My Dear Nerd escrita por Monaliza


Capítulo 31
Pool Party


Notas iniciais do capítulo

Oi povo lindo! Olha só, eu aparecendo aqui depois de um mês e 19 dias sem postar (sim, eu contei u_u) '-'
Mas o que importa é que eu voltei, então vamos deixar de enrolação e vão logo ler, porque esse capitulo tem P.O.V do Logan e tá bem grandinho *-* (Mais de 4.000 palavras :D)

Boa leitura ♥



– Vamos subir, aqui tá ficando muito quente! – falei assim que descolamos nossos lábios.

Realmente, a temperatura daqui aumentou, e bastante.

– Tudo bem, vamos!

Mil e um pensamentos sujos já passavam pela minha cabeça, e um sorriso malicioso surgiu em meus lábios assim que ele aceitou o convite. Não me leve a mal, ele é a perdição em pessoa e o beijo dele estava me deixando mais do que louca!

Não, esses não sou eu e o Logan, se é isso que vocês estão pensando. Esses sou eu e um garoto que eu “conheci” há minutos atrás, o Blaine.

Bom, pra quem ainda não entendeu nada, vamos à explicação: depois de toda aquela porcaria que aconteceu, eu simplesmente fui até o bar e tomei altas doses de vodka, tequila, e outras bebidas que eu nem faço ideia de qual tenham sido. Daí eu fiquei super eufórica e parti para a pista de dança. E foi lá, dançando loucamente que eu encontrei o Blaine. E então, depois que eu percebi que ele era um lindo e que eu não tinha nada a perder, nós começamos a nos pegar.

E bendito seja o barman que permitiu que eu me embebedasse o bastante pra ter coragem de vir pra pista de dança sozinha e pudesse conhecer o Blaine.

Subimos as escadas ainda nos agarrando e praticamente trombando em todo mundo. Entramos no primeiro quarto que encontramos e graças a Deus, estava vazio.

O zíper do meu vestido já se encontrava aberto e nós nos separamos para que eu pudesse tirar a sua camisa, que já tinha alguns botões abertos.

Nesse meio tempo, percebi que o quarto em que estávamos era de ninguém mais, ninguém menos que do Logan.

Nossa, um ótimo lugar pra se pegar com alguém: no quarto do cara que te deu um fora. Mas foda-se isso. Aquele infeliz com certeza deve estar em qualquer canto da casa se agarrando incansavelmente com a priminha ridícula dele, então, esse fato, é totalmente relevante. E no momento, o que é mais interessante é a visão que eu tô tendo do abdômen saradíssimo do Blaine.

Senhor, que Deus abençoe a mãe e o pai desse garoto por ter tido um filho tão gostoso. E que me perdoe também por ser tão tarada.

Continuamos a nos beijar como se isso fosse a ultima coisa que nós pudéssemos fazer. As mãos dele percorrendo todo o meu corpo estavam me fazendo pegar fogo. E o que dizer dos apertões que ele dava na minha cintura? Meu Deus, isso é que é pegada! Logan devia aprender com o Blaine o que é pegar uma garota de jeito e o que é ter bom gosto!

Eu já estava com as mãos no cós da calça dele, com a intenção de abrir o botão e o zíper, e ter a visão daquele corpinho seminu. Mas como a vida gosta de sacanear comigo, no exato momento em que eu ia cumprir meu objetivo, a porta do quarto foi aberta abruptamente e alguém entrou, quebrando todo o clima.

E por ironia e pura sacanagem do destino, esse alguém atendia por Logan.

Sim, isso mesmo. O Logan entrou no quarto.

Céus, eu devo ter dançado Harlem Shake em cima da mesa da Santa Ceia pra merecer isso tudo.

E não pensem que ele estava sozinho. O desgraçado estava acompanhado de sua priminha vagabunda, pra minha total infelicidade, e os dois, assim como eu e o Blaine, estavam se agarrando como se nada mais ao redor existisse. Porém, pararam assim que perceberam que não estavam sozinhos.

Ao ver aquela cena, minha única vontade foi de pegar a Cindy, arrancar, fio por fio, todo o seu cabelo seboso e joga-la pela janela. E em relação ao Logan não foi muito diferente. Juro que se tivesse uma arma, atiraria sem dó neles dois.

Dirigi meu melhor olhar frio pra eles e me agarrei ao Blaine.

– Parece que alguém teve a mesma ideia que nós. – falei me referindo a mim mesma e ao Blaine, sem quebrar o contato visual.

Enfatizei bastante essa parte. Vai ver eles seriam idiotas o bastante para não notarem que eu e o meu boy magia estávamos afim de nos “divertir” a noite toda. Se bem que isso seria difícil, já que estávamos com pouquíssima quantidade de roupa.

– Parece que alguém estava prestes a ter uma noite inesquecível. – sua voz estava carregada de ironia.

– E eu realmente iria ter, se não fosse pelo fato de você e essa mocreia terem me interrompido. – meu tom de voz era super áspero.

Que foi? Eu estava puta da vida por dois motivos: um, porque eu tive o desprazer de presenciar o Logan e a Cindy praticamente se comendo juntos. E dois, porque aquele filho da mãe acabou de interromper minhas preliminares com um cara totalmente gostoso.

– Ninguém tem culpa se você veio pro meu quarto.

– Fique sabendo que não foi de propósito. Mas eu te juro que se soubesse que vocês dois viriam pra cá, eu jamais pisaria os pés nesse aqui.

Nós praticamente travamos uma batalha silenciosa por meio de olhares.

– Eu até ficaria aqui discutindo com você, mas eu realmente não posso, sabe?! Tenho uns assuntos pra terminar com a Cindy. – dava pra ver de longe que ele estava debochando e tentando me provocar.

E o pior é que o miserável estava conseguindo. Mas se tem uma arte que eu domino, é a de mascarar emoções. Eu estava explodindo de raiva, mas minha expressão de superioridade e meu sorriso sarcástico não deixavam isso ficar nítido. E o que dizer do meu tom de voz indiferente?

Realmente, eu devia ser atriz.

– Então estamos no mesmo barco. Porque eu e ele... – olhei para o Blaine e mordi os lábios de forma provocante. - Ainda temos algo pendente, não é mesmo lindo?

– Com certeza gatinha! – ele disse me puxando de encontro ao seu corpo e dando inicio a um beijo gostoso.

Até gostei da atitude dele, pois o Logan vai poder ver com os próprios olhos o que perdeu e que eu realmente não me importei com nada do que ele disse. – por mais que isso fosse mentira.

Ouvimos um pigarreio alto e forte, além de forçado, e nos separamos. E novamente, o Logan me atrapalhando.

Me deu uma baita vontade de rir da cara feia que ele fez. Cheguei até a pensar que ele estava com ciúmes, mas parei assim que vi o seu braço rodeando a cintura da Cindy.

É, sonhar é bom e todo mundo gosta, mas também não é assim.

– Será que dá pra vocês saírem daqui? – ele pediu irritado.

“Ele tá com ciúmes!” Minha consciência idiota e iludida praticamente gritou. Obriguei-me a parar de ter falsas esperanças e me concentrei na situação que estava realmente acontecendo.

– É o que vamos fazer agora! – dei um sorrisinho safado e ele apenas me olhou feio.

– Pois então andem logo!

Puxei o Blaine e fui indo em direção à porta, mas parei assim que prestei bastante atenção na Cindy. Nada melhor do que fazê-la pagar por tudo, exatamente agora.

– Ah, e antes que eu me esqueça, isso aqui... – sentei a mão na cara dela com vontade. - É por ter chamado a minha mãe de vadia mais cedo. Isso aqui... – mais um tapa. – É por ter me interrompido. E isso aqui... – esse último eu dei com tanto gosto, que até a minha mão formigou. – É por ter entrado no meu caminho e estragado todos os meus planos.

E então eu saí rebolando com o Blaine me abraçando por trás. Deu bem pra sentir seu volume roçando no meu bumbum. E isso só fez meu sorriso safado aumentar.

Pelo visto, a noite vai ser quente. Muito quente...

(...)

Acordei com um pouco de dor de cabeça e sentindo um cansaço desgraçado. Culpa da bebida que eu tomei ontem, e culpa do Blaine que não me deu um segundo sequer de descanso.

Ri sozinha, lembrando da noite selvagem que a gente teve ontem e tentei me desvencilhar cuidadosamente de seus braços pra me levantar e ir ao banheiro, mas eu realmente não sou a melhor no quesito delicadeza, então acabei acordando o coitado que dormia suavemente ao meu lado.

– Bom dia!

– Bom dia! – falei selando nossos lábios. – Desculpa por te acordar.

– Sem problemas. – ele deu um sorrisinho.

Bom, depois do embate silencioso que eu tive com o Logan, eu simplesmente sugeri ao Blaine que viéssemos para a casa dele. Ele aceitou, então nos corremos pra cá o mais rápido possível. Dei graças a Deus assim que constatei que a casa estava vazia, e o resto, vocês já sabem o que aconteceram.

Levantei e peguei minhas roupas espalhadas pelo quarto e rumei ao banheiro. Joguei um pouco de agua no rosto e no cabelo, e me vesti. Sai de lá e encontrei o Blaine vestido apenas com uma bermuda.

– Pode descer e me esperar lá embaixo se quiser. Eu só vou escovar os dentes e já desço.

Fiz o que ele pediu e assim que desci, fui em direção à cozinha. Como eu sou mestre na arte de ser folgada, fui logo abrindo a geladeira e pegando um suco que parecia ser de laranja. Confirmei minhas suspeitas assim que bebi, e instantes depois o Blaine apareceu.

– Quer que eu te leve em casa? – ele perguntou tomando um gole do meu copo de suco.

Pelo visto, eu não era a única folgada ali.

– Não precisa! A gente veio no meu carro, esqueceu?!

– Ah, foi mesmo. – ele riu levemente.

– Bom, mas se você quiser ir comigo... – eu sugeri com um sorrisinho malicioso.

Ele riu novamente.

– Eu até iria, mas meus pais chegam hoje, e eles querem que eu esteja aqui pra recebê-los. – ele revirou os olhos.

Foi a minha vez de rir.

– Ah, então tudo bem. Mas se rolar algum agito por lá, eu te ligo.

– Vou estar esperando! – ele deu um sorrisinho sacana e selou meus lábios.

– Até mais tarde! – acenei e fui saindo.

Cheguei em casa e encontrei tudo silencioso. O que era estranho, já que hoje era domingo.

– Mãe? – chamei e não obtive resposta. – Mãe?!

Dei de ombros e fui até a cozinha. Minha mãe já é de maior e não tem porque eu me preocupar.

Encontrei um bilhetinho preso na porta da geladeira e nele tinha a caligrafia da minha mãe:

“Viajei para o aniversário da sua tia Mag e não sei que horas volto. Aliás, nem sei se volto hoje ;)

Xx, mamãe”

Sorri maldosamente e corri pro quarto. Não tinha dia melhor pra uma das minhas tias fazer aniversário. Peguei o celular e disquei o numero da Tiffany rapidamente.

– Alô? – sua voz estava sonolenta e cansada.

“Passou a noite toda dando!” Pensei e abafei o riso.

– Tiff?

– Fala sua cadela!

– Nossa, e esse mal humor hein? O David broxou? – provoquei.

– Ha, ha. Como você é engraçada. – ela foi irônica. – Mas não foi isso, eu só tô com sono.

– Ah, ok. Mas enfim... Pool Party hoje na minha casa, certo?

– Ué, mas a tia Jane deixou? – ela perguntou surpresa.

– Ela nem sabe que eu tô planejando essa festa!

– Como?!

– Ela viajou para o aniversário de uma tia minha, e disse que não sabe se volta hoje. Ou seja, eu tenho a casa todinha só pra mim!

E então ela riu.

– Bom, então daqui a pouco eu tô aí!

– Avisa ao povo! – falei antes de desligar.

(...)

Bom, certo que eu pedi a Tiffany pra avisar ao povo, mas eu não imaginava que ela conseguiria falar com tanta gente. Mal ela chegou com o Brian e o David, e dez minutos depois a casa já estava cheia.

– Como você chamou esse povo todo? – perguntei praticamente gritando, por causa da música alta.

– E você acha mesmo que fui eu? – ela devolveu no mesmo tom. – Foi só eu falar em Party com o Brian que no mesmo instante ele já tinha chamado metade da cidade.

Eu ri.

– Falando nisso, eu vou mandar uma mensagem pro Blaine.

– Quem?

– Ah, o Blaine. É um carinha muito lindo que eu conheci ontem a noite e a gente ficou.

– E só agora que você me conta né, sua safada? – ela deu um risinho malicioso.

– Fazer o que se você sumiu, né? Provavelmente com o David. – foi só eu falar que ela revirou os olhos.

– David que nada! Eu encontrei um garoto super bonitinho e a gente acabou ficando também. – ela continuava com a expressão descontente no rosto.

– Tá, mas o que tem de mal nisso?

– O que tem de mal? O que tem de mal é que bem na hora H, ele simplesmente começou a tremer e depois fugiu apavorado. – ela bufou. – Parecia um virgem!

– Vai ver ele era realmente virgem... Ou então ficou assustado com esse seu corpo de baleia!

– Ha, há. Engraçada você, né? – sua voz estava carregada de ironia.

Apenas dei risada e me afastei pra pegar o celular e mandar a mensagem pro Blaine. E foi questão de instantes pra que ele me respondesse, dizendo que daqui a uns minutos ele já estava chegando.

Voltei pra perto dos meninos e da Tiff, aproveitando pra pegar uma bebida pelo caminho.

– Vem cá, cadê o resto do povo? – perguntei pra ninguém especificamente, me referindo ao nosso grupinho.

– Acho que estão na piscina. – David respondeu.

– E o seu irmão? – me dirigi ao Brian.

– Ficou em casa.

– Com aquela praga?

Nem precisei citar nomes. Acredito que pelas circunstâncias e pelo meu tom de voz, ele percebeu que eu estava falando da Cindy.

– Aham.

– Aff, aquele garoto é um idiota. – revirei os olhos. – Deixar de vir pra uma festa só pra ficar em casa com aquele projeto do Satan.

– Você sempre soube que o Logan é bastante anti-social. – ele deu de ombros.

– É. Mas com certeza ele deve tá muito feliz em estar “socializando” com aquela piranha. E você sabe bem de que tipo de socialização eu tô falando. – bufei e ele apenas riu.

– Fica tranquila aí Mellany, não acho que eles estejam tendo esse tipo de socialização. Ah, e eu avisei a ele que era pra aparecer aqui, e ele disse que talvez viesse.

– Com ela na cola dele?

– Provavelmente.

– Argh, bem que ela podia cair da escada, fraturar uns ossos e ser obrigada a voltar pro buraco de onde ela veio. - a raiva era visível na minha voz.

– Pra que tanto ódio no coração Melzinha? – David se intrometeu na conversa.

– Pra enfiar no ouvido de gente intrometida que nem você! – lhe lancei um olhar mortal. – Vê se fica na sua, tá?!

– Nossa! – ele levantou as mãos em sinal de rendição. – Depois dessa eu vou até me retirar pra dar um mergulho. Pelo bem do meu ouvido!

– É bom mesmo! Ah, aproveita e morre afogado, ok?

E ele apenas riu, seguindo seu caminho logo depois.

– Seu amigo é tão irritante! – falei com o Brian.

– Nisso eu tenho que concordar. – Tiffany se pronunciou.

– Você fala como se não gostasse. – Brian dirigiu um olhar malicioso a ela.

– Vá à merda Brian! – ela lhe lançou o dedo do meio.

Eu apenas dei risada da cara deles dois, e segundos depois senti meu celular vibrar, mostrando uma mensagem do Blaine, dizendo que já tinha chegado e que estava na porta me esperando. Sorri maliciosamente e levantei:

– Vou aqui e volto já.

Foi uma luta pra conseguir chegar até a porta: toda hora aparecia alguém pra me cumprimentar ou se batiam em mim. Mas quando cheguei, avistei o Blaine e acenei pra ele, que acenou de volta, e então eu fui até lá:

– Oi gatinho!

– E aí cat? – ri com o novo apelido.

– Tô legal. Melhor agora que você chegou!

– Nossa, tô até me sentindo importante agora!

Ri novamente, mas não por muito tempo. Porque pude perceber o Logan descendo de um carro que provavelmente era o dele. E bom, trazendo consigo aquela ciosa que ele chama de prima.

– Que falta de sorte! – murmurei olhando pros dois.

– O que foi? – Blaine direcionou o olhar pra mesma direção que eu. – Vem cá, não são aqueles dois de ontem?

– Eles mesmos.

– E você não vai com a cara deles né?

– Nem um pouco! Muito menos com aquelazinha ali. – o desdém era visível na minha voz.

– Ah, mas ela até que é bonitinha! – ele disse e em troca recebeu um tapa meu. – O quê? – perguntou risonho.

– Como você tem coragem de dizer isso na minha frente? – perguntei incrédula.

– Ah cat, ela é bonitinha. Mas você... – ele mordeu os lábios. – Você é perfeita!

E então eu sorri e juntei nossos lábios num beijo lento.

– Falou tanto de mim, e agora tá aí se agarrando com qualquer um. – não foi difícil adivinhar de quem era essa voz.

Parti o beijo e apenas o encarei com a sobrancelha erguida:

– Como é que é?

Sério, de uns tempos pra cá eu acabei percebendo que o Logan era um completo dissimulado. Mas jamais pensei que ele chegaria a esse ponto.

– Além de tudo ainda ficou surda?

A senhora Harrignton que me desculpe, mas o Logan é um grande filho da puta!

– Olha aqui, em primeiro lugar, ele não é qualquer um, ele é o Blaine. – eu já estava me exaltando. – E em segundo lugar, a minha situação é totalmente diferente da sua.

– Ah é? Seria muito interessante se você citasse essas diferenças. – ele foi sarcástico.

– Bom, pelo menos eu não estou catando o meu próprio primo.

– E eu pelo menos não estou por ai me agarrando com qualquer estranha. Porque eu garanto que não tem nem 24 horas que você conheceu esse cara.

– Realmente não tem, mas e daí? Pelo menos não é um relação incestuosa. – então ele ficou quieto por um tempo, mas depois começou a rir.

E não pensem que eu estou brincando. Ele começou a rir mesmo! Quando eu digo que ele é cínico, vocês acham que eu tô implicando.

– Se informe primeiro e fale depois. – foi só o que ele disse antes de sair e me deixar totalmente confusa.

– Você entendeu alguma coisa? – perguntei ao Blaine.

– Não, nada.

Apenas dei de ombros e segui com ele até a sala. Dessa vez estava todo mundo lá: Tiff, Brian, David, Sharon, Karin, James, Brad e Brianna. E claro, a cereja do bolo: o casal Cindy e Logan.

– Oi povo! – cumprimentei a galera.

Blaine logo se enturmou e sentou num Puff que ficava, por coincidência, bem em frente ao lugar onde estavam sentados o casalzinho de primos. E eu sentei em seu colo, apenas pra provocar o Logan.

– Hum, tá comendo legal hein cara?! – James perguntou zoando o Blaine.

– Legal? Eu diria perfeitamente. – ele piscou pra mim e eu acabei rindo.

– Fazer o quê se você tem bom gosto! – falei selando os nossos lábios e aproveitando pra dar uma indireta mais que direta pro Logan.

Olhei bem pra cara dele com um olhar superior, que foi devolvido por ele, e de brinde, ainda recebi um sorrisinho debochado.

– Não se engane, ela não é tão perfeita assim cara. – ele se dirigiu ao Blaine.

– Essa não é a questão. – eu cortei logo o seu barato. – A questão é que você só enxerga perfeição onde não existe. – e mais uma indireta.

– Não. Essa também não é a questão. – ele me sorriu cínico. – A questão é que eu não enxergo perfeição em você! E por isso você se dói tanto. – ele praticamente cuspiu as palavras em minha cara.

Era tudo o que eu queria. Ter uma discussão acalorada com o Logan bem aqui, numa festa, e na frente de todos os meus amigos. E ainda por cima, ficar sem argumentos. Porque é claro que eu já passei por esse tipo de situação, sabe? Receber altas críticas e tudo mais. Mas ninguém jamais foi tão cara de pau quanto o Logan. Ninguém nunca jogou isso em minha cara, e por mais que eu tente, é impossível não me sentir, pelo menos, incomodada com isso.

Mas nem ele, e nem ninguém precisa ficar sabendo disso, claro.

– Eu me incomodar com sua opinião? – abusei do tom de desdém. – Você só pode estar louco se você acha isso. Por que mesmo eu me importaria com o que você acha?

– Talvez seja porque você não se importa que você ficou revoltada ontem, quando eu te dei outro fora!

P.O.V Logan

Senti que o que eu havia dito a abalou totalmente. Garanto que ela não estava esperando que eu dissesse isso, aqui e agora, na frente de todo esse povo. E garanto mais ainda que ela não tinha contado pra ninguém sobre o

que aconteceu ontem.

– Ele te deu outro fora? – Brianna como sempre, muito escandalosa, arregalou os olhos e gritou.

Só faltou congelar a imagem pra deixar tudo muito mais dramático.

– Isso Brianna! Grita mais alto! Acho que o povo da Austrália não conseguiu ouvir! – Mellany se exaltou.

Ela me olhou de um modo flamejante. Garanto que se ela tivesse olhos laser eu já teria me transformado em cinzas há muito tempo. E bom, como eu não tenho amor à vida, lancei-lhe um olhar desafiador, esperando ouvir altos xingamentos vindos dela.

Mas não foi isso que aconteceu. Ela apenas saiu da sala e rumou até a área da piscina.

– Caramba cara, você pegou pesado! – Brian me disse.

– Peguei pesado?! – exclamei incrédulo. – Isso aqui não chegou nem aos pés das coisas que ela já fez comigo. Ou você esqueceu de tudo o que ela já aprontou pra cima de mim?

– Não é isso cara, é só que...

Eu não estava nem um pouco a fim de ouvir as baboseiras que Brian iria começar a falar, então saí, e fui até a cozinha pegar alguma coisa pra beber. Alguma coisa que não fosse alcóolica, porque tudo o que eu menos quero é ficar bêbado. Dei sorte que ali estava vazio. Peguei uma lata de refrigerante e a abri calmamente, levando-a até a boca começando a beber.

– Como você teve coragem de me humilhar daquele jeito?! – eu praticamente cuspi todo o liquido que estava em minha boca depois de ouvir aquele grito.

Que só podia ser de uma pessoa.

– O que você quer Mellany?

A gente mal começou a conversar e eu já estava ficando sem saco pra ouvir os litros de palavras que ela iria despejar em cima de mim.

– Eu quero que você me explique porque fez aquela ceninha ridícula lá na sala!

– Eu não te devo explicações! E se quer saber, eu acho que foi bastante merecido. Sabe por quê? – perguntei me aproximando. – Porque eu só estava retribuindo tudo o que você fez comigo.

Nem trocamos mais de três frases e já estávamos gritando feito malucos. Se não fosse pelo som alto, garanto que daria pra ouvir nossa discussão de lá de fora.

– Queria se vingar? Tudo bem, é compreensível. Mas não precisava ser na frente do Blaine! O que você acha que ele vai pensar de mim?

– Eu estou pouco me lixando para o que ele vai pensar de você! – fui direto. – E admita Mellany! Você só está ficando com aquele cara pra me provocar!

Quando eu disse isso, foi como se eu a tivesse atingido com um soco. E se ela teve essa reação, é porque sabia que o que eu falei era a mais pura verdade.

Mas ela jamais iria admitir isso. Por isso, ela deu uma sonora gargalhada irônica e rebateu:

– Você devia mudar o seu nome para Sol, sabe por quê? – ela se aproximou. – Porque você acha que o mundo gira em torno de você.

– Olha só quem tá falando! – ri sarcasticamente. – A garota que ficou toda irritadinha só porque tomou um fora meu!

– Eu não fiquei irritada porque você me deu um fora, eu fiquei e ainda estou irritada com você porque você insiste em me encher de defeitos!

– Te encher de defeitos? – perguntei incrédulo. – Mellany, você se acha perfeita né? Mas eu vou te dizer uma coisa: você não é.

– Ah, então quem é perfeita pra você? A Cindy? – ela foi sarcástica.

– Olha, ela pode até não ser perfeita, mas eu te garanto que ela é bem melhor que você.

Era tudo mentira.

Mas minhas palavras a atingiram como um tapa na cara. Só que ao invés de continuar gritando feito uma louca, ela se aproximou mais ainda e perguntou num tom de voz praticamente normal:

– Então você acha que ela é melhor do que eu, né? – estávamos tão perto que eu pude sentir seu hálito doce batendo no meu rosto.

– Acho não, tenho certeza. – menti mais uma vez.

Não que a Cindy fosse uma garota ruim, porque isso ela não é. Mas não podemos comparar ela com a Mellany, né? Porque por mais que eu não queria admitir, ela é muito melhor que a Cindy em vários aspectos.

Mas ela não precisa ficar sabendo disso, é lógico.

– Ah é? Eu quero ver se você vai continuar a ter certeza depois disso aqui.

Eu nem tive tempo de perguntar do que ela estava falando, porque assim que ela concluiu sua frase, ela simplesmente acabou com a distância entre nós, selando nossos lábios, e logo depois, dando inicio a um beijo feroz.

E eu correspondi.

Suas mãos foram direto para o meu cabelo e ela começou a bagunçá-lo. Eu envolvi sua cintura e a puxei pra mais perto. Nossas línguas travavam uma batalha violenta em nossas bocas e a gente só podia tirar proveito disso.

Podia parecer loucura, mas eu estava mesmo beijando Mellany Flacksman por uma segunda vez, e estava gostando muito disso.

Assim como ela.

Era como se nunca tivéssemos beijado ninguém antes. Como se esse fosse o primeiro contato que eu estava tendo com uma garota, e vice-versa. Mas como tudo o que é bom dura pouco, tivemos que nos separar em busca de ar.

Ela continuou com seu rosto colado ao meu, e a única coisa que podíamos ouvir eram nossas respirações ofegantes e a batida de Right Now, da Rihanna, tocando ao fundo.

Eu não sabia nem o que pensar depois disso. Num momento nós estávamos discutindo como dois inimigos mortais e no outro, a gente já estava se beijando como se nunca tivéssemos feito algo do tipo antes.

É, tudo muito confuso.

– Continua achando que a Cindy é melhor do que eu? – ela perguntou.

E por mais que a resposta fosse “não”, eu jamais responderia isso. E sabe por quê? Porque assumir isso a faria sair vencedora daqui. E pode até ser infantilidade da minha parte, mas quem me conhece sabe que eu nunca entro em uma discussão pra perder.

Continuo.

Aquilo foi tudo o que eu respondi antes de sair de lá e deixa-la sozinha. Não deu nem tempo de ver sua reação.

Mas eu tenho certeza de uma coisa: neste exato, Mellany Flacksman quer me ver morto.



Notas finais do capítulo

E então? O que acharam? Hahaha, muita pegação entre muita gente né? ( ͡° ͜ʖ ͡°) Tá, eu vou parar de ser tarada u.u
Enfim, expressem suas opiniões no comentários e me façam feliz *-*

~ Até o próximo capítulo õ/ ♥