Westover Hall escrita por Fe Valdez


Capítulo 8
Problemas de sardinha


Notas iniciais do capítulo

Hey, eu disse que postaria ontem, mas tive duas razões para postar hoje:
1- é um pré-feriado, então vai ser mais fácil para as pessoas entrarem no pc pra ler
2- fiquei meio magoada pelo capítulo anterior ter recebido pouco review :( parece que estão perdendo a vontade de comentarem e eu esperava ter recebido mais já que todos esperavam o beijo deles kkk
Mas tudo bem, vou postar outro hoje o/



– McLean! - alguém gritou severamente me acordando.

– Não sou sardinha! - eu gritei enquanto acordava levantando a cabeça rapidamente com o susto - O que?! Onde estou?

Ouvi uma explosão de risadas ao meu redor enquanto Quíron, nosso professor de latim (sério, temos que aprender latim nesse internato) me encarava com seus olhos profundos.

– Certo... você está na sala de aula, onde NÃO é permitido dormir e todos sabemos que você não é uma sardinha Piper - ele disse.

Eu fiquei um pouco corada de vergonha olhando ao redor meio sonolenta, não tinha ninguém dos meu amigos ali, graças senhor. Viu Piper? Quem mandou passar a noite acordada? É nisso que dá, tem sonhos estranhos, lembranças erradas, passa bafão...

Falando em sonho esse foi realmente estranho, só foi eu deitar minha cabeça sobre a carteira que me imaginei caindo na piscina quando Jason me empurrou, então lá no fundo passou o mesmo Jason me oferecendo bala, então um Leo vestido de camarão, ai uma baleia nos engoliu e disse com aquela voz do procurando Nemo: "Vocês, suas sardinhas, tem um ótimo sabor!". Quíron escolheu a pior hora para me acordar.

Pelo menos consegui dormir a maior parte da aula de latim, porque logo em seguida acabou a aula. Sai devagar da sala enquanto alguns passavam por mim se despedindo:

– Tchau Sardinha - diziam enquanto eu revirava os olhos.

Que ideia de Annabeth fazer uma festa justo no domingo né?

A próxima aula era de história, ótima para dormir, mas terrível por outra razão: o garoto que sentava atrás de mim.

Como eu reageria quando o visse? Perguntava o que nosso beijo significava? Não falaria nada? Conseguiria falar com ele sem olhar seus lábios? O que ele falaria?

Mas todos esses pensamentos foram inúteis pois quando quando cheguei na sala ele estava ali em seu lugar de sempre, mas já estava com a cara nos braços dormindo. Sentei na sua frente arrumando minha mochila na mesa como travesseiro, mas nem cheguei a dormir.

Fiquei prestando atenção no perfume de Jason que eu sentia levemente e que eu lembrava de ter ficado um pouco em mim a noite. O cheiro me fez lembrar de um acampamento que fiz quando era escoteira. Entrou um gambá na barraca, e depois que expulsamos ele com o nosso suor, e gritinhos, passamos a noite toda cheirando perfume masculino que jogaram na gente pra afastar o odor. Ok... voltando...

Certa vez Hazel, uma amiga minha, disse que se apaixonar era como o sono: primeiramente você está super elétrico, então vai mudando da insônia para o sono, ficando com sono gradualmente com o tempo, até que por fim dorme de uma hora pra outra sem perceber.

Pode ser que eu não esteja apaixonada, mas com certeza desde que Jason me beijou sinto uma necessidade de te-lo de novo como ontem. Toda a antipatia que eu tinha sobre Jason era como uma barreira, como se eu soubesse que era por ele que meus sentimentos apareceriam.

Na verdade, eu sempre quis evitar de ter sentimentos por alguém, pois sei que amor é uma coisa perigosa e foi isso que desgraçou minha família. Então ergui essa barreira antipática contra Jason.

Pena que esta barreira foi completamente quebrada ontem.

– Meu Deus Piper, me lembra de limpar meus ouvidos quando sair, porque a voz desse professor ta me torturando - falou uma voz perto do meu ouvido.

Dei outro grito assustado por causa da voz de Jason.

– De novo Sardinha?! - um garoto que veio da aula de latim perguntou rindo.

Umas 2 ou 3 pessoas riram com ele e até eu sorri envergonhada.

– Ué? Como assim? - Jason perguntou curioso.

Relutante expliquei pra ele o que tinha acontecido, deixando de fora a parte que ele aparece no sonho e ele caiu na risada como eu imaginava. O professor brigou com a gente, mas sempre que ele brigava continuávamos conversando. Dessa vez ele contou sobre sonhos estranhos que ele já teve também, tipo de lobos falantes que dançavam balé, mas não vou explicar aqui.

O sino bateu e fomos pro intervalo encontrar nossos amigos. Nenhum de nós dois comentamos sobre o ocorrido, ele permaneceu quieto e eu também, como se nada tivesse acontecido.

Assim permaneceu durante uma semana, eu ainda chamava ele de ignorante e ele de chata, mas acho que isso nunca mudará. Então, quando estávamos de novo em mais uma aula juntos,a últiam do dia, dessa vez de inglês e ele sentado ao meu lado, uma garota entra na sala.

Tinha cabelo castanho escuro, era meio alta, expressão um pouco dura, mas era bonita. Olhei instintivamente para o lado e Jason estava com o queixo caído, tentei desviar o rosto como se não ligasse, mas ele inclinou o corpo até mim.

– Piper, está é...

– Reyna? - a professora leu em um papel em sua mão - Bem-vinda a Westover Hall - a professora sorriu - mais uma vez.

– É - Jason assentiu pensando.

– O que que tem Grace? - perguntei emburrada.

– Você acha que eu tenho chance com ela?

O quê?! É claro que não! Na verdade tem... mas não é não! Este era meu pensamento.

– Por que está me perguntando isso? - foi o que falei.

– Bem... não sei, foi você que eu.. ah não sei. Mas você me ajuda a me aproximar dela? - Jason me olhou.

– Não! Claro que não! - falei em reflexo.

– Ah Piper, você parece ser a melhor daqui para me ajudar. Eu sei que não gosta de mim, mas...

– Quem disse que não gosto? - soltei sem pensar.

– Você sempre deixa isso claro - ele cerrou os olhos unindo as sobrancelhas.

– Porque de repente essa necessidade?

– Ela estudou aqui até a 4ª série e eu era a fim dela, mas ela foi embora.

– Você mal sabia o que era "estar a fim" na 4ª série! - exclamei - Sua maior preocupação eram figurinhas do iron man!

– Já disse que elas eram especiais! - quase sorri nessa hora, mas me contive - e desde quando você palpita no que eu gosto ou não?

O sinal tocou indicando o fim da aula (nossa essa Reyna chegou um tanto atrasada pra aula de inglês né?), peguei minhas coisas.

– Procure outra para te ajudar nesse caso - disse rispidamente e sai da sala rapidamente.

Ele veio atrás é claro.

– Você não quer que eu saia com Reyna é isso? Você por acaso... - Jason começou a formar um sorriso no rosto e eu interrompi.

– Não, Jason, pare de pensar em hipóteses. Só não to afim de ajudar, vou achar minha irmã, tchau.

E foi isso que fiz mesmo, procurei por Silena, como eu não achei ela fui até seu quarto. Entrei nele e ela estava em seu celular falando com alguém, mas quando viu minha expressão de raiva/chatiada, desligou.

– Garotos? - ela sorriu.

– Tipo isso.

– Diga.



Notas finais do capítulo

eu disse que terminaria bem, mas vcs já sabem que sou má lalala
Mentira, só ta no 8º cap galera, não me matem, tem muito pra acontecer :)
frases Nyah: "Muitos autores deixam de escrever pois não recebem comentários em suas histórias".
kkkkk sem pressão lol