The Girl Of Cutting escrita por Fafa Moraes


Capítulo 64
13 - True or Dare?


Notas iniciais do capítulo

Olá, mortos-vivos! Aqui está mais um capítulo, que levará a um capítulo extra, que será sorteado em uma promoção que teremos lá no blog, então fiquem ligados!
Boa Leitura!
link do blog oficial: http://thegirlofcutting.blogspot.com




As duas garotas ali presentes me encaravam com expressões carregadas de puro pavor, como se eu estivesse prestes à matá-las. Meu rosto exibia um sorriso maléfico, demonstrando toda a minha naturalidade em lidar com o medo alheio.

– O que foi, meninas? - perguntei, usando o mesmo tom gélido, porém com um pouco de inocência - Vocês não gostaram da brincadeira? Não há nada a temer...É algo tão inocente, tão inofensivo...Quem quer começar? - peguei meu canivete, exibindo a lâmina, e depositando-o vagarosamente no chão - Ninguém vai se pronunciar? Tudo bem...Então acho que eu vou ter que arrumar uma maneira de decidir quem começa. - toquei novamente no canivete, girando-o e esperando que ele ficasse imóvel novamente. Quando isso aconteceu, a lâmina estava apontada para Ashley, que ficava cada vez mais assustada - Então, você começa, Ash...Escolha seus números.

– A-alicia...Eu não acho que isso seja uma boa... - a interrompi, com uma risada que estava segurando à alguns minutos, e fazendo as garotas ali presentes ficarem confusas.

– O que foi? Vocês não acharam que eu realmente iria forçá-las a fazer isso, certo? - elas se entreolharam, um pouco menos tensas - Tsc, tsc, vocês me conhecem à tanto tempo...Principalmente você, querida Ash, e mesmo assim não entenderam que se eu quisesse que alguma de vocês morresse, faria isso com minhas próprias mãos, e não com um joguinho idiota. Não se preocupem, eu já mais jogaria carnificina...Não ao menos com vocês.

– Ali, eu quase pensei que você estivesse querendo brincar disso de verdade... - Belly admitiu, encarando-me agora com um sorriso fraco.

– Pensando bem, cabelo sangrento...Eu teria coragem de brincar de carnificina, de verdade. Mas, acho que vocês não se dariam muito bem nisso, principalmente você, querida Ashley, que já me mostrou ter um pouco de medo de ver sangue... - a loira deu um sorriso meio envergonhado. - Foi divertido enganar vocês...Sempre é. Vocês ficam tão assustadas; não só vocês.

– É, mas pra nós não foi tão divertido assim...Ao menos pra mim. - Ashley exclamou, com um tom um tanto sério.

– Ash, Ash, Ash...Não veja as coisas por esse lado. Não foi divertido ficar com medo? Sentir toda aquela adrenalina pulsando dentro de você? Todo aquele pavor crescendo de forma incontrolável? A sensação de ter que agir rápido antes que algo aconteça? Para alguém que sabe jogar conforme o jogo exige, é tão radical estar sendo a vítima, quanto ser o predador. A adrenalina é quase na mesma quantidade, apenas se joga em posições diferentes...

– E, na maioria das vezes, você só percebe que foi divertido ficar com medo, quando tudo acaba. - Belly indagou, o que prova que ela compreendeu totalmente o meu raciocínio.

– Exato, ruiva, exato. - sorri maliciosamente, tomando mais uma dose de vodka, e sentindo a ardência em minha garganta. Para algumas pessoas, essa é uma das piores sensações que existe...Já pra mim, é algo ótimo.

– Já que não vamos, ainda bem, brincar de carnificina, o que vamos fazer? - Ashley questionou, com seu tom animadinho de sempre, bebendo um pouco de Wiskey, e pela sua expressão, ela já estava perto do fim de sua resistência ao álcool.

– Que tal verdade e desafio? - sugeriu Belly, ingerindo dois comprimidos de metanfetamina.

– Com três pessoas?

– Exatamente...- dei mais uma tragada no cigarro que fumava - Três pessoas, desafios interessantes, e perguntas picantes...Só isso já consegue ser muito mais divertido do que um simples jogo de verdade ou desafio normal.

– Ótimo, mas...Com que garrafa vamos fazer isso? - Ashley insistiu em perguntar, e no fundo de seu olhar, eu pude ver um pouco de medo de brincar de verdade ou desafio de uma forma um pouco mais séria.

– Eu poderia beber toda a vodka agora mesmo, se eu quisesse, para usarmos essa garrafa, mas quem disse que precisamos de uma? - questionei, sorrindo maliciosamente e girando o meu canivete no chão - A pessoa que for indicada pela lâmina será a que responderá a pergunta, ou realizará o desafio, ok? - exatos três segundos depois de eu terminar de falar, o canivete parou de girar, com a lâmina apontada para Belly, e o cabo para mim.

– Ótimo, cabelo sangrento...Verdade, ou desafio?

– Verdade. - ela respondeu, sorridente.

– Ok...É verdade que você transou primeiro com uma garota, antes de perder a virgindade de verdade, como as coisas devem ser? - Ashley parecia espantada com a minha pergunta, enquanto Belly, que eu tinha certeza já ser mais acostumada com esse tipo de coisa, agia naturalmente.

– Sim, total e completamente verdade. - ela esclareceu, mantendo o sorriso animador em sua face.

Girei mais uma vez a garrafa. Lâmina apontada para Ashley, e cabo para Belly. Por mais que a ruiva fosse um tanto mais sagaz, sabia que ela pegaria leve com Ashley.

– Verdade, ou desafio?

– Desafio. - a loira falou, tentando dar um tom imponente a sua voz, porém fracassando.

Ashley estava tentando dar uma de corajosa, ela sabia que de nós três ali, ela era a que menos estava estava acostumada com tudo isso. Mesmo assim, a resposta "desafio", não era lá a coisa mais sensata para se dizer no lugar dela...

– Eu te desafio a beber dois copos de vodka direto, sem parar para respirar.

– E se eu não aceitar o desafio? - a loira perguntou, com a voz um tanto temerosa, já recuando.

– Aí...Você vai ter que tirar uma peça de roupa, querida Ash.

– O que? - Ashley quase teve um ataque.

– São as regras do jogo...Ou você aceita o desafio e o realiza, ou tira uma peça de roupa. Estamos entre garotas aqui, Ashley, não precisa se preocupar. Eu já fiquei nua em um jogo de verdade ou desafio dessa forma, onde a maioria dos jogadores eram homens, então, você não tem nada à perder tirando o seu casaco. - a loira olhou para a própria roupa, parecendo envergonhada de negar algo do tipo.

– E então, Ashley? O que vai ser? - Belly perguntou, parecendo estar entediada. Como uma ação imediata, a loira tirou o casaco, deixando-o ao seu lado.

Encarei a loira, que estava timidamente envergonhada por não ter aceitado o desafio, mesmo que todos ali soubessem que havia sido uma ação sensata, já que ela mal aguentaria um copo de vodka, quanto mais dois.

Girei o canivete, a lâmina parou apontada para mim, e o cabo para Belly.

– Ok. Verdade ou desafio, Ali? - a ruiva não parecia mais estar com medo, muito pelo contrário, parecia estar se divertindo bastante. Sabia que, em partes, isso era por causa do efeito da droga, mas mesmo assim, resolvi apostar na hipótese de que ela estaria se divertindo assim, mesmo se não estivesse drogada.

– Desafio, obviamente... - respondi, maliciosa.

– Eu te desafio a beijar a Ashley. Não um selinho, mas um beijo de língua, cinematográfico.

– Uh-uh, jogando alto! Desafio aceito. Eu não ficaria surpresa nem que você me pedisse para transar com o primeiro mendigo que eu visse pela frente. - indaguei, encarando a loira, que parecia um pouco assustada com a proposta de desafio da ruiva.

– Que história é essa de transar com mendigo, Ali? - Belly perguntou, tentando segurar a risada, porém sem muito sucesso.

– Por que você acha que eu disse que eu já fiquei nua jogando verdade ou desafio? - questionei, sorrindo maliciosamente e olhando para a Ashley - Eu não mordo, ok, Ash? E não é como se fosse a primeira vez que estamos nos beijando... - cheguei mais perto dela, passando uma das minhas mãos por trás de sua nuca, e beijando-a. No começo, a loira resistiu, tentando me empurrar para longe, mas logo aceitou que eu não desistiria facilmente, começando a aproveitar o beijo.

Um beijo lésbico não é como qualquer outro, e nunca vai ser, principalmente quando você está beijando alguém simplesmente por um desafio. No começo, o beijo foi um tanto chocante e elétrico, logo se mutando para algo delicioso, quente e sexy. Nossas línguas se tocavam, fazendo uma onda de calor tomar conta do meu corpo, em um ato de sensualidade. Por mais que o beijo tivesse sido ótimo, eu tinha certeza que ele ficaria muito mais registrado na memória da loira, do que na minha.

– Ok, chega, vocês já estão à quase um minuto se beijando! E eu sou a lésbica aqui, esqueceram? - a ruiva indagou, nos separando rapidamente.

– O que foi, cabelo sangrento? Ficou com ciúmes? Não se preocupe, você pode ganhar um beijo também... - me aproximei da ruiva, dando um selinho nela, que acabou se transformando em um beijo de verdade. Em um ato de desequilíbrio mútuo, causado pela risada que tentávamos segurar no meio do beijo, Belly acabou caindo em cima de mim, fazendo aquilo parecer um tanto estranho.

– Ok, já deu...Eu disse que iria te beijar, não que transaria com você, ruiva. - exclamei, com um sorriso sincero no rosto, começando a gargalhar, e fazendo Belly levantar e se recompor novamente.

Depois de nós três já estarmos bem recuperadas daquele momento totalmente lésbico girei o canivete. Lâmina apontada para Ashley, e o cabo para mim.

– Verdade ou desafio, Ash?

– Verdade. - a loira respondeu, bem decidida. No fundo, eu sabia que ela já mais responderia desafio jogando comigo, até mesmo porque ela estava perfeitamente ciente de que eu não facilitaria as coisas.

– É verdade que você ainda é virgem?

– Posso não responder essa pergunta?

– Não. Até mesmo porque com isso, você acabou de confessar que ainda é pura, querida. - disse, maliciosa, fazendo Belly cair na gargalhada. Ashley parecia estar um tanto desconfortável.

– Ok, ok, cabelo sangrento...Vamos parar de debochar da nossa querida loira ainda pura aqui. O jogo ainda não acabou e eu estou me divertindo muito. - indaguei, encarando Belly com um olhar frio. Girei novamente o canivete, que parou com a lâmina apontada para mim e o cabo na direção de Ashley. Dei um sorriso malicioso, tentando imaginar o que a loira diria. Pelo seu olhar, pude perceber que estava com um pouco de medo da minha reação, resolvi tranquilizá-la, tirando toda a psicopatia de meu sorriso e dando uma piscada para ela.

– Vamos, Ashley, não temos o milênio todo e eu escolho desafio.

– Ahn, ok. Hum.... - a loira direcionava seu olhar para várias partes do quarto, hora para o chão, hora para o teto, me observando de forma discreta com o canto dos olhos. Ela sem dúvidas estava pensando bastante antes de dizer qualquer coisa, e qualquer um poderia sentir que o medo era a única coisa que tomava conta de seu ser naquele instante. - Eu desafio você a ficar sem fumar por sete dias seguidos.

Revezei meu olhar entre a loira e a cartela de cigarros ao meu lado. Minha expressão não demonstrava nenhum tipo de sentimento, eu simplesmente estava um tanto indiferente quanto a aquela proposta de desafio. Aceitar ou recusar? Por um momento eu pensei que aceitar seria o que eu deveria fazer, o que ela pensaria se eu não aceitasse um desafio tão....Inocente dessa forma? Revirei os olhos com a minha própria ignorância. Não seria tão fácil assim abrir mão de algo tão prazeroso, e por mais que eu não aceitasse, eu ainda continuaria sendo a pessoa de quem a Ashley mais tem medo. As vezes eu esqueço do quão ameaçadora eu posso parecer; principalmente depois da grande revelação de minha identidade quanto o assassino x. Crimes são as coisas mais normais do mundo quando você se habitua a eles e percebe que os faz com maestria. Não importa o quanto as pessoas te abominem por isso, você sempre vai achar que é algo tão natural quanto respirar, principalmente se você se sente maravilhosamente bem realizando algo do tipo.

– Definitivamente não. - indaguei, com a mesma confiança e certeza com que diria que o coelhinho da Páscoa não existe. Coloquei as mãos na barra de minha blusa e tirei-a, jogando-a de lado e deixando a mostra meu sutiã preto e rendado.

– Eu sabia que você não aceitaria... - a ruiva exclamou, com um olhar quase desafiador, que no fundo demonstrava um pequeno traço de medo que havia sido completamente ignorado.

– Você aceitaria se alguém te desafiasse a ficar sem respirar pelos próximos sete dias? - resolvi encarar aquele olhar na brincadeira, o que fez a ruiva sorrir.

– Isso foi um desafio? - o tom que ela usava apresentava um falso ar ofendido, com um fundo de coragem e imponência.

– Por favor, eu tenho maneiras mais eficientes de matá-la se quisesse fazê-lo...- falei, fazendo-a dar uma risada fraca, porém sincera.

– Posso? - Belly questionou, colocando uma de suas mãos sobre o cabo de meu canivete.

– É claro...


Ela girou o canivete, fazendo todas nós ficarmos em silêncio, esperando-o finalmente ficar imóvel. Lâmina apontada para a Belly e cabo para a Ashley.

– Verdade ou desafio, ruiva? - a loira perguntou, quase instantaneamente. Belly não respondeu, parecia ocupada de mais viajando em meio aos seus pensamentos e fitando meus seios.

– Ashley, se ela escolher desafio, por favor, não se atreva a desafiá-la a transar comigo, porque desse jeito, eu estou começando a achar seriamente que ela aceitaria. - indaguei, fazendo a loira rir e a ruiva despertar de seu transe temporário, ficando bastante envergonhada. Com isso que digo que não seria exagero se eu dissesse que seu rosto ficou da mesma cor que seus cabelos.

– Desculpem...Eu, eu estava... - ela não conseguiu completar a frase.

– É, a gente já entendeu, Belly... - Ashley disse vagamente.

– Ok, ahn...Eu escolho desafio.

– Eu desafio você a... - o telefone da ruiva tocou, interrompendo o que Ashley iria dizer. Ela tateou o telefone de forma apressada, olhando a tela e demonstrando um olhar um tanto nervoso.

– Desculpa, gente...Mas, eu realmente preciso atender.

– Ok, vai lá... - falei, sem nenhum tipo de empolgação na voz. A ruiva saiu, me deixando à sós com Ashley.

– Por que você tocou naquele assunto, Ali? - ela perguntou, me fazendo pensar a que diabos ela estava se referindo.

– Perdão...?

– Por que você tocou naquele dia em que nos beijamos, à anos atrás?




Notas finais do capítulo

Reviews ou eu terei que deixar o fim de semana de vocês um pouquinho mais sangrento? A escolha é de vocês!
Lady Suicide ♥