The Girl Of Cutting escrita por Fafa Moraes


Capítulo 53
2 - Just Business...


Notas iniciais do capítulo

Olá, mortos-vivos! Eu sei que eu demorei, é a porra da escola, por isso eu vou postar em uma frequência menor, mas, a partir do próximo capítulo vou tentar fazer capítulos maiores...
Boa Leitura!
Link do blog oficial: http://thegirlofcutting.blogspot.com




Ficar naquele quarto já estava me fazendo entrar em pânico, esse lugar todo me deixa em pânico...Felizmente, a minha querida, doce, inocente e totalmente azarada enfermeira me tirou do quarto e me mostrou todo o inferno. O lugar no geral, é bem grande...Os quartos, o refeitório, o lugar onde os pirados fazem seus tratamentos, blablablá e a área externa com um enorme gramado, vários bancos, natureza...Que me dá nojo e raiva, eu poderia sujar todo aquele verde com vermelho-sange, na verdade eu adoraria poder sujar todo aquele verde com vermelho-sangue, vermelho é muito melhor que verde, quanto mais quando essa mudancinha de cores é feita de uma forma bem brutal, e, pra mim fofa...

– Esse lugar é bem grande... - Eu disse, fria e meio pensativa, eu adoro ser misteriosa, é uma ótima opção quando você não pode ser perversa e macabra -

– Eu também fiquei impressionada quando estive aqui pela primeira vez, mas, logo você se acostuma, e no final é bem divertido... - Divertido? Aonde ela queria chegar com o ''divertido?" -

– Divertido? Pra você. Deve ser extremamente divrtido pra você ver um bando de loucos fazendo coisas estranhas e batendo a cabeça na parede, engraçado, talvez...Mas, ficar trancada aqui não é nem um pouco. E não comece com um discurso de duas horas sobre como-eu-preciso-disso-aqui ou algo parecido, porque, caso ainda não tenha percebido eu consigo sem dificuldade alguma ser uma pessoa totalmente normal, mas, eu não gosto de ser uma. - fui tão fria quanto antes, eu tinha que experimentar vários personagens até decidir um para que eu pudesse sair daqui, embora eu ache que me fingir de boazinha vai ser o melhor á fazer em um caso desses, e, isso é algo em que eu tenho prática a muuuito tempo -

– Alicia, eu não escolho essas coisas. - Marta não sabia muito bem o que falar, parecia meio amedrontada novamente, mas, eu não iria machucá-la, infelizmente fingir ser boazinha aqui quer dizer em todos os sentidos... -

– Eu sei. - suspirei - Posso tirar uma dúvida?

– Claro.

– A cozinha fica aberta á todos ou é apenas para os funcionários?

– Não, apenas os funcionários que tem a chave podem entrar lá mas, porque você quer entrar na... - Marta parou de falar, entendendo meu desejo pela cozinha: facas. - Alicia!

– O que foi?! Eu tinha que perguntar! Entra lá e pega uma faca pra mim?! - fiz uma cara de fofa, nem ao menos eu sabia onde estava querendo chegar com isso, apenas fui testando as opções -

– Alicia!

– Ok, ok, eu paro.

– Bom, hoje você pode fazer o que quiser...Todos tem que ir para seus quartos ás 22:00, então já está avisada, eu passo no seu quarto amanhã de manhã, ok? - Assenti, dizendo que sim...Uhu um longo dia fazendo o que eu quiser...Dentro de uma clínica psiquiátrica, sem cigarros, bebidas, drogas, ou qualquer coisa cortante...Quaaantas opções divertidas...É, a enfermeira apenas não contava com os meus dedinhos leves...É o seguinte, eu roubei o lindo celular do Taylor enquanto o filho da puta me apresentava para a Marta, genial, não acham?! Meu cafetão me ensinou direitinho...Assim como eu o ensinei a matar.

Assim que Marta se afastou o suficiente eu tirei o celular do bolso, sentei em um dos bancos espalhados pelo gramado e mandei uma mensagem para a Belly:

"Ruiva! Como vai?! Se divertindo muito sem mim?! Que feeio...Alguém mais conseguiu sair do incêndio nada acidental?"

Logo a Belly respondeu, com nem dois minutos de demora

"Alicia?! Eu pensei que você estivesse, sei lá, confinada em uma cela para o resto da vida...E, só duas pessoas escaparam e uma está no hospital, realmente um grande final..."

"Apenas em uma clínica psiquiátrica, Belly, apenas isso...O chefe do FBI acha que eu e o Mike temos solução hahahah, tanta solução que eu roubei o celular dele na primeira oportunidade...e a Ashley?"

"Não esperava nada diferente de você, Ali, não esperava meesmo...A Ashley está bem, mas, tãao entediada quanto eu, as coisas são muito chatas sem você por aqui..."

Ah, Belly...Com certeza devem ser dias bem entediantes para os amantes de assassinatos, crimes e morte...Infelizmente a minoria da população mundial... - eu pensei, mas, não respondi isso -

"Imagino, ruiva, imagino...Mas, espere um pouco, já já eu e o Mike estaremos de volta, você não perde por esperar, Belly...Eu sempre tenho um truque na manga, aqui não vai ser algo muito diferente...Eu já sei praticamente tudo o que devo fazer, eu só preciso de algumas semanas a mais e de uma pequena oportunidade..."

"Alicia Montgomery, o que está tramando agora?!"

"Espere e verá, Belly, espere e verá..."

– Ei, onde você arrumou esse celular?! - É definitivamente impressionante como a minha felicidade insiste em durar pouco, porque tem sempre um idiota que acha que pode simplesmente mandar em mim ou querer fazer tudo o que eu faço?

– Em algum lugar. - Fui fria, me virando pra ver quem era. Um paciente, com certeza. Cabelos ruivo-claros, olhos castanhos, bem alto...Um belo garoto, se não fosse totalmente pirado. -

– Você é a Alicia, não é? A garota nova...Psicopata? - o garoto sentou do meu lado -

– Não me surpreendo que você saiba quem eu sou, todos sabem agora. E, pra sua informação, eu roubei esse celular.

– Eu imaginava...A propósito, meu nome é Igor.

– Hmm...Vai continuar me perturbando?

– Ei, calma, Alicia...

– Calma é tudo que eu não tenho, fala logo, o que quer comigo?

– Nada, nada de mais... - Igor se calou, mas, infelizmente não saiu do meu lado, o que as pessoas vêem de interessante em me perturbar? Brincar com a morte é algo tão tentador assim? É o que me parece pelo modo como as pessoas me tratam as vezes...- Como é?

– Como é o que?

– Matar...

– Como você sabe o que eu fiz?

– Ah, Alicia, qual é, qualquer pessoa com o mínimo de contato com o mundo sabe o que você fez...

– E desde quando uma pessoa que fica trancada 24 horas por dia tem algum tipo de ''contato'' com o mundo?

– Desde que eu comecei a gostar de espiar e de me esconder.

– Explique.

– Você é sempre tão fria?

– O metidinho a sabe tudo não sabe a resposta? Uma pena, vai ficar sem saber.

– Me testando pra ver até onde eu consigo levar essa conversa fria com você?

– Talvez, mas, acho que tinha te mandado explicar algo...

– Eu passei metade da minha vida aqui trancado nesse lugar idiota, sem nenhum tipo de diversão...Mas, eu sei bastante coisa sobre esse lugar...Sei onde tem TVs, computadores...E quando não tem ninguém por perto eu gosto de usá-los, mas, se soubessem eu passaria o resto da minha vida em um hospício com uma camisa de força.

– O que tem de mais em ver TV?

– Nada, a não ser quando você é o pior caso daqui e só continua nesse lugar porque a sua mãe trabalha aqui e não quer te trancar em um manicômio.

– Você não me parece alguém ''digno'' de ser o pior caso daqui...

– Eu sei, ninguém diz isso enquanto eu estou com a mente sã...Mas, quando eu começo a ter alucinações...

– Agora eu entendi...

– Minhas restrições aqui são bem maiores do que as de qualquer um porque eu me recuso a me socializar e porque eu joguei um copo em uma enfermeira....

– Um copo?!! Só um copo?!! Porque não jogou logo uma bomba?! - fui meio histérica, fazendo-o rir, mas, meu olhar permanecia frio -

– Eu estava tendo uma alucinação, o barulho era horrivel e eu estava sendo imaginativamente torturado, o que eu poderia fazer?! Jogar um copo na alucinação era o mínimo....A pobre coitada da enfermeira é que ficou no lugar onde a porra da alucinação estava!

– Concordo totalmente, e, também tenho uma proposta a te fazer... - sorri maliciosa...O lado maléfico do meu cérebro não consegue ficar muito tempo sem pensar, o que posso fazer? É como psicopatas são...

– Proposta, é?

– Você tem restrições aqui, certo?

– Sim...A que eu mais odeio é só poder sair do meu quarto duas vezes por semana...

– Duas vezes?! Eu já teria me suicidado...Mas, isso não vem ao caso, mas, se você topar eu posso fazer essas restrições diminuírem, facilitando também a minha saída desse inferno...

– E como você pretende fazer isso?

– Como eu faço a maioria das coisas durante o dia...Atuando. Você mesmo disse que não se socializa com ninguém, por isso todos tem medo de você, e por isso tantas restrições, você está falando comigo agora, só precisamos que alguma enfermeira ou qualquer funcionário idiota veja isso. Você falando comigo se torna mais sociável, menos restrições...Eu falando com você me torno uma pessoa mais bondosa, gentil e blablablá, mais rápido e fácil de sair desse inferno, eu posso te ajudar...E te ajudar a me ajudar...Que tal?

– Você tá me assustando...

– Oi?

– Você teve uma idéia brilhante em menos de 10 segundos isso me assusta....

– Que seja... - revirei os olhos - Topa ou não a minha proposta?

– Sim.

– Ótimo, mas, nem pense em brincadeirinhas contra mim ou algo do tipo, você sabe o que eu já fiz, então sem dúvidas sabe o que acontece com quem tenta brincar comigo, e eu não pensaria duas vezes em fazer algo do tipo com você ou com qualquer um, estamos entendidos? - ele fez que sim com a cabeça - Perfeito!



Notas finais do capítulo

Reviews ou Cortes?! Pois é, a Alicia está voltando a ativa, mas, eu nunca sai do mundo dos assassinatos..
♥ Lady Suicide ♥