Os Homens De Nossas Vidas escrita por Sansan


Capítulo 10
"Eu amei ela todos os dias"


Notas iniciais do capítulo

Meninas, me perdoem por não postar, mas minha vida está fora do comum, eu perdi meu pendrive, cheia de provas, resumidamente, impossível de lidar.
O texto de hoje trata de dor, de perda. Mas não uma perda qualquer, a perda do amor da nossa vida.
Boa leitura.



São Paulo, 26 de abril de 2013

Leitoras,

A faculdade está me deixando louca, definitivamente, engenharia não é para qualquer um. Só que hoje não estou aqui para reclamar do quanto tenho que estudar, e nem de que minha busca pelo meu príncipe encantado está na estaca zero. Hoje vou transmitir as lágrimas que vi, as lágrimas dos amantes sem seus especiais amado. 

Pedro é um senhor, ele se casou aos dezoito anos com Marieta. Ela viveu a vida cercada por doenças,  nunca pode aproveitar a vida como uma mulher normal. Independente de tudo, Pedro permaneceu ao lado dela, mantendo firme o juramento de que estariam juntos na saúde e na doença. Viveram quarenta e três anos casados, anos em que quebraram barreiras, contrariaram todos que diziam que aquela não seria uma união boa para Pedro, por causa do câncer de mama que ela possuía aos dezessete anos. - Mais tarde seria curada - Foram muitas dificuldades ao longo da vida, entretanto o amor era maior. Ah, e quando esse 'detalhezinho' toma conta de nós, não há mais controle, só há capacidade de acreditarmos que vai funcionar, que é o destino reservado a cada um de nós.

Continuando a história de Pedro e Marieta: No dia oito de janeiro desse ano, Marieta foi internada com uma crise por causa do câncer no intestino, juntamente com outras doenças. Dois dias depois, ela já era uma lembrança. No entanto, para Pedro, ela continuava vivíssima. No velório, via-se os filhos do casal, os netos e amigos entristecidos, entretanto, nada se comparava com o sofrimento de Pedro.

Os dias se passaram, tornando-se semanas, e essas em meses. A vida seguia, o mundo brilhava, menos para Pedro. Certo dia, eu estava sentada no ponto de ônibus, esperando, cansada do dia trabalhoso, quando um senhor sentou-se ao meu lado: Era Pedro, e foi nesse momento que ele me contou como sentia falta de sua amada esposa, e entre desabafos disse: "Eu vivi quarenta e três anos com ela, e se precisasse, eu trocaria fraldas dela para que eu pudesse receber mais um beijinho, para que eu pudesse ter a presença dela ao meu lado. Ela foi a melhor coisa que aconteceu para mim, eu amei ela todos os dias. Eu perderia tudo por ela outra vez. Ela foi o meu primeiro amor, o amor da minha vida."

Foi então que uma lágrima caiu do meu olho, como caiu agora, ao escrever esta história para vocês. Acho que é isso que quero, acho que isso é um amor de verdade. Quero senti-lo, quero ter a vontade de lutar por algo que ninguém acredita. Quero perder tudo para ter alguém que me faça ter tudo.

Abraços,

Nina



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado, e que tenham se emocionado tanto quanto eu me emocione.
Gostaria de dizer que essa história é baseada em fatos reais, acrescentei alguns detalhes.
E sinceramente, além da Nina, eu também quero um amor de verdade. E num desabafo: Obrigada minhas leitoras, e desejo a sorte do mundo para que vocês sejam felizes no amor, e que nós vivamos esse sentimento tão paranormal, intenso e indescritível.
Beijos, San.