The Girl Of Cutting escrita por Fafa Moraes


Capítulo 9
My Drugs, My Tears, My Cuts.


Notas iniciais do capítulo

Olá, olá, gente! Fiz um blog para a fic! Vou postar gifs, imagens, spoilers e coisinhas assim, ainda estou começando, então, paciência!
Link: http://thegirlofcutting.blogspot.com.br/




Era de manhã, a noite havia sido bem quente entre mim e o professor Fox, fui acordada da forma mais sublime possível:

-Bom Dia - sussurrou a voz mais doce em meus ouvidos -

- Bom dia, professor... - respondi, beijando-o -

- Vai para a escola hoje?

- Sim...tenho que estudar, vai que eu fico de recuperação em educação física? - debochei -

- Você, de recuperação em educação física? Com certeza não depois do que você me mostrou essa noite...Você é a melhor aluna, e também melhor namorada...

- Hmm, e você o melhor professor e melhor namorado...

- Alicia, posso te fazer uma pergunta?

- Faz...

- Se você fugiu de casa, o primeiro lugar onde sua mãe vai te procurar, se procurar não vai ser na escola?

- Exatamente...

- Então, por que você vai?

- Porque eu tenho certeza que ela vai até lá, e não dispenso uma boa briga, quanto mais na frente de todo mundo...Além do mais, isso pode me ajudar a parar a Ashley vadia...

- Ok, mas, como?

- Brigando com minha mãe na frente de todos eles irão ficar "Ah, coitadinha..." a ponto de você me ajudar, então, se a Ashley publicar o video...ela não vai poder provar nada, e se eu cometer o meu primeiro assassinato, terei motivos.

- Desde quando se comete um assassinato por isso?

- Desde que eu decidi, ok?

- Hmm, que gracinha, já ditando as regras...

- É, exatamente, agora vamos, acho que professores não devem chegar atrasados, e, alunas problemáticas também não... - ele riu -

Chegamos na escola, juntos, pouco me importo para o que os outros vão pensar, que, com certeza são burros o suficiente para pensarem que o Fox está comigo por pena, ou, que apenas me deu uma carona para a escola, o que posso dizer? As pessoas da minha escola seriam geniais... se tivessem cérebros.

Ao entrar na sala, a Ashley já estava lá, e ficou olhando fixamente para mim, o que me irritou muito, muito, muito, mas, sabe o que foi pior?  Ela vir falar comigo!

- Olá, Alicia...cuidado, existem pessoas com celulares por aqui, só vou avisando, não iriamos querem que um vídeo seu fazendo algo hm...Incorreto parasse na internet, queríamos?

- É claro que não vad...Ashley.  - Se eu não estava furiosa? É claro que sim, mas, tente entender, era muita coisa em jogo, e, eu não jogo para perder.  -

A primeira aula do dia era de educação artística, ou seja: inferno duplo. Mas, conseguiu ser pior, a professora velha e chata tentou me colocar em uma das carteiras da frente:

- Alicia, se importaria de sentar aqui, perto de mim?

- Na verdade sim...

- Ah, que isso... sente-se aqui, eu não mordo.

- Bom saber que a cara de cachorro é apenas na aparência. - a turma deu uma risadinha -

- O que você disse?

- Ah, que pena, você também é surda?

- Alicia! Me trate com respeito.

- Professora, só vou avisando, você não morde, mas, eu corto.

Ela entendeu minha ameaça e calou-se, a turma ficou quieta por um tempo, mas, depois, eu ouvi muitos boatos ao meu respeito, algo me diz que 99,9% deles foram criados por uma filha de satã, chamada Ashley, porque eu a chamo assim? Porque é o que ela é, e, se não é, é o que deveria ser, ou o que parece.

Depois de duas aulas daquela velha chata, o professor de literatura entrou, seguido pela minha mãe....  "Agora o show vai começar..." - pensei.

- Alicia   - disse o professor - sua mãe gostaria de falar com você, vá lá fora conversar com ela.

- Mãe? O que seria isso? Um novo tipo de gênero literário ou uma nova banda? Eu não tenho nada para falar com ela.

- Alicia, eu preciso falar com você, filha...

- Filha? - eu me levantei, falando com arrogância - Agora eu sou sua filha?  Ontem mesmo você disse que eu era a pior coisa que tinha acontecido na sua vida e agora eu sou sua filha?  É, acho que não.

- ALICIA! VENHA FALAR COMIGO LÁ FORA AGORA.

- É é, acho que não “tô” muito afim... - falei, sentando novamente e colocando os pés sobre a carteira - Que tal outra hora, tipo...Quando Deus se juntar a Lúcifer?

- ALICIA, EU SOU SUA MÃE, ENTÃO, ME OBEDEÇA!

- Ah, minha mãe? Jura... é só um titulo, você nunca me tratou como sua filha mesmo...Mellaine.

- ALICIA!

 - Mellaine... - tirei cigarros do bolso, acendi um e coloquei na boca -

- ESTÁ VENDO? É POR ISSO, EXATAMENTE POR ISSO QUE VOCÊ ESTÁ ASSIM, BEBENDO, FUMANDO, ISSO É UMA QUESTÃO DE TEMPO ATÉ VOCÊ SE DROGAR QUE NEM SEU PAI! VÁ LÁ, VA LÁ E PROCURE-O, É ISSO QUE VOCÊ QUER, NÃO É?  FICAR COM AQUELE MONSTRO?

Levantei da carteira com tudo, batendo a mão nela, o que fez os alunos vidrados na briga de assustarem:

- CALE A BOCA, VOCÊ NÃO TEM O MINIMO DIREITO DE FALAR DO MEU PAI! VOCÊ TEM QUE NASCER DE NOVO PARA FALAR DELE, MELLAINE, NASCER DE NOVO! - peguei a faca que tinha usado para me cortar depois da briga em casa, sai correndo e passei-a pelo braço da minha mãe, sim, eu a cortei e saí correndo da sala, chorando.... o que foi pura encenação -

- ALICIA!  - minha mãe saiu da sala, me seguindo, sem ligar para o corte que eu havia feito, os alunos e o professor ficaram paralisados. -

Felizmente, consegui despistar minha mãe, e comecei a rir muito, foi um perfeito ataque de risos, o que eu posso fazer? A briga tinha sido muito engraçada, pelo menos para mim, no meio do corredor, eu encontrei meu lindo namorado:

- O que faz fora da sala, senhorita Montgomery? - isso me fez rir mais ainda -

- Só tem agente aqui, para de se fingir de professor... Minha mãe veio até a escola, falar comigo, tivemos uma briga no meio da sala, eu sai correndo, e bom, foi hilário, pelo menos pra mim, mas, acho que os alunos ficaram assustados com a bela atitude de minha pessoa.

- O que você fez?

- O que eu faço, cortes, eu cortei minha mãe...

- Que namorada malvada eu tenho... -  ele sussurrou perto do meu ouvido - Eu não corro risco de ser machucado, corro?

- Só se for de outra forma... - sorri, maliciosa - Já está quase na hora do intervalo, eu é que não volto para aquele projeto de inferno muito mais bem sucedido...

- O que?

 - As aulas, são um projeto de inferno muito mais bem sucedido, menos a de educação física, tem uma coisa que eu gosto nessas aulas....

Eu me afastei dele, peguei meus cigarros e meu fone de ouvido e sentei no refeitório, chamando atenção como sempre: pés em cima da mesa, fumando, lápis de olho borrado...é, essa é a minha essência, essa sou eu, Alicia Montgomery.

Poucos minutos depois o sinal tocou...Ashley grr! Sempre me perturbando, era ela e as outras filhas de satã que vinham em minha direção:

- Essa mesa é minha...

- Desde quando as mesas tem dono? Você não pode comprar tudo, Ashley.

- É, mas, eu posso mostrar vídeos.

- E eu, fazer cortes.... - tirei a faca de dentro da minha mochila e mostrei a ela, sorrindo...-



Notas finais do capítulo

Reviews?



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "The Girl Of Cutting" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.