Meu Príncipe Às Avessas escrita por Puella


Capítulo 7
Capítulo 7 - A surpresa de Nana


Notas iniciais do capítulo

Apesar do título, a Nana não é principal do capítulo, espero que gostem, pois eu achei bem interessante escrevê-lo.

Sem mais delongas...



Minha mãe ficou muito alegre a me ver entrando, a casa já estava cheia de convidados, e Loki, que, para começo de história nem era convidado, estava ali comigo. Cumprimentei meus tios e outros parentes que estavam ali. Loki foi extremamente polido com eles. Sorri discretamente, pensando no quanto ele era falso e como ele fazia aquilo de uma maneira assombrosamente natural.

- Minha pequena como vai? – tio Freyr sempre me chamava assim, era irmão gêmeo da minha mãe, mas os dois não eram parecidos fisicamente, minha mãe era loira e ele, ruivo.

- Oi tio – falei tímida.

Então ele olhou para Loki.

- E quem é esse? – ele perguntou ao mesmo tempo em que me cutucava dando uma piscadela com o olho.

- Ah, ele é Loki Odinson, trabalha comigo – eu falei me direcionando a Loki com a mão – sou assistente pessoal dele.

- É um prazer conhece-lo – meu tio apertou a mão dele com força, Loki quase saiu do lugar. Não que fosse por mal, mas o tio Freyr tinha a mão forte mesmo.

- O prazer foi todo meu senhor – Loki falou disfarçando o recente desconforto.

Despois disso fomos para perto de onde tinha as bebidas, eu e Loki pegamos um suco cada um, eu então o fitei. Ele olhava para as pessoas que eram tantas que apertavam a casa. Será que ele estava se sentindo deslocado?

- Hum, quem é o bonitão do seu lado? – uma voz fez com que eu me assustasse num pulo, era Iduna, uma de minhas primas. Ela era loira, esbelta e tinha seios bem volumosos – se bem que ela poderia ser generosa e dar um pouquinho deles para mim. Imagine! Estou apenas a brincar.

- Loki Odinson ao seu dispor – ele lhe sorriu charmoso para minha prima peituda. Notei que ele deu uma breve secada no decote convidativo dela. Revirei os olhos.

- Ele é o meu chefe - falei cortando o clima de olhadelas, não sei o por que mais não havia gostado nada, nada disso – Ô Iduna, eu acho que o seu namorado deve está te procurando, não?

- Namorado? Eu não vim acompanhada, priminha – ela falou olhando para Loki de proposito – eu terminei com ele há uns três meses... tenho ficado muito sozinha ultimamente sabe?

- É uma pena – retrucou Loki – ainda mais para uma jovem tão bonita.

Iduna perecia ter a feição da gula.

- Pois eh – eu falei chamando a atenção dos dois – uma jovem tão bonita que não consegue ficar com nenhum dos namorados que teve. Não é estranho? Sabe as vezes que o problema deve estar na garota em questão não acham?

Iduna me lançou olhar acido que eu retruquei com risinho cínico. Pra dizer a verdade, nós duas nunca nos demos bem.

- Agora se me da licença priminha – eu falei puxando Loki pela mão deixando a minha prima furiosa para trás - tchau!

Caminhei com Loki em direção à cozinha onde não tinha quase ninguém, ficamos próximo ao balcão.

- Posso saber o que o foi isso? Não me pareceu muito agradável você secando os peitos da minha prima! – falei irritada.

- Isso não é problema seu – ele retrucou – O que a faz pensar que eu não posso admirar os atributos da sua “prima”? – ele fez as aspas com as mãos me olhando de forma jocosa.

- A questão é que minha prima é uma vaca e além do que, eu preocupo com o senhor – terminei falando, sincera.

De repente Loki me fitou de forma curiosa.

- Se eu não estivesse imaginando coisas, diria que a senhorita está sendo ciumenta...

- Ciumenta, eu? – dei uma risada irônica – Até parece que eu vou sentir ciúmes do senhor! O mundo não gira ao seu redor, Loki Odinson.

Ele me olhou de forma intensa mostrando um lago sorriso, quase que maligno.

- O mundo talvez não, mas eu diria que uma certa pessoa sim, Srta. Narvik.

- O que está insinuando? – perguntei com a voz falha.

Ele ficou bem próximo de mim, nossos olhares se fitando, foi então que ele fez um olhar 43 que não era aquele “olhar” 43, era o olhar 43 que toda mulher suspira quando vê um filme de romance. Meu coração batia de forma violenta chegando ao ponto de doer. Ele foi chegando mais perto até que eu pudesse sentir o seu hálito quente perto do meu rosto, fiquei corada, nossos lábios quase se encostaram.

É eu disse quase porque havia enorme barulho vindo da sala que nos fez se afastar um do outro bruscamente. Ficamos curiosos e fomos até a sala aonde vimos o motivo de tanta muvuca.  Era Balder que havia aparecido de surpresa.

- Achei que ele estava numa conferencia – disse Loki.

- Eu também.

Mas como todo genro que a mãe pede a Deus, Balder era como dizia Loki certa vez, irritantemente perfeito. Mas não por querer se aparecer, a verdade era que Balder era realmente atencioso, educado e gentil. Mas Balder não passava disso. Thor, o outro irmão era fácil de ler também: rebelde e sonhador. Já Loki, bem, ele sempre teria algo a mais, ele sempre poderia surpreender qualquer um. Sua mente era como um balaio de gatos.

Bem, voltando à festa, Balder abraçou a minha mãe e depois lhe deu um belo presente, e depois foi falar com a minha irmã que também o abraçou trocando alguns beijos carinhosos. E assim a festa transcorreu, mas não conseguia para de pensar no que havia aconteceu antes dentro da cozinha. Loki também pareceu estranho depois daquilo, e quase não falou mais comigo, preferindo conversar com meu pai e tio Freyr que estavam sentados no sofá – pelo menos Iduna não estava lá o assediando. Ao final a maioria dos convidados havia ido embora, restando ainda Loki e Balder que estava com Nana do lado de fora da casa.

Loki anunciou que estava indo e então parabenizou minha mãe mais uma vez e se despediu dos demais, eu como sempre o acompanhava até a saída.

- Espero que tenha gostado...

- Foi ótimo – ele falou olhando para o chão e depois para mim – ainda bem que saímos daquela igreja – ele disse e nos dois trocamos risos – mas, para ser franco, foi a melhor festa que eu já participei, foi à primeira vez em que não me senti entediado.

- Isso é bom, eu acho – falei ainda embaraçada.

- Então, nós vemos no trabalho, srta. Narvik. Boa noite.

- Boa Noite, Loki – eu respondi observando ele se afastar descendo os degraus da escada e indo para o seu carro, porém quando ele estava prestes a entrar no carro ele me olhou uma ultima vez e depois entrou. E o carro foi embora se afastando.

Eu entrei de volta, fiquei um pouco com meus pais na sala. Nana e Balder estavam no jardim, na varanda.

Caminhei para perto do jardim onde observava Nana e Balder conversando, fiquei pensativa e de repente algo curioso aconteceu. Balder se ajoelhou na frente de Nana que olhou incrédula, e eu que estava longe não ouvia nada, apenas via curiosa. Ele tirou uma caixinha preta do bolso, disse algumas palavras e Nana colocou as duas mãos sobre a boca, seus olhos brilharam com algumas lagrimas, ela balançou a cabeça em afirmativo, e ele se levantou e abraçou rodopiando pelo ar.

Eu sorri. Mas por dentro senti uma ponta de inveja pela minha irmã, a vida dela parecia tão perfeita. Depois eles dois foram alvoraçados contar para meus pais e para mim lógico, a incrível novidade, que é claro ficaram muito felizes.

Nana Narvik estava noiva de Balder Odinson.

Agora, eu estava no quarto, deitada, ouvindo minha irmã tagarelando o quanto se sentia feliz, e eu sem dar a mínima atenção. Só então eu havia começando a sentir as dores no corpo resultantes da luta com Loki na lama. E só então o nome dele veio como um clic na minha mente, e então a cena da cozinha se repetiu, a minha crise de ciúmes, e o mais inevitável, o beijo.

Aquele temível e indesejável beijo. Eu prometi que iria esquecer o beijo, mas pelo visto terei muito trabalho. Porque por mais que eu queira, ele não sai da minha cabeça. Adormeci sentindo uma lágrima quente rolar pelo meu rosto.

O que faço agora?



Notas finais do capítulo

Então o que acharam? O que será que Sigyn deve fazer? Comentem e mandem suas sugestões!

Bjs e até o próximo!