Um Sopro De Felicidade escrita por Mihara


Capítulo 33
Capitulo 33 - Esquecimento


Notas iniciais do capítulo

Finalmente, finalmente coloquei mais um capitulo, mas não se precipitem, esse ainda não é o ultimo capitulo. Estou muito feliz com o capitulo, mas sempre fica aquele gosto de querer algo mais. De qualquer forma, desculpe pela demora



Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/328215/chapter/33

“O mundo sempre foi muito grande, dentre os inúmeros rostos, há somente um que não quero me esquecer. O sentimento mais importante para mim, eu não quero esquecer! ”

Capitulo 33

Esquecimento

Sakura acordou, abrindo os olhos de vagar. Muito sonolenta, seu olhar vagava no nada, meio à confusão. Olhou para cima, vendo um teto abobadado, sua visão ainda estava meio embaçada, então virou-se de lado, vendo apenas alguns vultos de cores. Sentia-se muito cansada, queria voltar a dormir, seria uma boa ideia, e por alguns instantes, ela fechou os olhos novamente. No fundo de sua mente, lembrou-se que tinha algo importante para fazer, mas não sabia o que era, não podia voltar a dormir. Abriu mais os olhos, tentando despertar, mas estavam pesados, com esforço, tentou relembrar os acontecimentos, estivera no mundo dos sonhos. Recebeu ajuda da bruxa e encontrou o sino, era o que lembrava.

Então, como uma enchente, suas memorias invadiram sua mente. O rosto de Syaoran que tanto tentava lembrar no mundo dos sonhos. O sequestro, alguém havia lhe sequestrado. O mundo dos sonhos. Foi uma onda de informações que chegou a se assustar. Tentou se levantar, mas seu corpo não obedecia direito, sentiu-se muito pesada, um cansaço físico lhe dominava fazendo-a se ajoelhar novamente.

Um estranho bicho de olhos pequenos enrolava-se em seu pescoço, parecia uma pequena cobra peluda com orelhas, seu corpo estava tão dormente que não a tinha notado ali. Deu-se conta de que suas roupas estavam úmidas, mas porquê? Onde ela estava? Olhou atentamente ao redor, e surpreendeu-se, como vira antes, era um grande salão abobadado, mas agora consegui ver as grafias do teto e paredes, no entanto, ele estava meio destruído e bem cheio. Encontrava-se atrás de uma grande coluna, escondendo-se de muitos homens que agiam estranhamente, tremendo assustados, todos seguravam armas, mas elas pendiam baixas em suas mãos ou estavam sobre seus pés, parte do salão estava meio destruído e havia muitos corpos, aparentemente, ninguém a havia notado ali.

No meio de toda aquela aglomeração, ela viu o topo de uma cabeça com cabelos castanhos, que tanto sentia falta.

                                       -----------****-----------

Tudo parou ao verem o corpo de Fey Wang indo ao chão. Esperavam que ele fosse se levantar novamente, mas quando não o fez, os guardas entraram em pânico, sem saber o que fazer. Kurogane limpou o sangue de sua espada, preparando-se caso viessem atacar. Ninguém tinha baixado a guarda ainda, não sabiam o que os seguidores de Fay Wang iriam fazer, eram duas escolhas, fugir ou atacar? Ficavam olhando um para o outro, como se fossem encontrar as respostas escritas em suas testas. Alguns, levantaram novamente as armas, outros afastaram-se, querendo correr.

Syaoran, que estava em pé, sentiu o corpo fraquejar, ele teria caído se Watanuki não o tivesse segurado, este viu que o olho do menino voltara ao normal, mas vermelho e inchado, o cansaço o sucumbiu, consequências do uso do poder, tudo o que o mantinha de pé era sua determinação. Watanuki tentava pensar em um jeito de ir embora dali, mas se os guardas mantivessem aquela indecisão não conseguiriam nem pegar Sakura, que ainda estava escondida.

—Eu vou facilitar as coisas pra vocês – gritou Watanuki – vão embora! Não existe mais chefe, vivam suas vidas a partir de agora como antigamente. Ninguém aqui será mais dominado, voltem para suas famílias.

Ninguém se mexeu, Kurogane deu um passo à frente.

—Ou então preferem nos enfrentar? – disse Kurogane colocando a espada em prontidão.

E sem pestanejar, todos largaram as armas e correram amontoando-se uns nos outros como baratas tontas.

A primeira coisa que Yeilan fez foi suspirar aliviada, e naquele suspiro, muita coisa saiu junto. Pensou em tudo o que aconteceu, Sakura era a maior importância claro, e também seu clã, o que aquele homem não tinha feito a seu clã para estragar sua vida? A morte de seu pai sempre foi uma estranha coincidência, e seu amor de infância ter se afastado também não foi coisa do acaso. E tudo por causa de informações. Naquela época não sabia nada, e agora, tinha conhecimento demais, queria apenas esquecer, tirar umas férias. Respirou fundo outra vez, as coisas ainda não estavam terminadas. Onde estava Sakura mesmo?

Em quanto Fay via Yeilan caminhar até as colunas principais, em que Sakura estava, pode ver a pequena garota tentando-se levantar, então ela finalmente tinha acordado. Era um alivio vê-la bem depois de tudo o que passaram. Ainda assim, naquele mundo haviam acontecido coisas que nunca iriam se esquecer. Poderia se livrar da culpa pelo irmão? Provavelmente não, mas iria carrega-la com outro peso agora. Olhou para Kurogane, que encarava o chão, ele devia pensar a mesma coisa.

Sakura jogou seus braços ao redor de Yeilan, abraçando-a, sustentando seu peso em Yeilan porque seu corpo ainda estava dormente. Sua atenção não se desviava de Syaoran, era como se não o visse a muito tempo. Tinha-o esquecido no mundo dos sonhos, que parecia ter sido mais um pesadelo. Queria abraça-lo. Pediu para Yeilan leva-la até o garoto. Fay e Kurogane correram para ajudar, pois o ombro de Yeilan estava ferido e o peso de Sakura, que ainda não conseguia andar devido a dormência, forçava mais, correndo o risco de perder mais sangue do que já tinha perdido.

—Porque ela está tão fraca? – perguntou Syaoran.

—Ela passou muito tempo presa naquele feitiço dentro da redoma e submersa em água para limitar os movimentos das asas. – respondeu Watanuki – provavelmente seu corpo está completamente dormente, graças também aos cabos de energia que sugavam seu poder.

Syaoran retirou seu braço de Watanuki.

—Está tudo bem, vá ajuda-la!

Watanuki olhou para Syaoran, ele não parecia tão feliz em vê-la como imaginou, mas a verdade era que ele estava aliviado. Seus olhos se encontraram por breves segundos, mas ele desviou o olhar. Sabia o que aconteceria a partir daquele momento, desde que se encontrara com a bruxa tentou manter sua mente ocupada com seu objetivo, pois volta e meia ela lembrava do terrível destino que pagou e da sua decisão que fez ao enfrentar seu clone, não queria se arrepender. Fay Wang e ele eram mesmo muito parecidos, a busca pelo amor maior e o desespero de rever a pessoa amada, mas não terminaria como ele, pensaria no bem de Sakura. E por esse motivo, tinha tomado aquela decisão.

Sakura caminhava aos poucos, sorrindo e abraçando seus amigos que vieram salva-la, nem acreditava que tinham vindo de tao longe, seja lá onde estivesse. Mas seus olhos não se desviaram dele em momento algum. Ele era quem mais queria abraçar.

Um garoto alto aproximou-se dela cumprimentando lhe. Ele parecia apenas um pouco mais velho que Syaoran. Curvou-se diante dela e estendeu-lhe a mão, achou que fosse para cumprimento, mas na verdade, a cobra em seu pescoço deslizou e passou para a mão do rapaz enrolando-se até seu pescoço.

—Espero que ela tenha feito um bom trabalho. – disse sorrindo e estendendo a mão novamente. – prazer, Watanuki Kimihiro, aprendiz da bruxa Yuko.

—Yuko?!

Lembrou-se da bruxa em seus sonhos, ela a ajudou muito naquele mundo, mas como sabia que ela estava lá?

—Devo muito a Yuko-san! – disse Sakura – Se eu puder retribuir...

—Tenho certeza que ira! – riu Watanuki.

E novamente, seus olhos voltaram-se para aqueles olhos castanhos, que encaravam o vazio. Por que ele se mantinha afastado? Caminhou com dificuldade, dessa vez com a ajuda de Watanuki, indo de vagar até o garoto, mas o mesmo deu um pauso para trás. O coração de Sakura martelou, porque ele se afastava? Lembrou-se do mundo dos sonhos onde tinha esquecido de Syaoran, não sabia porque, mas tinha um sentimento ruim.

—Syaoran? – A cada passo que dava, ele dava outro para atrás.

Porque as coisas seriam daquela maneira? Vendo-a sorrir, com aqueles olhos verdes que tanto sentiu falta, queria tanto abraça-la. Mas se fizesse isso, Sakura perderia todas as memorias. Tinha tomado aquela decisão, então porque se mantinha distante?

Ele abrir a boca para falar algo, mas foi interrompido por um riso baixo, vindo diretamente do corpo caído de Fay Wang. De repente, ele ergueu-se devagar, com a mão em cima do buraco em seu peito, desatando a rir loucamente, com um olhar ensandecido, tinha perdido completamente a razão. Sua cabeça pendeu para baixo, ficando em silencio e deixando todos temerosos.

—Fique atrás de Watanuki Sakura! – A menina obedeceu mas ficou confusa, não era ele que iria protege-la?

—Ele está murmurando alguma coisa. – disse Kurogane.

Fay olhou atentamente, escutando os dizeres. Eram palavras baixas e muito rápidas, como uma reza. Apertou os olhos e apurou os ouvidos, o que ele estava fazendo?

—Essa não! – disse Fay – Ele está fazendo um feitiço de conjuração, temos que sair daqui AGORA!

—VÃO TODOS MORRER! – Gritou Fay Wang, ecoando por todo o salão.

Das palmas de sua mão, um pequeno buraco se abriu, crescendo e sugando tudo o que tinha pelo caminho. Começando pelos destroços, até que o vendo ficasse mais forte a ponto de arrastar Syaoran e os outros.

—Um buraco negro?!– Gritou Yeilan. – Segurem-se!

Mas não havia no que se segurar, tudo estava sendo arrastado, Kurogane enterrou a espada no chão e segurou a mão de Fay, que tinha se desequilibrado. Enquanto que Yeilan foi arrastada até que se prendeu em uma rachadura no chão, segurou com as duas mãos, mas seu ombro latejava fortemente. Sakura foi protegida por Watanuki que estava com a raposa em sua forma original impedindo que os dois levantassem voo devido ao vento, que parecia sugar cada vez mais forte, o teto do salão trincou e quebrou-se, despencando por pouco na cabeça de Fay e Kurogane, logo, o concreto também foi arrastado. O buraco estava gigantesco, as colunas do salão racharam e foram junto com todo o restante das paredes. Tudo estava sendo sugado, o vento que puxava a todos era muito forte, e cada vez mais o buraco aumentava.

Syaoran, que se segurava atrás de uma coluna, olhou para Fey Wang, ele havia perdido a noção, enquanto ria loucamente, gritando, o buraco que criara ficava cada vez maior, sugando-o para dentro. Seus braços já tinham sido tomados pelo buraco.

—Esse homem é louco! – berrou Fay para Kurogane – Pra destruir essa dimensão, ele vai sugar a si mesmo.   

Era difícil se segurar, podiam ver que as casas estavam saindo do lugar, quebrando as telhas e todo o restante da casa, ouvia-se gritos de desespero e pessoas também apareciam voando, sendo sugadas para o buraco.

—SE EU NÃO TIVER ESSE PODER, NINGUÉM MAIS VAI TER, VOU DESTRUIR ESSE MUNDO INTEIRO!

O buraco negro aumentou de tamanho puxando todo o corpo de Fay Wang para dentro. Syaoran tentava se segurar mas foi arrastado quando as colunas se quebraram, não havia mais nada que pudesse se segurar.  Yeilan, que estava mais perto do buraco, estendeu o braço para segura-lo, sua mão agarrou a gola do rapaz com muita sorte. Enquanto isso, Syaoran, que ficou frente a frente com Fey Wang, ficara abismado com a expressão do homem, com um amor tão incondicional, uma pessoa poderia acabar daquele jeito? Olhando para seus olhos, Fay Wang foi sugado completamente.

Não iriam aguentar muito tempo, o buraco já alcançava a altura do teto que antes estava ali, logo ele estaria maior que o próprio castelo. O salão inteiro já tinha se desfeito, sugando cada tijolo do castelo. Como estavam na parte de baixo, os destroços eram sugados antes que caíssem em suas cabeças. O topo do castelo não existia mais, muitas casas que estavam perto dali se desfizeram, não podia-se ouvir gritos, pois o zunido do vento sugando tudo era muito alto, mas podia-se ver inúmeras pessoas sendo arrastadas para o buraco.

Sakura, que estava sob a proteção da raposa olhava Syaoran, suspirou aliviada quando Yeilan o agarrou. Sem nenhum aviso, Sakura sentiu um baque nas costas, se desequilibrou e caiu, sendo arrastada. Watanuki segurou-se na raposa e pegou sua mão antes que ela saísse voando para a escuridão do buraco negro. Sakura sentiu um grande puxão, um dos guardas havia batido nela e se agarrado a suas vestes.

—Socorro!

O olhar do homem era de desespero, pedindo por ajuda. Ela estendeu a mão, mas antes que o mesmo pudesse alcançar, a manta da roupa de Sakura se rasgou e ele foi sugado. Sentiu uma dor muito grande no peito, inúmeras pessoas daquele mundo, que não tinham nada a ver com ela, estavam sendo arrastadas e engolidas pela escuridão. Era culpa dela. Um mundo inteiro seria sugado por ela. Sentiu os olhos encherem de lagrimas, mas elas não escorriam por seu rosto pois também eram sugadas.

—OLHEM TODOS PARA FRENTE! – Gritou Kurogane.

Uma casa gigantesca vinha na direção deles. Iriam ser todos sugados. Não havia escapatória.

—TODOS ME ACOMPANHEM! – gritou Sakura.

Sakura soltou a mão de Watanuki e deixou-se se arrastar, se todos a tinham escutado ela não sabia, mas tinha que tentar.

—SYAORAN!

Enquanto seu corpo era arrastado, ela abriu os braços. Syaoran olhou para ela sentindo o coração bater rápido, cerrou os dentes com força e apertou as mãos. Soltou-se de Yeilan e apanhou Sakura em pleno ar.

No mesmo instante, as asas de Sakura se abriram e cresceram. Um grande símbolo apareceu e sob suas costas, um brilho intenso cegou a todos, que haviam feito o que Sakura pediu, soltaram-se para se agarrar a ela.

Enquanto isso, Syaoran abraçava fortemente a garota. Lagrimas escorriam por sua face. Era tarde demais.

—Me desculpe Sakura! – Sussurrou em seu ouvido.

                                     —----------****-----------

Um cheiro forte dominava o ambiente, fazendo-o acordar e abrir os olhos. Era um quarto com luz ambiente baixa, apenas um abajur estava aceso, havia muitas cortinas em tons quentes em volta de sua cama. A seu lado, no chão, um incenso queimava, soltando uma linha fina de fumaça no ar. Agora sabia de onde vinha o cheiro. Tentou se levantar, mas sentiu o peito doer, no mesmo momento, teve uma visão de uma espada lhe perfurando. O buraco não estava mais ali, mas ainda assim, estava enfaixado e dolorido, assim como seus braços e suas pernas. Também havia uma atadura envolvendo sua cabeça e seu olho. Suas roupas, antes esfarrapadas, rasgadas e queimadas foram substituída por outras, confortáveis e macias.

Uma sombra apareceu atrás da cortina do pé da cama. A bruxa entrou sem precisar perguntar ou pedir licença, sabia que o garoto estava acordado.

—Boa tarde Syaoran – disse Yuko – como vai?

— Nós voltamos? – perguntou Syaoran, sua voz estava meio grogue.

Era estranho ver a bruxa novamente, fazia tudo parecer como se não passasse de um simples sonho.

—Sim, a dois dias atrás.

—Os outros...

—Fay e Kurogane acordaram e partiram. Disseram que tinham assuntos pra resolver e muito o que pensar. – Yuko sorriu – essa foi uma importante jornada para eles. Enquanto Yeilan está tomando café na varanda, ela também parece muito reflexiva.

—Sakura...

—Está dormindo profundamente, depois que perdeu as memorias sobre você, vai demorar um pouco para acordar.

Ele manteve silencio por alguns segundos para organizar sua mente.

—Aquele mundo...

—Sim, é realmente uma pena. O feitiço de Fay Wang era muito forte, sugou tudo até restar somente a escuridão. É um mundo que não existe mais.

Um pesar muito grande assolou seu coração, como um homem conseguia acabar com um mundo inteiro? Era tantas pessoas que foram enganadas e sofreram em suas mãos. Respirou fundo, sentindo o peito latejar.

—Eu tomei uma decisão.

Tomando coragem para dizer aquelas palavras e sabendo que se arrependeria depois, Syaoran engoliu a saliva e encarou Yuko com um olhar firme.

—Quero que sele os poderes de Sakura, retire todas as memorias desses anos na china e a mande de volta para sua verdadeira casa. Como se nada tivesse acontecido!

—Tem certeza disso? – perguntou Yuko – os poderes de Sakura são muito grandes para selar, sairá caro.

Ele manteve-se em silencio, não desviou o olhar nenhuma vez, estava firme e forte, ele estava decidido.

—Posso perguntar o porquê?

—Quando estava naquele mundo, passei por um grande teste, uma grande tentação. Isso me fez pensar em Sakura como uma menina e eu um lobo mau, que a devorava cravando meus dentes em seu pescoço.  – ele sorriu tristemente – Então descobri, que não sou muito diferente de Fey Wang, eram os mesmos desejos e vontades de querer possuir a pessoa amada. Sakura nunca passou por tantos perigos desde que me conheceu, vi então, que não devo ser a pessoa certa para ela. Quero que ela seja feliz.

—E porquê?

Ele abaixou a cabeça, suas bochechas ficaram estranhamente quentes, percebeu então que chorava, disse com a voz embargada.

—Porque eu a amo!

Yuko sorriu para a figura curiosa a sua frente, de tantos anos de existência, nunca se cansou de observar as capacidades humanas. Não era vergonhoso ver um homem chorar por amor. Deu um tempo para ele se recompor e limpar o rosto.

—O que eu posso oferecer? – perguntou Syaoran.

—Apenas uma coisa que você pode me dar – Yuko aproximou-se e acariciou o olho de Syaoran que estava enfaixado – o poder que você possui do mago Clow.

—Que assim seja!

—Você não estará me dando somente o poder, mas como também seus direitos. Não será mais um Li, nunca mais poderá nem mesmo pisar dentro do seu próprio Clã, perdera tudo, até mesmo seu casamento com Sakura será anulado. A china ira ver você como um desgraçado bastardo e seus anos de cão irão voltar. Será difícil para você se acertar na vida, devido a fama de seu clã, você será o famoso herdeiro desgraçado e mentiroso, todos te olharão torto. Compreende o que isso quer dizer?

—O clã nunca foi minha família, mas há aqueles que eu posso dizer que já foram um dia. E quanto aos bens materiais ou riquezas, nunca me pertenceram, eu nunca fui um Li. – Syaoran sorriu tristemente – Entendo perfeitamente, estou decidido.

Syaoran levantou-se, e abriu as cortinas que separava sua cama com a de Sakura. Ela dormia profundamente, tranquila, não se arrependia de sua decisão, mesmo que quisesse agarrar a menina e nunca mais solta-la. Ele caminhou até a garota adormecida e abaixou-se, beijando-lhe a testa. E assim terminava a história de Syaoran e Sakura, relembrou as cenas mais divertidas enquanto acariciava seus cabelos. Como quando ele sempre acabava todo molhado aplicando seus treinamentos, ou quando olhava para seus olhos verdes e não conseguia dizer não, acabaram em muitas encrencas por conta disso. As noites abraçados, como eram macias e aconchegantes e seu beijo gostoso. Não foi uma vida inteira, mas viveram felizes por poucos anos.

Chegou perto de seu ouvido e sussurrou um último adeus, mesmo que ela não pudesse ouvir. Percebeu que ainda usava o colar que Fey Wang tanto queria, ele era uma relíquia do mago Clow, e depois de tanta confusão, a única que tinha direito a usá-lo era Sakura, a verdadeira herdeira de mago Clow, agora ele sabia disso. Retirou de seu pescoço para colocar no dela.

—Agradeça ao Eriol por tudo!

—Então você sabia? – perguntou Yuko surpresa.

—Sim, ele provavelmente é a encarnação do mago Clow, não é? Me dei conta disso quando descobri sobre o colar, todas as peças se encaixaram então. Sakura é um parente muito, muito distante de Clow, por isso seus poderes fortes. Ela é muito parecida com ele, tendo visões e sensações. No final, Eriol nos ajudou muito! – ele olhou para Sakura uma última vez – Por favor, apague as outras memorias de Sakura durante esses anos e cuide muito bem dela nesse tempo em que ela volta para sua casa.

—Não vai cuidar disso você mesmo?

—Não, não aguentaria! Vou sumir por uns tempos.

—E sua mãe?

—Ela provavelmente não deixaria eu fazer o que estou fazendo, não posso falar com ela agora sobre isso, mas a deixarei informada de minha situação para não ficar preocupada.

—Você sabe que tem o direito a felicidade, não é? Você é forte Syaoran, existem vários tipos de força, mas a sua é uma das mais nobres.

—Obrigada por isso. Mas por favor...

—Muito bem! Que assim seja! Atenderei a seu desejo.

 

                            -----------****-----------

“ E mais uma vez eu repetia essas palavras. O sentimento mais importante para mim, eu não quero esquecer! ”


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!


Notas finais do capítulo

Muito bem, obrigada por acompanharem, esse capitulo realmente me deu trabalho, mas ainda não acabou, estou quase no fim da linha. Esperem pelo próximo capitulo, obrigada por acompanharem.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Um Sopro De Felicidade" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.