Amor Sem Fronteiras escrita por Julia Carvalho, Ana Tiemi


Capítulo 5
Capítulo 5 "Indecisão"


Notas iniciais do capítulo

Desculpem a demora pra postar o capítulo.
Agradecemos à Talita Fausto e Nat Sem Noção por terem favoritado a história. Esperamos que gostem desse capítulo.



– Guilherme, fica quieto e tenta dormir. Sossega, cara... – disse Artur, morrendo de sono. Ele também ficou animado, mas achava que o amigo estava exagerando. E outra que eles tinham acordado cedo naquele dia e ele estava cansado. Mas não era isso que mais o incomodava.

Ele havia esperado por aquela notícia desde que terminou a faculdade, então não conseguia entender porque não ficou tão contente quanto o amigo. Sempre desejou sair em uma aventura como aquela, em um lugar desconhecido, para ajudar as pessoas. Agora que tinha a oportunidade, alguma coisa estava fazendo com que seu coração ficasse aflito. Meu Deus, o Guilherme não fica quieto... Não consigo nem ouvir o que estou pensando! Quem sabe se eu fingir que estou dormindo...

– Tá cara, dorme aí. Vou lá embaixo comer alguma coisa...

– Ashfehoaofntnfrrgh...

Guilherme saiu do quarto e foi para a cozinha, deixando Artur finalmente sozinho com seus pensamentos. Tá, Artur, admita. Não, não é isso, com certeza... É claro que é! Mas o que vou fazer então? Não poderia desistir da viagem agora, que está tudo certo. Isso é o que você sempre quis! Mas será que é o que eu sempre quis? E também não poderia pedir a ela que esperasse... Nem mesmo sei se é o que ela quer também! Bem, foi o que pareceu... Mas ela é um mistério para mim, sempre foi. Talvez seja melhor ir embora logo... Mas eu ficaria atormentado. Preciso saber o que ela quer. Amanhã.

            Artur demorou mais algum tempo para dormir, pôde ouvir Guilherme subindo as escadas e pareceu que ele não estava sozinho. Ouviu o amigo entrando no quarto e então conseguiu pegar no sono.

            No dia seguinte, quando acordou, viu que Guilherme ainda estava deitado,  acordado. Ficou sabendo que o amigo havia falado com Laura na noite anterior e que a moça havia concordado em sair com ele, o que não foi grande surpresa.

            – Mas como você vai fazer quando viajarmos? Isso não lhe preocupa nem um pouco? – perguntou Artur.

            – Ainda não pensei nisso. Não tinha planejado falar com ela. Mas a gente dá um jeito... – respondeu.

            – Às vezes eu queria ser como você, e não pensar tanto nas consequências do que faço.

            – É cara, as coisas acontecem como têm que acontecer...

            Levantaram-se e foram para a cozinha. Helena já estava acordada, arrumada para sair.

            – Você vai ter que sair hoje? – perguntou Guilherme.

            – Sim, tenho que dar uma aula, infelizmente. Queria ficar mais por aqui durante esses últimos dias antes da viagem.

            – É muito longe? Posso te levar se quiser. – falou Artur.

            – Claro! Muito obrigada, Artur! – respondeu Helena, mais animada.

            Saíram um pouco depois, deixando Guilherme e Laura conversando na sala, planejando aonde iriam mais tarde.

            – O que você achou da Laura e do Guilherme? – perguntou Artur.

            – Adorei a idéia! Já tinha pensado nisso, mas não falei nada. Laura me acordou ontem no meio da noite só para me dar a notícia... Acabei dormindo de novo com ela falando, mas acho que ela nem percebeu... – respondeu Helena, sorrindo.

            – Também gostei. Os dois se dão muito bem. Mas acho que o Guilherme não está pensando na viagem... – disse Artur, olhando para baixo. Os dois ficaram em silêncio. Ele percebeu que Helena ficou triste, então decidiu falar com a moça.

            – Eu... posso te perguntar uma coisa? – falou hesitante.

            Helena quase congelou quando ouviu essas palavras, mas disfarçou.

            – Claro que sim... você sempre pode me perguntar o que quiser...

            – O que você acha dessa viagem? Honestamente?

            Ela pensou um pouco antes de responder. A verdade é que não queria que ele fosse. Mas não podia dizer isso, sabia que essa viagem tinha sido planejada há muito tempo e que Artur devia estar muito ansioso para ir.

            – Já disse que sentirei sua falta, mas acho que é uma coisa muito nobre que vocês estão fazendo. Só espero que você não se esqueça de mim quando chegar lá... – Falou em tom de brincadeira.

            – Não conseguiria te esquecer mesmo que eu quisesse, Helena.

            Helena parou. Será que ouviu direito? Não conseguia mais fingir.

            – Porque você fica me falando essas coisas? Eu não entendo! Até pouco tempo atrás a gente nem se falava mais, ficamos anos sem nos ver, e agora você fala que não conseguiria me esquecer? Daqui a uma semana você vai pra outro continente! – exclamou, quase chorando.

            Artur também estava parado, olhando para ela. Não sabia o que dizer, nunca tinha visto ela tão alterada. Tomou uma decisão. Andou até Helena, que estava com a cabeça baixa. Levou a mão até o rosto dela e fez com que olhasse diretamente para ele.

            – Se você me pedir para ficar, eu fico.

            Helena viu que ele estava falando sério. Foi quase irresistível implorar para que ele ficasse. Ela estava com raiva dele por ter jogado a decisão em suas costas. Virou o rosto e andou um pouco na direção oposta. Ela não poderia pedir para que ele ficasse. Sabia que essa viagem era o que ele sempre quis. Se ele ficasse por sua causa, sempre se lembraria que ela havia sido o motivo dele desistir de seu maior sonho. Ela se virou e respondeu:

            – Espero que sua viagem seja boa. – e, sem dizer mais nada, retomou seu caminho, deixando Artur alheio aos seus verdadeiros sentimentos.



Notas finais do capítulo

Então, o que acharam? Por favor comentem ^^