Percy Jackson e a Trilogia Da Pedra escrita por Pedro


Capítulo 28
28 - Pior que o Estige


Notas iniciais do capítulo

demorei ! :))) eu sei! , tava escrevendo a outra fic... confere lá!!

boa leitura!



28 – Pior Que o Estige

Meu coração estava em pedaços , o corpo inerte de Annabeth estava despertando ao mesmo tempo , ódio e tristeza.

–NÃO! – gritei para os céus – NÃO VOU PERDER VOCÊ , ANNABETH!

Meus amigos me olharam com pena. Eu estava definhando. Thalia tentou me reconfortar , ela estava se desmanchando em lágrimas. Não dei atenção à ela. Segurei as mãos de Annabeth e chorei. Ela não iria morrer.

Comecei a ouvir urros e grasnados. Desviei meu olhar de Annabeth , eram centenas , talvez milhares , de monstros. Ciclopes , cães infernais , dracaenaes , empousas e lestrigões.

Eles avançavam lentamente em nossa direção. Deviam saber que não conseguiríamos nos defender , éramos apenas cinco , pois Perseu se fora junto com Tártaro.

–VOCÊS JÁ NÃO ME TIRARAM O BASTANTE? – gritei e avancei na direção deles.

Coloquei a mão no bolso e meus dedos se fixaram na estrutura hexagonal azul. A retirei do bolso e gritei um “abra”.

Ela me obedeceu instantaneamente. A espada de bronze celestial cresceu em minhas mãos , a flecha azul marinho que dividia a lâmina em dois brilhou intensamente.

A luz azul encheu meus olhos. Os rostos dos monstros se tornaram azuis bruxuleantes em meio ao ambiente do tártaro.

Os monstros começaram a recuar. Talvez por causa de minha expressão , ou talvez porque minha espada estava brilhando.

–Percy... você , você , a benção! – ouvi Thalia dizer às minhas costas – Nunca vi isso antes!

Não respondi. Olhei para cima mecanicamente. Acima de minha cabeça , brilhava um tridente verde holográfico. Como na noite em que eu fora reclamado , após sofrer ataques de um cão infernal.

Novamente baixei os olhos para os monstros , eles estavam correndo , subindo a encosta da cratera.

Corri até Annabeth. Ela ainda estava com os olhos abertos , olhando fixo para o mesmo ponto. Eu não iria perdê-la.

Comecei a fazer exercícios para reanimar. Subi e desci as mãos no peito dela , contando até quatro e voltando. Nada. Fiz algumas respirações boca a boca. Nada. Eu estava quase desistindo e definhando quando ouço a conhecida voz da Pedra de Onfalos.

“Parabéns escolhido , você concluiu sua tarefa , o rei dos Olimpianos foi salvo”

“ À preço de quê? , Annabeth se foi” gritei.

“Ainda há como salvá-la , você só precisa acreditar em si mesmo”

Como um calafrio , as frases da Pedra fizeram sentido. Olhei para minha espada brilhante e para o tridente holográfico acima de minha cabeça e então murmurei um “feche-se”.

A pedra hexagonal continuou a brilhar na palma de minha mão. Fiz o mesmo gesto de abrir a palma da mão quando eu segurava a Pedra de Onfalos.

A pedra azul marinho me obedeceu. Ela flutuou alguns centímetros no ar e brilhou ainda mais intensamente.

Me aproximei de Annabeth , me movendo mecanicamente. Era como se ao mesmo tempo eu soubesse e não soubesse o que tinha que fazer. Apenas me aproximei dela e continuei de pé.

Ergui a mão com a pedra e apontei na direção de Annabeth. Minha mão começou a esquentar. A pedra se dissolveu e molhou minha mão com uma água morna. A brisa marinha encheu minhas narinas.

NARRADOR POV

“Então Percy Jackson se ajoelhou próximo ao corpo inerte de Annabeth Chase. A luz que irradiava da mão do garoto começou a se intensificar. Ele posicionou a mão em cima do ponto onde a espada de Tártaro a perfurara. O brilho da mão do garoto envolveu Annabeth numa aura azul. Todo o corpo dela estremeceu e arrepiou. A luz também começou a formar uma aura verde azulada em Percy , o garoto se sentiu infinitamente poderoso , a benção – ele pensou.

Com poucos segundos , os rostos de todos ali presentes ficaram azuis e bruxulearam , eles assistiam a cena com uma mescla de incredulidade e tristeza. Percy Jackson não iria desistir tão fácil.

A luz da pedra se intensificou ainda mais. Agora , Percy Jackson e Annabeth Chase estavam envolvidos numa espécie de campo de força azul. Os olhos do garoto brilhavam , da cor da pedra. As pupilas haviam desaparecido , dando lugar à luz azul. Os olhos de Annabeth também brilharam igualmente.

A aura deles começou a fumegar. O corpo de Percy agora estava fumegando e soltando fumaça azul. A pele de Annabeth estava avermelhando. Os olhos da garota ainda estava tomados pela luz.

Então , como um baque , houve uma explosão. Tudo ficou branco , ninguém conseguiu ver nada. O poder de Percy foi tão grande que havia deixado todos num raio de 100m cego por alguns segundos”.

A luz havia tomado meus olhos. Não me lembrei do que havia feito. Estava exausto , como se uma parte de minha vida fosse tirada de mim. Talvez fosse a pedra de Annabeth.

Alguns poucos vislumbres vieram à minha mente. Me lembrei de fazer a pedra azul flutuar em minha mão , e então tudo ficou preto. Eu havia entrado em transe.

Ouvi uma tosse entrecortada. A visão voltou aos meus olhos. Eu estava deitado de costas para o chão pedregoso.

Ouvi mais tosses e ergui o tronco à procura da origem. Eu havia sido jogado a alguns metros de distância de Annabeth. Meus amigos também estavam deitados sem saber o que havia acontecido.

Corri até ela. Seu corpo estava envolto em uma aura azul bruxuleante. Sua pele estava vermelha. E algo fez meu corpo gritar de felicidade. O coração dela estava subindo e descendo , lentamente.

“Isso foi muito arriscado , meu filho , mas , eu sabia que você iria precisar deste presente , saiba que foi o primeiro que conseguiu , ninguém nunca havia conseguido realizar tal feito” era a voz de meu pai , estava cheia de orgulho.

“O que eu fiz , exatamente , pai?” perguntei mentalmente , eu me ajoelhei próximo à Annabeth e segurei sua mão , estava fria , mas não estava gelada.

“Você deu parte de sua vida para Annabeth , agora , parte de você vive nela , seus corações estão interligados , como um elo inquebrável , você a mantém viva a partir de agora , ela é sua responsabilidade , mas , isso tem um preço , se você morrer , ela morrerá também” ele advertiu , sinistro.

Fiz uma prece à ele. A ara de Annabeth havia desaparecido seu peito subiu e desceu freneticamente. Ela tossiu sangue. Rapidamente eu ergui seu tronco e a tosse cessou. Pedi à Thalia ajuda com o olhar. Ela entendeu rapidamente. Thalia correu ladeira acima. Fiquei de olhos vidrados em Annabeth até ela voltar com a garrafinha pingando lava do Flegetonte. Fiz Annabeth beber tudo. Ela tentou tossir e regurgitar mas não permiti , ela tinha que engolir para seu próprio bem.

Ela continuava desacordada , isso me preocupava.

“Escolhido , você deve partir agora , no ponto mais alto do tártaro , o pico de Erebus , ele é a sua saída”

Peguei Annabeth no colo delicadamente.

–Nico , nos guie até o pico de Erebus – eu disse confiante.

O garoto assentiu e começou a nos guiar para fora da cratera. Eu mantive Contracorrente à postos entre meus dedos , alerta para um ataque iminente.

Annabeth tossiu sangue algumas vezes e meu coração falhou batidas. Ela não poderia morrer , de acordo com meu pai , eu a mantinha viva a partir de agora. Porém , ela estava muito ferida , eu apenas havia dado a ela um pouco mais de tempo , não havia salvo sua vida.

Quando saímos da enorme cratera eu olhei para a chapada. Em cima , em seu topo , estavam milhares de monstros. Parecia que todos os monstros do tártaro haviam vindo nos fazer uma visitinha. Eles estavam armados com lanças , espadas e armaduras. Ordenei à Nico para não parar. O pico de Erebus não ficava na área dos degraus colossais , ele ficava muito à frente , numa planície arenosa.

De longe eu conseguia ver a enorme montanha. Ela quase chegava até o teto cavernoso do tártaro.

Eu não havia percebido , mas Luke carregava o corpo de Zeus. O rei dos Olimpianos continuava num sono profundo. Ele roncava e alguns mini-raios saíam de sua boca. A cena era quase engraçada , eu riria se não estivesse carregando Annabeth e ela não estivesse morrendo.

Continuamos a avançar. Não vi sinal dos monstros , mas eu sabia que eles nos achariam em pouco tempo. Não teríamos alternativa senão lutar até a morte. Eu teria de convencer Thalia a levar Annabeth e salvá-la , eu ficaria e protegeria a saída delas.

Pulei alguns rios. Bebi um pouco da lava do Flegetonte para me fortalecer e continuei a avançar.

Fiz Annabeth engolir um pouco mais da lava. Desta vez ela não dentou botar para fora.

O pico de Erebus estava se erguendo próximo à nos agora. Era uma montanha íngreme e estéril , não muito diferente de tudo ali. Em seu topo acumulavam-se nuvens negras , raios amarelos ribombavam ao longe.

Quando eu olhei as horas no relógio/escudo senti uma náusea. Já marcavam 18h , tínhamos três horas para levar Zeus de volta ao Olimpo , para o rei dos deuses comparecer à reunião que ele mesmo marcou , escapar do tártaro , salvar Annabeth e nos salvar. Sorte de meio-sangue YUPI!.

Murmurei as horas para meus amigos e eles apertaram o passo. Nico nos guiava silenciosamente. Hora ou outra um guerreiro esqueleto emergia da terra e cochichava algo no ouvido dele. Provavelmente a localização dos monstros que nos seguiam.

A espada de ferro estígio de Nico afastava algumas almas perdidas que se aproximavam de nós.

Eu comecei a ouvir urros à medida que nos aproximávamos do Pico de Erebus. Aquilo estava me deixando apreensivo , diversas vezes olhei para trás. Eu podia sentir o chão tremer às nossas costas por conta dos milhares de monstros marchando.

Aninhei Annabeth em meus braços e pulei mais um rio do mundo inferior. Era o último. O Pico de Erebus estava muito próximo.

Então , a primeira harpia apareceu. Nico a cortou em pedacinhos e o nuvem dourada se misturou com o ar. Mal sinal.

Uma segunda harpia iria me pegar desprevenido pela lateral. Tirei a adaga de Annabeth da bainha e a decepei. Começamos a correr. Thalia vigiava minhas costas. A filha de Zeus lutava habilmente com sua lança e Aegis.

Desviei de algumas harpias e aumentei a velocidade. Quando olhei para trás me desesperei. Os monstros estavam em meu campo de visão , eles corriam em nossa direção gritando e urrando em aprovação.

–Nico! – gritei.

–Estamos chegando , continue! – ele advertiu.

Aumentei ainda mais a velocidade. Retirei Contracorrente e a destampei. Mantive Annabeth em meu colo com dificuldade. Ela ainda tossia sangue constantemente. Eu iria salvá-la a qualquer custo.

Começamos a subir a colina que levava ao Pico. Não consegui ver seu topo , ele estava coberto de névoa.

Ajeitei Annabeth em meus braços e comecei a escalar da melhor maneira que pude. Nico me estendeu uma corda e eu olhei para ele surpreso.

–Você carrega uma corda numa missão? – perguntei.

–Sério que você vai discutir o que eu carrego na mochila numa hora dessas – ele continuou a escalar.

Prendi Annabeth em minhas costas e apertei muitos nós. Estava difícil subir a montanha , o corpo de Annabeth dificultava meus movimentos , diversas vezes eu tive que ajeitá-la para não cairmos.

Ouvi um grasnado e prendi uma das mãos numa saliência. Era uma harpia e ela voava em nossa direção. Lancei Contracorrente em sua direção , a espada cortou sua asa e ela bateu na montanha. O impacto a desintegrou.

Após alguns minutos de escalada , minha espada retornou ao bolso.

“Continue escolhido. Você está próximo.”

Ouvi a voz da Pedra de Onfalos. Grande bosta ela dizia. A névoa que espiralava no topo agora nos engolia. Nico e Thalia abatiam as ameaças aéreas com seus poderes e suas armas.

Consegui chegar ao pico de Erebus inteiro. Thalia e Nico , que já haviam chegado no topo cinco minutos antes , me ajudaram a erguer o corpo de Annabeth , depois que me ergui , nós ajudamos Luke e Zeus. O rei dos Olimpianos era um fardo para nós.

Era tudo escuro , não consegui ver minhas próprias mãos. Destampei Contracorrente e o brilho do bronze celestial ajudou a clarear a visão pouco mais de um metro. Meu coração se desesperou ao ver Annabeth , sua situação havia piorado , ela estava mais pálida e sangue escorria de seu nariz.

Corri até ela e me ajoelhei.

–Não morra Annabeth , por favor – implorei chorando.

Meus amigos observavam a cena com um olhar triste. Luke estava tentando acordar Zeus. Continuei ajoelhado próximo de Annabeth , a pouca luz das espadas e do tridente holográfico davam a ela uma aparência bruxuleante. Como se fosse escapar a qualquer momento.

–Percy – ouvi Luke , ele colocou o rei dos Olimpianos no chão – Você deve ir.

Não entendi , mas ergui os olhos para ele. Luke tinha um olhar melancólico , mas ele não olhava para mim. Olhava para Thalia.

Os monstros haviam chegado no pico. Centenas de cães infernais , dracaenaes , empousai e harpias. Estávamos cercados. Com um calafrio eu entendi o que ele quis dizer.

–Obrigado Luke – eu transformei Contracorrente em caneta novamente. O filho de Hermes acenou com a cabeça para mim.

Me virei para Annabeth e senti um vulto correr. Era Thalia , ela corria na direção de Luke , ele se encolheu com medo.

A garota parou bem próxima à ele.

–Idiota – ela disse e o beijou.

Balancei a cabeça algumas vezes. Thalia havia beijado Luke. Ela ainda era uma caçadora? Será que Ártemis tinha visto a cena?

Thalia se separou dele e eu acenei mais uma vez com a cabeça.

–Boa sorte , vou guardar este ato comigo para sempre , você recuperou minha confiança Luke – eu o cumprimentei formalmente e sorrimos um pouco.

–Adeus Percy – ele brandiu Mordecostas e avançou para os monstros.

Eu retirei a Pedra do bolso e ordenei meus amigos a segurarem em mim.

Apoiei uma das mãos em Annabeth e murmurei um “Acampamento Meio-Sangue” em grego antigo com toda a força que pude. Eu estava exausto , com frio , triste e quebrado , talvez a Pedra me desse uma forcinha.

Agradeci mentalmente quando senti o repuxo no estômago , e então fomos jogados na escuridão.



Notas finais do capítulo

comente! favorite! u.u



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Percy Jackson e a Trilogia Da Pedra" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.