D.N.A Advance: Nova Ordem do Século escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 69
15 de fevereiro - Parte VI


Notas iniciais do capítulo

ANTEPENÚLTIMO CAPÍTULO DA SAGA


Falta pouco para terminar essa temporada. Ainda bem que eu já tenho esboço do último capítulo porque sinceramente eu estou começando a ficar sem paciência com a temporada kkkk Sério. 30 capítulos e já está me dando osmose na cabeça. Sorte de vocês que tá terminando.



Os olhos de Lúcifer, o anjo caído. Aquele que é o anticristo, que é o que pretende dominar o planeta para o mal. Aquele que muitos temem por ser o causador de tanta praga mundial. Alguns líderes mundiais causaram genocídios, mas ele pretende instaurar uma nova sociedade daqueles que realmente devem sobreviver.

Os olhos vermelhos logo ficaram azuis, calmos, serenos, aparentemente sem um pingo de maldade. O garotinho loiro com asas sobrevoava aquele espaço enquanto era admirado pelos outros.

Os olhos de Naomi percorreram todo o corpo dele, coberto naquele manto branco. Lúcia ficou chocada ao ver que era uma cópia fiel ao seu parceiro. Contudo, todos ali naquela sala sentiram calafrios quando viram o ser descer e atingir o chão. Ele era pequeno, do tamanho de uma criança com seus 7 ou 8 anos de idade. O pequeno sorriu e começou a se tocar.

─ Finalmente, depois de tantos anos de sacrifícios, eu consegui o que quis ─ disse ele numa voz bem fina. ─ O meu corpo cheira a jovialidade, sinto que dentro de mim bomba uma energia tão poderosa que uma bomba atômica e não perdi minha sanidade.

─ Parabéns, senhor Matsunaga. Agora está na hora de prosseguir com o plano 2. A sua ida ao digimundo finalmente.

Disse Weiz indo até um computador próprio para abrir um portal para o agora digimon passar. Naomi ficou espantada com a nova aparência do seu avô. O menino leu a mente pela primeira vez dela e foi até ela sobrevoando.

─ Querida, ainda sou eu. Você se tornou um problema para mim mas ainda a amo como se fosse a minha neta de sangue.

─ Por que fez tudo isso?

─ Porque a minha vez de mudar o mundo chegou. Em breve nos encontraremos, talvez até o amanhecer deste mundo. O tempo no digimundo passa rápido demais comparado com o nosso cronos.

Weiz ajeitava o portal quando Lady B. lhe aparece dando a má notícia. Ela não conseguiu matar Paulo, pois a chegada precoce de Beelzebumon havia estragado tudo.

─ Maldito. Mas eu tenho um plano muito melhor. Aguardem-me.

─ Lady B, minha criança, você vem comigo para o digimundo. Preciso de um braço direito. Antes, porém, quero dizer que eu estava escondendo algo a sete chaves. Um outro híbrido que vocês vão gostar de ver.

Do chão surgiu um cilindro menor contendo uma criaturinha parecida com um morceguinho fofo dormindo com correntes pelo corpo.

─ Olhem para essa belezura. Em termos técnicos chama-se projeto D-49. Mas resolvi carinhosamente apelidá-lo de Belphemon por causa do demônio Belphegor. Sou muito simbolista.

Ele foi para perto de Lucas que estava desmaiado na cabine.

─ Não morreu, incrível. Ele tem muita disposição de viver. Realmente virou um ser humano. Adeus, meu jovem.

Matsunaga pediu a Lady para segurar o projeto D-49 nas mãos. Weiz preparou o portal para eles passarem. Naomi viu seu avô ir embora para uma nova vida. Aquele pesadelo começaria definitivamente para os digimons.

O subsolo da Genetech começou a tremer. A explosão do lado de fora havia danificado os pilares mais fortes do laboratório. Weiz foi até o segurança que vigiava Lúcia e pediu para que o acompanhasse com a garota. Os três saíram dali.

─ Me solta! ─ dizia ela em meio aos berros.

─ Vamos lá, doçura. Vamos fazer um passeio em família. Müller, as duas são todas suas.

Weiz saiu deixando apenas as duas moças, o alemão, B.Tailmon, Lucas e Strong. O estrangeiro ficou feliz por ficar a só com seus dois amores.

Do lado de fora, Ken e TK abordaram um segurança e o obrigaram a dar passagem ao subsolo. O policial, claro, sempre apontando a sua pistola para o capanga. O homem abriu a passagem dos fundos e foi até os níveis mais abaixo. Depois disso, Ken deu uma coronhada nele fazendo-o desmaiar, pois já estava com o cartão de acesso.

...

Beelzebumon se preparou para entrar na Genetech e salvar Lúcia e Lucas, porém, entre a fumaça da explosão, surgiu a silhueta de quem menos esperava. Nabucodonomon caminhou para perto dos invasores.

─ Melhor vocês se afastarem daqui. Essa luta é minha ─ disse ele. ─ Slash, leve-os para dentro enquanto eu me acerto com aquele.

─ Vamos, rapazes.

Eles correram na direção da entrada da Genetech.

─ Como ousa perturbar Márcia daquele jeito?

─ Fiz o que fiz. Por mim eu teria matado ela ali mesmo. Pena que Weiz não quis e acabou pagando por isso no final, afinal o seu filho continua vivo.

Os dois ficaram por alguns momentos se encarando.

Slash, os três meninos e os digimons correram para entrar na Genetech. O local era realmente muito bonito, Aiko teve a oportunidade de conhecer melhor o local já que da última vez em que esteve ali foi muito rápido.

─ Pronto, vamos pegar um dos elevadores do corredor da esquerda. Vamos ─ disse o mais velho.

Weiz, Lúcia e o segurança subiram até chegarem ao térreo. Assim que saíram ficaram de frente para os visitantes.

─ Seu filho da mãe! ─ disse Paulo correndo até ele. Slash foi atrás do adolescente e o agarrou por trás. ─ Me solta, Slash!

─ Não pode fazer isso, Paulinho. Olha os seus modos. Quanta falta de respeito, eu sou o seu tio de sangue. Você tem que me respeitar como deve ser nas boas famílias.

─ Seu hipócrita, cala a boca. Paulo, eu te segurei porque esse doente deve estar usando um campo de força. Ele não teria esse peito de aço sem um escudo. Se você tocasse com certeza levaria algum choque.

─ É isso mesmo, acertou.

Enquanto isso no lado de fora, Beelzebumon deu um soco violento no rosto de Nabucodonomon que foi parar longe. Os dois estavam sobrevoando a lagoa ao lado da empresa. O vilão desapareceu e apareceu logo atrás do herói, deu um chute nele, Beelzebumon caiu dentro do lago. O digimau desceu também os dois estavam submersos. Nabu quis afogar o seu adversário levando-o para mais ao fundo. Por alguns momentos, Beelz ficou na pior, prendendo a respiração e quase sendo enforcado. Foi quando ele soltou um raio laser triplo dos seus olhos para afastar o seu adversário. Este subiu rápido para a superfície.

─ Sabe o que eu acho, querido Paulo. O seu pai tinha que morrer para me satisfazer. Como sou sádico, prefiro não matá-lo ainda. Prefiro fazê-lo sofrer.

─ Foi assim mesmo que fez quando tentou matá-lo quando criança. Transformou-o em digimon privando a minha convivência com ele. Depois contratou o Leo para nos separar. Eu te pergunto, Weiz ou Blizzard Daregon, você não teve família?

─ Chantagem emocional, garoto. Wesley conseguiu arruinar a minha vida, conseguiu ser o filho da patroa, conseguiu promoção mais rápido que eu. Eu sou extremamente inteligente, mas como papai era amigo dos diretores daquele medíocre laboratório de Toronto, conseguiram um nepotismo para ele. E pra mim?! Não importava se eu fosse o gênio e ele não, eu era apenas o rapaz de classe média e ele o principezinho da sociedade. Eu quis mais, Paulo. Eu quis provar para mim mesmo que eu era capaz.

─ Olha só o que você está falando, Weiz. Matar uma criança inocente ia te satisfazer? ─ diz Paulo.

─ Não, matar o meu meio irmão ia me satisfazer. Uma apunhalada no peito daquele bebezinho iria solucionar todos os meus problemas. O seu salvador aí foi quem salvou o querido bebê e voltou para o passado. Se dependesse de mim eu mataria aquele recém-nascido sim, com uma facada sim, sem dó nem piedade.

─ Cretino! ─ falou Lúcia.

─ Tampe a boca dessa vadiazinha.

─ Sim senhor.

─ Aprendi com o tempo que a morte não é a solução. Infelizmente nunca mais poderei voltar para a minha casa no futuro, por isso se eu matasse Wesley não acabaria com a minha sina. O jeito foi transformá-lo em digimon. A máquina que foi feita para transformá-lo é a mesma que o meu chefe usou e que os europeus roubaram a ideia há vinte anos. A minha sina é a sina do seu pai e isso nunca vai acabar.

Beelzebumon agarrou Nabu pelas costas e o jogou no chão. Agora ele esfregava a cara do outro na grama afundando-a na terra. O vilão deu cabeçadas para trás desvencilhando do outro. Ele fez surgir sua metralhadora giratória do braço direito.

─ Se não fosse pelo infeliz aí ao seu lado, nada disso estaria acontecendo, nada disso teria se concretizado. O sofrimento que as pessoas ao seu redor estão passando nunca aconteceria ─ continuou o vilão.

─ Cala a boca, seu miserável. Se eu não tivesse salvo o bebê Wesley o Paulo nunca teria nascido e seus crimes ficariam impunes ─ respondeu Slash.

─ Hum, será?

...

As coisas no subsolo também estavam esquentando. Naomi e Kari não conseguiam sair da mira de Müller que resolveu fazer joguinhos com as duas. Além dele havia um outro segurança. Strong acordou depois do tiro que havia levado, não estava morto. O homem viu um caco pontiagudo de vidro no chão e o pegou. Logo depois chegou por trás do segurança e o apunhalou no ombro. Müller se distraiu por alguns segundos, tempo suficiente para Kari correr pra cima dele a fim de tentar tirar a arma dele. Claro que num combate corpo a corpo o homem levou a vantagem e conseguiu dar um soco na cara da digiescolhida depois a segurou pelos cabelos e a arrastou.

─ Quis me rejeitar, doçura, agora vai aguentar as consequências ─ ele deu um tapa nela. Em seguida a segurou pelo pescoço e encostou na parede. ─ Eu sempre quiser ter esse sua corpinho gostosinho Kari. Por que me rejeitar daquele jeito, sua vagabunda?

─ Por favor, Müller, não faça isso.

─ Não, eu te matar agora. O professor Takeru não vai poder te salvar do seu destino cruel. Agora não importar mais... Por que me rejeitou, Kari, por quê? Quais são as suas últimas palavras?

─ Vá se ferrar. Eu nunca vou ser sua, seu nojento!

Müller passou a língua pela bochecha dela.

─ Resposta errada ─ apontou a arma para a cabeça dela. ─ Auf Wiedersehen, meine Liebe.

No momento em que o alemão ia atirar nela, Naomi deu quatro disparos nas costas dele. Ektor caiu petrificado no chão, banhado em sangue. Sua jornada macabra terminava ali. Ele olhou para trás e apenas viu Naomi segurar a arma para depois morrer.

─ Obrigada.

─ Não me agradeça, queridinha. Ainda somos inimigas mortais. Apenas acabei com esse desgraçado porque já estava ficando farta dele ─ ela largou a arma.

─ Kari! Kari, você está bem?

─ Oh, TK!

TK correu na direção de Kari e deu um abraço nela. Tailmon e Patamon também foram.

─ Naomi? O que ela faz aqui?

─ Querido, aconteceram muitas coisas aqui.

Ken correu em direção ao doutor Strong que estava sentado sendo vigiado por BlackTailmon.

─ Quem são esses? ─ perguntou Wormmon.

─ Provavelmente vítimas. O senhor está bem.

─ Sim, estou. Precisamos sair todos daqui.

─ Ei, por favor, me ajuda a abrir esse domo. Tem uma criança desmaiada ali dentro ─ disse Naomi.

Ken correu até ela. O homem retirou a sua pistola e começou a atirar contra o vidro, depois segurou Lucas nos braços e o retirou dali.

─ TK, preciso que ajude a levar esse senhor daqui. Eu levo esta criança. Parece que mais ninguém sobreviveu aqui embaixo e o teto está quase desabando nas nossas cabeças. Vamos agora!

Enquanto isso no hospital, Tominaga apareceu para dar uma força a Yuuko que estava cuidando do seu filho que havia levado um tiro. A mulher pediu companhia para ir à lanchonete do hospital, as duas sentaram numa mesa enquanto aguardavam os pedidos chegarem. Conversa vai, conversa vem, a senhora Kamiya revelou toda a verdade para a melhor amiga da sua filha mais nova.

─ Não, não pode ser. Naomi e Kari são irmãs? Como assim?

─ Descobri há pouco tempo.

─ A Kari já sabe?

─ Não, por isso as duas ainda se odeiam. Izanami, preciso que mantenha segredo sobre elas. Eu peço que ainda não conte nem pra uma nem pra outra. Eu terei o prazer de fazer isso eu mesma.

─ Certo, senhora.

Voltando à Genetech, os homens e mulheres que estavam no subsolo conseguiram subir de volta ao térreo pelos fundos do laboratório.

─ Preciso chamar uma ambulância para atender a esse senhor e a criança.

─ Seu policial, o garoto é totalmente minha responsabilidade. Deixa que eu o levo para a mãe dele. Ela me conhece.

─ Ele precisa de uma ambulância.

─ Ele é um digimon.

─ O quê?

─ Ele é um digimon em forma humana. Kari viu. Os médicos ficarão confuso...

─ Mesmo assim ele precisa de ajuda médica. Está desmaiado. TK, ligue para a emergência.

Eles presenciaram por um breve instante a luta de Beelzebumon e Nabucodonomon.

Weiz ainda conversava com o sobrinho e os outros que ainda estavam ali.

─ Maldito! Você não vai conseguir o que quer.

─ Vadia filha, cala a boca! Se não vai calar por bem, eu a faço.

─ Seu maldito! O que vai fazer com ela?

─ Aguarde e verá, Paulinho.

Weiz retirou uma seringa do bolso da calça e enfiou no braço de Lúcia. A garota foi perdendo a consciência aos poucos.

─ Nada melhor que um sedativo para quem fala demais.

Todos se assustaram quando o térreo foi alvejado por tiros disparados por Nabucodonomon. Beelzebumon conseguiu imobilizá-lo ficando por cima do rival.

─ Meu chapa, só existe um Beelzebumon nessa história e sou eu ─ disse ele dando uma cabeçada. ─ Não vou te soltar enquanto não ouvir. Fracote, eu sou muito mais forte e você não passa de um clone mal feito de mim. Isso é por todo o mal que já causou a mim e a minha família.

Beelzebumon começou a socar a cara dele repetidas vezes até Nabucodonomon desmaiar ali no chão mesmo. O pai de Paulo se levantou e foi ver o que estava acontecendo. Quando viu Weiz com a sua filha, correu até ele. O campo de força descarregou um choque elétrico fazendo-o cair metros dali.

─ Pai! Você está bem?

─ Levei um choque. Droga, o que você vai fazer com a Lúcia?

─ Com ela nada, mas é bom que tenham um plano para saírem daqui vivos. Por exemplo, acha mesmo que venceu o Nabucodonomon? ─ ele digitou algo no seu aparelho de pulso.

─ O que está fazendo?

─ Querido Slash, já assistiu Power Rangers? Não. Eu gostei desse seriado dos séculos XX e XXI e te garanto que o monstro não morre de primeira. Ele cresce.

Um tremor aconteceu. Nabucodonomon começou a se debater no chão, seu corpo brilhou e começou a crescer.

─ Esta saga ainda não terminou ─ disse Weiz sorrindo.

Continua...



Notas finais do capítulo

Astamon vai aparecer na 4ª saga e já teve gente que previu o apocalipse com a soltura dele. Infelizmente ele não foi executado, mas tipo ele não terá o mesmo protagonismo como foi na primeira temporada já que existem muitos vilões ainda mais poderosos que ele. E não esqueçamos do Weiz que ainda está tocando terror nos digiescolhidos do Japão. Até loguinho, pupilos.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "D.N.A Advance: Nova Ordem do Século" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.