Spacial Survival Program - Interativa escrita por Sarah Rockbell


Capítulo 6
Dark Side Of Mind: Prólogo




Olivia estava preocupada.

Enrolando um cacho de seu próprio cabelo escuro, a médica não parava de olhar de um lado para o outro, como se estivesse procurando algo para ocupar. Sentindo uma leve dor em sua cabeça, notou que tinha enrolado até o talo e estava puxando os fios com muita força. Teve vontade de ir de si mesma, afinal, nem sempre entendia como Melinda era chamada de avoada e ela não.

Suspirando, ela se levantou. Olivia sabia que estava apenas procurando uma desculpa para o que tinha que fazer em breve. Olhando para a mesa ao seu lado e pronta para dar à sua assistente um dia de folga, ela se calou quando viu o estado da menina.

Beatriz olhava para a mesa com olhos completamente vidrados, como se fossem feitos de um material solido derretido em azul esbranquiçado. Sua postura estava perfeita, mas olhava para as mãos em seu colo como se fosse uma boneca em uma posição deixada por uma garotinha. Engolindo o seco, a doutora resolveu falar.

– Beatriz. – Olivia disse gentilmente, tentando manter uma postura de confiança e autoridade.

– Sim, Olivia-shinshou? – Olivia recuou um pouco quando ouviu a voz vazia, que combinava coma expressão de boneca de sua aluna, mas tomou coragem novamente.

– Está dispensada por hoje. Tratarei de um paciente na ala hospitalar e seus esforços não serão necessários por hoje. Tenho certeza que precisará de toda a energia possível para a semana. – a Arihana falou, quase saindo da sala.

– Shishou! – Ela ouviu Beatriz exclamar e se virou rapidamente, feliz em ouvir algo com emoção da menina e desesperada para ver algo em seu rosto. O que viu não lhe agradou nem um pouco.

Desespero.

– Shishou... – A Hokes continuou. – Eu pensei que poderia ganhar meus creditos na ala hospitalar essa semana. As aulas que teremos... Não são de meu exato agrado-

– Beatriz. – Olivia falou com finalidade, sabendo finalmente do que se tratava. – Essa ideia não agrada a ninguém, nem sequer à mim, só que as ordens da Diretora Underwater foram claras. Todos os alunos devem...

– Participar do Projeto Simulador de Guerra. – A Hiranian terminou, depois deu um risinho seco. – E eu ainda tinha esperança de escapar desse projeto. Foi realmente idiotice minha pensar... Esqueça, pode ir, Shishou, ficarei mais um tempo arrumando a papelada.

– Beatriz... – Olivia tentou falar, só que foi interrompida pelos olhos de Beatriz, que voltavam a ficar vidrados.

– Por favor, apenas... Vá.

Com isso, Olivia fechou a porta.

Caminhando calmamente pelos corredores, ela aparentava estar mais recomposta do que para o que faria nos próximos momentos. Se aproximando da grande porta de metal que normalmente aparecia em seus pesadelos, ela entrou de uma vez, sabendo que esperar não ajudava. O aperto no coração e os gritos nunca vão embora. Nunca.

Gritos ecoavam como sempre, A Arihana notou secamente. Passando por mais um corredor de paredes brancas e gritos encabáveis. Ela passou para uma parte inteiramente acolchoada que era muito mais calada. Para outros pareceria melhor, mas não. Não para Olivia.

Meu inferno particular, ela pensou, andando mais depressa.

Chegando em frente à uma das grandes portas do lugar, ela segurou o cartão que garantia sua entrada e o apertou com força, tentando tomar coragem para entrar. Isso não devia ser assim, Olivia pensou, isso é tudo culpa do Simulador de Guerra, tudo isso... Foram as palavras que vieram à sua mente. Mas ela apenas fez uma ação: enfiou o cartão no buraco.

A porta se abriu lentamente, fazendo u som molhado estranho, como se ela estivesse abrindo uma geladeira gigante. Respirando o ar gelado de dentro do lugar, ela entrou calmamente, demonstrando a confiança que não tinha. O quarto parecia mais limpo, Olivia notou, tudo estava perfeitamente branco e acolchoado, como sempre. As paredes e chão pareciam mais nuvens, assim como o teto, mas aquilo não a reconfortava, não, aquilo era, como havia dito, seu inferno pessoal.

No meio do quarto, em frente a uma pequena mesa, havia um menino. Ele aparentava 15 ou 16, com curtos cabelos loiros e olhos azuis como gelo que se iluminaram de adoração quando viram ela. Ele era muito pálido, como roupas brancas manchadas de o que ela esperava eu não era sangue, mas ainda continuava sendo bem bonito. Atrás dele, suas asas de cores vibrantes estavam manchadas do mesmo material de sua roupa, demonstrando que era Angelunian. Em suas mãos, uma pequena boneca de cabelos violeta estava apertada.

– Olá, Sammy. – Olivia disse, com um pequeno sorriso.

– Oh, bom dia. Estava esperando você, Merlin.

E então, começava o inferno.

Sumário: ARU está nervoso. Depois de tanto tempo na nave, finalmente ia fazer algo de útil e começar a treinar. Mas o primeiro projeto que ganha é em um simulador de realidade virtual, mas todos parecem preocupados com isso. Ele começa a pesquisar mais sobre o assunto, mas parece que há algo negro no passado desse simulador que está deixando todos muito hesitantes em mandar alunos. Logo no dia, um problema começa no simulador, só tem apenas uma pessoa conectada lá e Aru fará tudo para salvá-la.

ROSEMARY já participou do projeto do simulador. Desde aquele projeto fatídico, pesadelos assombram sua mente do jeito mais sombrios possível e ela se sente bem em achar conforto com seu melhor amigo, Daley. A Angelunian não para de temer pelos amigos que, assim como seu melhor amigo, irão entrar no simulador. Mas quando um acidente acontece e ela é nomeada a única pessoa que voltou sana do simulador, ela tem que escolher: fugir de seu passado sombrio ou uma vida inocente?

BEATRIZ está presa na própria mente. Com seu simulador de sentimentos começando a falhar e a causar pesadelos terríveis, a Hokes está perdendo lentamente a sanidade. Com o projeto do simulador a ponto de começar, seu pânico aumenta a saber que seu K-S fica mais vulnerável a falhas enquanto sua mente está em ambiente virtual, ela entra em um problema que de qual talvez não saia. Presa no mundo virtual, ela começa a entendera razão da insanidade dos outros. Mas, ainda há algo que ela necessita descobrir, quem é “Merlin”? Pois está provando cada vez mais que existe.





Notas finais do capítulo

Aviso: Eu sei que isso não é desculpa o bastante e sinto muito por desaparecer, mas eu notei uma coisa: minhas sagas planejadas estavam muito incoerentes, então tive que refazê-las. Em outro ponto, também notei mais uma coisa: o narrador está muito louco. Eu as vezes nem sei que exatamente está narrando ou está do ponto de vista de quem, então decidi me organizar por saga e quem vai ser o narrador. Quem já leu Heróis do Olimpo, vai entender que tipo de narração estou planejando.