Westover Hall escrita por Fe Valdez


Capítulo 6
Será só fingimento?


Notas iniciais do capítulo

Hey galera!Era pra eu ter postado ontem como falei que faria, maaaas eu fui numa competição de percy jackson oficial que teve aqui na minha cidade *0* ai não pudi postar, mas ta ai hj



Seguimos Annabeth e Leo pelo corredor de salas até sair do bloco e caminhamos até o refeitório. Os dois na frente e eu e Jason atrás. Não trocamos palavras e Leo tagarelava sem parar, mas trocamos alguns olhares do tipo "Aja naturalmente como fossemos amigos". Se parecermos legais um com outro quem sabe eles nos deixem em paz.

Ainda não gostava muito de Jason, o ignoraria simplesmente. Mas como foi provado, meus novos amigos vendo que não nos dávamos bem, bolariam algum plano para reverter a situação de novo, e eu estava com medo de que a próxima vez fosse pior. Eu sabia que Jason também não tinha ido com minha cara, por sempre que me chamava de chata, eu conseguia notar que não era apenas uma implicação, mas por mim foda-se.

Enfim chegamos na mesa onde Thalia, Luke e Percy estavam sentados.

– Ahhh! Então os dois foram libertados? – Thalia ergueu a sobrancelha.

– Rá Thalia! – Leo exclamou. – Vocês precisavam ter vistos cooomo eles fora liber...

– Estamos de bem, é isso que importa. – falei interrompendo antes que Leo falasse algo desnecessário.

– Isso. – Jason concordou se sentando na mesa.

– Acho que vou almoçar com minha irmã. – falei olhando para Silena em uma mesa do campus. – Até mais.

***

Bem, como eu tinha dito... eu e Jason nos odiamos, e o primeiro mês só falávamos um com o outro quando estávamos com nossos amigos, sorrindo um pro outro, fingindo ser legal. Os outros, todo mundo era legal de verdade. As vezes quando nos encontrávamos sozinhos eu o chamava de Sr. superioridade e ele de chatonilda, falando pra eu arrumar meu corte de cabelo. Virávamos a cara e continuávamos andando. Só tínhamos aula de história juntos e pelo destino miserável ele sentava atrás de mim nessas aulas.

O começo do segundo mês ele começou a conversar comigo nas aulas de história, porque ambos odiamos essa aula e morríamos de tédio. A lógica é: Antes um inimigo do que uma matéria inimiga. Então comecei a ser mais educada, as vezes ele fazia um comentário estúpido do professor que era impossível não rir. Continuamos fingindo na frente dos outros, mas a atuação parecia mais fácil, eu fazia piadas com Jason e toques de mãos quando concordávamos com algo.

Fiz muita amizade com Leo que era grande amigo de Jason, então ele acabou descobrindo que eu e Jason quase não nos suportávamos. Portanto, sempre que estávamos juntos, eu e Jason éramos nós mesmos um com outro, e Leo ficava no meio das implicações. Mas com o tempo, quanto mais pensávamos estar nos odiando menos difícil era fingir que ele era meu amigo. Só deixando claro que ainda não gosto dele.

Eu já estava no terceiro mês nesse internato (significa que é novembro já que minhas aulas letivas começam em setembro), estávamos comemorando o aniversário da Annie no nosso quarto de dormitório. Mesmo com o tempo frio, o quarto estava quase quente. Tinham algumas pessoas a mais lá, inclusive os Stolls, que eu descobri não serem gêmeos. Eles haviam dado "um trato temporário" nos inspetores que cuidavam do dormitório e tinham arranjado alguns refrigerantes, pizza e uns doces chamados de "flor de lótus" que eram deliciosos, ainda bem que tinha um monte, porque pelo o tanto que comi já deveria ter acabado. Não me pergunte como eles arranjaram isso, mas arranjaram. Tiramos o domingo todo fazendo farra no quarto meu e de Annabeth. Dançamos, pulamos na cama como loucos, fizemos guerra de travesseiros e de pizzas que sobraram, apostamos em jogos de baralho (que no caso perdi todo meu dinheiro), Reunimos em roda contando um monte de fofoca que todo mundo ficava boquiaberto. Contaram até que eu e Jason quase nos beijamos quando ficamos presos, eu nem tinha reparado direito na presença dele na festa/bagunça, mas quando alguém disse isso foi impossível não cruzar o olhar com ele, rimos lembrando que ninguém sabia que era armação.

Pegamos um pequeno cupcake (o maior bolo que achamos) e colocamos uma vela (sabe-se la da onde ela veio) e cantamos um parabéns para Annabeth. Isso deveria ser quase meia-noite. Então logo após todo mundo jogar ovo e farinha nela, a porta se escancarou e dois inspetores estavam ali de cara amarrada.

Todos se viraram para os Stoll.

– Que foi? Eu disse que era temporário. – Travis (eu acho) ergueu as mãos em defesa.

– Passou há muito o horário dos garotos saírem daqui. – disse o inspetor apontando o polegar para fora do quarto e gravando os rostos do meninos que estavam ali, certamente para dedurar para o diretor depois.

Travis ainda com as mãos levantadas saiu de fininho e todos os meninos fizeram o mesmo em silencio, com as mãos erguidas também em sinal de rendimento. Quando todos saíram, ouvimos um "PARABÉNS ANNABETH!" lá de fora. O inspetor continuou lá e as meninas que faltavam também saíram, então o inspetor fechou a porta deixando eu, Annabeth, as pizzas no chão e todo o resto do quarto ao avesso.

– Acho que vou tomar banho. – Annabeth torceu o nariz pras suas roupas melecadas.

Olhei para minha cama, cheia de pizza, pipoca, flor de lótus, cartas, latas, travesseiros que não eram meus e mais um monte de porcaria. Suspirei e peguei meu celular, limpei uma parte do chão chutando a sujeira e deitei ali mexendo nele, eu estava sem sono algum. Annabeth saiu do banho, limpou sua cama, deitou e dormiu num sono profundo. Já se passava bastante das 2h da manhã quando meu celular tremeu e eu o deixei cair na minha testa com o susto dele estar vivo a essa hora, mas quando olhei o visor vi que era só Jason me lig... Pera. Jason? Ligando para mim? Ai meu Deus! Socorro o que eu faço? Por que a Superioridade está me ligando? Que vergonha de atender, o que ele quer?

Atendi finalmente.

O que foi? – sussurrei para não acordar Annabeth.

Piper? Está dormindo? – ouvi sua voz rouca.

Sim, você está falando com meu estado sonâmbulo.

– Você é muito chata, cara.

– Por que me ligou então? A essa hora ainda? – franzi a testa.

– Estava sem sono. – quase deu pra ver que ele dava de ombros do outro lado.

– Hãm... Também estou sem sono, mas não é motivo pra me perturbar. – disse e escutei seu riso.

Passou um tempo de silencio que eu esperei ele dizer algo.

– E então? – eu falei esperando.

– O que?

– Você me ligou, o que quer falar? Não vai dizer que só queria ouvir minha irresistível e linda voz.

Ouvi de novo o riso de Jason do outro lado da linha, o que me fez sorrir não sei porquê.

Convencida.

– Ainda não disse o que quer.

Outros segundos de silencio.

– Não sei, estava sem sono, você foi a última que vi e pensei se você não estaria acordada.

– Então me ligou. – conclui quase sorrindo.

– Não tinha nada melhor pra fazer. – ele suspirou. – Já sei, eu vou aí!

– O que? Jason, você fumou? Fazer o que aqui?

– Vamos conversar, não tem nada de interessante a se fazer mesmo.

– Eu não quero conversar com você. – franzi o nariz.

– Larga de ser chata um pouco. – ele falou parecendo animado.

– Mas é proibido! Se um inspetor te peg...

– Dou meu jeito, só abre a janela.

Nem pude contestar, ele já tinha desligado. Fiquei olhando meu celular incrédula, então me virei para a janela. Estranhamente ansiosa.



Notas finais do capítulo

Ai gente me desculpe a enrrolação e ter pulado tantos meses em um só capítulo.Eu queria colocar parte do próximo capítulo nesse, mas ficaria muito grande huhuhuh desculpem parar ai, buuut no prox eu continuo lalalaPrometi o 1º beijo deles nesse cap, mas sou malvada huhuhu