Duas Chamas escrita por Lyah


Capítulo 2
Damon Salvatore


Notas iniciais do capítulo

Ei pessoal! Muito obrigada pelos comentários. Ta aí mais um capítulo!



Lembro-me bem de quando deixei a Elena, em apenas duas semanas eu já estava em crise, não conseguia viver sem ela. Por que fui tão medroso? Eu a amava tanto, mas estava de mãos atadas. Sem emprego, sem a aprovação dos pais dela, muito menos a aprovação do meu pai... Não tínhamos nada. Mesmo assim, eu resolvi enfrentar o meu pai, era por ela.

Contei tudo ao meu pai, expliquei o quanto a amava e sobre a gravidez dela, eu esperava que ele fosse ter um mínimo de bom senso e me apoiar, mas tudo o que ele fez foi estragar tudo. Lembro-me de suas palavras:

"Você não tem nada, como vai sustentar essa garota? Ambos irão afundar e ainda estragarão com minha carreira, você pode ir com ela, mas esqueça que sou seu pai."

Meu pai era minha única família e por um lado ele tinha razão, eu não tinha nada para oferecer á Elena nem á essa criança que ela estava esperando, eu seria completamente inútil pra ela. Então resolvi seguir em frente. Meu pai me mandou para uma escola só para garotos em Atlanta onde fiquei até completar 18 anos. Logo depois entrei na faculdade de arquitetura ainda em Atlanta, meu pai não era muito a favor, mas consegui o dobrar. Quando terminei a faculdade consegui um bom emprego em uma das construtoras mais renomadas de toda a Geórgia, enquanto meu pai continuava em Nova Iorque.

Sempre penso em voltar para Nova Iorque, sinto falta da Elena, quero conhecer nosso filho ou filha, quero no mínimo saber como estão... Mas agora isso é algo impossível. Ela provavelmente me odeia, ou pior, nem lembra mais de mim. Ela já deve estar com outro, deve estar feliz, sem mim. O que eu fiz não é algo perdoável, meus motivos não são bons o suficiente.

Tudo está indo bem, estou levando minha vida, até que recebo uma ligação inesperada:

-Damon Salvatore filho de Giuseppe Salvatore? –É uma voz feminina.

-Ele mesmo.

-Sinto lhe informar, mas seu pai está internado em estado grave.

Ok isso só pode ser uma pegadinha.

-Não está falando sério, está?

-Infelizmente sim senhor Salvatore.

-Oh deus, o que houve? Onde ele está?

A moça me passa o endereço do hospital e não penso duas vezes antes de pegar o primeiro voo para Nova Iorque. Assim que chego ao hospital vou direto para a recepção.

-Posso ajuda-lo? –A recepcionista pergunta.

-Onde está Giuseppe Salvatore?

-Um minuto, vou verificar no sistema... Giuseppe Salvatore, ele está na UTI do hospital.

-Eu posso vê-lo? Como ele está?

-Você pode ficar na sala de espera no terceiro andar, avisarei ao doutor Parker para que fale com você, é ele quem está cuidando do caso do seu pai e pode lhe explicar melhor o que está acontecendo.

-Obrigado.

Pego o elevador e em questão de segundos já estou no terceiro andar, está completamente vazio. Ando de um lado para o outro até que o doutor se aproxima.

-Damon Salvatore? –Pergunta.

-Eu mesmo.

-Sou o doutor Mason Parker. –Ele estende a mão e nos cumprimentamos.

-Como meu pai está?

-Seu pai sofreu um acidente de carro onde aconteceu um traumatismo craniano, infelizmente tivemos que o induzir ao coma, o estado dele é realmente grave, estamos com medo de uma possível hemorragia.

-Eu posso fazer alguma coisa? Ele vai sobreviver não vai?

-Eu e minha equipe de profissionais vamos fazer o possível pelo seu pai, você só precisa ter paciência rapaz.

-Se o possível não for o suficiente quero que façam o impossível! –Digo duro.

-Acho melhor você se acalmar rapaz.

-Eu posso pelo menos vê-lo?

-Não enquanto o estado dele não melhorar.

Suspiro. Isso não pode estar acontecendo. Não com o meu pai, não agora.

Peço para que o transfiram para Atlanta por causa do meu trabalho, mas me explicam que é impossível enquanto seu estado estiver tão grave e me aconselham a arranjar algum lugar para ficar por aqui em Nova Iorque. Por sorte tenho a casa do meu pai aqui no centro, próxima ao hospital. Agora o único problema é falar com o meu chefe, pedir uma transferência para Nova Iorque pelo menos até meu pai melhorar. Ele está em coma induzido então não sei quanto tempo isso pode durar.

Antes de sair do hospital ligo para o meu chefe:

-Alô?

-Boa noite, Alaric, é o Damon.

-Damon! O que houve? Por que você saiu daquele jeito hoje?

-Cara, meu pai está em coma, eu peguei o primeiro voo para Nova Iorque.

- Uau! Cara eu sinto muito, tem algo que eu possa fazer?

-Na verdade tem, preciso de uma transferência pra cá, só até eu ter certeza de que meu pai vai ficar bem.

-Tudo bem Damon, você não precisa de transferência, só precisa me enviar os trabalhos por fax.

-Você é o melhor Ric!

-Você é o meu melhor funcionário e amigo, só faça o que estiver ao seu alcance e cuide bem do seu pai.

-Muito obrigado. Eu vou.

-Por nada. Se cuide!

-Você também!

E desligamos.

Tenho muita sorte por ter o Alaric como chefe e como melhor amigo.

Saio do hospital e já que estou sem carro vou andando até a casa do meu pai que é á uns 20 minutos andando do hospital. Estou sem a chave então toco o interfone. Me anuncio e o segurança permite minha entrada.

Logo vejo Martina, a governanta da casa, ela praticamente me criou.

-Damon... Oh meu deus, como você cresceu garoto! –Ela parece realmente animada por me ver.

-Martina! –Sorrio e a abraço.

-Nós pedimos para te ligarem do hospital, não sabíamos que você viria tão rápido... Estamos muito preocupados com seu pai. Ele é tão teimoso quanto você meu filho, mesmo tendo o Xavier como motorista insistiu em sair sozinho.

-Eu sei como meu pai é... –Damon revira os olhos. –Ele está em um estado bem grave, mas o doutor prometeu fazer o possível, acho bom que o possível seja o suficiente.

-Vamos rezar por ele garoto. Você vai ficar aqui?

-Sim, até ter certeza de que meu pai vai ficar bem.

-Vou preparar o seu quarto, e lhe providenciar todas as chaves da casa.

-Muito obrigado! –Sorrio agradecido. –Você sabe onde está o Taylor? –Pergunto me referindo ao segurança.

-Está na sala de segurança.

Logo estou na sala de Taylor.

-Salvatore! –Ele sorri.

-E ai cara! Preciso de um favor seu.

-Diga.

-Quero que pesquise a vida de uma pessoa, preciso da ficha completa.

-E de quem seria?

-Elena Gilbert.



Notas finais do capítulo

Esse capítulo foi só para amarrar as pontas e vocês terem uma noção do ponto de vista do Damon. No próximo vai ter o reencontro deles, não vai ser dos mais felizes hahaha Damon vai ter que passar por muita coisa ainda.
Hoje é sábado... Amanhã 10 de fevereiro é meu aniversário o/
Quem me dá o Ian de presente? Não? ok :(
Se tiver uma boa quantidade de reviews posto o próximo segunda.
Beijos!