado em seu pégaso estava acima das nuvens. Seus olhos brilharam, levantou os braços. Uma bola de energia começou a ser formada. O objeto circular era branco e dele saíam raios e eletricidade. Logo a bola foi ficando maior e maior até ter um diâmetro de mais ou menos cinquenta metros. Strabimon deixou o objeto flutuando no ar e se distanciou o máximo que podia. Com o seu poder telecinético, ele moveu a bola em direção à cidade.

─ ESFERA DE TZAR!

A bola de energia caiu de uma altura de dez mil metros. Os habitantes viram o enorme objeto na direção deles e logo correram com medo. Não deu tempo. Antes de encostar no chão, a Esfera de Tzar explodiu. Uma mega explosão aconteceu. O poder gerado pelo impacto era o mesmo de dez bombas atômicas de Hiroshima. Todos os cinquenta mil moradores foram reduzidos a pó em um segundo. Houve um enorme cogumelo de fumaça que foi acima de 10km de altitude. O clarão impedia ver claramente a explosão. A grande onda de choque se estendeu quilômetros do epicentro. Ocorreu até um terremoto que foi sentido até de muito longe.

─ Olhem só, cavalheiros! Olhem a maravilha desta explosão. Quanta pirotecnia. Uma verdadeira obra de arte!

A cidade ficou completamente varrida do mapa. Não sobrou nada.

─ Acho que peguei pesado demais. Coitados. Coitados dos meus soldados que vão ter um trabalho para retirar esses escombros.

...

O tremor foi sentido até mesmo na base secreta onde ficava Gennai e cia. As instalações tremeram por alguns minutos. O homem pediu para ver o que havia acontecido. Câmeras que ficavam perto da cidade Work captaram a imensa coluna de fumaça.

─ O que foi isso? Como pode uma bomba ter feito algo assim?

A câmera focou nos personagens que estavam no céu. Logo deram um zoom e viram o Chanceler. Gennai suou ao ver o maior vilão do digimundo logo ali.

─ Não pode ser. O maldito conseguiu destruir uma cidade média num piscar de olhos. Mas como?

...

Horas depois, Strabimon chegou no seu palácio. O digimon ainda estava na sua forma original, ou seja, sem uniforme e apenas de calça. Norman perguntou o que ele queria e o digimon respondeu que um almoço farto. O mordomo falou que havia uma visita o esperando no salão principal.

Blizzard Daregon estava sentado no trono quando Strabimon chegou. O homem quis tirar algumas dúvidas a respeito da fuga de outro digimon.

─ O que quer?

─ Respostas. Quero saber se você tem conhecimento sobre a fuga de Astamon da zona oito. Nem mesmo o Megido me ajudou a entender essa falha na segurança.

─ Eu soube sim ─ Strabimon ficou sentado no chão. ─ Mas esse é um assunto que não me diz respeito. A ilha em que ele estava preso não faz parte dos meus domínios. Se isso foi um fracasso, quem fracassou foi Megido.

─ Astamon se soltou para causar confusão com todos nós. Não posso acreditar nisso. Outra coisa, o Imperador logo quer falar com você. Em breve ele entrará em contato.

─ Veio só pra isso? E sobre o seu irmãozinho Beelzebumon?

─ Não te interessa ─ Blizzard ativou um mecanismo do seu aparelho que o fez desaparecer.

Strabimon se deitou no chão de gelo e ficou lá por um bom tempo aproveitando a moleza de ter uma vida privilegiada à custa do sofrimento alheio. Retirou o celular do bolso da calça e começou a tirar selfies e postar nas redes sociais do digimundo. Em 1 minuto ganhou mais de dez mil likes.



Notas finais do capítulo

Viram aí o que aguarda os digiescolhidos? Simplesmente foda e nada mais. Eu fiz o Chanceler um herói para alguns e vilão para outros, mas ele é vilão mesmo.

Próximo capítulo: Paulo e os outros finalmente conseguem descer na ilha Comic. Conseguirão eles resgatar Ruan e Hagurumon?



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "D.N.A Advance: Nova Ordem do Século" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.