Back to Start (em hiatus) escrita por asthenia


Capítulo 1
Prólogo - O começo do fim


Notas iniciais do capítulo

Postando minha nova fic! Decidi que serei mais ativa nesse site, e aos poucos vou postando os novos capítulos. As partes em negrito e itálico é a música da qual me inspirou para essa fic, The Scientist, do Coldplay.
Espero que gostem. :)



Nobody said it was easy,
Ninguém disse que era fácil,

— Parece frio lá fora, não?

Naruto puxou o cobertor para cobrir em seu corpo nu na cama. Já se fazia longos minutos que aquele silêncio havia permanecido no quarto, e o rapaz odiava quando aquilo acontecia. Hinata segurava a ponta da manta que cobria seu corpo, olhando para o vazio. Não era primeira vez que estava assim, tão desligada do mundo afora e presa no teto, em seus pensamentos. Naruto sempre a via assim, quando o corpo cansava, e ela deitava-se ao lado dele, com o mesmo olhar.

— É o que parece. - Respondeu a Hyuuga, sentando-se na cama.

— Heey, volta para cama! - Naruto a puxava de volta.

— Eu gostaria de... De conversar com você Naruto-kun.

O vento lá fora parecia indicar que o frio seria não só rigoroso como também longo. Naruto sentou-se na cama, e a olhou com atenção. O quarto era tão mal iluminado, que as luzes de fora iluminavam muito mais através da janela, que a fraca lâmpada. Era uma daquelas noites iluminadas de Konoha.

— E-em alguns meses... - respirou fundo, ajeitando-se- vou assumir o clã.

—Aaah Hinata-chan! - um sorriso aberto se formava nos lábios do loiro - Eu tenho certeza que você vai ser a melhor herdeira que esse...

— Naruto-kun, você me ama?

A sua voz havia transformado todo aquele discurso de Naruto em silêncio. Aquilo não era uma pergunta retórica. Mais que notável era a feição de Hinata que o olhava. Seus olhos pareciam como dois grandes telescópios, prontos para captar qualquer detalhe. Seja no céu, ao li mesmo naquele quarto.

Era uma fusão de pensamentos. Ele olhou pelo quarto, pela cama, para ela. Mas sabia que nenhum desses lugares iria lhe oferecer fuga.

— Eu... - seu corpo pendeu a um lado, jogando as pernas para fora da cama, enquanto suas mãos adentravam nos fios bagunçados do seu cabelo - eu não...
Hinata observava enquanto Naruto lhe dava as costas, sentando-se na cama, de frente a um criado-mudo. Enquanto de um lado uma fusão de pensamentos, do outro um turbilhão de sentimentos.

— Eu não consigo! Eu não posso... Seria mentira se dissesse... As coisas não são tão fáceis assim, 'ttebayo.

O silêncio tomou conta. Suas unhas se apegaram aos fios do lençol, e seus olhos as lágrimas. Não que aquilo havia sido uma surpresa... Apenas uma confirmação. Mal sabia ela que doía tanto. O pior, é que naquele momento, a sua última visão de Naruto seriam suas costas, que durante diversas noites, agarrava, arranhava, achando ser aquilo que chamava de porto seguro. Foi por tão curto momento, e tão sábia decisão, que suas mãos apanharam as peças de roupas no chão.
Ele não podia encará-la. Não mesmo. Mas nem precisava. O barulho da porta indicava que aquilo havia tido um fim. Um fim digno. E a melhor escolha era encarar a porta mesmo, deitar, e dormir. Ou tentar pelo menos.

It's such a shame for us to part.
É mesmo uma pena nós nos separarmos.

—/-

Nobody said it was easy,
Ninguém disse que era fácil,

 

A primavera chegou tão rápido, que as flores pareciam novas joias nos jardins de Konoha. Uma noite fresca, dava destaque a lua, que brilhava no céu sem nuvens. Mas no "Konoha no Akaru-sa bar", a noite se escondia lá fora, e as bebidas atraíam mais atenções. Todo mundo que ele amava, que valorizava, estava lá para prestigiá-lo. Sakura, Kakashi-sensei, Sai, Gai-sensei, Shikamaru, Neji, Tenten, Rock Lee, Tsunade, Chouji, Ino, Shino, Kiba, Temari, Gaara, Kankurou, Kurenai-sensei... Seria uma lista de enorme se todos os nomes fossem mencionados, sem contar que Sasuke aparecera antes de todo mundo, dando um de seus sarcásticos comentários parabenizando o amigo, e indo embora logo em seguida. Era sempre um "Você merece!", "Vê se não estraga tudo!", ou um "Nós nos orgulhamos de você!" dos amigos. E mesmo assim, a porta nunca abria e quem ele esperava estar por lá, não aparecia. A noite não estava tão perfeita assim... A madrugada começava a escurecer ainda mais.
Os seus dedos seguravam um copo de sakê, ligeiramente cheio, enquanto o último funcionário do local limpava o balcão. Todos já haviam ido, mas ele ainda estava lá, bebendo mais uma dose de sakê.

— Parabéns, você realizou seu sonho. Parabéns Naruto-kun. - disse sarcástico a si mesmo, engolindo mais do que o necessário num gole só.

— Para quem acabou de assumir o maior cargo de Konoha, sua felicidade não é a das mais contagiantes... - o balconista disse, entre risos.

— Não é nada, 'ttebayo. Só fico triste de não ter vindo todo mundo hoje...
O rapaz de olhos castanhos claros foi até Naruto que apoiava no balcão.

— Duvido que a essa hora apareça alguém. A não ser aquele cara que está entrando...

A porta se abria, e uma sombra que Naruto não identificava vinha até ele. Neji carregava no rosto a expressão de sempre no rosto. Ele veio até Naruto e o olhou sem surpresa alguma.

— Sabia que você ainda estaria aqui. - um pequeno sorriso, sem nenhuma graça se mostrava triunfante no rosto de Neji. - se você está esperando alguém, saiba que ela não virá.

— Você se enganou - bebeu o último gole do sakê - eu já estava de saída. Não há mais ninguém que precisa vir hoje. Até porque todos os meus amigos...
Neji levantou uma de suas sobrancelhas, mostrando o quanto não estava interessado naquele comentário mais que dispensável, o interrompendo.

— Eu vou dizer apenas uma vez, e escute.

Naruto silenciou-se, e a voz de Neji era o único som além do rádio baixo que vinha da cozinha, que enchia o local.

— Apareça na porta do clã às três horas.

O Hyuuga olhou para Naruto que mal se movia, e se dirigiu até a porta, indo de encontro à noite. Naruto ficou a observar Neji indo porta a fora, ainda imaginando o quão emocionante seria seu dia que a poucas horas mostraria um Sol iluminado.

No one ever said it would be this hard.
Ninguém nunca disse que seria tão difícil.

—/-

Se alguém lhe explicasse as razões das chatices de um clã, ela não entenderia. Quando você as vive, tudo se torna tão inútil que nenhuma das implicações do clã Hyuuga tinham sentido. Mas aquela era sua vida, nova vida. Assinava alguns documentos e o colocava em locais diferentes, e seu dia parecia que iria terminar assim. Ah, que inveja que sentia das flores lá fora, na brisa de uma primavera tão fresca como aquela! Mas os relatórios não esperavam teorias sobre a primavera, quando uma "Convocação Para Crianças Do Clã Hyuuga Na Academia De Konoha" esperava ser assinado.
A porta rangeu, e Hinata viu seu primo, e parceiro em assuntos Hyuuga, entrar no local.

— Hinata-san. - reverenciou-a.

— Neji-nii-san! Fico feliz que tenha aparecido. Veio me ajudar com os documentos?

— Hinata sorriu, levantando-se do banco confortável que se acomodava.

— Você tem visita.

Quando a porta se abriu mais, dando visão aos dois que se localizavam dos lados opostos, o sorriso do Hokage se abria. O coração de Hinata se acendia. Um propósito dentro de si, um sentimento que tentava apagar, parecia mais vivo do que nunca. Seus olhos se mostravam espantados, e o vermelho de enchia seu rosto.

— Hai Hinata-sama. - Naruto disse, com um daqueles sorrisos aberto demais, entrando na sala.

— H-hai H-ho-hokage-s-sama. - seu olhar desviava da figura parada atrás da porta que a encarava.

Neji saiu do local fechando a porta atrás de si, enquanto os dois que sobraram dentro da sala apenas se encararam por longos segundos. Hinata, porque seu corpo tinha resolvido travar, e Naruto porque também se sentia um tanto nervoso. Aquela não era Hinata das blusas que a escondiam, dos cabelos que vinham na altura de sua cintura. Aquela era Hinata do kimono branco e bordados finos, do decote fechado, do pescoço a mostra, do coque alto e franjas soltas que destacava seu rosto, em vez de escondê-lo. Aquela não era Hinata, aquela era a herdeira do Clã Hyuuga.

— Como você está? - ele se aproximou dela, ficando a menos de dois metros de distância.

— E-estou b-bem. - respondeu, permanecendo estática - e-e p-parabéns.

— Ah, obrigado.

O silêncio era tudo que ele não queria. E ele fugiria dele prontamente.
Naruto caminhou até ela, enquanto a mesma dava alguns passos para trás. Ele ficou a alguns centímetros de Hinata, mas não tão perto. Sua chance era uma só, e não seria agora que a desperdiçaria. Suas vestes balançavam enquanto falava com as mãos.

— Hinata, eu tenho que dizer tudo de uma vez, antes que... - respirou fundo - eu estrague tudo de novo, dattebayo. Você é uma das melhores, quer dizer, eu diria até a melhor - riu nervosamente - chance que me apareceu pra querer... Para me fazer conhecer o amor.
Ele deu mais um passo em direção a ela.

— Você é mais um do que eu esperava, e eu não faço ideia de como lidar com isso. Eu não sei se eu sou mais do que você esperava, mas... - mais um passo o fez chegar à distância de dois palmos de Hinata - eu não quero perder a oportunidade de ser isso... Hinata, eu quero que você seja minha. Eu a amo sim.

O sorriso dele não se apagou mesmo quando a Hyuuga encarava o chão, entre lágrimas. Ele levou as mãos em direção ao rosto de Hinata, mas a mesma fez seus pés darem dois passos para trás, afastando-se do toque do Hokage. Suas mãos tremiam, e aquilo era mais difícil que qualquer coisa que havia enfrentado. Seu coração encolhia, e doía, mesmo quando o rapaz era o mais doce possível.

— E-eu l-l-lamento H-ho-k-kage-sama... - gaguejava mais que o normal, mesmo não olhando para o rosto de Naruto - m-mas u-uma-a h-herdeira H-hyuuga n-não deve-ve se... Se relacionar c-com a-alguém que n-não s-seja da l-linhagem H-hyuuga.

Seu corpo enrijeceu-se, e Hinata jogou sua mão esquerda para trás segurando um braço da poltrona que estava sentada à uns minutos atrás. Naruto a olhou com suas pupilas dilatadas, e seu corpo um pouco mais pesado. Um peso dentro de si parecia doer.

— Eu sei que fiz besteira, 'ttebayo...

Ao aproximar-se do rosto de Hinata, a mesma o virou, deixando uma das mãos de Naruto no ar. Era confuso, doído, e ruim ao extremo, não só o que ela estava fazendo com ele, como também o que ele havia perdido há alguns meses atrás.

— Eu não posso fazer nada por você, Hokage-sama. - ela disse sem gaguejar e o encarou. Seu rosto estava mais corado que o normal, e extremamente banhado de lágrimas.

Ele tentou puxar o ar, mas sentiu como se um bloco de tijolo caísse sobre seu estômago. Suas mãos ficaram mais pesadas, e seus passos mais lentos. Queria aproximar-se dela, queria tocá-la mais uma vez. E era o que menos podia fazer. Algo dentro dele resolveu ignorar todos os efeitos que ela havia causado nele, e tornando tudo em orgulho. Orgulho ferido.

— Me desculpe se a incomodei, Hyuuga-sama.

No caminho até a porta, Hinata a viu desmanchar-se enquanto ele após de se reverenciar a ela, ia embora. Aquilo era um pouco mais que imaginava vindo dele, e muito menos que podia dar dela. Se pudesse, sumiria dali. Iria para algum lugar que não existisse clã, Naruto... Ela. E enquanto isso não acontecia o melhor era lamentar-se ali mesmo, sentando no chão, e deixarem sem nenhum impedimento, as lágrimas rolarem. E havia tantas.

O ar parecia menos pesado, mas ainda sim difícil. Ele caminhava o mais rápido possível para longe daquele lugar, tentando fugir do peso que seu corpo carregava.

Era aquilo, sem dúvidas algumas, e seria assim, já tinha que ser assim. Seus dentes morderam um pouco forte demais, e seu punho se fechou.
Porque agora não haveria as noites em que não estava sozinho. Muito menos uma menina tímida que saía do meio da madrugada para vê-lo.
Agora havia apenas a herdeira do clã Hyuuga, e o novo Hokage de Konoha.

Oh, take me back to the start.
Oh, leve-me de volta ao começo.