D.N.A Advance: Nova Ordem do Século escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 23
A Consciência tomada pelas Trevas


Notas iniciais do capítulo

A última postagem de digimon que eu faço neste ano. Tenho algumas novidades que falarei nas notas finais. Antes, porém, leiam com calma e com carinho. Okay.



Freddy parou cansado e escorou as costas numa pedra grande no deserto próximo a cidade. O rapaz correu muito depois de ter fugido do quartel general do vilão. Ele ainda não esqueceu da verdade que havia acabado de descobrir. Era duro para acreditar, mas com certeza ajudou o antagonista a causar muito mal nos herois. Ele sabia exatamente a sua sina e por isso se lamentava.

Olhou para Gokuwmon com muita curiosidade para saber do estado do parceiro e ficou chocado ao descobrir que o mesmo levara um tiro na perna esquerda. Um tiro desferido pela arma de Astamon. Não tinha percebido na fuga, talvez o digimon aguentou firme, mas agora que parou para descansar se viu com uma perna ferida.

O macaco mancava e também sangrava muito. Sua calça ficou suja de sangue, contudo dava para ver alguns dados escaparem do sangue escorrido. Não que ele iria desaparecer, mas que além de sangrar os digimons feridos perdem parte dos dados.

— Você está bem? — os olhos do rapaz se encheu de lágrimas ao ver como o outro estava. Ele se preocupava muito com o amigo.

— Não muito bem. A bala atravessou a minha perna e sinto como se estivesse queimando por dentro. Doi — respondeu enquanto mancava.

— Deixa eu te ajudar. Se apoia no bastão e eu te ajudo pelo outro lado — Freddy tentou colocar o braço do outro em volta do seu pescoço e segurá-lo pela cintura. O que era difícil já que o lutador era alto em comparação com o jovem.

— Obrigado você é um bom menino, não é mau. Só se deixou levar pelas conversas tolas de um insano. Ai!

— Tem um hospital na periferia desta cidade. Pela distância estamos perto e não foi destruído pelo bombardeio. Aguenta firme — o menino ficou pensativo — Cara eu fui um idiota mesmo. Tentando fazer o certo, mas na verdade era o contrário. Tomara que o Paulo me perdoe. Eu não fiz por querer. Vamos mais um pouco.

Enfrentaram o frio do deserto a noite até conseguirem atendimento num grande hospital. Gokuwmon foi levado para a sala de cirurgia para os médicos verificarem os danos causados pela bala. Freddy continuava apreensivo agora com dois problemas para se preocupar.

...

Sobre o dirigível Astamon observava o movimento na parte de baixo. O pérfido olhou para Gennai que já estacionava a sua moto em frente a aeronave. Ele percebeu que o ex velho segurou um equipamento parecido com um digivice na mão, contudo não conseguiu distinguir o que era por conta da distância.

— Ora ora enfim chegaram seus infelizes — disse a si mesmo quando também viu uma outra moto, esta maior, e um carro se aproximando. Eram os digiescolhidos. — Chegaram para fazer parte do meu jogo de vida ou morte.

Enquanto isso numa parte escura do digimundo, onde não havia nada além de escuridão. Era muito parecido com o mundo em que BelialVandemon levou as crianças e os digiescolhidos na segunda temporada.

Antylamon ficou num lugar cheio de distorções e com cenários surrealistas. Ele caminhava sobre uma ponte de cabeça para baixo. O lugar era inóspito. De repente percebeu que tudo estava estremecendo. Até perceber a imagem gigantesca de NeoDevimon surgir. O vilão ficou um verdadeiro gigante. Começou a destruir tudo pelo caminho. Antylamon teve que correr, porém caiu de um precipício e afundou numa água escura.

Ficou nadando até chegar numa margem. Uma praia totalmente escura e vazia. Olhou os lados e observou algumas estranhas criaturas o olhando. Uma sombra surgiu do chão e o agarrou pelos braços e pernas. O digimon se debatou tentando se livrar, porém foi inútil. De baixo do chão surgiu NeoDevimon.

— Eu devia ter desconfiado que era você por trás disso tudo. Não sente vergonha de ficar do lado de um criminoso?

— Não adianta falar e nem ficar tentando me dizer o que é o certo ou o errado. Eu sei muito bem quem é Astamon. Ao início eu era contra e lutei com ele, mas quando percebi a grandiosidade dele eu me voltei ao lado dele.

— Vai se arrepender de fazer tanta maldade.

— Como me impedirá? Está tão indefeso aí como um bebê. Aqui ninguém pode me deter, pois este é o meu mundo. O próprio mundo que criei. Aqui eu decido o que acontece as coisas.

NeoDevimon formou uma bola de energia escura na sua frente e olhou para o rival. A ideia dele era controlar o coração e a mente tanto de Antylamon como de Beelzebumon para poder torná-los aliados dele. Se aproximou mais um pouco, estava quase colocando o objeto nele quando teve uma grande surpresa.

— Como você é simplório NeoDevimon — falou uma voz. Quando a imagem de Antylamon desapareceu a sua frente ele ficou muito confuso — Esperava mais de você. Não sei se notou, mas com a convivência com os digimons malignos eu tive uma grande influencia. Disse que este é o seu mundo, contudo não passa daquele lugar que chamamos de mar de Dragomon.

O vilão ficou olhando para todos os cantos em que ouvia a voz, mas não encontrava ninguém. Foi aí que sua surpresa veio ao vê-lo sair de dentro das águas do mar. O aliado dos digiescolhidos saiu com suas duas armas em punho pronto para uma luta.

— Estou pronto. Pare de bancar o espertinho e lute comigo de verdade.

— Com prazer.

Neo se multiplicou em dois. Agora são dois digimaus parecidos. Foram os dois atacar o digimon, mas este se esquivava e se defendia cos os dois machados em mãos. O digimau tentava encostar as suas garras no outro para deferir-lhe o que ele chama de o Toque do Demônio.

Enfim os seres esquisitos saíram de uma caverna e foram atacar Antylamon. Ele estava cercado. Tais seres não tinham forma definida.

— Tornado Cortante! — ele girou com as duas armas constantemente até virar um tipo de tornado que dilacerou as criaturas em pouco tempo. Entretanto sem perceber Neo surge do chão e encosta sua garra no peito dele. Antylamon geme com a dor que estava sentindo, mesmo assim era forte o suficiente para cortar o ataque do inimigo.

Antylamon derrotou todas as criaturas. Só faltava mesmo o NeoDevimon. Eles ficaram frente b

a frente. Ambos correram um na direção do outro. Quando ficaram perto então o heroi desferiu um golpe mortal no vilão. O machado fez um enorme corte no peito dele. Logo em seguida o mesmo cai no chão e desaparece. Antylamon tem certeza que o matou, mas logo percebeu que o seu peito esquerdo estava escuro. Começou a passar mal e a se debater. O cenário tudo desaparece e volta para Las Merinas.

Antylamon agora tomado pelo mal se levanta e vai na direção dos demais.

Ruan consegue ver o dirigível bem longe. O garoto avisou ao parceiro, Megadramon, e então continuaram na direção em que os outros também tomaram. Se precisassem de ajuda eles o dariam. Agora com a força do seu parceiro poderiam enfrentar Astamon com certeza.

Beelzebumon vagava pelo espaço sideral sem saber qual rumo tomar. Ele tava completamente sem noção, sem saber de nada. Só queria saber de flutuar. Esqueceu até mesmo de sua missão em salvar o seu parceiro das garras do seu arquiinimigo. Olhou para alguns planetas e viu Saturno e seus lindos anéis. O admirou por um tempo até perceber asteróides se aproximando. Nem deu ao trabalho de desviar e foi colhido por um. Foi arrastado pelo corpo celeste até a direção do sol.

Todos os digiescolhidos pararam em frente ao dirigível. Encontraram Gennai já parado esperando por eles. Agora mais do que nunca teriam que ficar unidos, pois precisavam derrotar o vilão de uma vez por todas.

Astamon saiu do dirigível com a espada dourada na mão e em suas costas a sua arma Oro Salmón. Ficou parado alguns metros de distância observando as crianças e seus parceiros. Não demorou muito até que eles digievoluissem seus digimons.

— Palmon digievolui para Sunflowmon!

— Mushroomon digievolui para Ninjamon!

Mia não conseguiu evoluir seu parceiro, pois não tinha água por perto. Apenas os jatos de água quente era algo líquido naquela região desértica.

Passava das vinte e três horas. O diabólico vilão não ficou surpreso com tanta gente querendo derrotá-lo. Olhou para o céu e viu um grande dragão vermelho se aproximar. Já sabia que Gigadramon havia falhado.

— Muito bem. Estamos quase todos aqui. Podemos começar com o joguinho que eu preparei para vocês — disse com um sorriso no rosto.

Todos olharam surpresos para Megadramon e Ruan quando chegaram. O espanhol logo avisou que aquele era o seu parceiro que havia evoluído depois da luta contra Gigadramon. Foi o primeiro parceiro a super evoluir para a sua forma alternativa.

Depois que Ruan chegou, Gennai pediu para que Mia e Jin entrassem no dirigível e salvassem Paulo do cativeiro. Eles assentiram e foram correndo sem olhar para trás. É claro que se quisesse Astamon poderia impedir, entretanto não quis pois fazia parte do seu plano. Ruan queria lutar contra ele custe o que custasse, por isso pediu para que o próprio Gennai fosse ajudar os seus amigos na missão de salvar Paulo.

O homem entendeu e decidiu que ajudaria os outros que foram. A única que ficou mesmo para ajudar era Rose com sua Sunflowmon. A garota ficou, mesmo com as negativas do colega que também queria que ela fosse.

Enquanto isso Mia e Jin entraram no grandioso dirigível pelo mesmo lugar que Astamon saiu. Eles caminharam por um corredor com paredes brancas e com fiações. O piso era luminoso, parecia até que tinha luzes no chão. Logo chegaram numa parte onde se encontrava uma porta que só abria se digitasse uma senha logo ao lado. Betamon pediu para que todos se afastassem. Disparou o seu choque elétrico, mas nada aconteceu. Ninjamon usou sua shuriken para acertar a porta, em seguida a sua espada. Ele conseguiu parti-la em dois.

Eles correram por um outro corredor. Este todo branco sem nada demais. Jin percebeu que as paredes começavam a se estreitarem. Eles viram uma passagem no final do corredor e correram antes que fossem esmagados. O lugar era uma tubulação de ar, bem maior já que Ninjamon coube dentro.

— Agora é seguirmos adiante e chegaremos até o nosso destino — disse Mia enquanto engatinhava.

— Seja um pouco mais rapid... — Jin nem completou a frase quando os dois foram praticamente sugados para cima. Os quatro foram arrastados por uma poderosa ventania e caíram um sobre o outro num tipo de arena. Foi logo que se deram conta que estavam presos numa jaula e Witchmon os olhando muito feliz.

— Eu não acredito que caímos numa armadilha — Mia saiu de baixo dos outros e tentou inutilmente sair da prisão — Maldita. O que pensa que está fazendo?

— Fiquem quietinhos aí — falou a bruxa. Ela tinha algo parecido com um detonador nas mãos — O meu chefe precisa de vocês vivos.

Ninjamon ainta tentou cortar as grades, entretanto sem sucesso. Era impossível sair da cela.

...

Barbamon ainda continuava no lugar onde era o antigo castelo de Myotismon. Meditava no que poderia fazer dali para frente. Sentia que a sua missão de destruir o digimundo inteiro precisaria de algum reforço. Mesmo sendo forte ele precisaria de ajuda para tirar os escolhidos do seu caminho. Daí teve uma ideia genial. Ele sabia de uma certa lenda em que dizia que os subordinados do falecido Daemon foram aprisionados pela luz e nunca foram libertos. Somente as trevas poderia o fazer, portanto agora ele teria condições de libertá-los.

Olhou para o céu e viu alguém a se aproximar. Ficou estranhando um pouco, mas logo tranquilizou-se ao perceber que se passava de Dynasmon vindo ao seu encontro. Pensou em como ele o achou ali. Deixou as ideias de lado ao ver que o seu possível aliado iria ficar do seu lado. Lembrou no dia em que conversaram.

— Finalmente meu amigo chegou. Veio ajudar-me com os meus planos? — perguntou o velhote sorrindo diabolicamente.

— Quando eu soube que ficou mais forte eu quis te ver. Sempre tive a vontade de destruir tudo, isso pra mim não importa. Principalmente se for para destruir primeiramente os digiescolhidos.

— Ótimo. Então temos um acordo, um pacto feito. Eu quero dizer outra coisa. Existe uma lenda do digimundo em que falava dos subordinados de Daemon...

— A Elite das Trevas. Ouvi falar muito deles e posso te garantir que eles existem — respondeu Dynasmon deixando o velho impressionado com a resposta.

— Percebo que começou agora uma grande parceria entre nós. E espero que dure por algum tempo. Quem sabe eu desista da ideia de destruição e adote a dominação.

Barbamon ficou convencido que aquele ser a sua frente era um poderoso aliado. Entretanto mal sabe ele que ali estava um aliado aos digiescolhidos.

...

— Feixe de Luz! — a energia saída do rosto de Sunflowmon não fez nem cócegas no inimigo. Ele repeliu com apenas uma mão.

— Vejo que sem a luz do sol você não consegue ir tão longe.

— Deixa de ironia barata maldito — rebateu Ruan — vai engolir o que disse quando nós te derrotarmos.

Megadramon sem cerimônia foi com tudo pra cima de Astamon. Este se afastou do enorme digimon, porém foi pego de surpresa pela cauda dele. O dragão estava na tentativa de esmagá-lo sem usar uma arma orgânica sua. Porém não resultou em êxito algum já que o digimau "entendeu o recado” e ficou mais próximo onde estavam as crianças. Sunflowmon quis atacá-lo com a sua cauda espinhosa sem sucesso já que ela era, em comparação a ele, bem mais fraca.

Sem usar a espada, nem a sua arma, ele apenas lutava defensivamente. Isso era a sua arma mais letal, fazer os seus inimigos acharem que ele ficará apenas na defensiva. Enfim, o próprio segurou a parceira de Rose pela cauda e a jogou contra Megadramon.

Afastou-se um pouco do campo de batalha. Megadramon dessa vez não poupou seu poder e atirou dois mísseis na direção de Astamon. A explosão causou muita fumaça. Todos acharam que o digimau havia sido destruído, contudo a realidade era completamente diferente. Ele surgiu entre as fumaças ainda no mesmo lugar. Ruan ficou impressionado com a resistência do digimon.

Megadramon foi tentar atacar mais uma vez. No exato momento em que ia soltar mais dois mísseis ele foi atacado por um raio causado pelo machado de Antylamon. Este surgiu possuído pelo poder de NeoDevimon. Agora era um escravo do próprio Astamon.

— Aquele não é o Antylamon?

— Sim Ruan é ele mesmo. Mas por que atacou a gente? — se perguntava Rose.

— Deixa eu explicar. NeoDevimon atraiu dois de seus aliados para uma dimensão que só ele tinha acesso. O plano era atraí-los e possuí-los com o poder dele. Pelo jeito aqui tem o primeiro, só falta o outro. De qualquer maneira eu consigo manipulá-lo daqui para frente — os olhos vermelhos do elmo de Astamon começaram a brilhar. Antylamon ficou entre ele e os digiescolhidos.

Gennai procurava por cada local da aeronave a presença de Paulo. Era difícil com muitos corredores, portas, bifurcações, salas... isso tudo dentro do dirigível. Por certo motivo pensou muito e percebeu o erro de sair e deixar os escolhidos sozinhos com o inimigo. Decidiu voltar e ajudá-los. Até porque ele chamou a polícia digital para ajudá-los caso não conseguissem vencer Astamon de imediato.

...

Horas antes do ocorrido no digimundo...

Hikari chegou em sua casa no final da tarde. Ela e a Tailmon perceberam que não havia ninguém em casa, começaram a chamar pelo T.K ou Patamon. Ninguém respondeu então constataram que ele não havia chegado. A morena ligou mais uma vez para o celular dele, mas como sempre estava na caixa postal.

Tailmon tentava acalmar a parceira. O celular da morena toca ela quase voa pra cima do aparelho que estava sobre o sofá e atende. Era a sua amiga Tominaga que ligou para avisar do estranho sumiço de Takeru. Ela explicou que depois que ele foi para o estacionamento pegar um gabarito no carro do professor James ele desapareceu. Kari quase cai pra trás e é forçada a se sentar no sofá. Tailmon pegou um copo com água e açucar para acalmar a parceira. Enfim após a ligação ela decide pedir ajuda ao cunhado. Ela ligou para o irmão de T.K.

— Alô Hikari? Você ligando para o meu celular? O que houve?

— Yamato eu quero... Eu quero te falar uma coisa.

— Por favor Kari fale logo de uma vez! Não me deixe apreensivo. O que houve? — falou o loiro quase gritando do outro lado da linha.

— Calma Yamato, por favor. Eu... acho que o T.K foi sequestrado.

— O QUE! Como isso aconteceu, quando e onde?

— Calma ainda não tenho certeza de nada — a morena estava tão nervosa que mal conseguia beber a água.

— Não saia daí. Eu vou até aí ver o que aconteceu.

Yamato desligou na cara da Hikari deixando-a ainda mais nervosa. Onde estava com a cabeça ao falar para o cunhado que o seu irmão havia sido sequestrado sendo que não tinha prova alguma? Se bem que Takeru e Patamon desapareceram desde manhã e não deram nenhum sinal de vida. O que era mais intrigante era a história que sua amiga contou. Pensou mil vezes antes de chamar a polícia, mas a tentação era grande.

Enquanto isso um carro sedan preto estaciona perto de um terreno baldio na periferia de Nerima. O homem mais alto sai de dentro dele e abre o porta malas. Com a ajuda do seu comparsa ele retira T.K ainda amarrado e desacordado e o joga no terreno. Em seguida entram no carro e vão embora.

Um grupo de jovens passava pelo local, porém não perceberam absolutamente nada de anormal no local. Logo foram embora. Um mendigo se deitou na parte de fora do terreno sem qualquer suspeita.

Patamon ficou cansado de tanto procurar o seu parceiro e não encontrá-lo. Sabia que algo de ruim aconteceu, por isso resolveu ele mesmo ir atrás. Neste exato momento o digimon estava sobre a lâmpada de um poste.

— Passei o dia todo nisso. Cade o T.K? — indagava bastante triste.

Mansão Matsunaga

A mansão do senhor Matsunaga ficava afastada de Tóquio. Era um palácio com mais de dez quartos, vinte banheiros, uma sala enorme com duas escadas, uma piscina com jardim do lado de fora, sala de jantar com lareira, escritório e muitas outras coisas que palácio tem.

Naomi estacionou seu carro na parte da frente da mansão e saiu. Entrou na residência e foi ministrada pela governanta chamada Nakawa.

— Por aqui senhorita Matsunaga. O seu avô já vai descer. Pode esperar ali na sala de espera enquanto...

— Por favor Nakawa, poupe-me de seu falatório. Não gaste saliva. Não precisa me dizer o que eu farei em seguida, porque esta casa é minha eu nasci aqui e sei muito bem cada canto daqui. Vá, pode ir — falou rispidamente.

A governanta saiu e a deixou na sala mesmo. No centro existia uma mesa com uma jarra de flor sobre ela. Naomi observou algumas correspondencias e as pegou. Foi passando até descobrir uma carta de um exame médico feito no hospital central de Tóquio. Ela pegou o envelope e o abriu. Foi até a sala de espera e se sentou no sofá. Leu o conteúdo da carta.

— Eu não posso acreditar nisso — ela ficou nervosa na mesma hora.

...

Astamon deu um chute na cara de Megadramon fazendo o dragão parar alguns metros a frente. Antylamon atacou Sunflowmon deixando-a ferida e uma Rose bastante preocupada. A luta estava muito desigual mesmo com o parceiro de Ruan na forma perfeita. Rose não quis que a sua parceira lutasse mais, pois ficou com medo de que ela se machucasse seriamente nessa luta.

Antylamon era constantemente manipulado pelo vilão. Não havia a mínima chance dele sair dessa. Quando algum digimon era tocado por NeoDevimon a única maneira de sair do transe era ou morrendo ou matando o alvo.

Contudo Antylamon começou a gemer de dor se encurvando e pondo as mãos no rosto. Ele estava tendo segundos de consciência, pois o poder do digimau não foi completo. Portanto de vez em quando o verdadeiro Antylamon aparecia. Astamon ficou surpreso com a reação dele. Não esperava por isso.

Os garotos também ficaram surpresos. O aliado poderia recobrar a consciência a qualquer momento.

Beelzebumon ainda se encontrava no espaço sideral. Ele não estava raciocinando coisa com coisa e estava prestes a colidir com uma estrela, bem menor do que o sol. Enfim o pingente do cordão em seu pescoço começou a brilhar. Ele o viu e ficou assim por alguns segundos até que a sua memória rodou feito um vídeo em sua mente. Lembrou-se de tudo. O que fazia naquele lugar sem fim e sem esperança? Acordou do transe e saiu do asteroide.

— Paulo. Paulo eu vou te salvar! — disse ele.

Todo o cenário de espaço foi desaparecendo até que ele acorda deitado em Las Merinas. Olhou confuso para os lados, mas não viu ninguém. Se tocou que estava perseguindo os inimigos. Sabia mais ou menos para onde foram. Correu para fora da cidade.

Megadramon foi derrotado pelo Astamon voltando a ser Hagurumon. Ruan, aflito, foi abraçar seu parceiro. Witchmon os prendeu com as coleiras inibidoras. As mesmas que eles estavam quando foram sequestrados. Rose e Sunflowmon também foram pegas. A bruxa ainda foi dentro do dirigível e trouxe o resto dos digiescolhidos. O super vilão quis que todos assistissem ao seu show. É claro que com as coleiras inibidoras nenhum digimon iria evoluir e atrapalhar.

SlashAngemon chegou em Merinas e viu a catastrofe na cidade. Logo atrás dele estavam centenas de outros digimons que faziam parte da polícia digital. Eles foram chamados pelo próprio Gennai. Uma parte ficou na cidade para ajudar na reconstrução e salvamento de vítimas. A outra parte, minoria com o Slash, foram para fora da cidade ajudar na captura de Astamon.

— Me fala de que show você tanto se gaba? — perguntou Mia. Ela já estava junta com os outros.

Antylamon não aguentava sofrer. Ele queria se libertar da influencia maligna das trevas em sua mente. Dentro de si mesmo ele estava aprisionado com correntes em seus membros. A qualquer momento poderia sair da innfluencia maligna de NeoDevimon.

Astamon tomou a palavra para responder a menina.

— Eu quero mostrar a todos vocês que esse amor e companheirismo que tanto se orgulham não existe. Quero provar que não existem essas coisas, porque isso é uma besteira. Por que não admitem que já perderam a esperança?

— Não seja cruel — Rose dessa vez tomou a palavra — A esperança é a única coisa que resta para aqueles que já perderam tudo. Agora vem falar que nem a esperança pode existir? Isso é inconcebível.

— Só quero provar o óbvio garotinha abusada. Enquanto eu estiver... — nesse exato momento ele para de falar. Gennai aparece por trás dele segurando uma arma de choque. Era parecida com uma pistola, porém bem futurista e com direito a laser para mira. O homem atacou Astamon por trás. A única coisa que irritava mesmo o antagonista era um ataque pela retaguarda — Você. A única coisa que me deixa realmente irado é ser atacado por trás. Eu viro bicho quando isso acontece, tenho ódio. A minha vontade agora é de acabar contigo. Mas antes eu vou brincar.

Astamon, com uma expressão bem sombria, andou na direção de Gennai. O homem resolveu atirar novamente, entretanto nada acontecia. Nenhum efeito satisfatório contra o inimigo. Logo percebendo que poderia se divertir ele enfiou a espada no chão e ficou mais próximo. O homem se afastava cada vez mais, porém era impossível fugir. Astamon apenas usou sua mão esquerda para formar golpes com o ar e lançá-los contra o outro. Gennai foi atingido várias vezes. Os digiescolhidos ficaram chocados com a grande desvantagem.

— Isso foi apenas um passatempo antes de eu me divertir — ele segura o homem pelos cabelos e o joga para longe. Gennai já estava cheio de sangue e ferido — agora chegou o momento. Acabou a brincadeira.

Astamon retira a espada do chão e a lança. Seria um golpe certeiro, um golpe fatal que mataria Gennai definitivamente. Entretanto Antylamon ficou na frente e teve o seu peito esquerdo estocado pela arma dourada. Todos olharam incrédulos do que havia acontecido. A expressão de horror era evidente nos rostos dos digiescolhidos. Antylamon havia recobrado a consciência no último segundo e se sacrificou para que o amigo não morresse.

Beelzebumon havia acabado de chegar nesse momento. Ficou chocado com o que olhou. Não acreditou que mais um dos aliados dos digiescolhidos teve que se sacrificar na guerra contra o mal.

Continua...



Notas finais do capítulo

Quero agradecer a todos vocês por lerem a minha fic sem nenhum tipo de compromisso. É gostoso ver as pessoas gostando do seu projeto. Quanto mais gente gosta mais aumenta a qualidade da fanfic. Sabe por que gente? Porque eu gosto muito de vocês. Desde que eu entrei no dia 27/11/2012 eu percebi que as pessoas te recebem calorosamente. É claro que isso não é sinônimo de que vão ler suas fanfics, mas apenas saber que tem gente lendo mesmo não comentando é uma coisa boa. Belo trabalho do Michael em colocar o contador de acessos no site. E a vocês meus obrigados, felicidades neste ano que vem e nos próximos.
*Valeu Maguh (Gabriela é isso?) por ler as minhas fics e comentá-las. Saiba que não me importo o quanto custe a comentar. Entendo seus motivos e tenho os meus tbm.
*Obrigado Dio que sempre me manda MPs me informando no que devo melhorar. Ele não me critica pelo review. Só apanho pelas Mps mesmo kkk;
Valeu Victor meu sobrinho adolescente. Titio agradece. (Não sou velho, é o meu sobrinho que é kk ele tem quase minha idade)
Aos outros muito obrigado (Guilherme e Vincente hehe)

Ahhh já ia me esquecendo. Dia 26 de dezembro o Raul (Death Kid) vai completar 18 anos pessoal. Joguem ovo podre nele porque merece kkkk Parabéns hehe

UM GRANDE ABRAÇO DO SEU AMIGO DE SEMPRE
Sensei Oji


Agora o teste de QI ^^




Shadowlord: Ray quando era malvadão fez o pesadelo dos digiescolhidos. Era um gênio, mas sabia mais era mamar nas tetas da Lilith nas horas vagas. Se redimiu, (olhem capítulo 51 da outra fic hehe) TARADOS! casou-se com Márcia e teve um filho. Ok? ¬¬
QI: 160 pontos


KingEtemon: O rei dos Etemons e rei do deserto. Falava, mandava, ordenava, mas se F* nas mãos do Beelzebumon que pegou seu canhão e atirou um poder putaqueparívelmente foderoso para acabar com este bobão. Morreu engolindo o orgulho no deserto.
QI: 115 pontos



KingChessmon: O rei das peças de Xadrez do mundo digital. Enrolou os digiescolhidos numa cidadezinha de brincadeira, mas acabou mesmo foi na sarjeta pelo Pinocchimon que não aceita outro retardado na história.
QI: 107 pontos (o nível tá caindo?)


ChaosMetalSeadramon: A réplica de outro vilão que se lascou na primeira temporada. Não fez nada. ( Eu que sou autor da história nem me lembro da parte dele) Só encheu muita linguiça para depois acabar sendo derrotado por seu irmão quase gêmeo e um fideegua chamado Bel. Ou senhor Bel sei lá.
QI: 100 pontos ¬¬


Próximo capítulo não terá o teste, pois será final de saga então quero todas as atenções para o capítulo. Do capítulo 25 em diante eu continuo.



Hey gente próximo ano eu irei criar uma nova fic para digimon. O enredo será leve e terá comédia com aventura e ação. Não terá nada a ver com as minhas fics nem com as temporadas que passaram na TV. A fanfic se chama "Minha Pequena Grande Parceira" e está prevista para ser postada na sexta-feira da próxima semana ou daqui a duas semanas na segunda feira. Conto com a leitura de vocês. O enredo é simples, será em primeira pessoa na visão de um digimon em busca de seu parceiro perdido. É claro que não contarei senão estraga, portanto fiquem na curiosidade. Tenham uma boa tarde, obrigado pela compreensão. Até 2014!^^