D.N.A Advance: Nova Ordem do Século escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 128
A maior das amazonas


Notas iniciais do capítulo

Estamos chegando no final do arco. A saga ainda não terminou. Começou lá no capítulo 72 e ainda continua. O arco, porém, começou no 88 e vai até o 130 ou 131. Depois focarei a atenção à base de Weiz e o confronto final com o Chanceler. Vai ser imperdível. E tudo isso nesse ano de 2018!



Há muito tempo...

Digimundo - Anos antes dos digiescolhidos de Adventure chegar.

Uma mulher caminhava sem rumo por vários quilômetros. Ela cai no chão, gélido por causa da neve. Uma pessoa ajudou-a e levou-a para uma cabana na floresta.

— Parece que está melhor. Sua forma não disfarça. Você é uma humana. Como chegou ao Digimundo?

— Fui uma digiescolhida.

— E seu parceiro?

— Morto. Decidi entregar a minha alma para um guardião do Digimundo.

— Incrível como uma humana não morreu nas mãos do Piedmon.

— Piedmon?

— Aquele canalha destruiu a minha aldeia. Tudo o que eu tinha fora destruído. Espero que você não seja capturada, porque é morte na certa.

A mulher se levantou e foi para fora da cabana. Nevava. A digimon se identificou como Babamon. A mulher agradeceu e disse que um dia retribuiria o que ela fez.

— E o seu nome?

— Donna Carter.

— Donna Carter? Que horror. Se vai viver neste mundo precisa de um pseudônimo. Pelo menos seus inimigos não vão te encontrar tão facilmente.

— Um pseudônimo?

— Sim. Parece que estou diante de uma guerreira forte e obstinada. Mas não tenho ideia de como chamá-la.

— Xena. Igual do seriado.

— Hã?

— Tenho uma missão neste Digimundo. Fundarei um país onde abrigará os mais desamparados e apenas mulheres viverão lá. Que tal me ajudar?

Babamon não entendeu muito o que a mulher quis dizer, mas confiou nas suas palavras. Em poucos anos o país de Vênus fora fundado e logo depois Xena adotou duas digimons como suas filhas.

Piedmon ainda não havia se reunido com os outros três Mestres das Trevas, porém ainda se lembrava do seu amigo. Esse amigo era o quinto Mestre, mas não chegou a se juntar aos outros três, pois fora derrotado pelos digiescolhidos da geração de Xena e Mona-sama.

Myotismon era um dos digimons desamparados que Xena acolhera. Porém, traiu-a quando se uniu a Piedmon e assim obteve o maior número de dados possíveis para se transformar naquele vampiro clássico. A mulher, para evitar que Myotismon revelasse a localização de Vênus, ajudou na captura de Salamon, atual parceira de Kari.

A história de um passado conturbado. A Imperatriz do coração de pedra. Agora ela sabe que se isolar é pior do que pedir ajuda.

 

País de Vênus - Atualmente

Leviamon usou um ataque poderoso a fim de explodir o país por completo. Seu plano frustrara-se quando o parceiro de Mia, evoluído num MetalSeadramon, interceptou.

— Mais um nível extremo — murmurou Reaper ao ver a serpente metálica surgir.

— Vai se preparando porque vai ganhar o ódio dele — disse Beelzebumon.

— Estou preparado para isso. Faz tempo que não fico nesta forma. Acho que faz uns quatro anos terrestres.

Leviamon continuou no céu, observando a movimentação no solo. Sentiu uma força poderosíssima oriunda do corpo da serpente.

MetalSeadramon não fez cerimônia alguma, voou na direção do governador e deu uma cabeçada violenta que o arremessou entre as nuvens, sair arrastando árvores e cair na base de uma montanha. A criatura de quase cinquenta metros de comprimento fez um grande buraco.

— Isso foi exagerado, mas se saiu bem para uma reestréia — disse Beelzebumon.

— Não dá descanso para ele, parceiro. Acaba de uma vez com esse jacaré — torcia Mia.

Bunker

Mona-sama passou por várias sobreviventes e conseguiu chegar perto de Shutumon. Babamon reconheceu a mulher na hora e permitiu a sua passagem.

— Se a Xena não fosse tão teimosa, a situação do país não estaria assim e nem Lady Shutumon ficaria nesse estado.

— Velhota, acha mesmo que aquela peituda vai obedecer os outros? Desde que perdeu a sua parceira...

Mona não quis relembrar o passado. Ele, porém, sempre a atormenta.

As duas guardas foram arremessadas para longe da entrada. Sanzomon viu a grande porta de aço. Em pouco tempo, o objeto pesando toneladas foi arrancado e jogado para longe. O poder telecinético da sacerdotisa era impressionante e subjulgava a todas ali.

— Então quer dizer que a cidade toda se refugiou aqui?

Sanzomon estava tentando matar Shutumon a qualquer custo. As amazonas tentaram impedir o seu avanço, no entanto os seus esforços eram em vão. A general era bem mais poderosa do que todas juntas. Ninguém bateria de frente com a vilã.

O bunker tinha um corredor longo. No final dele havia uma escadaria que descia para os níveis inferiores. Onde Mona-sama estava era o lugar que protegia todas as moradoras do país. Era um ambiente cheio de salas, tudo abaixo do solo. Era um lugar do tamanho de cinco ou seis campos de futebol. Uma megaestrutura no subsolo.

— Não vamos deixar que passe! — gritou uma amazona.

Mona-sama escutou o alarme dentro do bunker. As mulheres que estavam no corredor, fora da enfermaria, saíram correndo. Uma voz informou da invasão.

— Deve ser aquela Sanzomon. Ela veio matar Shutumon. Aposto — deduziu Babamon.

— Xena, cadê você?

Enquanto isso, a mulher lutava contra o rosário. As bolinhas a prenderam num tipo de vórtex que era sem fim. Superando todas as expectativas, ela conseguiu sair dali, apesar das muitas escoriações. Seus braços e pernas estavam cheios de hematomas, mas ela não se vitimizou. Estava na hora do segundo round contra a sua inimiga.

Sanzomon segurou uma amazona pelo pescoço. Perguntou o paradeiro de Shutumon.

— Nunca... falarei...

— Que droga. Este lugar tinha que ser enorme? Pois bem. Eu não preciso de vocês — ela jogou a amazona para longe. Xena conseguiu segurá-la antes que caísse no chão.

— Imperatriz...

— Não diga nada. Descanse.

— Não acredito que conseguiu escapar do vórtex que criei. É muita audácia vir me enfrentar novamente. Deveria ter fugido.

— Essa luta ainda não terminou. Preciso que veja isto antes de continuarmos lutando.

— Ver o quê?

Aparentemente ela não esboçou nada no rosto, não fez um movimento. Entretanto, Xena começou a aumentar de tamanho. A sua pele ficou quebrada igual casca. À medida que as rachaduras apareciam, uma luz amarela surgia. Ocorreu uma explosão. Sanzomon presenciou a forma digimon de Xena pela primeira vez.

— É a segunda vez que fico nesta forma. A primeira foi quando vendi minha alma para Azulongmon. Ele me mostrou no que eu me transformaria. Fiquei maravilhada com a forma. Principalmente porque adoro raposas.

— Você ficou um pouco mais forte. Admito que eu posso ter dificuldades nesta luta, mas o resultado será o mesmo!

— Será?

Xena se movimentou tão rápido que Sanzomon sequer percebeu. Ela teve a máscara do rosto arrancada, deixando a boca à mostra. Sanzomon tinha dentes afiados e uma boca enorme. Ela não era nada agradável.

— Como eu não percebi? — indagou a loira.

— Porque eu agora sou um digimon, assim como você. Nesta forma eu me chamo Sakuyamon.

Longe dali...

Beelzebumon teve o duro trabalho de enfrentar o Reaper. Isso porque o vilão era mais escorregadio que sabão na banheira. Mesmo que o herói seja muito mais forte, Reaper conseguia a proeza de se tornar o mais rápido. Para completar, ele fez surgir uma foice.

Com um movimento, a foice soltou um poder cortante que,ao entrar em contato com uma carroça, desintegrou-a em dados.

— Meh he he. Com esta foice, eu já eliminei muitos dos meus inimigos. Isso porque sou o segundo mais forte do comando do Chanceler. Meu poder ultrapassa e com folga os dois milhões.

Paulo finalmente chegou onde o seu pai estava. Viu Mia sobre o telhado baixo de uma casa e a chamou.

— Paulo! — A moça havia trocado de roupa.

— Meu amor!

Os dois se abraçaram depois dessa breve separação. Mia, que antes rechaçava-o, agora era só amor com ele. E não é para menos: Paulo arriscou a sua vida ao entrar em Atlântida e agora na guerra de Vênus. Também havia uma fura olho do caramba... mas isso é uma outra história.

— Tenho novidades. Betamon finalmente atingiu a forma extrema.

— Eu vi. MetalSeadramon está lindo, assim como a parceira.

Mia ficou corada como comentário do rapaz.

— Uhum... Os dois pombinhos poderiam deixar o namoro pra depois? — sugeriu Nashi.

Um pedaço de um prédio foi facilmente cortado. Caiu na direção dos três. Knightmon conseguiu destruir com facilidade.

— Obrigado — agradeceu Nashi.

Romena conseguiu derrotar alguns soldados com a ajuda de Kazemon. Elas se ajudaram.

Reaper e Beelzebumon travaram uma disputa. O herói teve certa vantagem por conta do seu poder chikara despertado. A foice foi destruída.

— Argh. Você é realmente muito forte. E irritante. Terei que usar todo o meu poder.

Reaper tirou fios negros das suas mãos. Os fios cubriram o corpo dele até transformá-lo num monstro musculoso, totalmente preto e com vários fios partindo do seu corpo. Wesley foi tentar dar um soco, mas Reaper resistiu e revidou. sua força estava muito maior e mais resistente. O homem caiu vários metros.

— Quanta resistência! Terei que aumentar ainda mais a minha força.

Beelzebumon se transformou pela segunda vez na forma turbo. A sua armadura voltou a ser vestida em seu corpo. Desde a luta contra o primeiro governador, a forma turbo não era utilizada.

Fora da cidade, a luta entre Tactimon e Gaia não era uma das mais acirradas. O general sentiu a presença dos digiescolhidos e quis encerrar o duelo naquele momento. Gaia não estava disposto a permitir a passagem do inimigo.

— Não me dê as costas. A sua luta é comigo. Jamais permitirei que faça mal a meus amigos.

— Não seja hipócrita consigo. Está preocupado com algo maior, posso ver em seus olhos. Quem disse que estou interessado nos digiescolhidos?

Tactimon deu um pulo bem alto. Ele ficou no meio do sol e produziu um forte clarão que cegou temporariamente Gaia.

— Droga — ele voltou a enxergar, mas Tactimon já havia partido.

O general ligou para o Chanceler. Uma dúvida cruel fez com que ele perguntasse ao chefe. Merukimon foi claro ao dizer para se retirar da guerra e levar o refém junto. No momento os digiescolhidos estarão ocupados demais com Leviamon para impedir. Tactimon agradeceu ao chefe e pôs em prática o seu plano.

LinK conseguiu se comunicar com Gennai. Para isso, ele teve que se esconder.

— Não se preocupe, amigo. Mandarei alguns soldados para ajudar a reconstruir o país. Antes, porém, precisam derrotar o governador e seus subordinados.

— Acho que não vai demorar muito pra que isso aconteça.

Leviamon saiu da montanha. Seu corpo soltava uma aura escura, de pura trevas. Seus olhos ficaram vermelhos de raiva. Ele soltou ondas de choque que causaram destruição na floresta. MetalSeadramon suportou as ondas de choque e avançou com tudo. Ambos se agarraram e voaram por vários metros.

Numa cidadezinha litorânea, os moradores digimons iniciaram os trabalhos cotidianos de pesca. Foram surpreendidos com algo inesperado: a sombra de dois gigantes no céu. Eles ficaram apavorados com dois digimons enormes sobrevoando a pequena cidade costeira.

Leviamon abraçou a serpente metálica e tentou morder seu pescoço. Para não deixar isso acontecer, o parceiro de Mia usou a sua cauda para estrangular o crocodilo. Os dois foram na direção do oceano.

Para a surpresa de MetalSeadramon, o corpo de Leviamon se transformou em água e caiu no mar. Nunca havia visto algo semelhante.

— Hehehe. Meu poder é despertado. O chikara e chakra em pleno funcionamento. Aposto que nem sabe o que é isso. E ainda quer enfrentar um dos governadores.

MetalSeadramon prestava atenção  na água do mar. Tudo parecia calmo até que uma montanha de água surgiu, ficou sólida e pontiaguda e foi na direção da serpente. Ele conseguiu se esquivar, mas a situação ficou difícil pois o vilão formou vários montes de água pontudos. O parceiro de Mia foi obrigado a soltar uma rajada azul do nariz para fazer o outro parar.

O próximo passo de Leviamon era formar um redemoinho grande. Ele conseguiu. Os ventos ficaram mais fortes do que o normal, as nuvens se espalharam. A cidade litorânea sofreu com a brusca mudança no clima, mesmo o epicentro do redemoinho ser a centenas de metros de distância.

— O que ele pretende fazer? — indagou MetalSeadramon.

Bunker

A nova forma de Xena impressionou Sanzomon. Mas o que mais impressionou foi o rosto medonho da sacerdotisa. Sua boca era larga e cheia de dentes afiados.

— Saiam daqui. Este lugar vai ficar perigoso.

— Sim, imperatriz.

Sanzomon observou as amazonas fugirem para um local seguro. Sua única inimiga era justamente a dona do país. Não se importou com a nova forma da outra. Sorriu, exibindo um enorme sorriso cheio de dentes. Seu corpo liberou energia, ficando musculoso e mais corpulento. As mãos dela ficaram maiores e com unhas gandes.

— Se você tem uma forma que te deixa forte, eu também tenho.

Uma forte explosão ocorreu dentro do bunker. As mulheres e digimons que se refugiaram, ficaram escondidas nas salas. Mesmo o local sendo reforçado, não suportou o impacto da explosão. Sakuyamon caiu bem no meio do grande corredor. Levantou-se e ordenou às outras para se esconderem.

— Quem é aquela? — perguntaram-se.

As amazonas ajudaram as pessoas a se deslocarem para o mais longe possível da luta. O lugar era perigoso demais.

Mona-sama sentiu o tremor mesmo estando longe. Viu algumas guerreiras entrarem na enfermaria e informarem o ocorrido. Sem pensar duas vezes, ela saiu da sala e foi para o local onde as duas estavam lutando.

Sakuyamon usou o seu báculo para realizar um dos ataques mais poderosos. Surgiram várias almas de raposas, que atuavam como chamas. Foram na direção de Sanzomon.

— O que é isso? Está queimando o meu corpo.

O ataque envolveu Sanzomon por completo. A imperatriz respirou fundo e pensou ter enfim vencido.

...

Freddy tentou mapear o local, mas seu legacy não conseguiu. Desde que entraram no portal foram parar em algum canto misterioso e bem gelado.

— Est... estou... congelando — disse Neymar azul de frio.

— Precisamos achar um local seguro e protegido do frio — disse Jin. Ele olhou uma caverna um tanto próxima dali.

Os cinco foram para a direção da caverna. Era totalmente feita de gelo, porém mais quente. A sensação de pouco ar ainda era perceptível. Todos concordaram que o local era bem acima do nível do mar.

— Esse frio vai nos matar. Eu não estou aguentando mais.

— Calma, Mush. Tome — falou Jin entregando uma barra de chocolate ao cogumelo.

Gokuwmon estava na entrada da caverna. Viu alguns seres desconhecidos vagando pela região.

— Será que eles estão mesmo aqui? — perguntou um Icedevimon.

— Claro que sim. Se o Chanceler mandou prendermos, é porque é verdade — respondeu uma criatura parecida com um orc vestido com peles.

Gokuwmon escutou o que disseram. Sua audição era espetacular. A conclusão: estavam na ilha do Chanceler.

Palácio de Gelo

Strabimon ficou observando a neve da varanda enorme do palácio. O seu mordomo chegou dando notícias acerca das tropas que estavam à procura dos resistentes.

— Logo a princesa deles estará chegando. Tactimon está trazendo-a. Quero ver se eles ainda estarão nessa garra toda contra o governo.

 

Ruan estava acompanhado por um inimigo, mas não fazia a mínima ideia disso. MarineAngemon era lacaio de alguém que ambiciona planos nefastos para o jovem digiescolhido.

— Chegamos à cidade. Conheço um senhor que pode tirar você do Digimundo.

— Tomara.

As casas eram cogumelos. MarineAngemon achou um velho ancião. Era um digimon desconhecido, mas com uma longa barba e usava um chapéu de bruxo.

— O que desejam?

— Por favor. Eu quero voltar para a Terra.

— Deixar de ser digiescolhido. Uma decisão extremamente difícil. Posso te ajudar, mas antes vai ter que engolir aquilo.

MarineAngemon levou uma semente negra para o espanhol.

— Que é isso?

— Engula. É uma coisa que serve para ajudar na sua transferência para o outro mundo.

Ruan não pensou duas vezes e engoliu. Nada de especial aconteceu.

— Tá vendo aquela cortina? Pode passar por ela. Encontrará o caminho para casa.

Ele se aproximou de uma cortina azul. Tomou fôlego e passou.

...

— Tenho que chegar a tempo. Tenho que dar esta gravação para os digiescolhidos — disse Petermon enquanto corria pela floresta.

Os muros da cidade estavam visíveis. Faltavam poucos metros para que Petermon chegue à cidade devastada.

Longe dali, na cidade litorânea que sofria por causa da luta dos dois gigantes, uma criança esbarra em alguém. Olha para cima e vê Phelesmon parado no meio da rua.

— Mamãe, um demônio!

Os outros moradores fecharam as portas enquanto ele caminhava. Era automático.

Phelesmon viu os dois monstros brigando no mar. Sorriu. A oportunidade perfeita para ficar mais forte.

Panjyamon viu a presença de Tactimon bem na sua frente. Os dois se conheciam de uma longa data. Por causa da dominação do Chanceler no seu antigo país que agora é território do governo mundial.

— Eu estava esperando por este momento. — Segurou a espada.

— O protetor da princesa. Sabe que não vai ter nenhuma chance comigo. Quando eu capturá-la, ficará impotente. Não terá nada que possa fazer.

— Eu vou lutar!

Vários soldados apareceram por trás de Panjyamon e o atrasaram.

— Eu sequer preciso lutar contra você. Um digimon medíocre jamais será um oponente.

— Espere!

Tactimon correu na direção de Ranamon e os outros.

Sakuyamon, a forma digimon de Xena, aparentemente venceu a Sanzomon. Durante todos esses anos protegendo o país de Vênus, jamais precisou se transformar na Sakuyamon.

— Xena?

Ela viu Mona aparecer. Explicou que naquela forma se chamava Sakuyamon. Tudo parecia resolvido, quando de repente a voz de Sanzomon ressurgiu.

— Hahahaha. Ainda não acabou! O meu corpo foi destruído, mas sou imortal. Meus dados não voltarão à cidade dos bebês, por isso ainda posso ter um novo corpo.

Sanzomon estava com apenas o seu espectro. Um rosto estranho apareceu no meio daquele espectro. Xena pediu para que Mona se afastasse o mais distante possível.

— Ainda posso vencê-la. Está vulnerável como espectro. Myotismon também fora derrotado assim.

— Encontrei uma hospedeira...

O espectro saiu diante das duas. Sakuyamon foi atrás da vilã, pois não permitiria que ela se apossasse do corpo de ninguém.

Kazemon resolveu voltar para o bunker depois que soube que a sua irmã fora derrotada e ferida pela inimiga. O que ela não esperava era que essa mesma inimiga estava no seu encalço.

— O que houve aqui?

Uma explosão. O espectro de Sanzomon apareceu para ela. Sakuyamon, logo atrás, conseguiu ficar entre a filha e a inimiga.

— Oi. Até que enfim apareceu.

— Mamãe? Por que está assim?

— Sabe aquele meu segredo? É este.

— Me deixa passar! — gritava a vilã.

Xena colocou um campo de força para o espectro não passar.

— Eu não consigo mais aguentar. Em poucos segundos virarei humana.

— Posso ajudá-la a derrotar...

— Não. Você e a sua irmã precisam cuidar deste país.

— O que está falando? Parece até uma despedida.

— É uma despedida. Não sei se vou sobreviver depois disso. Mona, olhe elas por mim e peça desculpa aos digiescolhidos por mim.

— Espera, Donna...

Sakuyamon conseguiu entrar no espectro de Sanzomon e absorvê-lo em seu próprio corpo. Depois se autodestruiu. Kazemon ficou chocada com o ocorrido. Mona foi arrastada por muitos metros. Sanzomon explodiu em dados, sem chance de voltar à vida.

O corpo da imperatriz surgiu no chão, sem a forma de Sakuyamon. Kazemon e Mona foram até ela, tentaram reanimá-la, mas nada acontecia. Kazemon chorava pela morte da sua mãe. Queria ter mais tempo de dizer que a amava. Mona, amiga de longa data, viu a trajetória da amiga. Um trajeto com mais baixos do que altos. Isolou-se de todos. Desde que perdera a parceira digimon chamada Renamon. Foram tempos difíceis. Donna, nome real de Xena, tornou-se uma mulher rancorosa. Foram anos assim até no dia em que se encontrou com Paulo. Nesse dia, ela descobriu mais uma vez o que era trabalhar em equipe.

— O que faremos? Shutumon não teve nem tempo de se despedir.

— Vamos respeitar a vontade dela. Ela queria que protegêssemos este país. Faremos o que ela tanto fez, mas sem preconceitos. — Mona encostou a cabeça da mulher em suas pernas. Ela viu a amiga morrer para proteger o país.

Um novo capítulo surgiu no país de Vênus. Graças à guerra promovida pelo Chanceler, o destino daquela nação mudara completamente de rumo.

...

Ilha do Chanceler

— Vamos morrer de frio. Precisamos encontrar urgentemente um abrigo mais quente ou uma fogueira — falou Goburimon, tremendo por causa do clima frio.

— Não vai ser nada fácil. Há muitos inimigos do lado de fora.

— Gokuwmon, ouviu com a sua grande audição?

— Sim, Freddy. São capangas do Chanceler.

O som da ventania se misturou ao som de explosões. A tempestade de neve deixava a visibilidade quase nula.

— Gente...

— Que foi, Mush?

— Acho que tem uma criatura no fundo da caverna.

Eles viram uma criatura quadrúpede no fundo da caverna. Seus olhos brilhantes contrastavam com a escuridão daquele ambiente.

Os guardas da chancelaria desativaram minas sob a neve. A explosão causou um avalanche perto das montanhas. O estado era crítico devido à tempestade. Não encontraram quem procuravam, por isso se retiraram dali.

— Deixa comigo. Essa luta vai me aquecer um pouco. — Gokuwmon estalou o pescoço.

— Esperem! Não pretendo machucar ninguém. Apenas tive que fugir.

Os digiescolhidos aproximaram-se da criatura ao fundo e viram a sua verdadeira forma.

Continua...



Notas finais do capítulo

Mais um dos mocinhos morre. Eu adoro matar meus personagens ahuahua a última morte foi do HiAndromon.

Enfim, espero que tenham gostado. Próximo capítulo Paulo vai ficar tete a tete com Phelesmon e Petermon vai revelar tudo. Até que enfim esse capítulo vai chegar. :V



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "D.N.A Advance: Nova Ordem do Século" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.