Coletânea Harry X Draco escrita por Kaline Bogard


Capítulo 17
No escurinho


Notas iniciais do capítulo

Título: No escurinho
Autor: Kaline Bogard
Bebida escolhida: Vinho do Porto
Bônus escolhido: Beijo no escuro



A cena era a rotineira: casais exibicionistas se pegando por todos os cantos do salão. A pista de danças tomada por bruxos e bruxas tão bêbados que o que faziam não podia ser chamado de dança.

Pelos cantos e no balcão os deprimidos de plantão, enchendo a cara totalmente no fundo do poço. Não... cavando a terra pra ir além do fundo do poço.

Aquele era o caso de Draco Malfoy.

Sua esposa, Astoria, uma criatura apática e sem vontade própria pedira divórcio. Divórcio. E exigia a guarda do filho de ambos. A mulher alegava que ele era incapaz de fazê-la feliz e incapaz de cuidar do guri.

Que ofensa!

Ele bem que ficara com vontade de lançar uma Crucciatus bem na fuça dela. Não conseguira. Só conseguira aparatar no clube noturno, horas atrás, pra afogar suas magoas em um bom vinho do porto. Porque porre de vinho, pelo menos, tinha classe.

– Tristinho, Malfoy?

O loiro nem se abalou em responder a ironia. Quem diria: Harry Potter aprendera uma ou duas coisinhas durante a convivência de ambos. Pelo menos a ironia melhorara.

– Porque, Potter? Veio me consolar? – a voz saiu arrastada, não daquele jeito esnobe, e sim por efeito da bebida.

Harry segurou o loiro pelo cotovelo e o puxou em direção ao fundo do Pub, havia salas privativas que podiam ser melhor aproveitadas por eles. Ouvira sobre o pedido de divórcio e intuía que Draco estaria na fossa. Não que ele amasse a esposa, só era difícil pra Malfoy lidar com a rejeição, qualquer que fosse ela.

Talvez agora o convencesse a assumir a relação que tinham. Já se divorciara de Ginny no ano passado. Apenas o casamento de aparências os impedia de ser realmente felizes.

Dentro da sala, instalados confortavelmente na poltrona macia, Harry sussurrou um feitiço que diminuiu a claridade deixando o ambiente numa agradável penumbra.

– Acredita nisso, Potty? Aquela mulher vai levar meu filho e minha dignidade... – Draco choramingou com voz engrolada.

– Shhhi – o moreno pediu – Agora eu posso cuidar de você. Só me deixa cuidar de você, tá bom?

Apesar da suplica Potter nem esperou resposta. Na verdade nem precisou: selou os lábios de ambos e o entusiasmo de Draco ao corresponder foi equivalente a um grande e inquestionável "sim".

Fim.



Notas finais do capítulo

Feito para o projeto "Confessions on a dance floor" do Forum 6V