Brincadeiras À Parte. escrita por Carrie Collins


Capítulo 1
01


Notas iniciais do capítulo

Então, gente. Eu renovei a fic, estou reescrevendo. Os personagens mudaram e diminuiram, como vocês devem perceber. Espero que gostem mais desta versão. Beijoos!



A casa parecia incrivelmente linda em sua entrada. Muros altos de pedra e um portão prateado, que parecia uma frigideira naquele sol escaldante do Nordeste. Suy tirou seus óculos e olhou diretamente para praia que ficava bem na frente da casa, precisava apenas descer um arremessa pequena de escadas e já estava com os pés na areia. Havia um mar bem azulado e tão raso que poderia chegar às pedras facilmente. Uma mesa de pedra ficava próxima à escadinha, com alguns bancos ao redor.

Uma delas procurava a chave da casa, enquanto umas murmuravam que o sol estava derretendo-as.

– Ache logo esta merda de chave, Suyane! – Exclamou Clara já aborrecida.

– Tenha calma... – Disse ela vasculhando sua bolsa de mão, até que finalmente achou. - Achei!

Suy foi até o portão mais estreito e colocou a chave lá, nem fez esforço e a porta se abriu.

– Que estranho. – Falou para si mesma.

Adentraram na casa, mas havia um carro na grama, enquanto elas passavam pelos trilhos de pedras.

– Será que o dono da casa está aí para nos dar boas-vindas? – Sara disse curiosa.

– As pessoas aqui são tão bondosas assim, Mesquita? – Perguntou Let.

– Geralmente não. – Disse ela rindo.

– Nunca são assim. – Jenny argumentou.

Deixaram as malas próximo a porta e analisaram o local. Havia uma porta de vidro que dava para uma sala grande, que havia sofás, poltronas e namoradeiras pequenas. Era uma típica casa de praia. Com telas de paisagens e paredes de tijolos bem decorativas. Seu espaço transparecia conforto. Uma mesa enorme da sala de jantar, o que não havia era a separação entre a sala de estar com a de jantar. O que deixara o ambiente maior. Do outro lado da sala havia uma porta grande de madeira, pintada de branco para combinar com todo o ambiente. Porém, havia sacolas de compras na mesa, malas próximo da porta e sapatos espalhados pelo chão.

Suyane adiantou-se e foi para dentro de um cômodo, que parecia ser a cozinha, enquanto as garotas analisavam o ambiente, desconfiadas. Não demorou alguns minutos e surgiu um grito da onde estava Suy e depois um baque abafado. Todas as meninas correram.

– Que merda foi isso?! – Sara gritou.

Depararam-se com Suy no chão, gritando. Por conta que havia um rapaz em cima dela. Com uma sunga preta, cabeleira loura e porte físico mediano.

– Meu Deus! Ele ta estuprando a Suy? – Gabi exclamou dando alguns passos para onde eles estavam.

– Eu e Let seguramos e você, Jenny e Sara bate, Bibi! – Clara disse logo.

– Ninguém precisa me bater! – O estranho se levantou rapidamente, tentando se esquivar das tapas que Suyane lhe dava. – Eu não estou estuprando ninguém!

Clara e Let seguraram uma em cada braço do rapaz, com toda a força que tinham, enquanto Mesquita e Sara a fuzilavam com o olhar.

– Quem é você? – Sara chegou perto com um tom ameaçador.

– Calma, cara! – Seu sotaque apareceu. – Só foi um encontrão, eu não agarrei a mina, ela só se assustou.

– Oia bicho, diz logo o que tu ta fazendo aqui, que eu to braba hoje! – Mesquita cruzou os braços em sua frente.

– Você ta sozinho? – Let perguntou.

– Eu que pergunto, o que vocês estão fazendo aqui? – Ele franziu o cenho.

– Alugamos a casa, meu amigo! – Clara falou sem paciência.

– Eu não estou sozinho, cara, meus amigos estão na piscina. – Disse ele ainda confuso. – Nós também alugamos a casa!

– Isso não é possível! – Mesquita murmurou pegando o celular.

– Minha gente, soltem o cara... – Jenny as lembrou.

– Eu fui abusada por esse tarado! – Suy estava encostada na parede, encarando o estranho com um olhar matador.

– Vai dizer que tu não gostou, mulher! – Riu Jenny.

O rapaz já havia saído da cozinha para chamar seus amigos. Foi então que elas perceberam vozes vindo do lado de fora.

– Que merda, só acontece com a gente! – Let murmurou.

Quando o estranho voltou estava com mais cinco rapazes com ele, todos de trajes de banho.

– Mas gente, que violência. – Jenny sussurrou para Mesquita, observando os rapazes.

Mesquita ligou centenas de vezes para o proprietário da casa, porém, todas caíram na caixa postal.

– O que é que está acontecendo aqui? – Falou o mais alto, com cara de malvado.

– Essas garotas estão dizendo que também alugaram a casa! – O loirinho explicou.

– Oxe, como foi isso? – O da boca bonita perguntou.

– Estou procurando responder esta pergunta. – Mesquita disse. – Mas acho que fomos enrolados.

– Você acha? – O malvado falou ironicamente.

– Que porra é isso? – Clara se exaltou. – Oia vei, to ficando puta, vocês podem resolver isso aí, que eu não quero esse bando de macho aqui não.

– E como vamos resolver? – O branquelo barbudo riu.

– É, vocês só sabem dar chilique! – Disse o outro loiro.

– Vamos tentar resolver isso como pessoas normais. – Disse o outro rapaz barbudo.

– Pedra, papel e tesoura! – Exclamou Clara, levantando sua mão em forma de punho e encarando os rapazes.

– Quanta maturidade... – Riu o malvado. – Vai, Kinho, foi você que encontrou essas loucas.

– Olha, tu vê como fala, porra! – Let disse já irritada.



Notas finais do capítulo

E aí, gostaram? Quero a opinião de vocês!! Comentem... Beijinhooss



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Brincadeiras À Parte." morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.