Amor Sem Fronteiras escrita por Julia Carvalho, Ana Tiemi


Capítulo 4
Capítulo 4 "Laura e Guilherme"


Notas iniciais do capítulo

Desculpem a demora pra postar, essa semana foi bem corrida então não tivemos muito tempo pra escrever.
Como o capítulo anterior foi bem dramatico, fizemos algo mais descontraido nesse aqui, alguns leitores falaram ter gostado muito da Laura e do Guilherme, portanto esse capítulo será apenas sobre os dois, ficou meio curto mas aqui está! Esperamos que gostem!



Aqueles dias antes da despedida passaram voando. Após a notícia, Artur e Guilherme ficaram mais três dias na casa das amigas. Depois teriam que voltar para sua cidade, terminando os preparativos antes da viagem. Guilherme e Laura eram os únicos que pareciam não se entristecer com nada. Tudo para eles era claro. E foi nesse espírito que começaram seu relacionamento.

Depois que recebeu a notícia de que finalmente iriam para a viagem de seus sonhos, Guilherme estava exultante. Ficou acordado a noite inteira, fazendo com que seu amigo também ficasse.

– Guilherme, fica quieto e tenta dormir. Sossega, cara... – disse Artur, querendo dormir.

– Como assim, dormir? Como é que você consegue dormir?! Daqui a uma semana estaremos embarcando... – respondeu o amigo, falando toda essa frase em menos de dois segundos.

– Sim, já é a quinta vez que você fala isso. – Artur respondeu, meio dormindo, meio acordado. Ele também estava animado, mas alguns assuntos inacabados preocupavam-lhe.

– Tá cara, dorme aí. Vou lá embaixo comer alguma coisa...

– Ashfehoaofntnfrrgh... – respondeu Artur, certamente dormindo.

Guilherme desceu as escadas, tentando não fazer barulho, pois já devia ser bem tarde. Ele imaginou que todos estariam dormindo. Estava tudo escuro, ele entrou na cozinha tateando e conseguiu se encaminhar na direção da geladeira. Abriu-a, ficou pensando no que poderia comer, decidiu tomar só leite, para ver se o sono chegava. No momento em que fechou a geladeira, viu um vulto ao seu lado. Foi um dos maiores sustos da sua vida. Ainda estava tentando entender a situação quando o vulto falou:

–Vai tomar leitinho quente, bebê? – e riu. Guilherme percebeu algo de familiar naquela voz e naquela risada... Era Laura! Quando suas pernas pararam de tremer, ele disse:

– Sua louca! O que estava fazendo aí, parecendo uma assombração do inferno? Algum dia você vai pagar por isso... – mas na verdade já estava mais calmo, e levou na brincadeira, como sempre.

– Eu não sabia que você não tinha me visto! Estava aqui desde que você entrou na cozinha, quase rastejando no escuro em vez de acender a luz como uma pessoa normal... – e riu mais um pouco. – Mas tudo bem, sei que minha cara feia assusta qualquer um... – Guilherme percebeu que apesar do seu jeito desinibido, Laura compatilhava um pouco da insegurança de sua irmã. Nesse momento ele percebeu que teria que tomar uma decisão. E não teve que pensar mais do que alguns segundos para falar:

– Sua cara é uma das mais lindas que já vi... – com seu tom de piada. Mas Laura conhecia o amigo muito bem e percebeu um fundo de sinceridade. Decidiu ignorar sua intuição. Ficou um pouco irritada, sem nem saber porquê.

– Você não consegue falar sério, né, Guilherme... – disse, virando-se para sair da cozinha.

Guilherme ficou em silêncio, observando a moça. Foi atrás dela e a segurou pelo braço, delicadamente. Ela se virou, encarou o amigo e teve que voltar atrás no que dissera. Seu aspecto estava sério, ele a olhava profundamente com seus olhos castanhos.

– Eu falei sério. Você é linda. Não sei como eu não tinha reparado antes... Mas agora que reparei, não consigo parar de pensar nisso. Desde que cheguei que estou enrolando pra te perguntar uma coisa... Quer sair comigo?

Laura, pela primeira vez na sua vida, ficou sem fala. Guilherme realmente a surpreendera. Enquanto ele dizia tudo isso, milhares de pensamentos passavam em sua mente. Ela não tinha se dado conta, mas percebeu que durante todo esse tempo em que eles passaram juntos, já estava apaixonada. Não tinha percebido porque toda a amizade que tinha com Guilherme confundira-se com o sentimento novo que estava surgindo, cada vez mais forte. Voltou para o mundo real, percebendo que Guilherme estava aguardando uma resposta.

– Oh! Eu aceito! – disse, rindo abobalhada.

Mal sabia ela que Artur previra exatamente sua resposta, e nem viria a saber, pois Guilherme nunca lhe contaria. Subiram as escadas juntos. Não falaram uma só palavra, mas ambos sabiam que a mesma sensação agradável os unia e envolvia, como se fossem as únicas pessoas do mundo. Para eles isso era o que importava.



Notas finais do capítulo

E aí, gostaram? Por Favor comentem!